Page 2

0 83

Após mudança de nome, a cafeteria fechou parceria com a Una a fim de auxiliar na inovação da marca visando mais requinte e sofisticação.

Por Keven Souza

Existem alguns pequenos prazeres na vida, para os amantes de café, não há explicação lógica que atenda à dimensão do sentir o aroma e sabor da bebida. Não importa se a pessoa é entendedora de grãos, se acrescenta açúcar ou chantilly, o que realmente conta de fato é a qualidade e as distintas sensações que o café pode fornecer. Tem quem goste de cafés especiais, aqueles que seguem padrões de qualidade, diversidade e processo. Para este estilo, são exigidos cuidados especiais de cultivo e preparo por conter propriedades intrínsecas, a fim de oferecer uma bebida “premium” com aspectos sensoriais.

Em Belo Horizonte, a Manní Cafés Especiais é uma cafeteria que tem como propósito oferecer interações sociais, além de uma experiência em cafés com diversidade de origens e de métodos de preparo. Carrega consigo a sustentabilidade dos produtos que comercializam, além de trazer com excelência e com procedência, a vocação natural para produzir grãos de qualidade e incentivar o comércio direto entre o produtor e toda a cadeia de valor do café especial. 

Por estar dentro da Una Cine Belas Artes não só acreditam em pessoas, como também se movimentam por elas e para elas, é um espaço que valoriza todo o caminho da bebida e o que está além da xícara. Nesta perspectiva, entende que assim como pessoas, marcas tendem a se mover e precisam evoluir. Por isso, ao existirem para representar a essência do café premium, a cafeteria passou por uma reformulação de identidade visual a fim de inovar a marca visando mais requinte e sofisticação. 

Na decisão, a Fábrica (coletivo dos laboratórios de economia criativa da Una), através da Agência Luna, trabalhou junto ao diretor criativo e profissional referência do negócio, Renato Falci, a fim de auxiliar no rebranding da marca, pensando em conceitos, valores e referências, para ‘repaginar’ a cafeteria sem se quer perder os seus princípios que os fazem ser únicos. A ação denominada de “Rebranding do café Paladar Espresso” teve início em abril deste ano e foi finalizada em julho.

O projeto contou com a participação de Leonardo Cândido, como cliente, Renato Falci, enquanto diretor criativo e profissional referência do negócio, Victória Moura e Giulia Cortesi, no papel de alunas do curso de Publicidade e Propaganda e diretoras de criação e arte do time, Letícia Dias, bem como líder do Núcleo de Moda Una com a gestão de parcerias e Larissa Santiago com a direção técnica, na função de coordenadora do projeto.

Leonardo da Silva Ferreira Cândido, que é administrador da cafeteria, explica que, a proposta da parceria acontecer junto à Fábrica, decorreu pela a sinergia entre a Una e o Cine Belas Artes, que já havia sido instaurada pelo patrocínio do Grupo Ânima. Com isso, surgiu a ideia de se aproximar ainda mais da faculdade, para que, por meio do branding da Manní, os alunos pudessem acompanhar na íntegra o processo de desenvolvimento de reestruturação de identidade do espaço.

“Cheguei a contratar um especialista em gestão de projeto de branding, no caso Renato Falci, para desenvolver uma marca nova para a minha cafeteria. O mesmo sugeriu que eu entrasse em contato com a Una, para que os alunos acompanhassem de perto o processo de desenvolvimento do projeto, pois a ideia era se aproximar da instituição, uma vez que estava estabelecida a parceria com o cinema”, explica o responsável pela cafeteria. 

Desde 2019, a cafeteria estava operando com o nome de Paladar Espresso, no entanto após o projeto, o espaço passa a ser chamado de Manní Cafés Especiais. De acordo com Leonardo, foi a experiência de Renato como gestor de projetos de branding e sua atuação no mercado de cafés especiais, junto ao suporte das alunas da Una, que facilitou o desenvolvimento dos conceitos da atual marca e consequentemente trouxe efeito positivo no resultado final. “O atual nome tem inspiração na região que deu origem ao café e a estética da logomarca tem como referência e inspiração as artes dos povos originários que estão localizados dentro do cinturão do café”, salienta Leonardo.

O que muitos não sabem é que, ao possuir características extensionistas, o projeto condiz com o posicionamento da Una, de se empenhar para impulsionar seus estudantes a serem protagonistas do seu próprio futuro. Larissa Santiago, que é publicitária especialista em Inteligência de Mercado e foi coordenadora dos alunos nesta ação, afirma que, o fato das estudantes terem atuado a favor de desenvolver um projeto de marca para uma empresa real, voltada ao setor de vendas, é de grande valia para proporcionar a autonomia de ambas em atividades requeridas no mercado, além de estimular a construírem um portfólio rico e diverso. 

“Durante o processo, puderam aplicar metodologias aprendidas em sala de aula na prática e ter a orientação dos profissionais com experiência no mercado envolvidos. Isso tudo de forma online, ou seja, se desenvolveram enquanto profissionais com soft skills para enfrentar modelos de trabalho do futuro – híbridos e remotos”, afirma Larissa, sobre as habilidades estimuladas aos alunos.

Ela explica que as principais funções das estudantes aconteceram em várias etapas, entre elas a criação do nome e do design da marca, onde acompanharam e contribuíram com o desenvolvimento do projeto liderado por Renato. E que foi desenvolvido, junto ao profissional, a construção de missão, visão e valores da empresa; o manifesto, arquétipo e linguagem visual da marca; o processo de Naming e o benchmarking; além do estudo e pesquisa para apoiar na criação da logo; entre outras funções. 

Para a estudante Victória Moura, que foi uma das alunas atuantes no projeto, a palavra que sintetiza sua participação ao longo do processo, é a gratidão. Ela decidiu entrar para ação com intuito de aplicar seus conhecimentos adquiridos em sala, mas muito antes da sua participação, havia em si mesma a inquietação para atuar em novas áreas profissionais e foi durante o projeto que a decisão de migrar de Social Media para estrategista de marca, de fato aconteceu. “Entrei com intenção de aplicar algumas leituras e cursos que concretizei e claro, desenvolver o projeto como um passaporte de entrada para o mercado”, diz a aluna.

Sua função, ao lado de sua colega Giulia Cortesi, foi trabalhar no backstage a favor de auxiliar na parte estratégica da marca com a elaboração de conceitos e ideias essenciais para definir a identidade visual final. Uma tarefa que, não só a ajudou a ampliar sua compreensão sobre técnicas e habilidades do universo do designer gráfico e publicitário, como também, abriu novas oportunidades de trabalhar em novos projetos como freelancer. 

“Absorvi uma gama muito mais ampla de técnicas e ferramentas de planejamento de marca, que proporcionam atuar em vários aspectos de uma mudança visual. Isso certamente mudou o rumo da minha formação, que com certeza agora é mais robusta e de cunho mais especialista. Talvez um diferencial, que me abriu portas para fechar projetos de marcas acima dos quatros dígitos financeiros”, ressalta a aluna. 

Após a finalização do projeto, a Manní Café Especiais, tem se esforçado para pensar em um cardápio variado que harmonize com o café, seja ele em qual método ou estilo for. Hoje, a atual marca trouxe melhorias no delivery e estima-se possuir, atualmente, maior frequência por parte de clientes que consomem tanto pelo site, quando retiram ou solicitam no local. 

O resultado da nova identidade visual tem sido sucesso, principalmente pelos amantes do café, onde se percebe toda a ligação com a marca e o produto. “Há maior compreensão por parte das pessoas, de que somos mais do que uma cafeteria de cafés especiais e isso tem feito toda a diferença. Já tenho clientes vindo exclusivamente para o café por causa da diversidade dos nossos grãos e premiações”, define Leonardo da Silva Ferreira Cândido, sobre a finalização do rebranding

0 76

Por Bianca Morais 

O TBT de hoje do Jornal Contramão, é um artigo de opinião e mostra não apenas os acontecimentos desastrosos daquele 2 de outubro de 1992, mas uma resolução sobre a atual situação que não é muito diferente da antiga.

A Casa de Detenção de São Paulo, mais conhecida como Carandiru, inaugurada em 1920, foi durante décadas uma prisão segura e bem estruturada. Para se ter ideia, na época foram investidos 14 mil réis em sua construção, enquanto outros presídios custavam por volta de até mil réis. Depois de 20 anos funcionando, em 1940 ele alcançou sua lotação máxima, e em decorrência disto começou a construção dos pavilhões para que pudesse receber mais detentos.

Os pavilhões eram divididos por detentos.

  • No Pavilhão 2 aconteciam as triagens dos presos e onde ficavam os serviços de apoio, como alfaiataria e barbearia.

 

  • No Pavilhão 4 encontravam-se as celas individuais e enfermaria. Importante ressaltar que nesse prédio, no térreo mantinham-se os presidiários doentes, muitos com tuberculose, doença comum na época. No segundo andar os deficientes mentais, errado, uma vez que esse perfil de pessoa não deveria estar em uma cadeia comum.

O terceiro andar era ocupado pelas celas individuais e onde permaneciam estupradores e pedófilos. Por serem jurados de morte, esses bandidos precisavam ficar em celas separadas, e com isso, acabavam sendo beneficiados, afinal, sem convívio com os outros, eles não entravam em brigas, mantinham bom comportamento e conseguiam a liberdade mais cedo.

Não estou aqui para defender bandidos, mas é necessário entender que sim, existe uma diferença gritante entre alguém que rouba um pão para sustentar a família e alguém que estupra crianças. Esse perfil de prisioneiro deveria ser punido com mais rigor, sem a oportunidade de voltar a se reinserir tão cedo.

E isso acontece até hoje, afinal, se alguém condenado por ter estuprado uma criança, pelas “leis da prisão”, é morto logo nos primeiros dias, porque não criar um presídio para eles, onde irão pagar suas penas juntos aos seus iguais.

  • Pavilhão 5 nesse prédio possuía as celas conjuntas. No terceiro andar ficavam os justiceiros, no quarto os travestis, no quinto os “presos do seguro”, jurados de morte, conhecidos como amarelos, o apelido se veio pelo fato de que por não saírem das celas com medo e serem proibidos de tomar sol, eles ficavam amarelos. 

Situações desumanas, mas ainda na lei da prisão, se eles saíssem de lá, seriam mortos, e com certeza, os policiais, encarregados de manter a ordem no presídio, não iriam impedir isto.

  • Pavilhão 6 lá ficavam a cozinha e as solitárias, onde presos que cometiam alguma desordem eram mantidos durante alguns dias isolados.

 

  • Pavilhão 7 era o mais calmo, ocupado por presos de bom comportamento e que trabalhavam.

 

  • Pavilhão 8 presos reincidentes, os chefões, os mais “espertos”, que não procuravam confusão e viviam deles.

 

  • Pavilhão 9 o local do massacre. No pavilhão 9 se encontravam os réus primários.

O Brasil vive uma realidade de presídios superlotados e situações precárias. O Estado é falho, milhares de celas pelo país estão cheias de réus primários, aqueles que ainda estão aguardando julgamento, e não é atoa que foi justamente nesse pavilhão, superlotado, que ocorreu o massacre.

Existem réus primários que não cometem crimes tão graves, e existem aqueles que cometeram violências brutais, e ali, todos se encontravam, pois esperavam, às vezes anos, por julgamento. 

Coloque em uma cela uma pessoa manipulável e outras estressadas. Coloque alguém que acabou de entrar na cadeia e que não tenha onde dormir, porque para dormir nas celas do Carandiru você precisava pagar, sem dinheiro, você fica devendo a um assassino, que ou vai te matar ou irá te cobrar um favor. O que é pior? Era essa a realidade catastrófica do Pavilhão 9. 

A prisão era uma verdadeira bomba relógio, a divisão dos pavilhões e presos sempre causava muitas brigas e discussões, inclusive, diferentes facções eram colocadas juntas de modo preciso para brigarem entre si e, quem sabe, “com sorte” um ou outro acabava morto para esvaziar o Carandiru. Enfim, uma dessas brigas, no entanto, ficaria marcada para sempre na história daquele lugar. Era como se fosse uma tragédia anunciada para extinguir o depósito de prisioneiros.

No dia 2 de outubro de 1992 aconteceu uma partida de futebol entre dois times de presidiários, outros detentos assistiam a partida. Enquanto isso, no pavilhão 9 começou uma briga entre dois presos conhecidos como Barba e Coelho. O que parecia apenas uma discussão comum, iria se tornar o maior massacre dentro de um presídio no Brasil.

Em determinado momento, a briga perdeu o controle e foram entrando mais e mais pessoas. Eram dezenas de presos se atracando e os guardas não conseguiam separar, por isso, foi necessário chamar reforço, eram 300 policiais do lado de fora do Carandiru.

Naquela tarde, o Coronel Ubiratan estava no comando e autorizou todos aqueles policiais a entrar no prédio e controlar a situação. E não apenas ele, mas foram ordens do governador e do secretário de “segurança” pública de que a PM poderia intervir para “restabelecer a ordem”, o que deu início ao banho de sangue. Literalmente falando, pois ao final o sangue dos mortos misturou a água dos canos estourados. 

A partir desse momento várias versões apareceram, e fica a cargo de vocês, leitores, escolherem qual parece mais digestível.

Enquanto a polícia afirmava que 86 policiais invadiram o presídio, a promotoria que investigou afirmou que foram mais de 300, e a maioria sem crachá.

300 policiais, e grande parte deles sem identificação. Eles não estavam entrando ali para controlar uma rebelião, eles estavam entrando ali para matar!

No ano de 1992 o país passava pelo primeiro episódio de impeachment, a transição do governo de Collor para o de Itamar Franco tomava conta de todos os jornais. No dia seguinte ao massacre seriam as eleições em São Paulo, entre as pesquisas o favorito era Paulo Maluf e seu principal adversário era Eduardo Suplicy. Aquele rebelião não poderia durar mais que um dia, ela precisava acabar naquela sexta-feira.

A tal guerra pode ter começado dentro da prisão, mas no final das contas ela se tornou uma batalha de fora para dentro.

Os direitos humanos e presos presentes afirmam que na hora que os policiais estavam entrando, eles já estavam se rendendo e entregando as armas. 

Os policiais alegam que os presos não estavam pacíficos, que ao contrário, atacavam eles e agiam de forma violenta, jogando sacos com urina nos policiais e os atacavam nos corredores com seringas com sangue de portadores de HIV.

Não se rebate sacos de urina com armas de fogo. 

Os detentos e, posteriormente, a perícia afirmaram o seguinte: a hora que os policiais atacaram, eles já haviam se entregado, estavam desarmados dentro das celas, e mesmo assim, os homens entraram para matar.

Ninguém tentou apaziguar nada, a perícia afirmou que apenas 26 detentos de 111 mortos naquele dia, estavam fora da cela, isso significa que 85 sujeitos foram mortos dentro da cela, já rendidos.

A trajetória das balas seguia de fora para dentro, os policiais teriam parado nos cantinhos da cela e atirado. A maioria dos tiros? Na cabeça, tórax. Ninguém atira na cabeça para render presos, atiram nesses locais para exterminá-los. 

Os policiais em contrapartida alegam legítima defesa. Centenas de presos desarmados, se um policial atirasse na perna de um, já calaria milhares, mas não, não era defesa, era ataque. 

Eles são bandidos merecem morrer? Escutamos diariamente isso vindo da boca de representantes do governo, não desde hoje, desde sempre. O banho de sangue do carandiru foi 29 anos atrás, mas com ordens superiores, poderia acontecer hoje ou amanhã.

Até os dias atuais, policiais sobem morro matando bandido e gente inocente que não teve sorte de estar ali no momento. Um preso custa ao governo cerca de 2500 reais, por que o governo não pega os 2500 reais e investe em educação? Em construção de escolas, invés de anexos em presídios?

Uma criança na favela cresce recebendo cesta básica e brinquedos de traficante de droga, enquanto de policial cresce levando tapa na orelha, chamado de vagabundo, e de vez em quando perde um amiguinho de escola de bala perdida.

Você acha que essa criança vai gostar de bandido ou de policial? Quer respeito, respeite.

Na noite daquele 2 de outubro, os policiais obrigaram os presos sobreviventes a carregar os amigos mortos até o 1º andar do presídio, e nisso ainda atirou em alguns deles que saíam da cela. 

Havia tantos mortos, que até quem não tinha morrido e estava agonizando entrava no camburão e morria sufocado.

Se não deviam nada a ninguém, por que atrapalhar uma cena de crime? 

Em uma primeira hora a polícia anunciou o número de mortos: 8 detentos.

Oficialmente 111.

Por que aqueles presidiários morreram? Qual foi o crime cometido por eles? Por que eles estavam ali? Será que o crime cometido por eles é pior que o de desviar verba de construção de escolas e hospitais? Será que o crime deles é pior que corrupção?

Brasil acima de tudo, Deus acima de todos. Discurso do presidente do Brasil. O mesmo que diz que bandido bom é bandido morto. Se cree tanto em Deus não deveria ser ao contrário? Não é Deus o único poderoso o suficiente, que pode condenar alguém no juízo final? Onde se perdeu a tradução da bíblia sagrada? E vale lembrar, que segundo a legislação brasileira, Brasil é um país laico.

E sabe o que aconteceu com todos aqueles responsáveis pela morte de 111 presos? Condenados, claro, mas alguém realmente pagou por isso? Ou para esses a lei divina irá cobrar? Segunda opção.

Dos 300 policiais, 78 foram a júri por participação no massacre, 74 foram condenados por homicídio, porém, com os julgamentos anulados ninguém cumpriu pena.

Na realidade o capitão Ubiratan pagou, em 2001 ele foi condenado por 102 mortes, 632 anos de cadeia, mas em 2006 acabou sendo absolvido. No entanto, antes tivesse sido preso, pois aqui fora não teve tanta sorte, no caso dele não foi a justiça, nem Deus que o julgou, foi a lei da prisão, o “aqui se faz aqui se paga”.

Atualmente o presídio está desativado, os presos foram transferidos, alguns dos prédios demolidos e outros reaproveitados para abrigar instituições educacionais e de cultura, mas a realidade é que nada nunca poderá apagar o que aconteceu naquele dia, todo aquele sangue derramado.

O episódio do Carandiru chamou atenção de todo o mundo, a partir daquela data houve muita cobrança em cima da polícia, a tropa de choque não invadia mais, aquele massacre acabou interferindo na segurança dos presídios, uma vez que eles não poderiam mais interferir e os presos acabaram tendo mais “liberdade” na forma de agir. Os justos acabam pagando pelos pecadores.

O Primeiro Comando da Capital, o PCC, uma das maiores organizações criminosas no Brasil nasceu com a justificativa de “combater a opressão dentro do sistema prisional paulista” e “vingar a morte dos cento e onze presos”, se a justiça não é feita pelos meios convencionais ela acaba sendo feita por outros.

O governo nunca esteve preparado, os anos 90 foram marcados por crises econômicas e desemprego, a criminalidade crescia mais a cada dia, esse episódio não deveria ter acontecido, o certo era se construir mais prisões, se aqueles presos deveriam pagar pelo seus crimes, eles iriam pagar para sempre, mas vivos. 

A rebelião era entre presos, uma hora ou outra eles acabariam resistindo, em situações como essas, corta luz, água, banho de sol, uma hora eles acabariam cedendo, infelizmente essa hora nunca chegou. 

111 mortes não podem ser esquecidas, todos estamos fadados a cometer erros na vida, e não é por isso que precisamos pagar com nossa vida, antes de encher a boca para falar de fulano, olhe para dentro e entenda que você também não é perfeito. Se dentro da sua religião apenas Deus pode julgar, porque você insiste em condenar os outros sem nem ao menos juiz você é?

 

0 143

Por Keven Souza

Vinícius Vieira Costa, que é pesquisador e doutor em Química, trabalhou por muito tempo como professor e coordenador acadêmico da área de Engenharias. Foi diretor de negócio das unidades centrais de Belo Horizonte, onde fortaleceu, através da sua eficiência operacional, a Elaboração de Planos de Desenvolvimento Institucional e Processos de Autorização e Reconhecimento de Cursos a favor de prospectar melhores resultados voltados ao ambiente interno da Una. 

Com vasta experiência no mercado, Vinícius, é hoje, diretor microrregional das unidades educacionais da instituição localizadas em Conselheiro Lafaiete, Itabira e Pouso Alegre, no qual  trabalha na Gestão de Processos, Desenvolvimento de Pessoas e no Marketing de relacionamento B2B. Em entrevista para o Contramão, Costa, comenta sobre sua trajetória junto à Una  e compartilha vivências de vida e mercado. Confira!

Como surgiu o convite para ingressar na Una e por quê decidiu fazer parte da instituição? 

Entrei na Una como professor em fevereiro de 2015. Havia uma vaga em aberto, quando soube logo enviei meu currículo e participei do processo seletivo. Mais tarde recebi a notícia de que me deram a oportunidade de entrar para a instituição. Sou muito grato a Una, porque é onde eu desenvolvi minha carreira de fato. Antes disso, eu já era pesquisador, trabalhava com química, especificamente com fragrância, só que em 2016, como a vida nos surpreende, com muito orgulho acabei entrando para a área acadêmica. Assumi a coordenação e em um ano e meio acabei sendo promovido a coordenador de curso. Digo que é como se tivesse ganho na loteria, porque a empresa não me conhecia 100%, então confiar em mim para atuar como gestor da Una Aimorés foi uma experiência incrível. 

Afirmo hoje que, é algo que me trouxe visibilidade na instituição e me recordo que desde o início, o que me encantava na Una, foi o nicho de projetos extensionistas. Acredito na importância de trabalhar com este viés, que tanto a Una, quanto a Ânima, como todo, estão se fortalecendo para trazer essas atividades, ao lado sociedade. Lembro que no passado não era assim e hoje, graças a nossa matriz, os projetos estão fortes e partem da premissa de serem extensionistas.

Você está há quase 7 anos junto à Una, o que a instituição representa para você? 

Em 2018, após anos como professor e coordenador, acabei assumindo o cargo de diretor, desde o inicio minha carreira teve uma ascensão muito rápida e sou expressivamente grato ao meu líder atual, Rafael Ciccarini, e agradeço a todos os meus líderes passados que acreditaram no meu trabalho. Na minha visão, gratidão é a palavra que resume a Una para mim,  poder trabalhar numa instituição de ensino como esta é estar em volta de inúmeras pessoas, de diferentes áreas, se agregando e enriquecendo culturalmente, somando-o à nossa carreira de forma brilhante. 

Quais foram as principais ações e projetos que realizou a favor das unidades da Una?

Digo que participei de inúmeros projetos que vieram a somar bastante à Una como instituição de ensino, um deles se chamava i-Polinovar. Lembro que o apresentei numa entrevista com outro professor, logo quando entrei na Una Liberdade. O projeto foi criado para atuar com oito cientistas e pesquisadores, durante oito minutos debatendo diversos assuntos. Trabalhei também na integração e imigração dos cursos da Av Raja Gabáglia e Barro Preto para o campus Aimorés. Assumi, como desafio, projetos e ações de cidades do interior. Participei também da troca de marca da Unibh da Cristiano Machado para a Una. Uma trajetória extensa e cheia de ações. 

Por muito tempo você foi professor, o que te motivou a exercer o cargo? Esse papel lhe traz orgulho e boas lembranças? 

No que diz respeito a docência,  sempre gostei de atuar em vários âmbitos, minha trilha para trabalhar em sala de aula aconteceu em torno do acaso, porque não imaginava e nem pensava em ser professor, mas nunca disse também que não seria. Lembro que para escolher qual graduação cursar, a decisão de entrar para química foi difícil, pois gostava de história, engenharia, biologia… E em um certo momento algo me direcionou para aquela área e da mesma forma aconteceu com a docência. Após fazer a licenciatura em química, houve uma maior convergência para atuar de fato na área acadêmica.  A princípio lecionava projetos, cursinhos e aulas para o EJA, algo que me aconteceu organicamente e de forma natural. 

Hoje tenho planos de trabalhar em treinamentos empresariais, voltando mais para a área técnica, onde me especializei de fato, pensado por aí atuar como químico também, sem deixar de prosseguir com a parte acadêmica. 

Na sua visão, a mudança da grade curricular da Una para o novo modelo de ensino de UCs é pensada como uma evolução e transformação no ensino superior? 

Como químico tenho propriedades para dizer que todo modelo de ensino tem seus pontos fortes e suas fragilidades, e na educação usamos este modelo para passar de maneira eficaz o conhecimento, mas de todos os que já presenciei, o modelo atual da Ânima, que trabalha em forma de unidades curriculares (UCs) integradas a favor do Ecossistema de Aprendizagem circular, é um  dos mais assertivos e futuristas. 

É normal levarmos um tempo para entendermos a ideia do novo currículo, mas a proposta dele vem para avançarmos no quesito de proporcionar ao aluno o antecipamento de certificados e aplicação imediata de conhecimentos específicos ou teóricos ainda na graduação. Esse método em um processo seletivo, por exemplo, é de vital importância para colocar nossos estudantes à frente no mercado e afinal isso condiz com nosso posicionamento. 

Em relação ao seu atual cargo, como está sendo a experiência de administrar as unidades da Una em diferentes cidades? 

Incrível e ao mesmo tempo muito interessante! Por estar trabalhando direcionado a unidades do interior, voltado a cidades diferentes com múltiplas culturas e realidades, há uma absorção extrema da riqueza e diversidade regional de cada lugar. Como disse, gosto de explorar e conhecer novos lugares, poder estar em Itabira, Conselheiro Lafaiete e Pouso Alegre é estimulante, porque continuo residindo na capital e transitando por esses municípios, não como turista, mas sim como profissional. E não me imagino estar em um ambiente estável sem novidades e por sorte na Una as coisas são dinâmicas. E isso para mim é gratificante.

Como você avalia sua trajetória no mercado e seu crescimento profissional até hoje? 

Acredito que a minha jornada foi pautada por um crescimento instantâneo. Parto da premissa de que nossa carreira profissional não começa aos 18 anos e se finaliza na aposentadoria, penso que somos seres constantes e particularmente possuo planos ao lado da Ânima e também fora dela. Talvez seja possível trabalhar futuramente em projetos e consultorias, algo mais pontual, que aconteça paralelamente a vida acadêmica.

Vejo o emprego, atualmente, como dinâmico, o que vimos na pandemia só concretiza essa tese, você pode contratar um profissional excelente que resida em outro território, por exemplo, que por meio do uso da tecnologia o trabalho acontece da mesma forma. Então analiso a questão da carreira de forma bem otimista e processual, precisamos preocupar com a nossa trilha profissional e não focar no cargo em si, porque o cargo é fluído, a gente muda de posição a qualquer momento, comigo foi assim na Ânima e sempre será assim, gosto disso, pois é uma oportunidade de traçar novos horizontes e assumir vieses paralelos. 

Em sua trajetória profissional, você se tornou pesquisador, essa é uma área importante e necessária para o Brasil? 

Como já trabalhei com ciências desde a minha graduação, tive muitas oportunidades envolto da pesquisa de vanguarda e afirmo que é uma área necessária e que carece de crescimento econômico e desenvolvimento tecnológico no país, além de uma triangulação flexível entre a universidade, a pesquisa e o mercado. 

A pesquisa tem que ser aplicada e direcionada à atender as necessidades do mercado com propósito de desenvolver a ciência pelo seu ser. É super importante visualizamos a carência que nosso país sofre de desenvolvimento público. O mercado possui hoje mais interesse nesse investimento, então falta esse casamento entre universidade e empresa, para termos a oportunidade de contar com o dinheiro privado e possuir mais recursos de financiar as pesquisas e não sermos totalmente dependentes do dinheiro público. Acredito dessa forma e precisamos correr neste eixo. Além disso, vejo a Ânima mais próxima da linguagem do mercado, o relacionamento que temos com o canal empresa abre muitas possibilidades de desenvolvermos pesquisas de forma aplicada e eficaz. 

Na sua opinião, a educação vem sendo um instrumento poderoso que transforma, por meio do conhecimento, diferentes realidades sociais? A Una acredita nesse propósito?

O nosso país é vasto, temos uma extensão territorial enorme a nível continental, só que é uma Federação carente e diante disso, o posicionamento da Ânima é acreditar na transformação da sociedade por meio da educação. Vestir essa camisa, principalmente no Brasil, é entender que não é transformar a elite por meio da educação e sim, transformar a massa e o país como um todo. O que inclui pessoas de baixa renda, que observam na educação a oportunidade de desenvolverem sua ascensão profissional, pessoal, econômica e cultural. 

E afirmo que é um posicionamento ousado e muitas vezes difícil, posto que é indispensável uma acessibilidade aos diferentes perfis de brasileiros que se tem no país, mas que motiva a todos nós que trabalhamos para a empresa, a prezar e priorizar a qualidade acadêmica, algo que estamos alcançando cada vez mais. 

Como foi e como está sendo ser diretor de unidades da Una? 

É simples, quando se é professor você tem ao seu alcance o poder de transformar as ideias em nível local, através de uma turma, e como coordenador você consegue mudar uma gama de cursos com um olhar mais macro. Sendo diretor seu olhar é voltado ao microrregional, onde se faz um trabalho traçado em relacionamento de equipe, direcionamento e entrega de resultados. Ou seja, você sai de uma visão técnica para uma visão gerencial e estratégica.

E por causa disso, acredito que, por vim da área técnica, a bagagem dos antigos cargos possam ter me ajudado a desenvolver o braço de gestor. As promoções de assumir como coordenador e diretor, foi a oportunidade de aumentar e expandir minha visão sistêmica. Reafirmo o que disse, as competências são desenvolvidas quando você busca experiências diferentes para atuar de forma mais solene e ávida. 

Estando onde você chegou, por meio da educação, qual conselho você daria para os alunos que pretendem alcançar o sucesso profissional em suas respectivas áreas? 

Aproveitem todas as oportunidades. Temos um ecossistema educacional bem diversificado culturalmente e regionalmente, então façam parte das ações e desenvolvam a autonomia de correr atrás e usufruir dos nossos diferenciais. Sejam proativos!

A Una completa seus 60 anos em outubro, deixe um recado para marcar essa data tão especial. 

Todos esses grandes marcos, como 50, 60 e 100 anos, são períodos interessantes para fazermos uma reflexão da nossa trajetória. Essa data, por si só, está sendo demasiadamente importante, pois estamos passando por uma pandemia e mesmo assim tivemos grandes evoluções ao longo desses anos, como a atualização da matriz, a mudança na forma de agir com o mercado e parceiros, o crescimento exponencial da nossa companhia (Una). Somos a Una que começou com poucos cursos no início e hoje se tem diversificação em áreas. 

Então é o momento de refletirmos sobre nossa história e prospectar os próximos caminhos, como os 70 anos. E vamos em frente, para continuarmos sendo reconhecidos como uma instituição diferenciada e disruptiva. 

0 63

Por Bianca Morais

O câncer de mama é o tipo mais comum da doença entre as mulheres em todo o mundo, e não apenas elas, como também os homens, são acometidos por essa doença. O Outubro Rosa é uma campanha de conscientização com o objetivo de advertir as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e mais recentemente sobre o câncer de colo do útero.

No Brasil, por mais que pensem que o câncer de mama está diretamente ligado ao fator genético, ele representa apenas 10% dos casos. Sua maior porcentagem está ligada a estilo de vida como exemplo, a má alimentação. Uma dieta balanceda e saudável vai muito além de manter o corpo em forma, mas ajuda a prevenir muitas doenças e é essencial a todos. 

Nesse Outubro Rosa, o Jornal Contramão traz uma entrevista com Lorena Nogueira, nutricionista clínica do Hospital Sofia Feldman e mestre em Ciências da Saúde, que explica o quanto um cardápio rico em nutrientes pode fortalecer o organismo, dar disposição e contribuir para o restabelecimento da saúde em casos de mulheres que enfrentam a batalha contra o câncer de mama.

Lorena Oliveira – Nutricionista

Tratamentos como a quimioterapia costumam causar enjoos e perda de apetite, impedindo as mulheres de se alimentarem adequadamente. O que pode ser feito nessa situação?

Mesmo com os enjoos e a falta de apetite, é muito importante que a paciente continue se alimentando bem. Alimentos nutritivos combatem a fadiga, a fraqueza e auxiliam o corpo a se recuperar.

Algumas dicas podem ajudar:

– Prepare seus alimentos favoritos. Como o apetite está reduzido, uma preparação que te apetece pode fazer a diferença.

– Coma porções menores. É melhor comer pequenas quantidades várias vezes ao dia do que se forçar a comer grandes porções de uma vez.

– Dê preferência a alimentos mais práticos. Quando estiver bem, pique as frutas e deixe na geladeira, deixe alguma refeição pronta congelada, para que nos dias de fraqueza e desânimo, a refeição já esteja pronta.

– Tente se hidratar ao longo do dia. Com pequenas quantidades por vez.

– Evitar frituras e alimentos gordurosos. São de difícil digestão e podem causar desconforto.

– Algumas preparações podem ser enriquecidas com azeite extra-virgem, ovos, queijos, etc, de acordo com a orientação de seu nutricionista. Durante a perda do apetite, alguns suplementos podem ser utilizados, também de acordo com a orientação individualizada de uma nutricionista.

– Em caso de enjoos e vômitos, dê preferência para alimentos secos. A inclusão de gengibre na alimentação também pode ajudar, como chás de frutas com gengibre. Também é importante identificar os alimentos e cheiros que causam as náuseas para evitá-los.

 

Quais são os alimentos mais indicados para fortalecer o organismo das mulheres com câncer?

De uma maneira geral, comida de verdade.

Variar os alimentos também é importante para aumentar e fortalecer a imunidade, além de uma boa hidratação.

 

Quando o caso é falta de apetite, existe algo que possa ajudar a abri-lo?

Preparar alimentos que sejam da preferência da paciente, pode ajudar.

Oferecer pequenas porções é sempre mais interessante do que encher o prato.

Alimentos mais leves e com maior digestibilidade também têm melhor aceitação. Vitaminas ou sopas podem ser boas opções.

Além disso, alimentos em temperatura ambiente ou frios tem maior aceitação, como frutas, água de coco e iogurtes.

 

Quais as principais reclamações feitas por elas em relação à alimentação no período de tratamento?

Além das náuseas/vômitos e da perda de apetite, algumas pacientes relatam diarreia ou intestino preso, alterações no olfato e no paladar e boca seca.

 

E como você as aconselha?

Aconselho sempre a ouvir o que o nosso corpo está dizendo e acolher esta informação. Vamos por partes, dia após dia. Pensando em estratégias que possam gerar mais conforto de acordo com cada demanda específica.

 

O que é preciso evitar e por quê?

Alguns alimentos e bebidas podem ser vetores de substâncias específicas que atuam como carcinogênicas. Alguns exemplos são: carne vermelha em excesso, salsicha, presunto, linguiça, bebidas alcóolicas e refrigerantes.

De maneira geral, é preciso evitar:

– alimentos ultraprocessados (fast food, bolachas recheadas, macarrão instantâneo, carnes processadas, entre outros);

– bebidas alcóolicas;

– carne vermelha em excesso.

 

Quais hábitos alimentares podem prejudicá-las?

Consumo frequente de fast food, carnes processadas como a salsicha e os embutidos, bebidas alcoólicas, alimentos pobres nutricionalmente falando como os ultraprocessados que não agregam em nada na imunidade e pelo contrário, debilitam o nosso organismo e diminuem a nossa capacidade de reagir e combater o câncer.

 

Estudos mostram que uma dieta deficiente em certos alimentos pode levar ao câncer de mama. Por que isso acontece? E quais são esses alimentos?

Ter uma alimentação deficiente em alimentos de origem vegetal como frutas, legumes, verduras, cereais integrais, feijões e outras leguminosas, e rica em alimentos ultraprocessados, como aqueles prontos para consumo e as bebidas açucaradas, pode aumentar os riscos do desenvolvimento do câncer.

Os alimentos saudáveis possuem antioxidantes, fornecendo ao organismo substâncias imprescindíveis para combater os radicais livres que atacam as células.

Alguns antioxidantes e onde eles podem ser encontrados:

– Vitamina A – Encontrada nos alimentos alaranjados, amarelos e vermelhos. 

– Vitamina C – Encontrada nas frutas cítricas. 

– Vitamina E – Encontrada nos óleos vegetais, grãos e nozes. 

– Zinco – Mineral encontrado nas castanhas. 

– Selênio – Mineral presente nas carnes, leite, nozes e castanhas. 

 

Quais fatores atribuídos a nutrição estão ligados a consequência do câncer?

Existem alguns mecanismos biológicos que podem estar associados à incidência do câncer como por exemplo:

– A associação do consumo excessivo da carne vermelha e processada e o risco aumentado de câncer: o cozimento de carnes a temperaturas elevadas resulta na formação de aminas heterocíclicas e hidrocarbonetos policíclicos aromáticos, que têm potencial mutagênico e têm sido associados ao desenvolvimento de câncer em estudos. O alto teor de sal da carne processada pode resultar em danos ao revestimento da mucosa do estômago, levando à inflamação, à atrofia e à colonização por Helicobacter pylori.

– Bebidas alcoólicas: são vários os mecanismos pelos quais o consumo de álcool pode levar ao câncer. O acetaldeído, um metabólito tóxico da oxidação do etanol, pode ser carcinogênico para alguns tipos de células, por exemplo colonócitos, em razão da conversão de etanol em acetaldeído pelas bactérias do cólon. O maior consumo de etanol pode induzir estresse oxidativo por meio do aumento da produção de espécies reativas de oxigênio, que são genotóxicas e carcinogênicas. O álcool também pode atuar como um solvente para a penetração celular de carcinógenos dietéticos ou ambientais, por exemplo tabaco, ou interferir nos mecanismos de reparo do DNA.

 

O que uma boa alimentação pode ocasionar na vida de uma pessoa que está enfrentando um câncer?

Uma alimentação saudável e rica em antioxidantes fortalece o sistema imunológico e favorece uma melhor e mais rápida recuperação.

 

Como nutricionista, como você enxerga a relação dos pacientes com câncer com os alimentos?

De modo geral, os pacientes com câncer começam a entender melhor a relação das boas escolhas alimentares com uma melhor recuperação e também para diminuir o risco de reincidência da doença.

Passada a fase de falta de apetite e enjoos, a tendência é de melhora da qualidade do que se come.

 

Pacientes em tratamento de câncer notam alguma alteração no paladar? (Algumas medicações tende a dar um gosto metálico na boca)

A alteração do paladar é um efeito colateral comum da quimioterapia. A ação de algumas medicações podem deixar a paciente com gosto de metal na boca. Nestes casos, tentamos utilizar panelas de vidro e utensílios e talheres de plástico para minimizar este desconforto. Outra sugestão é marinar a carne a ser consumida em sucos de frutas.

 

Muitos pacientes nessa fase perdem peso. É indicado algum suplemento a eles?

Qualquer suplemento ou aumento da densidade calórica nas refeições deve ser calculada de forma individualizada para cada paciente.

 

Além da alimentação, o que você aconselha as mulheres com câncer?

Acredito que seja o momento de uma reflexão mais ampla. Além de uma alimentação saudável, é preciso eliminar ou reduzir bastante a exposição a agentes cancerígenos como o tabaco, por exemplo. Se houver liberação para a prática de atividades físicas, mesmo que leves, também é muito importante. É preciso cuidar da saúde mental! Acompanhamento com psicólogos e uma rede de apoio verdadeira podem fazer a diferença.

 

Em caso de mulheres saudáveis, existem alimentos que podem auxiliar na prevenção do câncer?

Ter uma alimentação saudável é uma das formas de se evitar o câncer, como já foi dito. Alimentos de origem vegetal como frutas, legumes, verduras, cereais integrais, feijões e outras leguminosas, são ricos em antioxidantes e fibras que podem ajudar na prevenção da doença.

Por outro lado, a obesidade e os modos de vida sedentários podem alterar o ambiente metabólico sistêmico do organismo, de modo que originam microambientes celulares que conduzem ao desenvolvimento do câncer. Exercite-se!

Outro conselho importantíssimo: AMAMENTE. O ato de amamentar, principalmente de forma prolongada (até os dois anos ou mais) protege as mulheres contra o câncer de mama, além de proteger a criança contra a obesidade.

 

Nesse Outubro Rosa, na sua visão de nutricionista, o que você acredita que pode ser feito para ajudar essas mulheres?

É preciso ser rede de apoio para estas mulheres. Facilitar (fazer compras e preparar) refeições práticas e saudáveis pode fazer a diferença no dia a dia de quem luta contra o câncer.

Mas divulgar a importância de uma boa nutrição na PREVENÇÃO da doença também se torna algo que devemos fazer. Espalhar informações de qualidade e baseadas em evidências científicas é fundamental.

0 284

Por Daniela Reis 

Um diagnóstico que muitas vezes assusta e amedronta. Uma doença que interfere no corpo e na autoestima da mulher. O câncer de mama é uma doença que atinge mulheres de diferentes faixas etárias e que tem outubro como o mês destinado à sua conscientização. Hoje o Contramão traz uma matéria especial com dados e entrevistas que mostram que é possível vencer essa enfermidade. 

De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) no triênio 2020/2022 devem ser diagnosticados mais de 66,2 mil casos de câncer de mama no Brasil. No ano de 2018 ocorreram 2,1 milhões de novos diagnósticos no mundo, o equivalente a 11,6% de todos os cânceres estimados. 

A doença acomete pacientes do sexo feminino e masculino, porém é muito mais incidente entre as mulheres e ocupa a primeira posição em mortalidade por câncer entre pacientes do sexo feminino no país, com taxa de mortalidade ajustada (que mede os riscos em termos percentuais) por idade, pela população mundial. Para 2019, de 14,23 por 100 mil habitantes. As maiores taxas de incidência e de mortalidade estão nas regiões Sul e Sudeste do Brasil.

Mesmo com números tão elevados de mortalidade, a médica ginecologista e integrante do corpo clínico da Rede Consultar, Nathalie Fantoni, explica que o diagnóstico precoce é um fator que contribui muito para a recuperação. “Quanto mais cedo identificamos um problema de saúde, maiores são as chances de cura e mais simples são os tratamentos necessários. Por isso, é importante que os exames de rastreio sejam realizados. Os exames de rotina não evitam o câncer de mama, mas evitam que, uma vez que a doença ocorra, ela cause ainda mais complicações de saúde”.

Ainda de acordo com Fantoni, o câncer é uma doença multifatorial e seu surgimento está relacionado a fatores genéticos, ambientais e fisiológicos. “Maus hábitos como tabagismo, falta de atividade física e ingestão regular de álcool estão associados ao maior risco dessa doença no geral. Especificamente no câncer de mama, outros fatores de risco são: idade, menarca precoce, menopausa tardia, não ter tido filhos, exposição à radiação, terapia de reposição hormonal, obesidade e história familiar”, ressalta

Apesar de, mais de 70% dos diagnósticos acontecerem em mulheres na faixa etária dos 50 anos, a médica alerta que mulheres jovens também podem sofrer com a doença, é  importante o autoexame e os controles periódicos com o(a) médico(a) ginecologista. “Por isso é essencial conhecer o próprio corpo e passar por exame clínico periódico mesmo antes dessa idade”. Ela salienta que em pacientes mais novas os exames de imagem só serão solicitados se houver sintomas. “Não há rastreamento previsto para mulheres jovens sem fatores de risco e com exame físico normal”, finaliza. 

 

Sintomas

É importante que todas as mulheres conheçam o próprio corpo e realizem o autoexame para verificação de alguma anormalidade nas mamas e também visitar seu médico uma vez ao ano. “A consulta de rotina com o ginecologista deve ser anual, para passar por exame clínico e tirar dúvidas. A coleta do preventivo e a solicitação de mamografia serão feitos de acordo com a periodicidade dos protocolos do Ministério da Saúde, mas a consulta é fundamental”.

Cada tipo de câncer de mama manifesta diferentes tipos de sintomas, que variam de paciente para paciente. Mas segundo a médica os mais comuns são: nódulo duro, irregular e geralmente indolor, saída de secreção espontânea do mamilo (se a paciente não estiver amamentando), alteração da pele da mama ou do mamilo e inversão do mamilo.

Mulheres que possuem casos na família também devem ficar alertas. “Familiares de primeiro grau do sexo feminino com câncer de mama é fator de risco. Se houver algum parente homem com câncer de mama na família, é considerado fator de risco em qualquer grau de parentesco. Nesses casos, o acompanhamento médico deve ser mais criterioso e o rastreio é iniciado mais precocemente”, completa a ginecologista Nathalie Fantoni.

 

Histórias que inspiram

Apesar do susto do diagnóstico e da rotina pesada de tratamentos invasivos, é possível encarar o câncer de maneira mais leve e confiante, como mostram Roberta Albuquerque e Liosdete Bonaccelli. Ambas dividiram conosco as suas histórias para inspirar outras mulheres. 

 

Roberta Albuquerque 

A luta de Roberta começou em 2016, quando ela foi diagnosticada com carcinoma lobular invasivo, o segundo tipo mais comum de câncer de mama. “A notícia foi uma bomba. E embora a doença seja assustadora, o que mais me preocupava era meu filho portador de necessidades muito especiais. Autismo severo e síndrome de down, altamente dependente de mim pra tudo! Naturalmente qualquer mãe em uma situação como essa se apavora”, conta.

A falta de uma rede de apoio para auxiliar Roberta com o filho, fez com que ela adiasse o tratamento. “Tive que internar meu filho em uma clínica, visto que, eu não tenho família em BH. Mas só o fiz depois de fazer uma criteriosa pesquisa. Durante 5 meses, com um tumor enorme, enfim encontrei o local. Então eu já podia fazer minha cirurgia tranquilamente”.

Ela fez a retirada total das duas mamas, cirurgia denominada mastectomia radical e logo depois iniciou o tratamento. “Fiz o procedimento nas duas mamas, embora o tumor estivesse apenas em uma, eu não queria correr o risco de ter que passar por tudo novamente. Iniciei logo em seguida o tratamento, quimioterapia e depois radioterapia”, explica.

A maior preocupação era como mãe, Roberta pedia a Deus por sua vida, ela não queria partir e deixar seu filho especial sem suporte e sem o amor materno. Mesmo sendo especial, o garoto não tinha problemas sérios de saúde, porém na mesma semana em que ela perdeu todo o cabelo, consequência comum nos tratamentos de câncer, seu filho partiu do plano físico para o espiritual. 

Sem a família por perto, ela recebeu apoio à distância de seus entes queridos e explica a importância de se sentir amada em um momento tão difícil. E ao perguntar de onde ela tira tanta força a resposta é: “Deus! E a certeza de que ninguém vai embora antes da hora. Acordar com saúde é um privilégio negado a muitos”.  

O câncer ainda a assombra, ela continua sua luta de cabeça erguida e acreditando sempre no melhor. E quis compartilhar conosco um texto que ela postou no ano de 2020 em suas redes sociais e que diz traduzir o sentimento dela em relação à doença. 

“O câncer me ensinou que momentos valem ouro, que nosso corpo é nosso templo, que a vida pode ser curta e que não podemos depender de ninguém pra ser feliz. 

O câncer me ensinou o lugar das coisas, das pessoas e o meu lugar no mundo. 

Me ensinou a gostar das coisas simples, me deu um lugar de fala e de pertencimento. 

Não virei Santa e nem mais sábia, sou apenas alguém que entendeu a oportunidade que lhe foi dada, sendo assim, eu vivo com exagero toda minha simplicidade… A vida é o agora!”

 

Liosdete Bonaccelli

O diagnóstico de Liosdete aconteceu em janeiro de 2021. A descoberta veio através de um exame de mamografia após ela sentir uma coceira insistente na auréola de uma de suas mamas. “Eu recebi o resultado do exame e dia 13 tive certeza absoluta com a confirmação do médico. Descobri o câncer através de uma coceira que tive na auréola do meu seio esquerdo. Como já havia feito mamografia no início de 2020 e não havia dado nenhum nódulo, resolvi, então, pedir uma nova mamografia a minha Endocrinologista, pois o médico ginecologista havia dito que eu tinha feito uma mamografia no início do ano, e não me deu novo pedido”, explica. 

Ela conta que na sua família há anos atrás duas primas também sofreram com o câncer de mama e que havia informado isso à técnica que realizou uma das suas mamografias, mas que mesmo assim a profissional não deu importância a esse fator e nem as manchas que acusaram no seu exame. Então, quando o médico lhe deu o diagnóstico, não houve espanto. “Para mim, não foi uma coisa assustadora. Não chorei e também não me desesperei, o médico até perguntou “Não está surpresa?” Eu disse: Não, porque eu estava suspeitando, por causa da coceira e meu cabelo estava caindo. Pensei comigo “Agora é cuidar, seguir em frente e colocar nas mãos de Deus.” Pois na vida, nada acontece por acaso. A minha preocupação era em comunicar a minha família, pois perdi um sobrinho no mesmo dia que descobri o câncer”.

Segundo Liosdete, a parte mais dolorosa de tudo isso é o tratamento de quimioterapia. “A quimioterapia que enfraquece, que transforma você em um ser sem vida. As injeções que são em veias invisíveis, praticamente. O enfraquecimento das pernas, a dor estomacal, a perda do olfato e do paladar, um pouco de perda de memória, fora o cansaço físico”, afirma.

O tratamento doloroso influencia muito na rotina de pacientes e com Liosdete não foi diferente. Ela que tinha paixão por cozinhar, parou de preparar suas delícias, pois não aguentava sequer o cheiro da comida. Também parou com o curso que fazia e até atividades prazerosas foram prejudicadas. “Com a colocação do cateter não posso fazer natação ou hidroginástica, que era um dos objetivos para esse ano. Já não saio mais de casa, por medo de contrair doenças oportunistas, pois a imunidade com o tratamento fica muito baixa. Ainda peguei covid-19 através de visitas que vieram em minha casa e infelizmente estavam contaminadas”.

Mas, as mudanças não são apenas negativas. A doença trouxe uma nova visão de vida. “Me vejo hoje, uma pessoa melhor a cada dia. Me sinto uma pessoa mais perseverante, mais independente, com uma nova visão da vida, tipo: não deixe para amanhã o que pode fazer hoje, me apeguei mais aos amigos e procurei aqueles que há muito não via. Coloquei a família, irmãos, primos, sogra, cunhadas(os) em segundo lugar e em primeiro lugar veio a minha saúde que nunca deixei de cuidar, mesmo na pandemia, faço meus exames frequentes. Então, a vida me ensinou que nós devemos viver, sermos mais humanos, mais amigos, mais chegados, ter mais fé, confiar mais em Deus e acreditar que tudo passa”, ressalta

E com essa energia positiva ela deixa um recado: “Eu diria que, na vida, enquanto pessoas, estamos sujeitos a tudo e a todo tipo de doença. Mas, não devemos colocar obstáculos na nossa frente pois tudo passa. Devemos erguer a cabeça e continuar porque ainda que venham as dores do tratamento, somos mais do que vitoriosas e não devemos desistir. Devemos pensar na família, se tivermos filhos, nos filhos. E que essa experiência só nos faz melhores seres humanos. Que olhem para dentro de si e vejam a força que existe em cada uma de nós. Eu ainda estou fazendo tratamento, e depois de passar pela quimioterapia vejo como eu fui, através da minha dor, e talvez até do meu egoísmo, em pensar só em mim, em desistir, o quanto fui covarde. Vendo nos olhos de quem me ama como família e amigos, o choro da sinceridade com que eles me abraçavam e choravam por mim. Então, eu só digo: Não desistam. Essa é uma luta de todas nós, com gosto de vitória”.

 

 

Por Daniela Reis 

No dia 30 de setembro do ano de 1917 nascia Abelardo Barbosa, o famoso Chacrinha. Grande comunicador da TV, ficou famoso pela sua descontração e irreverência. Criador da famosa frase “na televisão, nada se cria, tudo se copia”, o apresentador alcançou popularidade, sobretudo, com os programas de calouros na TV.

Importantes nomes passaram pela buzina do debochado comunicador, como Fagner, Joana, Beth Carvalho, Jorge Ben, Nelson Ned, Wanderléa, Moraes Moreira e Fábio Júnior. E bordões como “Teresinha!”, “Vocês querem bacalhau?” , “Eu vim para confundir, não para explicar!” ocupam até hoje a memória de muitos brasileiros.

Sua história  foi repleta de intensos momentos. Desde sua estreia na TV Tupi, com a Discoteca do Chacrinha, sua passagem pela TV Rio, Rede Globo, retorno à Tupi, passando pela Bandeirantes e, até enfim, voltar à Globo, nas tardes de sábado.

DÉCADA DE OURO

A partir de 1945, trabalhou em várias emissoras de rádio apresentando o programa Cassino do Chacrinha, no qual lançou sucessos como Celly Campello com “Estúpido Cúpido”. Mesmo depois de se tornar sucesso na TV, Chacrinha nunca abandonou o trabalho em rádio.

A estreia na televisão aconteceu em 1956, na TV Tupi, com quatro programas: Festa no ArraialMusical Selo de OuroSucessos Mocambo e Clube da Camaradagem. Em seguida, estreou o infantil Rancho Alegre, paródia aos filmes de faroeste, no qual interpretava o xerife. Também começou a apresentar a Discoteca do Chacrinha, na mesma emissora. No início dos anos 1960, apresentou sua Discoteca na TV Paulista, TV Rio e TV Excelsior, sempre com grande sucesso.

DISCOTECA DO CHACRINHA

Chacrinha foi contratado pela Globo em 1967, para apresentar dois programas: a Discoteca do Chacrinha, às quartas-feiras, e A Hora da Buzina, rebatizado em 1970 como Buzina do Chacrinha, aos domingos.

Apesar da boa repercussão, em dezembro de 1972, voltou para a TV Tupi. Em seguida, foi para a Record e retornou para a TV Tupi. E em 1978, mudou-se para a TV Bandeirantes. Só voltou à Globo em março de 1982, dessa vez para apresentar, nas tardes de sábado, seu maior sucesso, o Cassino do Chacrinha. Mistura de programa de auditório com atrações musicais e show de calouros, o Cassino tinha a direção de José Aurélio “Leleco” Barbosa, filho do apresentador, e de Helmar Sérgio, e permaneceu na grade de programação da Globo até a morte do apresentador, em 1988.

Em seus programas, o “Velho Guerreiro”, exerceu seu talento único para a comunicação através de uma persona extravagante que o tornou um ícone da televisão brasileira. Até o início dos anos 1960, vestia-se de terno e gravata para apresentar os programas. Depois, passou a se apresentar com figurinos excêntricos – o primeiro deles incluía um boné de disc-jóquei e um enorme disco de telefone para pendurar no pescoço – ou fantasiado das maneiras mais espalhafatosas, como baiana estilizada, telefone gigante, noiva ou mulher-maravilha.

 

ALÔ, TEREZINHA!”

Durante o programa, fazia soar a buzina de mão que usava para desclassificar os calouros nos concursos que promovia. Tinha o hábito de apontar para o próprio nariz quando queria enfatizar uma de suas frases, ao mesmo tempo debochadas e insólitas, que se tornavam bordões instantâneos, como: “Alô, Terezinha!”, “Quem não se comunica se trumbica”, “Na TV nada se cria, tudo se copia” e “Eu vim para confundir e não para explicar”. O apresentador também “distribuía” gêneros alimentícios para a plateia, arremessando bacalhaus, farinha, abacaxis, pepinos, etc.

Os programas de Chacrinha contavam ainda com as chacretes – dançarinas que faziam coreografias durante as atrações e tinham nomes exóticos como Rita Cadillac, Fernanda Terremoto e Fátima Boa Viagem – e com o seu corpo de jurados, do qual fizeram parte figuras marcantes como o produtor musical Carlos Imperial, a cantora Aracy de Almeida, a transformista Rogéria e a atriz Elke Maravilha.

Chacrinha e suas Chacretes

CENSURA

Por conta de seu comportamento anárquico, Chacrinha teve problemas com setores mais conservadores da sociedade e com a Censura Federal. Foi importunado pelos censores que não permitiam que as câmeras mostrassem os corpos das chacretes e procuravam inibir suas brincadeiras, especialmente as frases de duplo sentido. Numa ocasião, o apresentador se sentiu desrespeitado na maneira de ser abordado nos bastidores do programa e chegou a escrever à Censura Federal, reclamando formalmente dos maus-tratos recebido pelos censores.

Todos os anos, Chacrinha lançava marchinhas de carnaval que ficaram famosas. Em 1987, foi homenageado pela Escola de Samba carioca Império Serrano, com o enredo “Com a boca no mundo: quem não se comunica se trumbica”. Chacrinha fechou o desfile, no alto de um carro alegórico, cercado de chacretes e acompanhado da jurada Elke Maravilha e do seu assistente de palco, Russo.

ÚLTIMO CASSINO DO CHACRINHA

Em 1988, a saúde de Chacrinha começou a dar sinais de que não ia bem. O humorista João Kléber chegou a apresentar alguns programas em seu lugar. Em junho, o apresentador voltou ao comando do programa, mas, ainda não totalmente restabelecido fisicamente, precisou da ajuda de João Kléber. O último Cassino do Chacrinha foi ao ar no dia 2 de junho de 1988. Chacrinha faleceu naquele ano, em 30 de junho, aos 70 anos, vítima de câncer no pulmão.