0 58

Por Alysson Costa Salgado

Ao falar de comunicação social nos deparamos com a divisão primária entre jornalismo, publicidade e propaganda e relações públicas. Dentro de cada uma dessas divisões encontramos diversas outras subdivisões que são extremamente vastas, afinal, a comunicação pode ser infinita.

Uma subdivisão que encontramos que por muitas vezes não é conhecida é a Pastoral da Comunicação ou Pascom. Em resumo, tratam-se de pastorais que são formadas para comunicar o que uma determinada paróquia, diocese ou arquidiocese necessita.

E para saber mais como funcionam as  Pascoms em BH, a equipe do Contramão conversou com um dos coordenadores da pastoral da comunicação da arquidiocese de Belo Horizonte, Davidson Avelino Damasceno.

Primeiramente Davidson, o que é uma Pascom?

É a pastoral da acolhida, da participação, das inter-relações humanas, da organização solidária e do planejamento democrático do uso dos recursos e instrumentos da comunicação.

A Pastoral da Comunicação foi criada para fazer uma ponte de comunicação. Muitas vezes temos alguns elementos dentro de uma paróquia  para fazer uma comunicação, mas as vezes é uma comunicação fria que não evangeliza e a Pascom vêm para realizar um trabalho pastoral com o intuito de fazer esse link de comunicação entre as paróquias,  pastorais e a sociedade.

Como é funciona a Pascom?

Começa na paróquia com um grupo de pessoas voluntárias que geralmente são acompanhadas pelo pároco e que estão ali dispostas a contribuir. Alguns voluntários são pessoas sem formação e outros são jornalistas ou publicitários, profissionais de marketing e professores de português, que têm esse contato com a paróquia e oferecem seu tempo e seu conhecimento. Dentro de uma Pascom você tem uma infinidade de trabalhos em prol da comunicação.

Quais são os trabalhos desenvolvidos?

Evangelizar através da comunicação. Por exemplo, existem paróquias que possuem mais afinidade de criar informativos, então você pode fazer informativos on-line, informativos físicos. Outras paróquias já tendem mais numa linha de trabalho totalmente on-line, outras já têm uma grande necessidade de formação, aí entra o intuito mesmo da Pascom: trabalhar com outras pastorais no sentido de formação, de falar de assuntos da igreja ou falar sobre assuntos de uma comunidade em geral. Como por exemplo, a saúde do paroquiano, o bem estar (principalmente em tempos de pandemia) como se cuidar no sentido de proteção. Então, isso tudo a Pascom pode desenvolver, pode fazer um trabalho juntamente com as demais pastorais, e com um público externo.

Se uma Pascom necessitar fazer um trabalho maior, vamos supor, precisar comunicar uma atividade para a imprensa, como é feito?

Todo trabalho da Pascom vai depender muito da realidade da paróquia e da diocese. Falando especificamente da nossa Arquidiocese de Belo Horizonte, o trabalho se dá através  das pessoas envolvidas nas paróquias, as quais identificam um assunto relevante, encaminham para a coordenação da Pascom arquidiocesana ou para a Pascom da própria região episcopal que têm esse link direto com a assessoria de comunicação da Arquidiocese. A assessoria de comunicação da Arquidiocese de Belo Horizonte possui vários contatos com a mídia secular e ela consegue viabilizar esse processo. Muitas vezes esse processo pode ser inverso, as próprias emissoras – aconteceu muito isso recentemente no Corpus Christi e na Semana Santa – precisam de matérias e elas procuram a assessoria de comunicação da Arquidiocese. A Assessoria, por sua vez, aciona os coordenadores da Pascom a nível arquidiocesano que ali vão buscar uma apuração para localizar algum assunto relevante que possa ser de interesse da mídia secular.

Dentro da arquidiocese, como funciona o processo de hierarquias na comunicação?

Nós entendemos essa hierarquia somente como processo de organização de fato. Porque essa comunicação, esse respeito tem que ser uniforme. Mas para efeito de organização, nós trabalhamos da seguinte forma: nós devemos obediência ao arcebispo, Dom Walmor e nos guiamos pelos meios oficiais de comunicação da arquidiocese, como a assessoria de comunicação, a TV Horizonte, a Rádio América. Na instância da Pascom, nós temos a Pascom Arquidiocesana, que trabalha junto com as cinco regiões episcopais (Nossa Senhora Aparecida, da Conceição, da Piedade, da Esperança, do Rosário) e cada região episcopal tem um representante.  Esse representante é responsável por articular,  promover, fazer todo o processo de evangelização e espiritualização junto com os agentes da Pascom nas paróquias. Para isso, ele atua de forma a conduzir os trabalhos nas Foranias, para que em cada Forania ele possa trabalhar de uma forma específica conforme a demanda. Então em resumo nós temos a Pascom arquidiocesana, Pascom regional com cada representante das regiões episcopais e esse representante da região episcopal por sua vez faz o trabalho de articulação junto com as Foranias, e nas Foranias cada paróquia têm um grupo de agentes da sua própria pastoral da comunicação.

 

O que mais você tem para contar para os que ainda não conhecem o que é uma Pascom e desejam se aprofundar para fazer parte de uma?

O trabalho de Pascom é um trabalho muito envolvente. Cada paróquia tem uma realidade. Aqui na Região Episcopal Nossa Senhora da Piedade somos 70 paróquias, cada paróquia tem um perfil totalmente diferente do outro e o que mais me chama a atenção é que algumas paróquias, têm mão de obra, têm agentes dispostos a trabalhar, mas as vezes a paróquia não valoriza essa disponibilidade do agente voluntário. Em contra partida, temos paróquias em que o padre precisa de voluntário e  cria uma estrutura, porém não consegue dar segmento, as pessoas não assumem essa missão. Dou-te como exemplo a Paróquia São Judas Tadeu de Nova Lima, onde se encontra o padre Leonardo Dias. Ele é formado em jornalismo e  está cativando, mas ele não consegue criar um grupo de Pascom por falta de pessoas para atuar. Então nós temos várias realidades, é um grande desafio.de compartilhar!

Se você se identifica com o trabalho da Pastoral da Comunicação, busque uma paróquia mais próxima de você e converse com o pároco. Muitas paróquias podem estar precisando de sua ajuda.

 

 

* A entrevista foi produzida sob a supervisão da jornalista Daniela Reis e do professor Maurício Guilherme Silva Jr.

0 68

Por: Ruan Rodrigues

Maria Odete Magalhães Pinto era minha vizinha de frente, uma senhora de 60 anos, que morava sozinha, e usava adesivos de nicotina. No entanto, ela não era apenas uma senhora fumante qualquer. Maria Odete era a personificação do cigarro. Magra como um graveto, pálida como um copo de leite desnatado, tinha um cheiro curioso de alho com Marlboro vermelho e naftalina. Sempre carregava um grande sorriso no rosto, que, de longe, era realmente fraternal, mas, ao chegar perto, víamos que sua valiosa prótese dentária dourada – sobre a qual tanto se gabava para as demais senhoras do bairro – não tinha quilate algum.

Em nossa família, ela tinha o carinhoso apelido de Maria Fumaça. Tia Mafu era como eu e meus irmãos a chamávamos. Uma vez, ela me deu carona ao voltar da escola. Tinha o carro mais chique do bairro, um Toyota Corolla 2006, automático. No frio ou no calor, o ar-condicionado sempre estava no máximo. Ela só abria o vidro em duas hipóteses: xingar outros motoristas de barbeiro, mesmo errada, em 90% das vezes, e fumar seu Marlboro vermelho. Naquele dia, contei sete cigarros, da escola até lá em casa. Hoje, sei que, desses sete, fumei, passivamente, ao menos seis. Talvez, esse seja o motivo de minha inaptidão em esportes, desde sempre.

Tia Odete era como ela adorava ser chamada. Suas roupas eram todas furadas pelas brasas dos cigarros. Seus beijos, quentes; suas mãos, frias como as de alguém que já morreu. Eu adorava ir a sua casa aos sábados, e ver a disposição dos cinzeiros em cima de cada móvel, em cada cômodo. Uma vez, ela me mostrou todo seu arsenal tabagista: cigarros mentolados, cigarrilhas Talvis, isqueiros Zippo cromados, e, até mesmo, as piteiras de sua época de menina moça. Me mostrou, também, uma foto em que jurava estar a cara da Audrey Hepburn, com seu colar de pérolas, em um vestido longo, cinza, quase preto, por trás da fumaça.

Minha mãe nunca me falou sobre não fumar. Eu sempre soube de seu ódio incondicional por cigarros, mas ela nunca me falou, abertamente: não fume! Quando eu tinha 12 anos, estava brincando de fumar na sala, mas só com gestos de tragar. Tia Mafu olhou para mim e perguntou: “Você quer fumar!? Pra ficar igual à Maria Fumaça, sem saúde, e morrer cedo???”. Claro, com toda a sabedoria que o medo traz, respondi que não, mas, no fundo, no fundo, eu sabia que queria.

Para minha mãe, a tia Odete era o próprio aviso de advertência que vem atrás do maço: “Não fume: esse produto causa câncer”. E, para mim, ela era incrível, como as propagandas de cigarro dos anos 1980.

Aos 15, sucumbi a esse desejo latente. Eu sempre achei tão elegante! A fumaça subindo, o cigarro queimando e um gosto quente em minha boca, um gosto horrível. Pensei que, talvez, não estivesse fumando o cigarro certo. Aguardei o sábado, e lá fui eu, à casa de tia Mafu. Esperei que ela fosse ao banheiro e, de seu maço já aberto, peguei dois cigarros, com a certeza de que jamais perceberia algo. Para mim, era fácil demais, como roubar doce de criança. Não sabia, porém, que essa criança era o próprio bebê fumante da Indonésia.

Quando tia Odete voltou do banheiro, pegou seu maço e, na hora, percebeu que faltava um de seus preciosos Marlboros. Perguntou se peguei e me fez devolver, no mesmo segundo. Entretanto, entreguei só um dos dois que tinha pego. Depois da lição de moral, voltei para casa, e esperei a madrugada. Com uma caixa de fósforo, risquei e traguei. Mesmo não sabendo tragar, me senti o Snoop Dog.

Com 18, me tornei o desgosto da família. Minha mãe, perplexa, não entendia como seu filho, criado a Danoninho, agora, fumava. Um dia depois de contar para minha família, fui até a casa de tia Odete, à espera de apoio dessa senhora de 72 anos, que fumou a vida toda. Ainda me lembro de suas palavras, claras como os fios brancos da raiz de seus cabelos. Ela me olhou nos olhos e disse: “Você tem certeza de que é isso que quer? Esse é um caminho sem volta!”.

Depois da conversa, ela me deu um presente. Um charuto, contrabandeado, na Itália, por seu falecido marido, expedicionário da FEB, ao lutar na 2ª Guerra Mundial. Fumamos. Nesse dia atípico, ouvi os sábios conselhos de uma velha que contribuiu mais para o efeito estufa que o próprio agronegócio.

 

*A crônica foi produzida sob a supervisão do professor Maurício Guilherme Silva Jr.

 

0 96

Conheça a Luna a nossa agência experimental de Publicidade 

Por Italo Charles

“Fábrica em sua definição significa estabelecimento industrial onde se transformam matérias-primas em produtos destinados ao consumo. Na nossa fábrica, transformamos espaços, projetos, ideias em ações e conteúdos para consumo e enriquecimento do nosso ambiente acadêmico. 

Trabalhamos e preparamos nossas equipes e nossos alunos para estarem prontos par o mercado. E não funcionamos separadamente. Aqui, cada área é importante para o funcionamento do todo. A criatividade, o saber, a responsabilidade, a empatia, o fazer a diferença são o combustível da nossa fábrica. 

Fábrica de ideias. 

Fábrica de sonhos. 

Fábrica de profissionais.”

Espaço de aprendizado e trocas, ambiente de experimentação e renovação, desta maneira se forma a Fábrica. Acima, apresentamos a você, leitor, o manifesto produzido por Larissa Santiago, líder da agência Luna – laboratório de publicidade e design do Centro Universitário Una. 

A partir de hoje, uma vez por semana, levaremos à você um pouco sobre cada engrenagem dessa Fábrica. Para iniciar, contaremos sobre a Agência Experimental de Comunicação – Luna – fundada em 2004. A agência auxilia o setor de marketing do grupo Ânima e colabora com os cursos de comunicação da Una, além de promover eventos para o público acadêmico e também a comunidade. 

Composta pela líder e publicitária Larissa Santiago, pela supervisora técnica Isabella Vitória (recém-formada em Design Gráfico pela Una) e pelos estagiários e alunos do curso de Publicidade e Propaganda da Una, Emanuely Iolanda e João Lucas Soares, a Luna estabelece a conexão dos alunos e estagiários com as práticas mercadológica, funciona como ‘braço’ na produção de materiais gráficos para instituição e também para clientes externos. 

Para potencializar as habilidades e proporcionar novos saberes aos estudantes, a Luna propõe palestras e minicursos a fim de aproximar os aprendizes às práticas e conhecimentos profissionais, além de apoiar o estágio supervisionado e os projetos de extensão culminando o crescimento para além da área.

Com a palavra, a líder

 “A Luna pode ser um ponto de partida para aquele aluno que tem vontade de crescer profissionalmente, trabalhando de maneira profissional e ainda assim podendo experimentar diversas atuações no campo da publicidade, no próprio ambiente acadêmico e por isso de forma multidisciplinar. Por aqui, aplicamos na prática, a teoria aprendida em sala de aula e mais do que isso, os estagiários aprendem sobre comunicação e postura profissional para além das técnicas da profissão” – Larissa Santiago

Você pode conhecer mais sobre a Luna e seus trabalhos na página do Instagram. Lá também vocè encontra dicas sobre as áreas de Publicidade e Design, segue lá! 

 

*A matéria foi produzida sob a supervisão da jornalista Daniela Reis

0 191

*Por Daniela Reis 

Hummmm… hoje é dia de receita! Essa gostosura de hoje é uma opção excelente para o tira-gosto do final de semana, que foi compartilhada com a estudante do curso de Gastronomia do Centro Universitário Una, Shirley Figueiredo (confira sua página no Instagram)

Lagarto Desfiado
Tempo de preparo: 1:30 h
Categoria: Tira gosto
Nível de dificuldade: Fácil
Ingredientes:
– 2 kg de carne bovina lagarto
– 1 pimentão grande de cada: amarelo, vermelho e verde (retirar toda a parte branca interna e as sementes, pois senão fica com gosto amargo);
– 1 cebola média: branca e roxa;
– Azeitonas (150 gramas, picadas, sem caroço);
– Alcaparras (1 vidrinho pequeno / dica: escorrer o líquido e lavar em água filtrada para retirar o excesso de sal);
– 50ml de molho shoyo + 50ml de molho inglês + 50ml de  molho para carnes;]
– 200ml de azeite.

Passo a passo para a preparação:
Picar o lagarto em cubos de +/- 3 dedos, não retirar a gordura para a mesma não ficar dura. Temperar considerando uma colher (sopa) para cada kg de carne. Cozinhar a carne em panela de pressão por +/- 20 minutos. Retirar, deixar amornar para desfiar a carne e reservar. Picar os demais ingredientes e misturar na carne, posteriormente colocar o molho de preferência e o azeite extra virgem de preferência.

 

0 149
Foto: Divulgação

Programação conta com mais de 60 apresentações explorando as possibilidades do fazer artístico dentro do cenário virtual 

Por Guilherme Sá

Ao adentrar pelas porta do casarão Estrela, a impressão é mergulhar no cenário cheio de sentimentos. Lembro-me bem da primeira vez que ali pisei, no primeiro semestre de 2019. As paredes da construção, feridas pelo tempo, mostram suas cicatrizes, a energia tem algo diferente, não é pesada, mas demonstra que um dia foram. Os artistas e colaboradores ocupantes, constroem suas entranhas mas também as deixam visíveis, não querem apagar a sua história. Transformaram o lugar escuro e sem vida em uma das maiores ações coletivas dessa cidade.

A partir dessa união, criaram-se ações como a que acontece até o dia 31 de julho. A Ocupação Espaço Comum Luiz Estrela em Belo Horizonte, realizará o 2º Festival de Inverno – Inverno Estelar – com uma programação extensa com participação de artistas, ativistas, arquitetos, psicólogos, educadores e produtores culturais locais, nacionais e estrangeiros. Neste ano a edição acontece totalmente online.

Construído por cincos mulheres produtoras, mas também de diferentes carreiras (característica bem comum do coletivo), são elas, Luciana Lanza (bailarina e produtora), Deise Eleutério (arquiteta e produtora), Gabrielle Salomão (bailarina e produtora), Mariana Angelis (designer e produtora), Maria Câmara (psicologa e produtora) e Yasmine Rodrigues (atriz e produtora). 

O desenho do festival surgiu na assembléia geral do Coletivo Estrela (grupo  responsável pela administração do espaço desde 2013) com o objetivo de manter ativa as ações que já vinham sendo desenvolvidas. “A gente se juntou, vamos ajudar, fazer juntos na cara e na coragem. Fizemos um edital e estamos aí experimentando essa coisa nova que é fazer tudo de forma virtual.” diz, Luciana Lanza.

A programação inclui, exposição de retratos e zines, apresentação musical, sarau, performances, discussões sobre patrimônio, oficina de percussão, de atuação para cinema, cerâmica, redação, fotoperformance, entre outros. Mas como fazer tudo isso dentro do ambiente virtual?

Mudar, adaptar e experimentar foram pontos chaves para o processo de criação do festival e quebra das dificuldades encontradas. Luciana Lanza comenta que, cada artista está á procura da melhor forma de expressão da sua arte e está aberto ao novo. “É um festival muito amplo, os artistas estão experimentando também junto com a gente, ninguém sabe qual é a melhor plataforma, a melhor mídia, melhor horário. Enfim, muitos desafios que a gente está encarando, quase que no escuro mas com muita vontade de fazer.”

Lançado o edital em junho, nos canais de comunicação, a seleção foi simples e natural, o que deixou claro que não haveria remuneração aos artistas, mas, ao encontrar apoio na vontade de construir coletivamente o festival. “Acontece que o estrela já tem um público de pessoas que acompanha, entendi quais são as lutas do lugar e, como é um coletivo muito grande que comporta muitas lutas, muitas temáticas, então o festival não poderia ser diferente. Ele recebe todo tipo de linguagem, de performance, música, dança, teatro, rodas de conversa, uma diversidade de pessoas que comunga das mesmas ideias.” conclui, Luciana. 

Para a mineira Anne Cruz que realizou a live show no último sábado, 25, a participação no festival foi o momento de mostrar sua versatilidade como cantora e apresentar-se para um público novo “A princípio fiquei com receio, pois seria uma live fora do meu canal, mas comprei a ideia de participar. Eu tive todo suporte da produção do evento. Live é um show virtual, eu tenho de criar um bom repertório, lidar com minha timidez para poder levar um entretenimento de qualidade para as pessoas que disponibilizaram seu tempo para poder me assistir.”

E também foi a oportunidade do público que já a segue, assistir sua estréia em um show solo. “Foi minha estreia cantando sozinha, na minha jornada eu vinha fazendo participações em  algumas rodas de samba em BH, e com essa onda de live, eu  venho fazendo minhas apresentações sozinha. A participação no festival foi um marco na minha caminhada como cantora. Foi muito gostoso, as pessoas interagiram com show virtual, foi lindo participar desse projeto.” comenta. 

Outro destaque é o artista amapaense Nau vegar, que apresentará no dia 31 ao lado de Thayse Panda e  Geisa Marins, com o perforbar no instagram – um bar online onde quem entrar na live poderá interagir com o artista, como se fosse um bate papo de buteco, e enquanto conversam sobre qualquer tema, fará o uso das ferramentas da plataforma, como os filtros, criando algo novo a partir das possibilidades e a experiência do encontro de diferentes pessoas. 

Para Nau, a participação no Inverno Estelar representa a conexão com um público novo, “Minhas expectativas na verdade é mais pelo público, o público que vamos receber será o público do Luiz estrela, então não sei como será.”  

O organizador do Mizura – Encontro de Performance e Intervenção Urbana no Amapá, um dos maiores do Brasil, o ator e performista comenta que sua arte utiliza principalmente do corpo para construir o espetáculo “Eu trabalho com a arte da Performance como pensado dentro das artes visuais, a arte do corpo, meu corpo é meu instrumento de trabalho. Eu não tenho uma forma de criação específica, se dá de diversas formas, lendo um livro, assistindo a um filme, ou as vezes sou atraído por algum objetivo, ou material e a partir daí eu crio um trabalho.” 

Em relação ao desafio de apresentar-se online, o artista enxerga a possibilidade de explorar os novos meios de criação performática. “Essa será a terceira vez que faço essa ação, mas tô aprendendo ainda, mas está sendo uma experiência maravilhosa, é também uma forma de explorar o campo da tecnologia que até então, não dava tanta atenção.” conclui. 

A OCUPAÇÃO ESPAÇO COMUM LUIZ ESTRELA

A ocupação cultural e autogestionada nasceu em 2013 através da reunião de um grupo de amigos, artistas e moradores da capital preocupados com o abandono do casarão da rua Manaus, bairro Santa Efigênia. 

O local foi usado para diversas finalidades. Sua origem remonta o início da construção de Belo Horizonte, servindo de Hospital Militar até 1945, após esse período, reformado para abrigar o Hospital de Neuropsiquiatria Infantil (HNPI) que funcionou até os anos 1990, com a mudança do HNPI, o espaço foi transformado em escola para o ensino de crianças com transtornos intelectuais, escola estadual Yolanda Martins, o que perdura até o ano de 1994.

Com a escola desativada, começa então o processo de abandono advindo de diversas disputas de uso que nunca foram prosseguidas, em 20 anos de deterioração e em péssimas condições estruturais ganha uma nova chance de vida e utilidade com a ocupação. 

A organização do coletivo é composta por núcleos que atuam na restauração, preservação, administração financeira e jurídica além da implantação de atividades culturais, políticas e educacionais, devolvendo luz a construção que viu tantos horrores no passado.

Faz parte da filosofia do local a luta antirracista, em defesa da negritude brasileira, pelo direitos dos povo indígenas, LGBTQIA+, a luta antimanicomial, em defesa da população de rua, a luta pelos direitos humanos e em defesa das Ocupações do país.  

O nome do espaço é uma homenagem ao Luiz Estrela, poeta e morador de rua que foi assassinado em 2013.

Para assistir e acompanhar a programação do Festival entre nas redes sociais da ocupação:

Instagram, Facebook e Youtube

 

 

 

0 101

*Por Jéssica Oliva

Ao me levantar, pela manhã, sinto como se fosse uma borboleta, em suas fases até a libertação. A rotina se torna rotina, a janela do quarto continua sendo uma janela. E o sol das dez? Ele nunca será o mesmo. A cada dia que passa, o Sol tem características alteradas. Posso sentir quando ele exala tristeza, ou alegria. Em tempos de pandemia, o Sol tem ficado tão, mas tão quente!, que chega a rachar a minha pele.

Antes, eu corria para vê-lo entrando pelas frestas de minha janela, logo ao amanhecer. Sentia o vapor na minha pele, e logo me deitava diante dele, para me sentir melhor. Hoje, só tenho corrido para sair do quarto, sair da sala, sair do banheiro, pois tudo tem sido tão monótono que não consigo me movimentar como antes. A mistura de sentimentos aparece, as crises são expostas por sensações de desespero e inquietação, e o medo toma conta do meu Sol. Não posso sair à rua, não posso me movimentar. Às vezes, não consigo nem respirar.

Já não sei como me sinto. Os quatorze dias já viraram cem. Minha alma foi roubada, assim como meus sentimentos, minha disposição… Tenho me sentido como um objeto. O quarto fica escuro, o sorriso já não vem mais, e a vontade de sentar numa mesa de bar, e pedir uma cerveja, também já não existe. Por onde anda toda essa vontade, se não tenho sequer um minuto para abraçar meus entes queridos? Esqueci a sensação do abraço, do apego, do desapego, de estar ou não apaixonada. Tudo isso me foi tirado. Já tentei convencer o Sol de sua beleza estonteante, já lhe disse o quão importante é. Meus cabelos brilhavam, ao me pôr de frente para ele; meus olhos reluziam, ao ver raios de luz atravessando as ruas, os comércios, e a minha casa.

O vento já não vem mais, o frio chega devagar, atravessa as paredes das casas e arrepia a pele. O sentimento de perda chega a ser indolor, quando a dor já nem se é sentida mais. As valas são cavadas como buracos nas plantações de flores, a luz amarela, que vem do céu, já não reluz e reflete nos esquifes expostos ao chão. A terra é derramada junto às lágrimas de saudade. Os minutos parecem horas, e o adeus se torna, apenas, a Deus. Milhares de perguntas são feitas, e minha cabeça já não absorve sequer a soma de um mais um. A história fica, literalmente, no passado; mas e daí? Talvez, meu corpo atlético sobreviva a toda essa experiência obrigatória; talvez, eu tenha que derramar mais lágrimas para o Sol voltar.

A falta é tão grande que, quando escuto o som do famoso “Money”, a cabeça vibra e a verdadeira aglomeração começa. Talvez, eu precise viajar cinco mil quilômetros para escutar esse som tão esperado e almejado. Às vezes, fico parada na janela do quarto, e sinto que estou vivendo como no “Mito de Platão”: me sinto em uma caverna, mas a única diferença é que posso ver as pessoas falando comigo, através da TV ou do rádio. Todos falam sobre o Sol, e sobre quando ele voltará. A idealização da liberdade vai e volta de meus pensamentos. A perna chega a tremer em pensar. A sensação deve ser maravilhosa, mas ainda não sei dizer qual é. O tempo vai se fechando e a única certeza que tenho é de que os raios de luz não entrarão por minha janela tão cedo. As máscaras não cairão, e eu ainda estarei presa por uma grade, que me separa das ruas e do meu Sol das dez.

Meu cabelo não vai brilhar, meu corpo não vai se tornear, minhas unhas não crescerão, meu sorriso não vai se abrir espontaneamente, mas sei que uma vida vai ver a cor dourada que nasce todas as manhãs, vai respirar, vai gritar, sorrir, abraçar, amar, gostar e desgostar. Essa pessoa vai acreditar na liberdade, na pureza da vida, usará máscaras e álcool em gel, vai se preocupar com o próximo, e vai se doar em prol de outras vidas.

A vida não é uma peça do quebra-cabeças, mas também não é um leite derramado. A vida é importante para quem respira, grita, chora. Talvez, seja importante para mim, mas gostaria que fosse importante assim como uma flor que nasce, um bebê que chora, uma idosa que sorri. E como o Sol que entrava, todo os dias, pela minha janela.

 

 

*A crônica foi produzida sob a supervisão do professor Maurício Guilherme Silva Jr.