Por Júlia Garcia 

O fim de semana em Belo Horizonte está repleto de eventos para todos os gostos. Confira hoje a agenda que o Contramão separou para você curtir o final de semana.

Sexta

A partir de hoje, o Expominas vai se transformar em um pedacinho do Japão. Nesta sexta-feira, acontece a 11ª edição do Festival do Japão em Minas. O festival tem o objetivo de preservar, divulgar e fomentar a tradição japonesa, além de promover o encontro entre as culturas nipônica e mineira. O evento contará com várias apresentações, oficinas, exposições, concursos, campeonatos e muito mais. O Festival acontece hoje, sábado e domingo. Hoje, ele começa às 14h e vai até 22h! Para garantir seu ingresso, basta acessar o Goofree.

Sábado

E neste sábado, a capital mineira recebe o cantor Jão. Após o lançamento de seu novo album, “Super”, o artista anunciou uma turnê que percorrerá diversos palcos brasileiros neste ano. Na turnê, o cantor explora os quatro elementos – água, ar, terra e fogo – representados por seus quatro discos anteriores: “Pirata”, “Anti-Herói”, “Lobos” e o mais recente, “Super”. O show acontece na esplanada no Mineirão, a partir das 21h. Os ingressos estão disponíveis no Eventim.

Domingo

E no domingo, a combinação entre o teatro, o rádio e a internet chega aos palcos em dose tripla. O “3x Comédia”, com Anderson Profeta, Kayete e Thiago Comédia, promete te fazer cair na gargalhada. O espetáculo faz parte da 49° Campanha de Popularização do Teatro e da Dança. O evento acontece no Cine Theatro Brasil Vallourec, a partir das 19h. Para garantir seu ingresso, basta acessar o Eventim.

0 72

‘Quando você se foi chorei, chorei, chorei…’ assim ficaram os fãs de Natiruts quando foi anunciado o fim da banda pegando todos de surpresa

Por Gustavo Meira

Integrantes da banda Natiruts, capa CD Índigo Cristal. Foto: reprodução.

Na última segunda-feira (26), o vocalista do Natiruts, Alexandre Carlo anunciou em uma coletiva de imprensa que este ano será o último do grupo. Depois de 28 anos de carreira, ela é a maior banda de reggae do Brasil. Uma turnê de despedida também foi anunciada.

‘’Foi uma coisa muito honesta comigo. Decidi seguir meu caminho, e a banda conversou sobre isso. Saber encerrar algo em um momento em que você está bem é importante. A trajetória que percorremos até aqui é o que nos possibilita isso. Existe uma ideia de missão cumprida e a vontade de viver a experiência da despedida próximos do nosso público.’’, disse o vocalista do Natiruts.

 

Surgimento da banda

A banda surgiu em Brasília em meados dos anos 90 e levou a força do reggae do Planalto Central para todo o país. Em quase 30 anos de carreira, Natiruts coleciona 11 álbuns, 139 músicas, mais de 1.500 shows realizados e 2,5 bilhões de streams nas plataformas digitais. Foi o primeiro nome brasileiro a aparecer nos telões da Times Square, em Nova York, dominou as paradas em Portugal e outros países, tendo ficado em terceiro lugar na lista dos artistas brasileiros mais ouvidos no mundo. 

‘Sorri, Sou Rei’, ‘Quero Ser Feliz Também’, ‘Andei Só’, ‘Natiruts Reggae Power’, ‘Você Me Encantou Demais’ são os maiores sucessos da banda.

Alexandre Carlo, vocalista da banda Natiruts em um show no Morro da Urca, RJ. Foto: SAND.

 

Turnê de despedida

“Leve Com Você” é o nome de uma canção lançada pela banda em 2002, e foi escolhida para dar nome à turnê por traduzir a energia proposta pelos integrantes. A tour contará com 20 shows pelo Brasil. Os ingressos começaram a ser vendidos nesta terça-feira (27). 

A estrutura que está sendo preparada será responsável por amplificar o good vibration característico dos shows da banda, fazendo com que o público leve novas lembranças e experiências para a vida. Músicas mais antigas, lados b e os super hits estarão contemplados nas apresentações, assim como alguns elementos surpresa. 

“Mais do que um show, vamos fazer uma celebração para que as pessoas saiam dali com a sensação de restauro. Esse é o poder do Natiruts.”, disse o vocalista Alexandre Carlo.

Foto: divulgação.

8 de Junho – Brasília – Arena BRB Mané Garrincha››

15 de Junho – Rio de Janeiro – Jockey Club

22 de Junho – Juiz de Fora – Estacionamento Estádio Municipal

6 de Julho – Fortaleza – Iguatemi Hall

13 de Julho – Natal – Arena das Dunas

20 de Julho – João Pessoa – Domus Hall

27 de Julho – Recife – Classic Hall

3 de Agosto – Porto Alegre – Estádio Passo D’Areia

11 de Agosto – Florianópolis – Arena Opus

24 de Agosto – Belo Horizonte – Arena da Independência

31 de Agosto – São Paulo – Allianz Parque

7 de Setembro – Salvador – Arena Fonte Nova

21 de Setembro – Aracaju – Centro de Convenções AM Malls Sergipe

28 de Setembro – Teresina – Arena Praia de Verão Teresina Shopping

12 de Outubro – Ribeirão Preto – Estádio Comercial

19 de Outubro – Manaus – Studio 5 (Mais informações no site do artista)

2 de Novembro – Curitiba – Pedreira Paulo Leminski

7 de Dezembro – Belém – Espaço Náutico Marine Club

‘Leve com Você’ em Belo Horizonte

O show da turnê acontece no dia 24 de agosto, às 21h no Estádio Independência (R. Pitangui, 3230 – Horto, BH). Os ingressos estão sendo vendidos na loja Eventim, no Shopping 5ª Avenida (R. Alagoas, 1314 – Savassi, BH) 

Setores e preços

Pista/arquibancada: R$ 85,00 (meia) | R$ 102,00 (social) | R$ 170,00 (inteira)
Pista premium: R$ 170,00 (meia) | R$ 204,00 (social) | R$ 340,00 (inteira)
Limite de Ingressos: 6 | Limite de Meia: 2
Parcelamento em 10x com juros no site | Não teremos parcelamento na bilheteria.
Ingresso Social: valor reduzido, com a doação de 1kg de alimento não perecível, disponível para qualquer pessoa.

 

Por Júlia Garcia 

O fim de semana em Belo Horizonte está repleto de eventos para todos os gostos. Confira hoje a agenda que o Contramão separou para você curtir o final de semana.

Sexta

A Semana do Cinema está de volta após três edições, e essa edição começou ontem e vai até o dia 28 de fevereiro.  Todos os cinemas do Brasil estarão com ingressos para sessões de filmes 2D a R$12. O intuito é incentivar as pessoas a irem ao cinema. Além dos ingressos com preço único promocional, os combos com pipoca e refrigerante também terão valores diferenciados. E hoje, você pode aproveitar para assistir algum dos filmes que estão em cartaz.

Sábado

E neste sábado, a região metropolitana de BH recebe os cantores Veigh e Hungria. Prepare-se para uma explosão de beats na casa das estrelas da música. Os artistas comandarão a festa e prometem animar o público com grandes sucessos das suas carreiras. O evento acontece na casa de shows Star 415, a partir das 18h. Os ingressos podem ser garantidos através do ticket work.

Domingo

E no domingo, você poderá aproveitar as exposições de artesanato e variedades na Feira Hippie. A feira acontece aos domingos na Av. Afonso Pena, de 7h às 14h. Na feira tem itens de decoração, calçados, acessórios, enxoval para bebês, brinquedos, instrumentos musicais, pinturas, esculturas e muito mais. E além disso, se sentir fome, na feira tem muita comida gostosa, sucos, refrigerantes e cervejas. A Feira Hippie de Belo Horizonte funciona aos domingos, das 7 às 14 horas, no centro de BH.

Por Edilane Carvalho

A maior dificuldade nutricional que um universitário que vem do interior estudar na cidade pode enfrentar em relação à alimentação está geralmente relacionada à mudança de ambiente e à transição para um novo estilo de vida.

Com a disponibilidade de alimentos, muitos universitários do interior podem estar habituados a uma dieta baseada em alimentos frescos e locais, que podem não estar disponíveis gratuitamente na cidade. Isso pode levar a uma diminuição na qualidade nutricional de suas refeições.

As restrições orçamentárias podem levar a uma diminuição da qualidade da alimentação, já que os produtos alimentícios mais saudáveis – frescos e orgânicos – podem ser mais caros nas metrópoles.. A necessidade de equilibrar custo e qualidade nutricional pode ser um desafio, levando a escolhas alimentares menos saudáveis.

A vida universitária muitas vezes é agitada também. Aulas, trabalhos, estudos e atividades extracurriculares, tudo junto leva a falta de tempo e pode levar os estudantes a optarem por refeições rápidas e processadas em detrimento de opções mais saudáveis.

Por ter o conhecimento nutricional limitado sobre nutrição, alguns estudantes – do interior ou não – podem não saber o preparo de refeições saudáveis. A falta de habilidades culinárias e de informação nutricional pode dificultar a tomada de decisões alimentares adequadas.

Outro ponto de cuidado é a pressão dos colegas e o ambiente social, que podem influenciar as escolhas alimentares dos universitários. Festas, lanches rápidos e refeições fora de casa podem ser tentadores, mas nem sempre são saudáveis.Muitos estudantes que se mudam para a cidade, por exemplo, podem vir a morar em dormitórios ou apartamentos compartilhados com cozinhas limitadas, ou sem acesso a elas, o que pode dificultar o preparo de refeições domésticas.

Superando as dificuldades nutricionais

Para superar essas dificuldades, os universitários do interior podem se beneficiar de planejamento e educação nutricional, como aprender a cozinhar refeições saudáveis, fazer compras econômicas e conscientes e aproveitar os recursos disponíveis, como refeitórios da universidade, grupos de alimentação saudável e programas de orientação nutricional . Além disso, é importante lembrar que equilibrar uma dieta saudável com a vida universitária é possível com o tempo e o esforço adequado.

nutricionista Shellen Pollyanna
Nutricionista Shellen Pollyanna ( acervo pessoal )

Para tirar algumas dúvidas referente às questões nutricionais na vida do universitário, conversamos com a nutricionista Shellen Pollyanna, Pós graduada em nutrição aplicada à estética e Pós graduada em clínica e hospitalar na faculdade Santa Casa sobre o tema.

Quais são os principais obstáculos que os universitários do interior enfrentam ao tentar manter uma alimentação saudável na cidade?
Acho que a principal dificuldade é a falta de tempo em preparar os lanches e demais refeições.

Como a falta de acesso a alimentos frescos e saudáveis ​​na cidade pode afetar a dieta dos universitários que vêm do interior?
Discordo, pois o acesso a alimentos frescos e saudáveis muitas vezes está nas cantinas das faculdades. Só precisa de um olhar mais crítico do estudante.

Quais são as opções de refeições disponíveis no campus da universidade e nos arredores?
Tem na maioria das faculdades saladas de frutas disponíveis para estudantes. Nos arredores, muitas vezes, tem espetinhos de carne. Outras vezes refeições completas. Muitas faculdades têm food trucks com opções de macarrão.

Isso influenciou a escolha alimentar dos estudantes?
Não sei dizer. Mas fato é que, na maioria das vezes, é falta de conhecimento a respeito da alimentação ser saudável ou não.

Como a mudança de horários devido às aulas e atividades extracurriculares afeta os hábitos alimentares dos universitários?
Aí, sim, pode afetar, mas também pode ser adequada a realidade de cada um. Lembro que quando estava na faculdade, chegava em casa meia-noite e fazia ceia.

Falta de tempo para cozinhar em casa afeta a qualidade da alimentação dos estudantes? Quais alternativas eles têm para fazer refeições saudáveis ​​de forma conveniente?
Já citei os food trucks acima, que seria uma opção mais adequada do que alimentos muito processados. Além de fazer melhores opções.

Como os custos associados à alimentação na cidade afetam uma dieta equilibrada?
Os custos realmente são altos se não houver um planejamento. Mas se organizar, o custo pode ser muito baixo. Visto que uma alimentação saudável não precisa ser cara, com alimentos simples de sacolão.

A adaptação a uma nova cultura alimentar na cidade é um desafio para as faculdades do interior? Como isso pode influenciar suas escolhas alimentares?
As escolhas devem ser pautadas por conhecimento em educação nutricional. Deve-se conhecer os alimentos, saber o que é bom e diferenciar os objetivos. Não acho que o problema seja de lugar, interior, cidade, não seja também da oferta da faculdade. Acho que o problema é justamente a falta de educação nutricional que recebem desde a infância, passando pela educação nas escolas. Uma alimentação saudável é simples e funciona muito para suprir deficiências nutricionais de estudantes de todas as idades. Agora a escolha do estudante é que leva a demanda do mercado. E opções tem várias.

É importante destacar que a escolha entre uma alimentação saudável e não saudável não se limita apenas aos aspectos físicos da saúde, mas também afeta a saúde mental e a qualidade de vida. Uma dieta equilibrada pode aumentar a energia, melhorar o humor e reduzir o risco de depressão e ansiedade, enquanto uma dieta não saudável pode ter o efeito oposto.

Portanto, a conscientização sobre os benefícios de uma alimentação saudável e os riscos associados à alimentação não saudável desempenha um papel crucial na promoção da saúde e não está bem a longo prazo. Fazer escolhas alimentares sábias e equilibradas é um passo importante na direção de uma vida mais saudável e plena.

Em resumo, a escolha entre uma alimentação saudável e uma alimentação não saudável desempenha um papel crucial em nossa saúde e bem-estar. Optar por uma alimentação equilibrada e rica em nutrientes é fundamental para manter um estilo de vida saudável e prevenir uma série de problemas de saúde.

0 348

Por Júlia Garcia

O fim de semana em Belo Horizonte está repleto de eventos para todos os gostos. Confira hoje a agenda que o Contramão separou para você curtir o final de semana.

Para você que curte o carnaval fechado, o Carnaval do Mirante e o We Love Carnaval se reuniram para realizar esse grande encontro dos gigantes de beagá no “Carnaval dos Sonhos”.

De hoje, até o dia 13 de fevereiro, a capital mineira vai receber diversos artistas que prometem alegrar mais ainda o carnaval. Se liga nas atrações:

Carnaval dos Sonhos

Hoje, sexta-feira, o evento recebe o Baile do Dennis e o cantor L7nnon.

No sábado, o show fica por conta de Ludmilla, Pedro Sampaio e Gustavo Mioto.

No domingo, quem comanda a festa é a dupla Jorge e Mateus e o cantor Saulo.

Segundou e quem se apresenta é Wesley Safadão, Sorriso Maroto e Kâshi (Kvsh).

E, no último dia, o palco é comandado por Ivete Sangalo e Tuca Fernandes.

Hoje, o evento começa às 19h. Nos demais dias, a partir das 16h. O Carnaval dos Sonhos acontece no Mirante Beagá. Os ingressos estão disponíveis através do site carnavaldossonhos.com.br

Blocos de rua

E para você que curte o carnaval aberto, com os blocos de rua, se prepare, pois tem várias opções, para todos os gostos.

Hoje, sexta-feira, você pode curtir o Bloco Viaduto Trance, a partir das 17h.

No sábado, bem cedinho, o Então Brilha abre o carnaval, a partir das 5h. 

E ainda no sábado, a partir das 9h, você pode acompanhar o Quando Come Se Lambuza.

No domingo, a partir das 7h, você pode curtir o bloco Abalô-Caxi. E ainda no domingo, às 9h, acontece o Beiço do Wando.

Na segunda, o Baianas Ozadas inicia o dia  a partir das 8h. Às 9h da manhã você pode acompanhar o Corte Devassa.

E na terça-feira, último dia, 8h da manhã acontece o Juventude Bronzeada. E as 10h da manhã, você pode curtir o bloco Funk You.

Serão mais de 500 blocos, para todos os gostos. Para conferir a programação, basta acessar Portal Belo Horizonte

Beba bastante água, se lembre que não é não, use proteção e não se esqueça do brilho!

0 458

Por Ana Clara Souza

A minha relação com o meu corpo físico sempre foi muitas coisas. É difícil resumir 24 anos de uma relação tóxica em uma só palavra além de ‘tóxica’, mas, é tudo, menos confortável. 

Sempre ouvi dizer que temos que sair do conforto e experimentar coisas novas. Neste caso, o incansável desconforto poderia dar uma trégua, afinal, a calmaria cairia muito bem em nossa relação. 

É Carnaval. A Prefeitura de Belo Horizonte anunciou o melhor e maior de todos os Carnavais. Os jornais e sites de entretenimento lotam as páginas digitais e físicas de  inúmeras matérias, notícias, dicas e reportagens sobre como aproveitar a festa, que é a cara do Brasil, da melhor forma. Depois de dois anos reclusa pela pandemia da COVID-19, eu e meu corpo não nos preparamos para estar na melhor forma para carnavalizar, mas nós iríamos todos os dias. Estávamos muitíssimos animados. Só não imaginávamos que uma parte de nós não éramos a favor de passar cinco dias na folia, minhas coxas. 

Vou chamá-las de ‘Furibundas’ – que é sinônimo de irritadas, e é um nome bem cômico, como nosso vínculo. 

Desde sempre, elas foram alvos de comentários e censuras. Acredito eu que elas queriam ser assim, normais do jeitinho que são, mas com o passar dos anos e os padrões que a mídia impõe, as Furibundas foram se sentindo diferentes do comum, mesmo sendo comum ter corpos diferentes. 

Elas não são muito fortes visualmente falando, mas acho que elas sustentam muitas coisas. Primeiro, elas abrigam o maior osso humano, o fêmur, e aguentam muitas críticas. As minhas, no caso, sempre foram muito criticadas.

Elas são grossas, lotadas de celulites, estrias e gostosuras. Há quem diga que elas são lindas e fartas, outros, que elas são exageradas, há quem deseja a ponto de tocá-las, há quem goste, há quem não goste… o fato é que, mesmo envergonhadas, elas iriam aparecer em todos os dias de carnaval. 

É 4h30 da manhã e elas se despertam de um sono de três horas. Mesmo exaustas, elas teriam que cumprir com o combinado de se esbaldar no famoso bloco belorizontino, ‘Então Brilha’. Só que nada brilhou. Inventei de decorá-las com uma fatídica meia-arrastão, o que não foi uma boa ideia, mas estava a caráter. Saímos.

Eram 6h da manhã e, até agora, eu e as furibundas se locomoviam de carro. Às 6h15, minhas coxas e as das minhas amigas resolvem começar o trajeto de mais ou menos dois quilômetros até o bloco, a pé. Não tinha dado nem 10min e comecei a perceber que a meia-arrastão não tinha sido uma boa ideia para o primeiro dia. Estressadas, as furibundas me pedem cuidado, como se fosse um cigarro para acalmar, e então, resolvi andar um pouco mais devagar. Fiquei dosando o que era confortável para as nervosinhas e tentei não ficar para trás, pois as coxas magras das minhas amigas estavam apressadas. 

Dá 12h, e as furibundas estão em um estado de estresse que fazia tempos que não presenciava. Escuras e vermelhas, lotadas de calombinhos pelo atrito e umas bolinhas como se fosse uma espinhazinha que incomoda, agora, elas pediam não só um cigarro, mas um maço. Eu ignorei. Como havia passado um grande período em casa, eu posterguei o ato que elas poderiam se irritar. Também esqueci que eram rancorosas. 

Peguei um bocado de hidratante de pele, afastei a meia e como tentativa de conciliação, “lambrequei” as coxas de hidratante. Ufa, elas fumaram e se acalmaram por cinco minutos! Se expressassem com palavras, eu imaginaria que estavam me xingando com todos os tipos de palavras ofensivas do mundo. Eram idênticas às viciadas em drogas. Passava mais hidratante e mesmo parada elas berravam com muito rancor por mais e mais.

Passei o resto do dia andando devagar e reclamando. Acho que aquele ditado “me diga com quem tu andas que direi quem tu és”, se fez jus. Eu estava estressada e sedenta para ir embora, assim como as coxas estavam por uma pomada de assadura.

No outro dia, eu não estava disposta a desistir do Carnaval de belô pelas minhas coxas. Super “compreendia”, acreditando que elas entenderiam que era apenas uma fase e que logo iria passar. Já que estavam estressadas, ardidas e com escoriações, o que seria mais quatro dias de Carnaval?

Elas não foram compreensivas. No terceiro dia eu cogitei o ato de não comparecer em nenhum bloquinho do quarto, tudo por conta das rancorosas furibundas.

Não tinha muito o que fazer. Eu, mais uma vez, teria de ser tóxica com elas. E fui. Já se passaram nove meses desde o Carnaval e eu continuo sendo. Imagine uma pessoa muito chata. Imagine ela te irritando. Agora, tente imaginar o porquê dela ser assim. 

Pode parecer sem sentido, mas nessa altura do campeonato você já deve perceber que somos moldados de acordo com os acontecimentos da vida. Quando proponho você a usar imaginação para ter empatia com o outro, é na tentativa de aproximar o que senti e o porquê eu mudei os meus pensamentos em relação às furibundas.

Elas nunca tiveram paz. Sempre foram alvo de sofrimento. Já se cobriram de calças extremamente apertadas, constantemente sofrem por atritos… E eu nunca parei de abusar da boa vontade delas. Hoje, entendo a irritação delas no Carnaval. 

Outro dia, resolvi sair da aula de dança e andar até minha casa com um short totalmente desconfortável para as furibundas, não bastava para mim a ocorrência de 3h usando-as de forma ferrenha, queria abusar. Resultado: tivemos uma briga. Dessa vez, a briga foi tão feia, que nem quando quis cuidar delas, tive retorno. Elas ardiam por tudo. Como ser graciosa assim?

Entendi que tinha sido rude. Na tentativa de ser mais compreensiva, estou tentando ser empática com elas. Até comprei um hidratante específico, agora, elas estão mansinhas.

Continuando, lá no Carnaval, no quinto e último dia, elas já nem tentavam dialogar comigo. Parecia que tinham entendido que estavam destinadas a sofrer. A questão nem era mais a comparação com outras coxas, elas queriam, apenas, aproveitar sem sofrimento. 

Infelizmente, não foi possível. Consternadas, coxas grandes parecem não poder ter divertimento e estilo sem dor. Mesmo na tentativa de confortá-las no último dia, a situação estava drástica. Com shorts maiores ou com shorts curtos, elas iriam mostrar que não estavam felizes com a situação que as coloquei. 

É legitimamente possível que em pleno século XXI, em 2023, não existam soluções válidas para acabar com a irritação das furibundas? Reduzir as coxas é a única alternativa?

O verbo reduzir é doloroso. Se reduzo as furibundas, tenho a impressão que sintetizo toda uma estrutura dos meus ancestrais, negros e latinos, que contam em seus corpos que somos lindos assim, com coxas fartas e fortes. Mas esse é o ponto. Não existem possibilidades para furibundas grossas, pois o capitalismo criou um mecanismo seletivo onde não quer que elas sejam aceitas, nem no carnaval e nem em outras épocas do ano. Isso reverbera de tantas formas dentro de mim que desconto nelas, minhas coxas. Elas são furibundas não é à toa, e eu compreendi.

Seguimos tendo uma relação desconfortável.

Já é Carnaval, cidade!