Quebrando o tabu com Tarso Brant

Quebrando o tabu com Tarso Brant

0 1668
Tarso Brant (Foto: Reprodução)

Por Bianca Morais

Você já ouviu falar em Tarso Brant? Se não, provavelmente já escutou sobre Tereza Brant. Falo com tal propriedade porque ele já apareceu em muitos programas da televisão brasileira e fez participação especial na novela A Força do Querer, que está sendo reprisada pela emissora Rede Globo no horário das 21 horas.

No ano de exibição da trama o assunto surgiu ainda como um tabu na mídia e na sociedade. Até então, muito pouco se sabia sobre transexuais, que é termo usado para definir as pessoas cuja identidade de gênero difere daquela designada no nascimento. A novela foi transmitida em 2017, hoje, 2021 a aceitação continua muito baixa, porém o conhecimento do significado da sigla T de LGBTQIA + já vem se disseminando.

Tarso Brant na novela A Força do Querer (foto: reprodução)

O Brasil é um país preconceituoso. E sim,  isso é uma afirmação. Pela 13° vez, o Brasil é o país que mais mata pessoas trans e travestis no mundo. Entre 1º de janeiro a 30 de setembro de 2018, 271 transgêneres foram mortos em 72 países. Desses, 125 foram só no Brasil. Três dessas vítimas morreram em decorrência de tortura, enquanto quatro foram decapitadas ou tiveram seus corpos esquartejados.

Mas chega de falar de algo desagradável, vamos falar de algo bom, e com bom eu quero dizer: Tarso Brant, que em meio a tantas dificuldades e intolerâncias, ele vence e luta todos os dias por igualdade. Quando se trata de aceitação trans, questionado sobre se identificar como ativista da causa, ele afirma “eu sou a causa”. E pronto, esse texto poderia acabar aqui, porque é exatamente disto que se trata, enquanto existir o Tarso Brant, o Elliot Page, o Thammy Miranda, a Duda Salabert, ou qualquer outra pessoa trans e travesti vivendo, respirando e resistindo, essas pessoas serão a causa, elas vão incomodar muitos, mas serão exemplo e inspiração para muitos outros não desistirem.

E o texto não acabou ali. Foi modo de me expressar mesmo. Aqui, agora, vamos falar de algo muito bom que é a existência de Tarso Brant. Homem trans, 27 anos, aquariano, modelo e ator, natural de Belo Horizonte. Quando chegou ao mundo no dia 7 de fevereiro de 1993, Tarso Brant se chamava Tereza Brant e ocupava o corpo socialmente dito como de “menina”.

Desde criança, Tarso, sentia esse desconforto referente a sua aparência física, não se sentia bem naquele corpo de “menina”, aquela pele lisa, cabelo comprido, nunca foi fácil se olhar no espelho e não gostar do que via, por isso, sem saber o que fazer se adaptava com o que podia, usando roupas mais largas e acessórios.

Foi na sua adolescência que veio a mudança drástica. Tereza Brant foi colocado em um grupo criado por João W.Nery, cujo nome era “FTM Brasil (feminino trans masculino Brasil)”. Para quem não sabe, João W. Nery foi um psicólogo e escritor brasileiro conhecido por ter sido o primeiro homem trans a realizar a cirurgia de redesignação sexual no Brasil. Ali, o jovem Tereza Brant percebeu que não era o único. Dentro desse grupo ele teve acesso a importantes informações sobre hormônios e como poderia administrá-los para ter o efeito desejado.

Tereza iniciou essa busca por si mesmo, sozinho. Era um segredo apenas dele, não se abria nem com a família e muito menos com os amigos, até o momento em que percebeu que determinadas mudanças seriam mais acentuadas. Nesse instante tomou a decisão de que era hora de contar para seus pais. Brant não contou aos seus pais de primeira, disse apenas que estava tomando “algumas coisas” para melhorar seu desempenho na academia e isso poderia alterar um pouco seu corpo. Aos amigos, ele não fazia muita questão de dar satisfações e o diálogo era sempre o mesmo:

-“Nossa você tá diferente. O que tá tomando”?

-“Tô me alimentando bem e me exercitando”.

-“Mas a sua aparência tá diferente”.

-“Impressão sua”.

-“Você não acha que é feio para mulher”?

-“Tô me sentindo bem, não se preocupe”.

A verdade é que nada daquilo interessava a ninguém a não ser a ele mesmo. Tarso sentia uma vontade que o movia incessantemente, não ligava para obstáculos ou criticas. Desistir? Jamais. Ele queria se encontrar e faria o que fosse necessário para aquilo acontecer.

Amar é aceitar o outro como ele é. E foi isso a base da força que o moveu. Os pais não sabiam detalhes desse tratamento, mas sabiam que não iriam lhe fazer mal, que ele estava tendo o acompanhamento necessário, então o que ficava a cargo dos pais era dar amor, carinho e apoio, isso nunca faltou. Se você  é pai de um ser humano, sua obrigação é estar ali para o seu filho, amar independente, se o seu filho não está fazendo nada que o prejudique ou prejudique outra pessoa, ele não está fazendo nada de errado, por isso, sua única missão é amá-lo.

Você é homem ou mulher? Nunca precisou disso. Nunca foi necessário. Os pais de Brant sempre tiveram esse tato com ele, uma sensibilidade de estar ali e dar apoio.

Foi com muito amor que Tarso iniciou seu processo de transição hormonal.

Lá entre os seus 19 e 20 anos ele começou o uso de hormônio, essa fase inicial foi sem dúvidas para o jovem algo desafiador e muito conturbado. Hormônios são por natureza substâncias importantes para o controle e bom funcionamento do organismo. Esses hormônios fizeram com que características psicológicas afloracem de uma forma incrível, o que fez com que Brant se redescobrisse. Os três primeiros meses foram marcados por picos de excessos: humor, libido, confusões mentais, uma verdadeira explosão de energia sem igual.

Conforme os meses iam se passando as características físicas apareciam mais e mais. No quinto mês já era possível ver os pelos no rosto, a voz mais grave, músculos rígidos e muita fome. Que bom que os pais do jovem são cozinheiros de mão cheia e além de dar todo amor e apoio davam também algo muito relevante nesse processo, comidinhas boas. Filho único e mimado pelos pais. Bom demais.

Do sexto mês adiante o rapaz já estava mais adaptado àquele processo invasivo, dessa forma estava na hora de cuidar de mais um detalhe importante, a mente. Ele buscou um pouco de paz no espiritismo e seus ensinamentos. O processo de autoconhecimento é algo bem extenso e que dura a vida inteira, manter contato com terapeutas, prezar por saúde mental é de suma importância para qualquer indivíduo.

Agora se você leu isso tudo até aqui e se lembrou de algumas das cenas da novela A força do querer é porque Tarso Brant (na época com nome Tereza), foi consultor exclusivo de Glória Perez para escrever a personagem Ivana, e pode ter certeza que assim como nas novelas ele terá um final feliz.

Depois do final de seu primeiro ano de tratamento, a aparência já estava completamente do gênero masculino. Brant já se via no espelho com seu jardim particular, que deve ser aparado no mínimo uma vez por semana, e sim, eu estou falando de sua barba.

Tereza Brant sempre vai fazer parte do Tarso Brant, mas chegou uma hora que aquele nome feminino não cabia mais, com tantas mudanças e evoluções estava na hora de assumir de vez uma nova identidade. Tarso entrou com o processo de pedido para averbação referente ao seu nome e gênero, após oito meses teve o retorno. Tarso foi o nome que sua família lhe deu.

Tarso Brant é um ser inquieto, aventureiro, destemido, curioso, pensante. Gosta de tocar com DJ em festas, jogar basquete, andar de patins, correr, dançar, cantar, tocar instrumentos, escrever. Tarso já namorou menino antes da transição, Tarso já fugiu correndo da mãe de uma ex-namorada enquanto ela o perseguia de carro tentando atropelá-lo. Tarso gosta de ouvir bem alto Power of two, música da sua banda favorita Indigo Girls. Tarso é grato por tudo que já conquistou na sua vida. Tarso ri, Tarso chora, Tarso é igual a mim e a você que está lendo esse texto. Tarso erra e acerta. Tarso está todos os dias em busca de ser melhor como ser humano.

Quando o assunto é transexualidade, um dos pontos que mais devemos nos lembrar é que todos somos humanos, de carne e osso. Erramos e acertamos. Se você encontrar o Tarso na rua, ficar confuso e acabar o chamando de ela por nervosismo, ele não vai te xingar ou te ofender, ele vai dar uma risada descontraída e te orientar do que é certo. Todo dia é um novo dia para aprender e se tornar uma pessoa melhor.

Hoje, Tarso Brant está bem consigo mesmo, mais consciente e mais maduro. Se arrepende apenas do que ainda não fez, e isso tudo porque ele é quem ele sempre sonhou ser.

“Nunca diga nunca, pois os limites são como os medos: sempre são apenas ilusões”. Quem disse isso foi uma das inspirações de Tarso e o nome dele é Michael Jordan. Ex-jogador na NBA, Jordan é também um grande motivador, autor de vários livros sobre superação, ele ensina que é preciso tentar e fazer acontecer.

Foto: Reprodução

A liberdade de ser quem se é de verdade não tem preço.

Vamos voltar um pouco no exemplo da Ivana de A Força do Querer. Uma das cenas que eu mais gosto de toda sua jornada é o momento em que ela se assume trans para os pais e finalmente vira ele. O grito que solta, o grito que ficou anos entalado dentro de si e que finalmente pôde pôr para fora. Ver aquilo me passou uma sensação tão boa, tão libertadora, é aquelas cenas de arrepiar, sabe? Quando a ficção se mistura com a realidade, aquilo que nos faz sentir.

Durante essa cena existe outro detalhe importante a ressaltar, a mãe de Ivana chorando após ver a filha com os cabelos curtos, chorando de tristeza por estar perdendo sua filha, sua princesinha como ela dizia. Não era tristeza que ela deveria estar sentindo, mas isso a personagem entenderá mais para frente.

Sabe quem devemos nossas lágrimas de tristeza? A cena da Camila de laços de família. Ok leitores aqui vocês percebem que sou uma noveleira, mas não vamos perder o raciocínio. Em um dos maiores sucesso de Manoel Carlos, a personagem Camila tem leucemia, um câncer, uma doença que mata milhares de pessoas todos os anos, isso sim era cena de chorar de tristeza, inclusive você também consegue revê-la no a tarde no vale a pena ver de novo. Agora tratando de Ivana, a única lágrima que pode ser derrama pelas madeixas perdidas pela personagem é de alegria e felicidade, por ver ele finalmente se olhando no espelho e se reconhecendo como sempre quis.

Ser transexual não é doença, mas mesmo assim acaba matando milhares de pessoas no Brasil todos os anos. Lamentável se pensar nisso. Deplorável saber que a perspectiva vida de um indivíduo trans é de 35 anos, e isso não é por conta dos hormônios e toda essa mudança, porque sabendo cuidar a estimativa de vida é muito maior, o que mata transexual no Brasil é a transfobia, atos de violência física, moral ou psicológica. É preciso ter mais compreensão sobre a causa, é necessário mais educação sobre esse tema nas escolas e dentro de casa, é imediato a necessidade de romper o preconceito.

A sua verdade não é absoluta, respeito se deve a todos. “Ame o seu próximo como a si mesmo”. Essa frase poderia ter sido dita pelo M.Jordan mas é um pouco mais antiga que ele, e, na verdade, foi dita por um ídolo também muito conhecido por muitos. Essa frase e seu autor eu deixo no ar, mas adianto que para ela só existe uma interpretação e não está relacionada a preconceitos.

O mês da visibilidade trans foi em janeiro, mas o respeito deve ser praticado todos os dias.

*Agradecimento especial a Tarso Brant por ter colaborado com a matéria.

NO COMMENTS

Deixe uma resposta