Peça teatral VINTE marca formatura do Cefart

Peça teatral VINTE marca formatura do Cefart

0 490
Foto: José Sérgio

A peça fica em cartaz até dia 19 de dezembro com entrada franca

  • Por: Italo Charles

Transitar entre o individual e o coletivo, transmitindo pensamentos sobre modos de existência, levando ao público uma parcela de desconstrução e referências do que permeia na cidade de Belo Horizonte, possibilitou a criação  de “Vinte”, peça encenada pelos alunos formandos do 3ª ano do curso Técnico em Teatro do Centro de Formação Artística e Tecnológica (Cefart).

 

Dirigida por Márcio Abreu, diretor da Companhia Brasileira de Teatro, e com os diretores assistentes Lydia Del Picchia e Rafael Bacelar, a obra apresenta aos espectadores um aclamo à sociedade que se desenvolve a partir de movimentos do mundo atual.

 

O processo de construção do espetáculo surgiu de forma orgânica após o convite dos formandos à Márcio em 2018. “Partimos de dois princípios, investigar as impossibilidades e a partilha, como um campo possível de convivência, de pensamentos a respeito do que é comum dentro de uma experiência artística quanto pública, na dimensão que isso se dá nas nossas relações sociais”, comentou Tomás Sarquis.

 

De acordo com Rafael Bacelar os atores foram divididos em núcleos e participaram de todo processo. “Os alunos estiveram presente desde a elaboração e construção dos textos que se deu de forma individual e coletiva até a execução do espetáculo no palco”. Para o ator Davds Lacerda a divisão da turma em núcleos foi uma oportunidade muito rica de estar imerso no trabalho para além da atuação. “Participei do núcleo de produção por pedido meu, por interesse na área e foi uma experiência muito interessante”, completa.

 

Já o ator Arthur Barbosa participou do núcleo de cenografia e afirma: “Em primeiro momento fiquei em dúvida entre dois núcleos, o de cenografia e figurino. Mas por ter muito interesse na área de cenografia e já ter formação em Edificações, o Márcio sugeriu que eu ficasse no de cenografia”.

 

Encenado por vinte atores e atrizes, a montagem tem início no exterior do Teatro. Uma performance dá vida a primeira cena interpretada por Arthur, nela os espectadores são convidados a percorrerem um trajeto com destino ao Palácio das Artes. “O texto dessa cena partiu de um pedido do Tomás Sarquis (participante do núcleo de dramaturgia), como um exercício. Fiquei responsável por inserir o meu contexto diário dentro do trajeto, brincando com a questão de existir tantos palácios, porque nossa turma sempre esteve conectada com Palácios”,  comentou Arthur.

 

Já no interior do Teatro, as luzes se apagam e uma voz surge, “ouve, ouve  o rumor?”, uma súplica à sociedade sobre o que está acontecendo ali dentro e lá fora. Marcados pelo espaço e tempo, as cenas partem da particularidade  para multidão. Fragmentos da dança, música e performance tomam conta do palco.

 

Repleto de cenas reflexivas, a montagem leva ao público o contexto da nudez como quebra de paradigmas. A cena em que o ator Davds aparece nu sobre uma bicicleta durante a fala de Vinny sá, leva a plateia uma experiência de observação. “Acho que a imagem gerada nessa cena é muito bonita. Me instiga a forma como o teatro traz a nudez para um lugar de naturalidade, são apenas corpos, como o meu e o seu, é importante ao meu ver, que saibamos observá-los com naturalidade e respeito”, comentou Davds.

 

A partir de uma cartografia de Belo horizonte, com mapas, ruas e histórias ocultas a cena central acontece. Segundo Tomás, “A passagem pode representar três críticas”. Marcado por grandes acontecimentos da cidade, a cena é narrada por seus moradores contando as histórias não oficiais.

 

“Silêncio por favor, enquanto esqueço um pouco a dor no peito”, trecho da música “Para ver as meninas de Marisa Monte”, marca a passagem em uma das cenas finais, com o desejo que o público ouça o que está acontecendo no contexto atual.

 

Serviço

 

A peça fica em cartaz até o dia 19 de dezembro. Sendo terça, quarta e quinta às 20h, na Sala João Ceschiatti – Palácio das Artes

A entrada é franca, com retirada de ingresso uma hora antes do espetáculo.

*A matéria foi realizada sob a supervisão da jornalista Daniela Reis

SIMILAR ARTICLES

1 1117

NO COMMENTS

Deixe uma resposta