Page 3

0 158

Por Bianca Morais

Nesse mês de setembro, a unidade da Una no Barreiro, completa seus 15 anos, mesmo ano em que o Centro Universitário Una completa seu sexagenário. O campus localizado na região do Barreiro, uma das mais movimentadas da capital mineira, é sem dúvidas um local que abriu portas e oportunidade para aquela localidade.

Atualmente a região, que se industrializou em meados do século XX, se modernizou, expandiu e entre as regionais de Belo Horizonte é uma das mais populosas, com cerca de 300 mil habitantes, distribuídos em 54 bairros. Caso fosse emancipado, o Barreiro estaria entre uma das maiores cidades do estado.

Agora imagine, um belo horizontino, que carrega consigo a vontade de fazer uma faculdade, que vive e trabalha na região, precisar se deslocar para o centro da capital ou lugares mais distantes para estudar. Um dos lemas do Grupo Ânima, mantenedor da Una, é “Transformar o país pela educação”, oferecendo um aprendizado de excelência, com os melhores profissionais do mercado, incluindo inovações e melhorias, e foi dessa maneira que há 15 anos a instituição chegou no Barreiro.

A Una Barreiro está localizada dentro do Via Shopping, o principal centro comercial da região, e próximo a importantes indústrias. O aluno tem a sua disposição no lugar, modernos laboratórios de informática, laboratórios de empresas simuladas, áreas de convivência e biblioteca com amplo acervo. São mais de 3 mil estudantes, distribuídos em mais de 36 cursos de graduação das áreas de saúde, ciências agrárias, humanidades, engenharias, Tecnologia, Ciências Jurídicas e Gestão.

 

O início de tudo

A unidade inaugurou com os cursos da área de Gestão, sobretudo, tecnólogos como Processos Gerenciais, Gestão de Recursos Humanos, Comercial, da Qualidade e Logística, além dos cursos tecnólogos da área de tecnologia como Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Em seguida, diante da autorização do MEC e da grande demanda, iniciaram os cursos de Engenharias: Civil, Mecânica e Produção.

Os cursos tecnólogos de gestão e tecnologia tinham alta procura, mas a oferta dos cursos de engenharias foi o grande marco do crescimento da unidade, chegando a formar seis turmas simultâneas. Durante a trajetória do campus existiram alguns marcos de aumento procura divididos por áreas. No começo foi na área da gestão, com os cursos tecnólogos e depois de bacharelado, como o curso de Administração. 

Os cursos de engenharias deram seu pontapé inicial em 2012, com uma grande busca na região do Barreiro e do entorno, iniciando o semestre com a entrada de aproximadamente 300 alunos apenas nestes cursos: Engenharia Civil, Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção. Posteriormente, a área da saúde iniciou no campus trazendo muita demanda e aumento do portfólio de nossos cursos possibilitando a oferta de serviços à comunidade com a Clínica Integrada da Saúde.

Atualmente os cursos mais procurados são os da saúde, Direito e Psicologia. 

“A UNA Barreiro teve um crescimento de portfólio de cursos permitindo o acesso da comunidade local em cursos superiores de qualidade. O campus além da sua grande ampliação foi projetado de forma que a comunidade fizesse parte com possibilidade de prestação de serviços como clínica integrada da saúde, NPJ, Bureau”, conta Tatiane Puiati, diretora do campus.

 

Os projetos da unidade

A unidade se localiza em um polo industrial em constante crescimento, por isso, está sempre promovendo projetos que contribuem com o despertar dos jovens para o conhecimento científico, como é o caso do “Viver Ciência”.

O projeto Viver Ciências iniciou através do discurso de um palestrante no simpósio dos professores, que relatou a experiência do aluno do ensino médio de vivenciar a ciência dentro de uma universidade, com a vivência e orientação dos professores do ensino superior e a proximidade de vivenciar uma universidade, despertando o interesse de um cursar uma faculdade. 

A então coordenadora, Iracema Campelo, idealizou o projeto com os professores da área de engenharia, visando contribuir para o desenvolvimento dos alunos da rede pública do ensino fundamental na área de ciências, pensando no aprendizado baseado na experiência do aluno.

O projeto inicialmente foi direcionado aos cursos de engenharias com a oportunidade dos estudantes vivenciarem práticas nesta área, podendo ser ampliado para outras possibilidades como gestão e tecnologia. Ele permite uma formação dos alunos de ensino médio de comportamento, soft skills, raciocínio lógico e práticas em química e física possibilitando o aprendizado na prática.

Além do projeto Viver Ciência, a Una Barreiro procura estabelecer uma relação com a comunidade de parceria e oferta de serviços como a Clínica Integrada da Saúde com atendimentos na área de nutrição, fisioterapia e psicologia. Inclusive, a inauguração dela será feita de forma presencial como uma das comemorações do aniversário de 15 anos, a clínica já está em funcionamento, no entanto, em função da pandemia, ainda não tinha ocorrido.

“Temos o serviços de jurídico através do núcleo de práticas jurídicas. A UNA Barreiro também oferece atendimento de serviços através do Beta – Bureau (Escritório) de Engenharia, Tecnologia e Arquitetura com atendimento de revitalização de praças junto às prefeituras, projetos de arquitetura e civil, desenvolvimento de sites e aplicativos e assessoria nessas áreas”, explica Tatiane.

Tendo parcerias com a prefeitura de Belo Horizonte, Ibirité, Sarzedo, Comunidade Viva do Barreiro e todas as empresas da região, a Una Barreiro oferece atendimento em todas as áreas do conhecimento como:

– Clínica de psicologia

– Clínica de Nutrição

– Clínica de Saúde

– Serviços Jurídicos através do NPJ

– Serviços Financeiros e Contábeis através do NAF

São atendimentos gratuitos e desenvolvimento da comunidade, escolas e empresas da região através dos mais de 30 projetos de extensão realizados pelos alunos e professores a cada semestre.

Os 15 anos

Nesse aniversário de 15 anos da Una Barreiro, a unidade pretende valorizar a comunidade local que faz parte da história do campus, dos alunos e professores. 

“Estamos investindo cada vez mais na infraestrutura, qualidade acadêmica e na área de saúde e ciências agrárias”, conclui a diretora.

Com a palavra, os alunos

Geisiane Bonifácio Andrade

“Ingressei na UNA em agosto de 2018 através de prova vestibular, no curso de Administração – LF Administração de Empresas. Estou na reta final, cursando o 7º período do curso. Escolhi o Campus Barreiro, pela proximidade da minha casa, já que moro no bairro Diamante.

Consigo estudar, graças a oportunidade do programa Pravaler. Eu não teria condições de pagar a mensalidade integralmente e, pelo que sei, é um programa que outras universidades não tem. A UNA tem me atendido muito bem nesses 3 anos e meios que estou por aqui, sempre que precisei foram atenciosos e dedicados a resolverem os problemas. Gosto da liberdade de expressão e criação que eu tenho dentro da Una, posso criar, posso projetar, posso propor e isso é algo que pra mim, faz toda a diferença.

Sempre tive uma boa referência do Centro Universitário Una. Ouvia conhecidos dizendo que a qualidade de ensino era muito boa e que a faculdade estava preparando profissionais para um mercado de trabalho que estava cada vez mais competitivo. E eles tinham razão, nesses 3 anos e meio de curso, a UNA vem de fato me preparando na prática para o mundo lá fora, desenvolvendo em mim as competências de hard e soft skills, tão necessárias para se competir no mercado.

Na UNA eu sou líder de turma há 6 períodos, há mais ou menos um ano me tornei também representante do curso no colegiado do MEC. Criei uma relação de carinho, admiração e respeito com meus professores e meu coordenador. Se eu puder citar: Wander Moreira, Fabiana Almeida, Paloma Xavier, Patrícia Nascimento, Cláudia Martins, Frederico Vargas e meu coordenador Flávio Santos que, desde a primeira vez que pude ouvi-lo em sala, falando sobre administração e o poder da gestão, eu me senti inspirada e sabia que tinha acertado na escolha do meu curso, porque era exatamente o que eu queria. Por diversas vezes me coloquei pessoalmente para eles, com questões de trabalho, projetos, desenvolvimento de carreira e etc. Eles sempre ouviram e apoiaram da melhor maneira possível.

Recebi menção honrosa em Maio de 2021 da UNA Barreiro pela arrecadação de alimentos na campanha Drive Thru solidário.

Participei de muito eventos bacanas na universidade, mas três, são bem marcantes para mim:

  •   Summaê da Gestão
  •   La Casa da Gestão
  •   Rei & Rainha das Exatas

Participei também, por dois semestres consecutivos, do Canal Integrado da Gestão que traz uma vivência muito marcante de como é a realidade de diversas empresas. No projeto, realizamos uma consultoria com as empresas. Ouvimos suas dores, visualizamos os problemas e com base no conhecimento adquirido em sala, de modo analítico, criamos soluções, projetos de melhoria e apresentamos aos empresários. E é uma alegria imensa, você, ainda que estudante, possa ajudar um empresário a tocar melhor seu negócio e dar para ele e sua empresa uma nova perspectiva. Nesse projeto de extensão, tive a chance de ajudar duas empresas.

Nos projetos interdisciplinares (semestrais), fui muito marcada pelo grau de dificuldade e desafio que os professores sempre propuseram, mas também, sobretudo, pelo resultado alcançado. Três projetos me marcam muito:

  1. Elaboração de Plano de Negócios, de acordo com a cartilha do Sebrae no 5º período. Nós elaboramos o plano de um PETSHOP – Vida Animal, foi muito difícil pensar em todas as variáveis que um empreendedor precisa ter em mente antes de abrir uma empresa, mas por fim, elaboramos um plano interessante, capaz de gerar uma lucratividade palpável.
  1. Criação de uma empresa Sustentável, no 4º período. Nós criamos uma empresa de roupas chamada AMBIENTE. As matérias primas como algodão orgânico, seriam utilizadas na confecção, para além de reutilização da água utilizada na fabricação do Jeans. E no mundo de hoje, é difícil imaginar a sustentabilidade né? Foi desafiador, mas por fim conseguimos unir o Sustentável com o Rentável.
  1. No meu 2º período tivemos liberdade para escolher a proposta de trabalho. Eu sou muito ligada ao social, sendo voluntária e engajadora de alguns projetos que têm ajudado centenas de pessoas a ter dignidade. Pensando nisso, quis fazer algo para levar o conhecimento adquirido em sala para outras pessoas. Pensei no nicho de jovens e criamos o projeto “Financial Umbrella Academy” para jovens do ensino médio, em regiões de alta vulnerabilidade social do Barreiro. Esse projeto se mantém hoje suspenso, por conta da situação de pandemia, mas, após o segundo período, continuamos indo às escolas, palestrando e mudando vidas com aulas práticas, um material didático totalmente adaptado a linguagem do público-alvo e aplicação de conteúdo lúdico através de um jogo de tabuleiro que criamos, para deixar a abordagem mais divertida. Esse, sem dúvidas, é o projeto que mais me marca. A UNA apoiou muito esse projeto, inclusive se disponibilizando a fornecer certificados para os alunos participantes e brindes”.

 

Fabrício Adriani

 “Entrei na Una Barreiro em agosto de 2018 para o curso de Administração de Empresas, escolhi a unidade por morar na mesma região, e atualmente, está atendendo minhas necessidades. Neste 2º semestre de 2021, estou no 7º período.

Desde quando eu entrei na Una sempre procurei estabelecer um bom networking tanto com meus colegas de sala quanto professores e coordenadores. Flávio, por exemplo, sempre foi meu coordenador e me deu vários conselhos em relação a carreiras e processos seletivos. Teve uma matéria que ele nos ministrou sobre gestão de pessoas, onde eu peguei várias insights chaves sobre comportamento humano, relacionamento entre colaboradores e colegas de trabalho, ele é uma pessoa ímpar e realmente entende desse assunto e sempre me ajuda em vários pontos.

Até hoje eu pude participar de projetos de extensão que instigaram habilidades de colocar em prática o que aprendi em sala de aula, além de participar de palestras que me trouxeram insights importantes para minha trajetória.

Um projeto de extensão que eu gostei bastante de fazer foi no semestre passado onde nós colocamos em prática realmente aquilo que aprendemos com a professora, foi um projeto de marketing digital onde tivemos que fazer uma consultoria com uma pessoa, realmente pegamos ali na prática, no dia a dia, para entendermos exatamente o que acontece nesse processo de consultoria de marketing digital. Foi uma experiência incrível e uma ótima oportunidade para aprendermos.

De modo geral, tenho uma boa relação com meus professores e colegas de sala, e é justamente isso que eu acredito que uma faculdade mais agrega: o networking construído”.

 

Gabriel Alves Ferreira

“Eu gosto muito de falar que a UNA me encantou, em um primeiro momento, ingressei na faculdade pelo PROUNI, que sem dúvida, nas condições que vivia, era a única forma de conseguir dar o primeiro passo para a construção do meu currículo e trajetória no mercado de trabalho. Sempre acreditei que a faculdade engrandece o currículo de qualquer profissional, possibilita um leque de novas oportunidades, torna cada vez mais possível ser um profissional apto para a disputa do mercado, e junto a isso auxilia o amadurecimento na exploração do melhor potencial pessoal.

Durante a minha trajetória dentro da faculdade obtive a oportunidade de vivenciar momentos ímpares, que ao longo do caminho me tornaram mais maduro com os desafios de ser universitário. Aprendendo a conciliar, trabalho, estudo e vida pessoal.

Das aulas presenciais até a chegada das aulas remotas, sem dúvida foi o maior desafio durante esses anos na faculdade. Contudo, a instituição me trouxe a proximidade de ter aulas remotas como qualquer uma que fosse lecionada no presencial. O fácil acesso ao corpo docente e áreas de apoio, trouxe a tranquilidade em encarar esse novo momento de forma abraçada.

Toda essa experiência vivenciada dentro da UNA, fez com que minha vida profissional pudesse experimentar novas oportunidades. Diante das aptidões que agreguei durante a minha graduação, me trouxe o crescimento profissional, que me permitiu assumir novos papéis dentro da minha corporação, total ligado à área de gestão. Proporcionando executar tudo aquilo que aprendo no meu dia a dia na universidade.

O curso de Gestão Comercial por ter um viés interdisciplinar nos faz sair um pouco da perspectiva de formação muito específica – com o currículo extremamente rico oferecido pela UNA, é possível construir conhecimentos relativos tanto à gestão comercial quanto à gestão de empresas, aumentando assim a empregabilidade do egresso, construindo uma visão mais crítica do mundo e, a partir daí, a maturidade para enfrentar desafios profissionais e pessoais.”

0 89

Por Keven Souza

O ato de brincar é um comportamento presente em todas as culturas, cada qual com suas particularidades, trás por meio da brincadeira o desenvolvimento intelectual, afetivo e social da criança, como uma linguagem importante que resulta positivamente na fase infantil. Além de ser um direito dos pequenos, a brincadeira é uma atividade lúdica, em que a criança relaciona ideias, estabelece relações, forma conceitos, reforça as habilidades sociais, desenvolve a expressão oral e corporal, reduz a agressividade, constrói o seu próprio conhecimento e integra-se na sociedade.

A Brinquedoteca da Una Itabira está sendo desenvolvida com reflexo nessas nuances, para compreender, de maneira eficiente, o quão necessário é obter um espaço destinado a facilitar o ato de brincar para estimular a criatividade, imaginação e comunicação dos pequenos através de jogos pedagógicos, brincadeiras populares, brinquedos diversos, leitura de livros de histórias infantis e a produção dos seus próprios brinquedos.

O projeto, com metodologia extensionista, já acontece de modo online e tem por objetivo propiciar um ambiente de aprendizagem multidisciplinar com referência para o desenvolvimento de atividades lúdicas na infância, além de fomentar a pesquisa acadêmica, por meio de estudos e reflexões, direcionado aos alunos que queiram compreender as principais teorias que fundamentam o espaço criativo.

Encontros virtuais da brinquedoteca Una Itabira

 

A importância do ‘cantinho’ lúdico

A primeira ideia do espaço criativo surgiu em Los Angeles, em 1934, com a pretensão de resolver o problema de uma loja de brinquedos que estava sendo furtada por crianças de uma escola pública da vizinhança. Naquela época, a solução foi criar um serviço de empréstimo de brinquedos para toda a comunidade. Hoje, estão espalhadas por todo o mundo. Começaram em espaços educacionais como as escolas, foram modelos padronizados para os centros médicos e, finalmente, chegaram nos espaços residenciais, sendo ponto de encontro das crianças da vizinhança do bairro ou dos condomínios que dispõem dessa infraestrutura, além de estarem no ambiente acadêmico como metodologia de estudo e pesquisa para inúmeras áreas que se interessam pela educação infantil.

Desde então, a brinquedoteca tem sido um dos maiores instrumentos pedagógico educativo na interação e vivência das crianças, que por meio dela, podem explorar um mundo mágico, onde é permitido o “faz de conta” impregnado de criatividade, manifestações de afeto e apreciação pela infância de forma harmoniosa e prazerosa.

Nessa perspectiva, o projeto Brinquedoteca tem o papel fundamental de informar a comunidade local sobre a importância do brincar dos pequenos. Sendo a segunda vez ofertado aos alunos, é hoje liderado pela professora Cristina Garcia, que está a frente da extensão desde seu início em março de 2021, direcionada a orientar e coordenar as diferentes ações propostas na extensão. 

“O projeto tem por objetivo criar um ambiente de aprendizagem de referência para o desenvolvimento de atividades lúdicas na infância, valorizando o ato de brincar e contribuindo na formação de professores e outros profissionais para a atuação na educação infantil”, explica a professora  Cristina Garcia, sobre a idealização do projeto. 

Neste semestre o foco será a organização e montagem do ambiente de fato da brinquedoteca, com acervo de brinquedos, jogos e materiais pedagógicos. Cristina Garcia, afirma que existe uma articulação para promover o espaço efetivo da brinquedoteca e que houve uma expectativa positiva por parte da comunidade. “A partir das atividades desenvolvidas no semestre anterior foi possível perceber a necessidade da criação de um espaço dedicado às atividades lúdicas do brincar. Tivemos um bom retorno da comunidade sobre as ações promovidas no Instagram, isso motivou bastante nossos alunos. Acreditamos conseguir uma participação e envolvimento significativo da comunidade nas ações futuras desse projeto”, explica. 

A partir daí da criação do espaço, no campus da Una Itabira, será oferecido um local estratégico e pensado inerente à aprendizagem infantil, apropriado para professores e acadêmicos planejarem e vivenciarem propostas recreativas com crianças da Educação Infantil, da rede pública e privada da cidade e região. Todas as ações estão ainda em projeção e serão pensadas de maneira a permitir o desenvolvimento cognitivo e intelectual dos menores.

Além da estruturação do espaço criativo, o projeto vem atuando a favor do saber entre a universidade e a comunidade mediante ações desenvolvidas que permitem aos alunos colocarem em prática todo o conhecimento adquirido em sala de aula. Desde seu início, tem operado de forma online, devido a sua inauguração ter acontecido durante a pandemia de Coronavírus, por meio da produção de conteúdo na plataforma do Instagram. Entre as principais atividades dos alunos, estudantes de quaisquer cursos da Una Itabira podem se inscrever e participar, realizando funções de pesquisa, planejamento de atividades infantis, criação de materiais didáticos e divulgação do projeto de modo online. 

O protagonismo dos alunos extensionistas no planejamento e execução das atividades é que o diferencia de outros projetos ativos na instituição. Laércio Francisco de Souza Alves Júnior, que é estudante do quarto período de Pedagogia e extensionista do projeto desde o início do ano, afirma que, a Brinquedoteca trouxe a oportunidade de desenvolver um trabalho educacional diferenciado e significativo, capaz de produzir resultados eficazes na sua formação acadêmica e para a realidade escolar que se tem hoje. “O trabalho do pedagogo remonta à criatividade, como uma maneira de viabilizar processos educacionais. Em vista disso, fica claro que a abordagem desse projeto colabora de modo significativo para a minha formação acadêmica”, diz o aluno. 

Suas ações dentro da extensão eram destinadas a criar e desenvolver a produção de conteúdo online através das redes sociais do projeto, ao lado de seus colegas, em que trabalhava com publicações periódicas acerca da temática infantil, acompanhadas de lives ministradas por profissionais do segmento educacional. Com isso, criava e revisava as postagens e as publicavam, além de convidar profissionais para debates e roda de conversa.

Para o estudante, a satisfação é o sentimento que simplifica sua participação e ressalta o quanto é imprescindível atuar ao lado de uma equipe de educadores proativos. “Digo que esse projeto abarca uma proposta singular. De modo geral, o sentimento que representa a minha participação é a satisfação. Satisfação em integrar uma equipe de educadores que, ainda em formação, já almejam uma educação que caminhe sempre rumo aos melhores cenários”, explica ele.

 

 

*Essa matéria foi produzida sob a supervisão da jornalista Daniela Reis.

0 132

Por Keven Souza

As mulheres têm conquistado seu espaço e seus direitos quando fala-se na inserção feminina no mercado de trabalho. Embora seja uma conquista de tamanho avanço social, a luta pela equidade de gênero ainda existe, que além de ser contínua, é necessária para diminuir as diferenças de oportunidades, salários e qualidade nos diferentes âmbitos profissionais. É uma luta que deve ser tocada por todos da sociedade, inclusive pelas instituições acadêmicas, para que haja um mercado de trabalho mais justo e gentil às mulheres. 

É neste propósito que o Centro Universitário Una acredita e se flexibiliza para criar e projetar projetos e cursos extensionistas voltados às pautas que envolvem a sociedade, que além de proporcionar uma formação à vida, corrobora para um ambiente acadêmico mais diverso e atento às causas sociais. 

Na Una Jataí (GO) os estudantes contam um projeto de extensão que contribui para a construção de um mercado de trabalho mais equiparado e alinhado às mulheres, focado na valorização e colocação delas em áreas profissionais que são predominantemente masculinas, como as Engenharias, a Agronomia e a Medicina Veterinária. A atividade extensionista, nomeada de projeto “desConstruir”, foi idealizada pela professora Janaína Martins Gouveia, que atua hoje, como coordenadora da extensão junto à professora Vanessa Assis, para debater o assédio nos diferentes meios profissionais e acadêmicos, além de buscar formas de combatê-los. 

O projeto foi iniciado no primeiro semestre de 2020, pensado, a princípio, inerente a área das Engenharias, mas devido ao seu sucesso e o grande interesse por parte dos alunos da instituição em desenvolver uma visão mais aberta e plural, abrange hoje alunos e alunas de quaisquer cursos da Una campus Jataí. Desde de então vem sendo renovado consecutivamente a cada novo semestre letivo e soma em sua trajetória cerca de 80 extensionistas já atuantes no projeto e que atualmente está ativo mediante a relevância no campo acadêmico. 

“O desConstruir foi projetado frente ao mercado de trabalho de Engenharias de forma geral, que ainda se comporta como preconceituoso e machista. Por diversas vezes sofri preconceito, questionamentos e passei por situações desconfortáveis, como o assédio, simplesmente por ser mulher. E quando me tornei professora, idealizei este projeto, para que minhas alunas não tivessem que passar pelo o que eu passei” – diz a coordenadora do projeto, Janaína Martins. 

Na visão da professora, o projeto ser desenvolvido como atividade extensionista, é para ele atuar de maneira concentrada na base do mercado de trabalho, no qual se refere aos graduandos, e estimular a atuação em conjunta, de forma equiparada, dos homens junto às mulheres nos ambientes profissionais e acadêmicos. “Entendemos que seria mais difícil trabalhar no topo, cujo pensamento dessas pessoas já está formado há anos, então trabalhamos na base, onde temos a oportunidade de trabalhar e preparar os alunos e alunas para um mercado de trabalho mais empoderado às mulheres e desconstruído de um padrão imposto pela sociedade” explica ela. 

Com a premissa de desenvolver o empoderamento feminino, o desConstruir propõe a aplicação de oficinas e consultorias às mulheres para que possam desenvolver competências e outras técnicas e habilidades importantes no mercado. Tem por objetivo tratar de assuntos que possibilitem a todos os alunos pensarem e refletirem sobre suas ações em relação a assuntos de equidade de gênero, assédio sexual e moral, maternidade e temas correlatos, por meio de rodas de conversa, campanhas e palestras. 

Participante da oficina “Mulheres na obra”, promovida pelo projeto

Devido a sua estreia ter sido durante a pandemia de coronavírus, as ações presenciais foram limitadas e destinadas a atuar de modo remoto com atividades através da plataforma do Instagram, onde é desenvolvido a produção de conteúdo envolvendo a pauta feminina. 

Entre as principais realizações promovem roda de conversa sobre a maternidade e o mercado de trabalho; lives com convidadas sobre cuidados femininos; oficina de currículos, onde estimula mulheres a construir um currículo atrativo; oficina presencial “Mulheres na obra”, onde levam meninas para obras e as mesmas colocaram a mão na massa; vídeos sobre “Faça você mesma”, com troca de chuveiro e troca de pneus; cartilha sobre outubro rosa e o câncer de mama e o estudo dirigido aos extensionistas, através da promoção e valorização da cultura por meio de séries, filmes, artigos e debates do universo feminino.

Encontro online do projeto

Para a estudante Edivaine Martins, que está no sexto período de Engenharia Civil e participa desde o início do projeto, as rodas de conversas então entre as atividades que mais a permite estimular a empatia e lhe engaja para debater sobre seus medos, anseios e posicionamentos. Uma metodologia que a ajudou a crescer como mulher e a observar melhor comportamentos machistas ao seu redor. “A escolha do projeto foi de interesse pessoal, sempre trabalhei em ambientes majoritariamente constituídos por profissionais homens e enfrentei muitas situações constrangedoras no decorrer de todos esses anos. Mas, cresci muito com esse projeto, me sinto hoje apoiada e empoderada”, explica.

Segundo a aluna, o projeto foi um dos ensejos que a estimulou a abrir o seu próprio negócio e se tornar empresária aos 35 anos. Uma decisão que nunca pensou tomar, já que havia insegurança e auto sabotagem consigo mesma. “Se não fosse o projeto não teria forças para abrir meu próprio negócio, eu não acreditava no meu potencial, não passava pela minha cabeça chegar até aqui, ser empresária e tomadora das melhores decisões da minha vida e não ser comandada por alguém como fui até então”, desabafa a aluna.

Walisson Oliveira, aluno do sexto período de Engenharia Civil, afirma que, através da sua participação, o projeto pôde abrir ainda mais sua mente em relação a possuir preconceitos e fundamentos antiquados, e que por ser homem observa a importância de existir pautas sociais relacionadas às mulheres para quebrar tabus criados pelo universo masculino. 

“O projeto é fantástico. Escolhi um curso onde há muito preconceito com as mulheres, então resolvi entrar para projeto para fortalecer o movimento e ter uma voz masculina apoiando, para mostrar que independente do sexo, devemos lutar por igualdade dentro das profissões”, diz ele.

O estudante é o exemplo de que o desConstruir está sendo, na íntegra, um projeto bem-sucedido direcionado aguçar a visão ampla dos alunos sobre o entendimento do  papel feminino no mercado de trabalho, para que compreendam que as mulheres possuem a liberdade de escolha de decidirem onde querem ou pretendem estar e que não devem sofrer nenhum tipo de objeção por isso. Ressalta ainda, que a essência da extensão é debater a equidade de gênero em todos os seus âmbitos, principalmente dentro da universidade, para ensinar a todos, independente do gênero, a se respeitarem e valorizarem o trabalho do outro, e acima de tudo, lutarem pelos seus direitos em conjunto.

 

0 97

Por Bianca Morais

O dia 26 de setembro, domingo,  é marcado como o Dia Nacional dos Surdos, tendo o objetivo de celebrar as lutas e conquistas do grupo. É um dia de reflexão e respeito sobre a inclusão na sociedade. O Circuito Liberdade, principal complexo cultural e turístico de BH, compartilha a ideia de inclusão, por isso os espaços integrantes vêm buscando cada vez mais desenvolver e introduzir práticas voltadas para acessibilidade, com as adequações necessárias para oferecer aos surdos informação cultural e experiências turísticas, eliminando barreiras.

Entre os espaços do Complexo Cultural que apresentam atividades e recursos voltados para os surdos está a Casa Fiat de Cultura, que tem a acessibilidade como um dos grandes diferenciais de atendimento ao público. O Programa Educativo da instituição – que é permanente – conta com um Núcleo de Acessibilidade e Inclusão, que garante amplo acesso aos mais diversos públicos, tanto nas exposições, quanto nas ações educacionais e de formação.

Os vídeos e transmissões ao vivo contam sempre com legenda ou tradução em Libras. Além disso, o Núcleo desenvolve réplicas de obras em arte 3D, materiais em braille, audiodescrição das obras e atividades sinestésicas. A expografia é adaptada de forma a tornar o espaço das exposições mais acessíveis e são desenvolvidas, ainda, atividades em ateliê, pensando no atendimento aos diversos públicos. 

Segundo Clarita Gonzaga, coordenadora do programa Educativo da Casa Fiat de Cultura, o Núcleo de Acessibilidade atua não apenas no sentido de desenvolver instrumentos e estratégias de acessibilidade, mas também na promoção de discussões sobre mediação e experiência estética acessíveis. “Assim, tendo como referência o conceito ampliado de acessibilidade, a Casa Fiat de Cultura trabalha na construção de um espaço acessível a todos os públicos”, destaca. 

Obra da Casa Fiat

Para o mês de setembro, a Casa Fiat de Cultura preparou um material especial. No dia 21, foi lançado o kit “Portinari para apreciação tátil e auditiva”. A obra “Civilização Mineira” (1959), de Cândido Portinari, foi reproduzida em relevo para apreciação tátil numa parceria com o Stellantis Design Center South America — centro de design da marca, responsável pela criação de carros do grupo automobilístico. O material contempla, ainda, audiodescrição comentada, um caderno em braile e tradução sonora, elabora por meio de uma ferramenta sinestésica. O kit ficará disponível para apreciação do público geral a partir da reabertura da Casa Fiat de Cultura.

Kit braile – Casa Fiat

Outro espaço integrante que se destaca nesse sentido é o Circuito Cultural Banco do Brasil, um espaço dirigido a todos os segmentos da sociedade, com ações integradas e iniciativas de responsabilidade social. 

Um exemplo das atividades do espaço é o CCBB Educativo Arte e Educação, que oferece cursos com profissionais de várias áreas do conhecimento para compartilhar seus saberes. Vários desses cursos contam com intérpretes de libras, como as visitas mediadas que acontecem todas as quintas e sábados às 18 horas. Outra ação é o “Com a Palavra”, com intérpretes de libras e legendas, e o “Transversalidades”, uma atividade que acontece no formato online que também tem intérpretes de Libras. 

Prédio do CCBB

“Quando há alguma demanda de visita agendada de um grupo específico que necessita da presença de intérprete, o CCBB Educativo toma a providência. Antes da pandemia, nós tínhamos uma equipe maior, com a presença de estagiários fluentes em Libras, e tinha a atividade “Lugar de Criação” aos finais de semana. Com a pandemia, a equipe foi reduzida e, consequentemente, algumas ações também foram reduzidas”, comenta Milton Lira, um dos responsáveis pelo programa.

Já o MM Gerdau é um museu de ciências e tecnologia que apresenta de forma lúdica e interativa a história da mineração e da metalurgia. Todas as belezas do local podem ser aproveitadas pelo público surdo, afinal eles disponibilizam conteúdo acessível na internet, Instagram, Facebook, YouTube e visitas virtuais mediadas bilíngues (português e Libras), em tempo real. Elas contam com conteúdo em Braille, áudio, Libras e educadores capacitados para a mediação de pessoas com deficiências nos ambientes expositivos. 

Edifício do MM Gerdau

Atualmente, na impossibilidade de encontros presenciais, são oferecidas visitas virtuais mediadas em Libras para grupos acima de cinco integrantes, com agendamento prévio pelo site https://mmgerdau.org.br/, além de visitas mediadas individuais, presenciais, nos horários de funcionamento do museu.

Com o compromisso de promover a democratização e divulgação científica de forma inclusiva, a série o MM Gerdau tem o “Minuto Libras”, que apresenta ao público pessoas surdas com atuação relevante na educação, produção científica e artística. Com temáticas mensais e periodicidade semanal, pretende-se dar visibilidade ao protagonismo de pessoas surdas e às suas contribuições para as ciências. 

Para Luciana Miglio, coordenadora de Inclusão e Acessibilidade do MM Gerdau, o espaço vem trabalhando continuamente, desde o ano de 2015, na ampliação de exposições e programações inclusivas para todos os públicos, tanto de forma física e presencial, quanto através de sua programação digital. “Nossa busca pela acessibilidade e inclusão tem motivação contínua e permanente”.

Espaço do Conhecimento UFMG

O Espaço do Conhecimento UFMG é um local diferenciado, que conjuga cultura, ciência e arte. Em abril de 2015, o espaço deu início ao projeto Quinta com Libras, a fim de ser uma oportunidade para pessoas que estudam ou são fluentes na Língua Brasileira de Sinais (Libras) reconhecerem e usarem o Espaço do Conhecimento UFMG como local de encontros e de trocas. Nas primeiras sessões, aconteceram visitas mediadas à exposição de longa duração Demasiado Humano e na atividade Jogos do Conhecimento. Desde novembro de 2015, o museu realiza oficinas mensais em Libras, com os temas teatro, astronomia, desenho e música, entre outros.

Desde março de 2020, com a pandemia, os encontros presenciais foram temporariamente suspensos. Para evitar a interrupção do projeto, o Espaço do Conhecimento UFMG está realizando o Sábado com Libras em formato virtual, nas redes sociais do museu. 

Além do Sábado com Libras, o lugar possui uma sessão de astronomia acessível em Libras, exibida no planetário do museu. Agora em formato virtual, são oferecidas todas as quintas-feiras, às 17 horas, sessões de astronomia acessíveis em Libras, que podem ser assistidas pelo Youtube, com a participação do público pelo chat.

No dia 7 de setembro foi divulgado no blog do Espaço o texto “A história do Setembro Azul ou Setembro Surdo”. No dia 11, foi divulgado, na programação do Sábado com Libras, um vídeo produzido por Bárbara Vitor, bolsista no Núcleo de Ações Educativas e Acessibilidade do Espaço, contando sobre a sua experiência como aluna do curso Letras-Libras da UFMG. No dia 15/09, foi divulgado um Quiz com o tema “Setembro Azul” no instagram do Espaço. 

Além disso, a oficina deste mês do Sábado com Libras virtual, a ser realizada no dia 25 de setembro, às 10 horas, vai discutir “A comunicação com surdos nos museus”. A atividade vai abordar a importância da acessibilidade nos espaços culturais e como devemos promovê-la, além de apresentar ao público alguns termos e expressões típicos do universo museal na Língua Brasileira de Sinais. Podem participar crianças a partir de 8 anos, além de jovens e adultos, e não é exigido conhecimento prévio da Língua Brasileira de Sinais.

 

Museu Mineiro

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) e a startup SIGNUMWEB, que tem como propósito resolver a barreira comunicativa entre as empresas e seus clientes ou colaboradores surdos, estão desenvolvendo um projeto de acessibilidade em libras para o Museu Mineiro, espaço cultural sob gestão do Governo de Minas, com o objetivo de dar autonomia e independência aos visitantes para que eles possam ter acesso às informações no local de forma a transformar a sua experiência no equipamento turístico/cultural. O projeto tem lançamento previsto para novembro de 2021

De acordo com o subsecretário de Cultura de Minas Gerais, Maurício Canguçu, os portadores de deficiência, incluindo os surdos, devem ser prioridade nas ações de acessibilidade dentro dos espaços culturais. E o Circuito Liberdade tem atuado para que isso aconteça. “Os equipamentos do Circuito têm debatido o tema acessibilidade em seus comitês e atuado para incluir as pessoas com deficiência em suas atividades, além de melhorar a estrutura dos espaços. Esse é o caminho para que elas possam vivenciar experiências tão ricas e concretas como qualquer outro visitante”, ressaltou.

 

Circuito Liberdade

O Circuito Liberdade é um complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e cultura em transversalidade com o turismo. Trabalhando em rede, as atividades dos equipamentos parceiros ao Circuito buscam desenvolvimento humano, cultural, turístico, social e econômico, com foco na economia criativa como mecanismo de geração de emprego e renda, além da democratização e ampliação do acesso da população às atividades propostas.

0 73

Por Daniela Reis 

No dia 23 de setembro de 1939 morria o criado da Psicanálise, Sigmund Freud. Ele foi um médico neurologista e importante psicanalista austríaco. Nasceu em Freiberg, na Morávia, então pertencente ao Império Austríaco, no dia 6 de maio de 1856. Filho de Jacob Freud, pequeno comerciante e de Amalie Nathanson, de origem judaica, foi o primogênito de sete irmãos.

Vítima de câncer, em 1923, já doente, Freud passou pela primeira cirurgia para retirar um tumor no palato. Passou a ter dificuldades para falar, sentia dores e desconforto. Seus últimos anos de vida coincidiram com a expansão do nazismo na Europa. Em 1938, quando os nazistas tomaram Viena, Freud, de origem judia, teve seus bens confiscados e sua biblioteca queimada. Foi obrigado a se refugiar em Londres, após um pagamento de resgate, onde passou os últimos dias de sua vida.

Sigmund Freud morreu em Londres, Inglaterra.

Formação

Desde pequeno mostrou-se brilhante aluno. Aos 17 anos, ingressou na Universidade de Viena, no curso de Medicina. Durante o período de faculdade, deixou-se fascinar pelas pesquisas realizadas no laboratório de filosofia dirigido pelo Dr. E. W. von Brucke.

De 1876 a 1882, trabalhou com esse especialista e concentrou-se em pesquisas sobre a histologia do sistema nervoso. Já revelava grande interesse pelo estudo das enfermidades mentais, bem como pelos métodos utilizados em seu tratamento.

Atuou também no Instituto de Anatomia sob a orientação de H. Maynert. Concluiu o curso em 1881 e resolveu tornar-se um clínico especializado em neurologia.

Durante alguns anos, Freud trabalhou em uma clínica neurológica para crianças, onde se destacou por ter descoberto um tipo de paralisia cerebral que mais tarde passou a ser conhecida pelo seu nome.

Em 1884 entrou em contato com o médico Josef Breuer que havia curado sintomas graves de histeria através do sono hipnótico, onde o paciente conseguia se recordar das circunstâncias que deram origem à sua moléstia. Chamado de “método catártico” constituiu o ponto de partida da psicanálise.

Em 1885, Freud obteve o mestrado em neuropatologia. Nesse mesmo ano ganhou uma bolsa para um período de especialização em Paris, com o neurologista francês J. M. Charcot. De volta a Viena, continuou suas experiências com Breuer. Publicou, junto com Breuer, Estudos sobre a Histeria (1895), que marcou o início de suas investigações psicanalíticas.

O pai da Psicanálise

Em 1897, Freud passou a estudar a natureza sexual dos traumas infantis causadores das neuroses e começou a delinear a teoria do “Complexo de Édipo”, segundo o qual seria parte da estrutura mental dos homens o amor físico pela mãe. Nesse mesmo ano, já observava a importância dos sonhos na psicanálise. Em 1900 publica A Interpretação dos Sonhos, a primeira obra psicanalítica propriamente dita.

Em pouco tempo, Freud conseguiu dar um passo decisivo e original que abriu perspectivas para o desenvolvimento da psicanálise ao abandonar a hipnose, substituindo-a pelo método das livres associações, passando então a penetrar nas regiões mais obscuras do inconsciente, sendo o primeiro a descobrir o instrumento capaz de atingi-lo e explorá-lo em sua essência.

Durante dez anos, Freud trabalhou sozinho no desenvolvimento da psicanálise. Em 1906, a ele juntou-se Adler, Jung, Jones e Stekel, que em 1908 se reuniram no primeiro Congresso Internacional de Psicanálise, em Salzburg.

O primeiro sinal de aceitação da Psicanálise no meio acadêmico surgiu em 1909, quando foi convidado a dar conferências nos EUA, na Clark University, em Worcester.

Em 1910, por ocasião do segundo congresso internacional de psicanálise, realizado em Nuremberg, o grupo fundou a Associação Psicanalítica Internacional, que consagrou os psicanalistas em vários países.

Entre 1911 e 1913, Freud foi vítima de hostilidades, principalmente dos próprios cientistas, que, indignados com as novas ideias, tudo fizeram para desmoralizá-lo. Adler, Jung e toda a chamada escola de Zurique separaram-se de Freud.

 

Obras

  • A Interpretação dos Sonhos (1900)
  • Psicopatologia da Vida Cotidiana (1904)
  • Três Ensaios Sobre a Teoria da Sexualidade (1905)
  • Totem e Tabu (1913)
  • O Mal Estar da Civilização (1930)
  • Moisés e o Monoteísmo (1939)

0 102

Por Bianca Morais 

 

Itabira é uma cidade do interior de Minas Gerais, muitos a conhecem pelo seu morador mais famoso, Carlos Drummond de Andrade, outros por sua beleza histórica, os casarões antigos, as praças e parques. 

Tem o Pico do Amor, localizado na mais elevada região de Itabira, onde pode se ter uma visão panorâmica da cidade que abriga o Memorial Carlos Drummond de Andrade, tem a Praça Arão  tombada como patrimônio histórico cidade, frequentada por cidadãos locais e turistas para piqueniques e atividades esportivas, por lá também se encontra em exposição a “Maria Fumaça”.

 

“Alguns anos vivi em Itabira.

Principalmente nasci em Itabira.

Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro.

Noventa por cento de ferro nas calçadas.

Oitenta por cento de ferro nas almas.

E esse alheamento do que na vida é porosidade e comunicação”Carlos Drummond de Andrade

 

Apesar de ser uma memória viva do grandioso Drummond, se engana quem pensa que o município é apenas isto, um fato interessante de se mencionar sobre o local, é que em 1975, Itabira foi reconhecida pela UNESCO, como cidade educativa, considerada um dos maiores centros de educação do interior de Minas.

De volta aos dias de hoje, o Centro Universitário Una chegou a cidade de Itabira no ano de 2017, a chegada da instituição no local foi um importante marco, trouxe revitalização para um prédio que estava abandonado no centro e ainda trouxe novos cursos que, até então, não existiam em Itabira e região. Desde então, além de levar educação de qualidade para cerca de 1000 estudantes, ainda leva diversos projetos e melhorias para a comunidade local. 

Prédio da Una Itabira

Eu Amo Itabira

Um desses projetos ficou conhecido como o concurso Eu Amo Itabira, que envolveu alunos do curso de Arquitetura e Urbanismo, sob a coordenação do professor Bruno Oliveira e apoio dos professores Lucas Lima e Daniela Rocha, que conduziram os alunos durante o processo.

O concurso foi uma parceria entre a Prefeitura de Itabira e a faculdade Una, através de um convite exclusivo feito por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia, Inovação e Turismo (SMDECTH), com o objetivo de inserir os estudantes de arquitetura no projeto de elaboração de um monumento que fosse referência para a cidade.

O objeto deste concurso foi a elaboração de um artefato urbano presente em várias cidades brasileiras, geralmente na entrada ou no centro, onde convidam visitantes e moradores a tirarem suas fotos e demonstrar o amor pelo local.

Para Bruno Oliveira, coordenador de cursos de Graduação e Pós Graduação da Una Itabira, o concurso foi de grande importância para o reconhecimento do engajamento dos alunos e professores em projetos acadêmicos, ele trouxe mais visibilidade para o curso de Arquitetura e Urbanismo e para a faculdade.

Monumento Eu amo Itabira

“É gratificante poder fazer parte da história de Itabira, como coordenador de cursos na Faculdade Una. Os professores e alunos que participaram do concurso mantiveram uma postura engajadora. É um importante marco para a cidade e para nós enquanto Instituição. Foi uma grande honra ter feito parte desse grandioso projeto”, comenta o coordenador.

A cidade que já conta com diversos pontos turísticos ganhou mais um, o monumento que simboliza o amor pelo lugar, recebeu feedbacks positivos sobre a importância da Una para a cidade, por meio de parcerias com diversas empresas, órgãos e instituições, com foco em inovação, empreendedorismo e sustentabilidade.

 

O concurso

Os estudantes que tiveram interesse em participar do concurso realizaram a inscrição por meio de um formulário anexo ao Edital, as propostas foram elaboradas e enviadas pelos próprios alunos, no total, 15 se inscreveram e a maioria ainda estava no início do curso. Elementos associados à história da cidade, utilizando-se de formas, desenhos ou quaisquer outros elementos que caracterizassem inovação e criatividade foram utilizadas por eles na elaboração.

Lucas Lima foi um dos professores que ajudou os alunos nesse processo, como um monumento, o projeto contempla diversas esferas, desde a arquitetura, o urbanismo e o design, ele os orientou principalmente em questões metodológicas.

“A principal dificuldade foi na adequação dos materiais disponíveis, então tinham várias questões técnicas para o projeto funcionar, principalmente com relação ao peso, a estrutura, a forma de encaixe das peças, ajudei bastante nessa tratativa técnica com a prefeitura”, conta o professor.

O grupo do júri responsável pela avaliação das propostas foi composto por arquitetos convidados da região de Itabira; um representante da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia, Inovação e Turismo; um representante da Faculdade UNA de Itabira. Os critérios de avaliação foram: habilidade em expressar claramente as ideias em conformidade com o projeto; integração com o tema proposto; solução funcional e design.

Os estudantes vencedores do concurso foram Marcos Paulo Gonzaga dos Reis e Luidy Djean Viana Silva. Os alunos tiveram seus nomes expostos na obra.

A professora Daniela Rocha que também acompanhou os discentes nessa trajetória garante que auxiliou os garotos na escolha dos materiais e estudo das formas, mas que o conceito e criatividade presentes no projeto são méritos deles próprios. 

“Na época do concurso, os alunos vencedores estavam iniciando o curso, ainda não tinham conhecimento acerca de materiais e técnicas necessárias para a execução do projeto, eles precisaram pesquisar muito e conversar com nós professores sobre possíveis soluções projetuais. No final, ver eles conquistarem um prêmio tão importante para a cidade é muito gratificante. O esforço em participar e desenvolver o melhor projeto mostra que o conhecimento que passamos faz diferença na formação dos alunos”, compartilha a professora.

Ambos os professores acreditam que concursos como esse são de grande importância para a formação dos alunos e enriquecimento de seus currículos, além de fazer com que eles façam parte da história da cidade.

“É uma grande satisfação. Conheço os alunos desde o primeiro semestre e pude ver a evolução deles ao longo do percurso acadêmico, através das disciplinas e da participação deles nas atividades de extensão, eu acho que isso faz a diferença quando o aluno tem esse engajamento acima das atividades acadêmicas, estão envolvidos nos projeto e a conquista é o resultado de um processo bem feito”, conclui Lucas.

A equipe vencedora foi premiada com seus nomes no monumento, uma visita técnica ao consulado da Eslováquia em BH, uma reunião com o cônsul, certificado de Apoio ao Turismo de Itabira, além das menções honrosas por parte da prefeitura e da Una.

 

Os vencedores

Marcos Paulo Gonzaga dos Reis foi um dos vencedores do concurso, o garoto desde novo gostava de arte e com o tempo a arquitetura foi chamando sua atenção. No começo do ensino médio ele procurou profissões que lhe atraíssem e percebeu que a Arquitetura era um meio onde ele poderia ter contato com as mais variadas pessoas, com a criatividade e concepção de ideias, além de que a Arquitetura e Urbanismo tem um apelo social que muda vidas. 

Com a chegada da Una em Itabira foi possível que ele ingressasse no curso sem necessitar sair da minha cidade natal.

“A minha trajetória tem sido muito enriquecedora para meu conhecimento, embora ainda no meio do curso, já adquiri muitas informações que mudaram algumas concepções que antes eram formadas”, comenta ele.

Marcos e Luidy criaram a placa primeiramente pensando em remeter as principais referências da cidade. A primeira versão do projeto foi inspirada na representação do Drummond arrastando os vagões que levam a frase “Eu amo Itabira”, mostrando o quanto o minério e as poesias estão enraizadas nas terras do lugar. 

Como já dizia o poeta em uma de suas obras, o maior trem do mundo, “O maior trem do mundo transporta a coisa mínima do mundo, meu coração itabirano”, por onde passar este trem junto às poesias, Itabira sempre será lembrada.

“Esse projeto foi o primeiro concurso que participei e ganhei. Ele é a primeira obra que criei e se tornou realidade. Sendo o meu primeiro contato de como ocorre toda a produção de uma obra. Foi uma sensação dotada de alegria, surpresa e superação. Eu e meu amigo Luidy doamos muito do nosso tempo e esforço para a criação desse projeto e ao perceber que todo esse trabalho foi reconhecido começamos a perceber quão grande é nosso potencial”, expressa o futuro arquiteto. 

Assim como Marcos, sua dupla Luidy Djean Viana Silva, também sempre teve esse gênio para a Arquitetura. Quando era criança gostava muito de desenho, buscava passar o tempo desenhando, modelando massinha, e isso começou a despertar nele a criatividade. 

No momento da escolha do ensino superior, pensou muito no que encaixaria em seu perfil, e escolheu o curso de Arquitetura e Urbanismo, por estar diretamente ligado à criatividade, ao bem estar das pessoas, e a construção de um espaço que elas passariam grande parte de suas vidas. 

“Na minha opinião é uma responsabilidade muito grande poder realizar o sonho de uma construção ou da reforma da casa de alguém, pensando nisso fiz minha escolha. Desde então, a Una tem me proporcionado muitas oportunidades de ver na prática tudo aquilo que aprendemos na teoria. Participando de tantos projetos propostos pela instituição, o meu interesse pela área da Arquitetura só tem ampliado, abrangendo meus conhecimentos”, diz ele.

Luidy e seu colega de classe deixaram sua marca no centro de sua cidade natal, o valor daquilo para os jovens ainda no início do curso é inestimável.

“Esse projeto é muito importante para mim, e consequentemente para minha carreira. Uma sensação de privilégio, por poder representar um pouco da história da cidade e fazer parte dela. Meu amigo Marcos e eu desde que nos inscrevemos no concurso, nos entregamos por completo para poder dar nosso melhor e vencer, e ver todo nosso trabalho sendo reconhecido, ver as pessoas visitando, tirando foto, não tem preço, estamos orgulhosos por termos feito esse projeto”, finaliza o rapaz.