Page 385

0 421

Fotografias nas paredes e no chão mostram corpos tatuados, homens em meio a montanhas, imagens de um mesmo corpo em diversas posições sendo fundidas e um homem segurando um coração. As imagens têm o intuito de analisar o corpo e suas possibilidades plásticas e conceituais e podem ser vistas na exposição “O corpo e seus extremos” na galeria de Arte Paulo Campos Guimarães Biblioteca Pública Estadual Luiz Bessa.
O trabalho foi realizado pelo coletivo de arte “MÚLTIPLO”, formado por Ana Galvão, Élida Ribeiro, Rico Maciel e Rodrigo Paiva. As fotografias são resultado de encontros temáticos, debates e pesquisas realizadas pelos artistas em 2008 e 2009. Forma, significado, afetuosidade e importância são matérias constituintes das pesquisas realizadas pelos autores. A figura humana é tratada como suporte de criação, reflexão e registro da vivência das pessoas e também do que permeia o universo dos artistas.
A exposição pode ser vista de segunda a sexta das 8h às 20h e sábado de 8h às 12h. Ela foi inaugurada no dia 19 de janeiro e ficará aberta até o dia 12 de fevereiro de 2009 na Praça da Liberdade, 21, funcionários.

Por: Natália Oliveira

Fotos: Débora Gomesdsc02952

0 503

Respeitável público! O céu azul da tarde ensolarada de Belo Horizonte, contrasta com as claves coloridas e o verde das folhas das árvores da Praça da Liberdade. No “palco” as mãos rápidas de Felipe Cardoso, 20, controlavam as claves levando sorrisos às crianças e encantamento aos adultos, enquanto ele aguardava alguns amigos para um encontro de malabaristas.
Morador da região da Praça da Liberdade, Cardoso é malabarista há dois anos. Influenciado por amigos, começou a fazer malabares por hobbie até se apaixonar realmente pela arte depois de participar de uma convenção de malabaristas. Então deixou estudos e emprego com carteira assinada para se apresentar nos bares, parques e sinais da capital.
Nas manhãs de domingo, ele se apresenta por conta própria na Praça da Liberdade: “Não é um espetáculo divulgado, não tem incentivo, não tem nada, é um espetáculo de rua. Todo domingo 11 horas, eu venho e passo o chapéu”. Ele diz ainda que prefere se apresentar em bares, pois as pessoas nos carros param nos sinais por uma obrigação e não para assistir uma manifestação artística, o que Felipe Cardoso julga como uma situação incomoda para ambos.
Aos poucos, foram surgindo mais malabaristas, no encontro planejado por Cardoso com a intenção de reunir os amigos para treinar e conversar. Ele pretende tornar freqüente este encontro na Praça da Liberdade nas tardes de segunda-feira.

Por: Débora Gomes

Fotos: Natália Oliveira

1

2

2 736

Aproveitando os últimos dias de férias, pais levam seus filhos em espetáculos teatrais, cinemas e apresentações de dança. A 36ª Campanha de Popularização do Teatro e da Dança de Belo Horizonte, que teve seu lançamento no último dia 5, traz uma programação bem divertida e variada para aqueles que passaram o período de férias na Capital. O evento conta com 53 estréias (37 adultos, 12 infantis e quatro de dança) do total de 122 espetáculos (78 adultos, 35 infantis e nove de dança).

Vários teatros da cidade fazem parte da programação, entre eles o Teatro ICBEU, localizado na Rua da Bahia, 1723, bairro Lourdes, que vem atraindo pais e crianças com grandes clássicos.

Entre eles “O Gato de Botas” que traz uma nova adaptação na história. A peça tem como objetivo incentivar a leitura, fazendo com que as crianças se espelhem nos artistas e se aproximem mais dos livros. Os atores prometem uma história recheada de aventuras.

A programação do final de semana conta com mais dois espetáculos: A Vaquinha Lelé às 16h, Chapeuzinho Vermelho e Lobo-Guará às 17h10 e O Gato de Botas (Qua a Sex) 17h e nos dias 15 e 16 de fevereiro (Seg e Ter) 17h.

fofofofof1

(foto divulgação)

Preços: R$24 (inteira), R$12 (meia), R$10 (no posto Simparc) Mercado das Flores, Shopping Cidade e Shopping Pátio Savassi e nos dois Postos Móveis Fiat-Sinparc

Maiores informações no site do Sinparc

Texto e foto Ana Paula P. Sandim

Belo Horizonte é invadida pelo calor e, com isso, o vestuário é modificado. Grande parte da população vem utilizando, nesta estação, roupas mais leves  como: vestidos, camisetas, bermudas e até as mini -saias, tudo isso para uma melhor sensação térmica.

Com os termômetros chegando a marcar 30°C na Capital, pesquisadores da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) realizaram uma análise que avalia as sensações e condições climáticas. A Praça da Liberdade recebeu na tarde desta quinta-feira, estudiosos que fazem Mestrado Multidisciplinar em Ambiente construído e Patrimônio Sustentável.

Com a utilização de um Anemômetro, instrumento medidor de velocidade do vento, que verifica alterações climáticas, a umidade do ar, a capacidade de evaporação e o tempo de insolação, O Laboratório de Conforto e Eficiência Energética da UFMG, procura calibrar o índice de conforto térmico em espaço aberto, o equipamento e o estudo foram desenvolvidos na Alemanha.

Pequenos detalhes, como idade, peso, bairro, preferência de temperatura, consumo de água, utilização de roupa e observação do tempo são curiosidades que os pesquisadores buscam encontrar em seus entrevistados .

O projeto tem como objetivo fazer melhoras no ar e eficiências em obras públicas para maior atendimento a população.  Simone Hirashima, coordenadora do projeto, informa que a pesquisa se repetirá no dia 28 na Praça da Estação, no período da tarde.

Por: Iara Fonseca e Ana Sandim

Foto: Débora Gomes

2 654

Em épocas de chuva, os bueiros são grandes aliados da população dando vazão às águas e evitando enchentes. O acúmulo de lixo nas ruas pode entupir os bueiros aumentando o volume de água e causando assim, grandes transtornos às pessoas. É pouco comum encontrar bueiros destampados. Mas na Rua da Bahia, na altura do número 1764, foram encontrados dois semi abertos, em um só quarteirão, oferecendo riscos não só aos pedestres, mas também aos veículos que transitam próximo ao acostamento do local.

A Gerência Regional de Limpeza Urbana, por telefone, informa que fará  a vistoria do local no prazo máximo de cinco dias. A gerência ainda informa que os fiscais avaliarão as condições dos boeiros, se forem boas, no mesmo instante, serão recolocadas em seus devidos lugares. Mas se houver algum dano, é solicitada a troca de peças de acordo com a demanda, o que pode demorar alguns dias.

O telefone da Gerência Regional de Limpeza Urbana é o 156, após a solicitação, é gerado para o usuário um protocolo com o qual é possível acompanhar toda a evolução do processo.

dsc02699

dsc02834

dsc028272

Por: Débora Gomes

Fotos: Débora Gomes e  Iara Fonseca


Quem passa pela Rua Gonçalves Dias, esquina com Espírito Santo, se depara com a obra do Centro de Arte Popular da Cemig. Apesar de não estar no conjunto arquitetônico da Praça da Liberdade ele também fará parte do Circuito Cultural. Ele está localizado na Rua Gonçalves Dias, 1.606, onde funcionava o antigo Hospital São Tarcísio.

O Centro de Arte Popular contará com exposições temporárias e permanentes, venda de artesanato, restauração de peças entre outros. Ele será um espaço dinâmico visando refletir a riqueza e a diversidade cultural de Minas Gerais, será importante na geração de empregos, renda e na inclusão social.

O prédio pertencia ao Instituto da Previdência do Estado de Minas Gerais (Ipsemg) e foi cedido ao Circuito Cultural Praça da Liberdade – Arte e Conhecimento. O investimento do projeto é de 6 milhões  que será feito por meio de um convênio entre a Cemig e o Governo de Minas Gerais.

Por: Natália Oliveira

Foto: Danielle Lages