Tags Posts tagged with "aniversário de Minas Gerais"

aniversário de Minas Gerais

0 131
Dia 02 de dezembro é comemorado o aniversário do estado

*Por Bianca Morais

O estado, conhecido como um dos maiores do Brasil, recebe anualmente milhares de turistas interessados em se aventurar pelas maravilhas que são as cidades históricas, as cachoeiras, a estrada real, os museus e a gastronomia. Minas Gerais é abraçado por serras que contemplam um encanto só delas, e como já se dizia a letra da música: “Ó Minas Gerais quem te conhece não esquece jamais”.

Quando se trata de música, a mineira conquista milhares de corações ao redor do Brasil e do mundo. Artistas não apenas na área da música, mas jogadores de futebol, políticos, e tantos outros famosos mineiros que marcaram o mundo.

Hoje Minas comemora seus 300 anos com muita bagagem de quem à muito tempo mostra ao mundo o que é história de verdade.

300 anos de história

Como o próprio nome já diz “Minas Gerais”, um estado repleto de minas que por anos foram exploradas pelos bandeirantes em busca de ouro e pedras preciosas.

Em 1709, foi criada a Capitania de São Paulo e Minas de Ouro, que mais tarde, em 1720, com objetivo de facilitar a administração dos territórios foi desmembrada pela Coroa Portuguesa, sendo criada a Capitania de Minas, que se tornou conhecida como Minas Gerais. O alvará dessa separação foi datado no dia 2 de dezembro daquele ano, data oficial do nascimento do estado.

As Minas Gerais, quem conhece não esquece jamais

A atividade minerária sempre foi grande no estado, principalmente na época Brasil Colônia, e com isso uma das heranças deixadas pelo período foi a Estrada Real, primeira rota feita pelos portugueses para levar as pedras preciosas de Minas até o mar.

A rota começa em Ouro Preto, localizada em meio às serras mineiras, a cidade reúne o maior e mais importante acervo da arquitetura e da arte do período colonial de todo o Brasil.  O trajeto ainda passa por cidades históricas e marcantes do turismo mineiro como Mariana, a primeira capital de Minas Gerais, Diamantina e seus povoados encantadores, Congonhas, terra dos 12 profetas de Aleijadinho, Lagoa Dourada, lar do famoso rocambole, tradição passada entre famílias, Resende Costa marcada pelo artesanato local, São João Del Rei e Tiradentes, ligadas pelo passeio de Maria Fumaça, cidades que até hoje possuem casarões coloniais, ruas de pedra, igrejas barrocas, e claro, a boa e velha culinária mineira.

A estrada Real corta muitas outras cidades mineiras, algumas delas como Carrancas, São Tomé das Letras, Aiuruoca, Pouso Alto e Itamonte, que são conhecidas pelas suas cachoeiras, fauna e flora diversificadas. MG é a caixa d’água do Brasil, recebe nascentes de grandes rios, por isso, é um dos estados que mais tem cachoeiras no país, recebendo visitas de todo o mundo para conhecer as famosas quedas-d’água.

O turismo no estado vai muito além da rota da estrada Real. As serras que rodeiam o estado, são um desses atrativos, Serra da Piedade, Serra da Mantiqueira, Serra do Cipó, Serra da Canastra, Serra do Caparaó, Serra da Moeda, todas com lindas paisagens, atraem os diversos públicos, desde casais buscando aconchego, até aventureiros que exploram suas trilhas, escaladas e voos de parapente.

Minas ainda é o lar do maior museu a céu aberto do mundo, o Inhotim. Localizado na cidade de Brumadinho, o instituto recebe anualmente milhares de visitantes, repleto de galerias com artes contemporâneas, o museu ainda abrange uma espetacular área verde, com um jardim botânico impecável onde se encontra a maior coleção em número de espécies de plantas vivas entre os jardins botânicos brasileiros.

Minas Gerais é repleto de peculiaridades e elementos que a tornam única. Poucos sabem, mas o estado concentra o maior número de grutas e cavernas do país, segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), das 16.034 cavidades naturais registradas, 6.184 (38,5%) estão em Minas. São lugares com mais de 600 milhões de anos de história, esculturas naturais moldadas pela ação da água e formações rochosas.

Duas grutas muito populares são a Gruta do Rei do Mato em Sete Lagoas e a Gruta da Lapinha em Lagoa Santa, na última se encontra o museu Peter Lund com acervo de 80 fósseis e é conhecida como uma das maravilhas da Estrada Real, ambas se localizam na região metropolitana de Belo Horizonte. Para um turista que esteja disposto a se aventurar um pouco mais longe, a Gruta de Maquiné, localizada em Cordisburgo, apresenta pinturas rupestres e outros vestígios arqueológicos. As três grutas formam a Rota das Grutas de Peter Lund, naturalista dinamarquês considerado o pai da paleontologia e arqueologia no Brasil.

A cidade de Cordisburgo não abriga apenas a famosa Gruta de Maquiné, lá também é o local de nascimento de um dos escritores mais importantes do modernismo no Brasil, João Guimarães Rosa. Em seu conto Recado do Morro ele retrata o lugar “(…) tão inesperada de grande, com seus enfeites de tantas cores e tantos formatos de sonho, rebrilhando risos na luz – ali dentro a gente se esquecia numa admiração esquisita, mais forte que o juízo de cada um, com mais glória resplandecente do que uma festa, do que uma igreja”.

Berço de grandes artistas

Guimarães Rosa que assinou importantes obras da nossa literatura como o Grande Sertão Veredas, sempre tratou com admiração o estado em que nasceu. “Minas, são muitas. Porém, poucos são aqueles que conhecem as mil faces das Gerais.” E estava certo.

Minas Gerais é solo de grandes escritores, e outro nome muito conhecido também nasceu em terras mineiras, mais especificamente na cidade de Itabira no dia 31 de outubro de 1902. Um dos mais importantes nomes da poesia brasileira de todos os tempos, poeta, contista e cronista, o nome dele, Carlos Drummond de Andrade.

Itabira foi a primeira casa do escritor que se orgulhava disso, em diversos poemas Drummond, faz referência a cidade, que em forma de carinho e exaltação a sua imagem criou o Museu de Território Caminhos Drummondianos. O lugar é uma espécie de museu a céu aberto, com 44 placas-poemas distribuídas por diferentes pontos da cidade, identificando os locais citados nos poemas de Drummond.

(…) Alguns anos vivi em Itabira. Principalmente nasci em Itabira. Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro. Noventa por cento de ferro nas calçadas. Oitenta por cento de ferro nas almas. E esse alheamento do que na vida é porosidade e comunicação (…)

O verso acima faz parte do Confidência do Itabirano, um dos poemas espalhados pela cidade de Itabira, esse em específico se localiza no Memorial Carlos Drummond de Andrade, desenvolvido por seu amigo Oscar Niemeyer. Localizado em um dos pontos mais altos da cidade, o Pico do Amor. Ao chegar no lugar o turista se depara com uma estátua do poeta sentado num banco, o memorial ainda abriga um precioso arquivo de livros de Drummond. A cidade de Itabira mantém a lembrança do poeta sempre viva.

Mas não é apenas dos grandes escritores que nós, mineiros, podemos sentir orgulho. Aleijadinho e Mestre Ataíde, reconhecidos como maiores artistas do período Colonial, o primeiro escultor e o segundo pintor, nasceram nas terras mineiras e nelas deixaram eternizadas suas obras.

Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, nasceu na cidade de Ouro Preto em 1738. Ele é considerado o maior representante do barroco mineiro, conhecido por suas esculturas em pedra sabão, um exemplo delas são os profetas do Santuário de Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas.

Próximo de Ouro Preto, em Mariana nascia no ano de 1762, Manoel da Costa Ataíde, o Mestre Ataíde, produziu um acervo imenso de pinturas espalhadas pelo estado, principalmente em igrejas. Na famosa Matriz de São Francisco de Assis, em Ouro Preto, se eternizou uma de suas criações, a Assunção de Virgem Maria, rodeada de uma orquestra de anjos.

E é assim, com grandes Mestres como Ataíde, Reis como Pelé, ou até mesmo aqueles que não nasceram em Minas, mas são mineiros de coração, como é o caso do excepcional e único Milton Nascimento, que Minas se consagra como um berço de grandes artistas.

“De uma terra tão distante do mar 

Vem trazendo esperança para quem quer

Nessa terra se encontrar

E o trem…

Gente se abraçando

Gente rindo

Alegria que chegou no trem

(o trem…o trem…o trem)”. 

 

*Edição: Daniela Reis