O retorno dos bolachões

O retorno dos bolachões

Fotos: Yuran Khan

Mesmo sendo considerado um nicho da indústria fonográfica, disco de vinil ainda tem número de vendas considerável.

O Disco de Vinil

Os LP´s de vinil foi uma mídia muito consumida até os anos 1980, onde os discos de vinil tiveram um declínio nas vendas nos anos 1990, com o surgimento de novas mídias, como os CD´s (Compact Disc), no final dos anos 1980, o DVD no começo de 2000, e o Blu-Ray em 2010, posteriormente a música no formato digital em MP3. As bolachas começaram a ressurgir em 2000, só no ano de 2014, a Polysom fabricou 78.324 unidades no Brasil.

Os últimos lançamentos da gravadora Som Livre em disco de vinil do gênero de novela no Brasil foram Malhação Volume 3, Anjo de Mim Internacional, Salsa e Merengue Nacional e A Indomada. Tanto o último de novela, quanto o último LP nacional a ser prensado nos anos 90 são de março e abril do ano de 1997.

Superando as expectativas, o crescimento na produção total de discos de vinil (compactos e LPs) no Brasil foi de 63,23% em relação ao ano de 2013. LPs tiveram um aumento de 93,20%, com 78.324 unidades fabricadas em 2014 no Brasil pela Polysom. A produção de compactos aumentou em 2,31%, com 18.207 fabricados, além do crescimento da venda de vinil, o percentual do formato sobre todas as vendas físicas pulou de 8,76% para 14,13% em 2014.

Em contrapartida as vendas em disco de vinil, segundo dados da Recording Industry Association of America, somente no primeiro semestre de 2015, nos Estados Unidos, o forte crescimento das receitas de serviços de streaming, compensam o declínio em downloads digitais e as receitas totais no atacado aumentaram 0,8% para US$ 2,3 bilhões em uma base de ano sobre ano. No varejo, o global valor diminuiu 0,5%, para US $ 3,2 bilhões.

O retorno

Em 2008, os proprietários da DeckDisc, informados do crescimento na venda de vinis nos Estados Unidos e na Europa e, ainda por cima, impossibilitados de produzir seus próprios títulos no Brasil, depararam-se com a possibilidade de adquirir o maquinário da antiga fábrica e reativá-la. Em setembro do mesmo ano, começaram as pesquisas e os estudos que resultaram na aquisição oficial, em abril de 2009 da Polysom, que tem sede em Belfot Roxo, no Rio de Janeiro e atualmente é a única produtora de discos de vinil da América Latina.

“A princípio, parecia fácil e rápido”, esclarece João Augusto, um dos atuais proprietários da fábrica da Polysom. “Quando a gente viu como eram vastos os requisitos para se fabricar discos de qualidade, entretanto, vimos que precisaríamos fazer muita coisa para brigar de igual para igual com os gringos. Teríamos que fazer melhorias em todos os setores.” complementa Augusto.

Assim como cantores internacionais, diversos artistas brasileiros também têm investido cada vez mais no formato. A Polysom comercializa obras de nomes como: O Rappa, Nação Zumbi, Tulipa Ruiz, Los Hermanos, Vanguart e Pitty. Entre os clássicos, figuram reedições remasterizadas de 180 gramas de Jorge Ben, Banda Black Rio, Moacir Santos, Novos Baianos, Secos e Molhados, Tom Zé.  Os preços são altos e variam, em sua maioria, de R$60,00 a R$80,00 podendo chegar a R$400,00 dependendo da obra. A justificativa são os altos impostos e altos gastos com matéria-prima.

Fabricação dos Toca Discos

De olho no crescimento na venda dos bolachões, no terceiro trimestre de 2015 a Panasonic usou um evento em Berlim para anunciar o relançamento da linha de toca-discos Technics, para a alegria dos fãs do áudio analógico. A empresa apresentou a foto de um protótipo feito de alumínio e desenhando com traços clássicos, em uma alusão à clássica série 1200.

Lojas vendem LPs usados para a alegria de colecionadores

Um edifício cheio de histórias, tradicional em Belo Horizonte, o conhecido ‘Arcângelo Malleta’ é ponto de encontro de diversas tribos, e um grupo diversificado de pessoas. Subindo a escada rolante do prédio já é possível observar os primeiros sebos, encontramos os mais diversos tipos de discos (de todos os gêneros musicais), livros e antiguidades em geral.

Nos últimos 20 anos muito se falavam do fim dos bolachões, mas o que constatamos é que eles “voltaram como fênix”, ressurgindo das cinzas. No Edifício Maletta há quatro lojas e sebos especializados em discos de vinil, dos singles aos LPs, de diferentes gêneros musicais. “Ainda vendo bastante discos, mas para um público específico de pessoas, principalmente os ouvintes de MPB clássica, Rock e Jazz”, explica Sebastião do Nascimento, proprietário do Sebo Vila Rica que se localiza no segundo andar do Edifício Malleta.

Há 15 anos, atuando no mercado musical, sendo o primeiro dono de sebo especializado em discos de vinil no Edifício Maletta, Nascimento revela que sua paixão por discos de vinil sempre foi uma coisa inacreditável. “O avanço da tecnologia é bom, facilita bastante a nossa vida, apesar de maquinizar muito as coisas. O importante é pegar o vinil, tocar o encarte e ouvir a música com o ruído que só o disco de vinil proporciona.”, revela.

Terêncio de Oliveira, proprietário de uma das lojas no Edifício Maletta, há um ano e dois meses, esclarece que no sábado as vendas são maiores, o número de discos vendidos é incalculável, a faixa etária do público dessa loja varia entre 20 a 50 anos de idade. “O Maletta é o lugar ideal para quem quer comprar ou vender discos de vinil, temos um público bem fidelizado, tem pessoas que frequentam o prédio apenas para vender e comprar discos” esclarece.

Uma paixão que não tem fim

Para o colecionador Ricardo Righi Filho, que é ator, a sensação de ouvir discos de vinil é diferenciada, “O som do disco é absolutamente diferenciado, não há possível comparação com outros formatos. É fisicamente comprovado, não há discussão”, explica. Para ele quando os CD´s começaram a surgir no Brasil, foi uma coisa natural continuar ouvindo os bolachões “Quando o CD dominou o mercado, os LPs eram muito baratos, muito mais do que os preços de hoje. Então, o movimento de começar a colecionar registros fonográficos apenas em vinil, foi bastante natural”, complementa Filho.

“Aqui em casa, em Samambaia, no Distrito Federal, sempre tivemos o costume de ouvir bolachões. Meu pai e minha mãe tinham muitos de Luiz Gonzaga e de lambada e forró, porém, eu divido meus aniversários da infância pelos discos da Xuxa que eu ganhei.”, explica o ator Josuel Junior, que é colecionador de discos de vinil. “Obviamente eu não tinha a noção de questões técnicas vocais ou da qualidade musical, mas cresci com a memória afetiva musical com os Lp’ de Xuxa. Tenho todos. Alguns eu fui comprando de novo com o passar dos anos”, complementa Junior.

Muitas pessoas encontram nos discos, uma forma de resgatar memórias, e por isso tem muito carinho e apresso com a coleção, alguns colecionam apenas de uma banda, de um determinado cantor, trilhas sonoras de novelas, alguns compram pela raridade do produto ou até mesmo pela dificuldade de se encontrar no mercado hoje em dia, “ hoje eu compro pela raridade ou pela qualidade. Observo se a capa está limpa, sem assinaturas de antigos donos, com encartes e no plástico”, explica Junior

Há, também, as tiragens especiais, e que são difíceis de encontrar, por esse motivo exigem uma pesquisa mais ampla, por serem consideradas raras. “Um disco que demorei a encontrar foi um da novela Tieta. Em 1989 foram lançados o Tieta volume 1 e Tieta volume 2, na reprise da novela, em 1994 lançaram o Tieta Especial – Vale a Pena Ouvir de Novo, com a compilação das melhores dos discos anteriores. Esses relançamentos fazem o disco sair da categoria normal pra categoria especial, ou rara, como queiram dizer”, esclarece Junior.

O colecionador encontrou o disco depois de um grande trabalho de busca na internet. “Na época, que eu adquiri o disco ele custava em torno de 45 reais, isso, há, aproximadamente, cinco anos. Atualmente, esse disco pode ser encontrado em sites, por mais de 100 reais, no Mercado Livre”. Na época do lançamento de Tieta Especial, o LP custava em torno de 10 reais, o que equivale hoje, há mais ou menos 50 reais, segundo o colecionador. “ Eu não tinha condições quando o LP foi lançado e comprei a fita cassete a três reais, que foi um presente de minha avó, depois de muitos anos eu adquiri o LP”, relata Junior.

Por Raphael Duarte
Matéria produzida para a 34ª Edição do Jornal Impresso Contramão
Fotos: Yuran Khan

NO COMMENTS

Deixe uma resposta