Tags Posts tagged with "Arquidiocese de Belo Horizonte"

Arquidiocese de Belo Horizonte

0 188

Por Alysson Costa Salgado

Ao falar de comunicação social nos deparamos com a divisão primária entre jornalismo, publicidade e propaganda e relações públicas. Dentro de cada uma dessas divisões encontramos diversas outras subdivisões que são extremamente vastas, afinal, a comunicação pode ser infinita.

Uma subdivisão que encontramos que por muitas vezes não é conhecida é a Pastoral da Comunicação ou Pascom. Em resumo, tratam-se de pastorais que são formadas para comunicar o que uma determinada paróquia, diocese ou arquidiocese necessita.

E para saber mais como funcionam as  Pascoms em BH, a equipe do Contramão conversou com um dos coordenadores da pastoral da comunicação da arquidiocese de Belo Horizonte, Davidson Avelino Damasceno.

Primeiramente Davidson, o que é uma Pascom?

É a pastoral da acolhida, da participação, das inter-relações humanas, da organização solidária e do planejamento democrático do uso dos recursos e instrumentos da comunicação.

A Pastoral da Comunicação foi criada para fazer uma ponte de comunicação. Muitas vezes temos alguns elementos dentro de uma paróquia  para fazer uma comunicação, mas as vezes é uma comunicação fria que não evangeliza e a Pascom vêm para realizar um trabalho pastoral com o intuito de fazer esse link de comunicação entre as paróquias,  pastorais e a sociedade.

Como é funciona a Pascom?

Começa na paróquia com um grupo de pessoas voluntárias que geralmente são acompanhadas pelo pároco e que estão ali dispostas a contribuir. Alguns voluntários são pessoas sem formação e outros são jornalistas ou publicitários, profissionais de marketing e professores de português, que têm esse contato com a paróquia e oferecem seu tempo e seu conhecimento. Dentro de uma Pascom você tem uma infinidade de trabalhos em prol da comunicação.

Quais são os trabalhos desenvolvidos?

Evangelizar através da comunicação. Por exemplo, existem paróquias que possuem mais afinidade de criar informativos, então você pode fazer informativos on-line, informativos físicos. Outras paróquias já tendem mais numa linha de trabalho totalmente on-line, outras já têm uma grande necessidade de formação, aí entra o intuito mesmo da Pascom: trabalhar com outras pastorais no sentido de formação, de falar de assuntos da igreja ou falar sobre assuntos de uma comunidade em geral. Como por exemplo, a saúde do paroquiano, o bem estar (principalmente em tempos de pandemia) como se cuidar no sentido de proteção. Então, isso tudo a Pascom pode desenvolver, pode fazer um trabalho juntamente com as demais pastorais, e com um público externo.

Se uma Pascom necessitar fazer um trabalho maior, vamos supor, precisar comunicar uma atividade para a imprensa, como é feito?

Todo trabalho da Pascom vai depender muito da realidade da paróquia e da diocese. Falando especificamente da nossa Arquidiocese de Belo Horizonte, o trabalho se dá através  das pessoas envolvidas nas paróquias, as quais identificam um assunto relevante, encaminham para a coordenação da Pascom arquidiocesana ou para a Pascom da própria região episcopal que têm esse link direto com a assessoria de comunicação da Arquidiocese. A assessoria de comunicação da Arquidiocese de Belo Horizonte possui vários contatos com a mídia secular e ela consegue viabilizar esse processo. Muitas vezes esse processo pode ser inverso, as próprias emissoras – aconteceu muito isso recentemente no Corpus Christi e na Semana Santa – precisam de matérias e elas procuram a assessoria de comunicação da Arquidiocese. A Assessoria, por sua vez, aciona os coordenadores da Pascom a nível arquidiocesano que ali vão buscar uma apuração para localizar algum assunto relevante que possa ser de interesse da mídia secular.

Dentro da arquidiocese, como funciona o processo de hierarquias na comunicação?

Nós entendemos essa hierarquia somente como processo de organização de fato. Porque essa comunicação, esse respeito tem que ser uniforme. Mas para efeito de organização, nós trabalhamos da seguinte forma: nós devemos obediência ao arcebispo, Dom Walmor e nos guiamos pelos meios oficiais de comunicação da arquidiocese, como a assessoria de comunicação, a TV Horizonte, a Rádio América. Na instância da Pascom, nós temos a Pascom Arquidiocesana, que trabalha junto com as cinco regiões episcopais (Nossa Senhora Aparecida, da Conceição, da Piedade, da Esperança, do Rosário) e cada região episcopal tem um representante.  Esse representante é responsável por articular,  promover, fazer todo o processo de evangelização e espiritualização junto com os agentes da Pascom nas paróquias. Para isso, ele atua de forma a conduzir os trabalhos nas Foranias, para que em cada Forania ele possa trabalhar de uma forma específica conforme a demanda. Então em resumo nós temos a Pascom arquidiocesana, Pascom regional com cada representante das regiões episcopais e esse representante da região episcopal por sua vez faz o trabalho de articulação junto com as Foranias, e nas Foranias cada paróquia têm um grupo de agentes da sua própria pastoral da comunicação.

 

O que mais você tem para contar para os que ainda não conhecem o que é uma Pascom e desejam se aprofundar para fazer parte de uma?

O trabalho de Pascom é um trabalho muito envolvente. Cada paróquia tem uma realidade. Aqui na Região Episcopal Nossa Senhora da Piedade somos 70 paróquias, cada paróquia tem um perfil totalmente diferente do outro e o que mais me chama a atenção é que algumas paróquias, têm mão de obra, têm agentes dispostos a trabalhar, mas as vezes a paróquia não valoriza essa disponibilidade do agente voluntário. Em contra partida, temos paróquias em que o padre precisa de voluntário e  cria uma estrutura, porém não consegue dar segmento, as pessoas não assumem essa missão. Dou-te como exemplo a Paróquia São Judas Tadeu de Nova Lima, onde se encontra o padre Leonardo Dias. Ele é formado em jornalismo e  está cativando, mas ele não consegue criar um grupo de Pascom por falta de pessoas para atuar. Então nós temos várias realidades, é um grande desafio.de compartilhar!

Se você se identifica com o trabalho da Pastoral da Comunicação, busque uma paróquia mais próxima de você e converse com o pároco. Muitas paróquias podem estar precisando de sua ajuda.

 

 

* A entrevista foi produzida sob a supervisão da jornalista Daniela Reis e do professor Maurício Guilherme Silva Jr.

Funcionária da Capela Nossa Senhora do Rosário fecha as portas da construção que foi interditada pela Defesa Civil de MG. Fotografia: Lucas D'Ambrosio

A Capela Nossa Senhora do Rosário – a mais antiga da cidade – foi erguida no ano de 1897, na esquina da rua São Paulo com a avenida Amazonas, região central de BH. No inicio do mês, a Defesa Civil de Minas Gerais interditou a capela impedindo o acesso de fieis e visitantes em seu interior. Medida esta, tomada pela Arquidiocese de Belo Horizonte, devido ao desgaste presente na estrutura do teto, feito de madeira, que, pela consequente falta de reforço estrutural, está sob risco de desabar.

De paredes brancas, pequeno porte e timidamente inserida no caos urbano belo-horizontino, ela é um refúgio espiritual para os fieis católicos que transitam pela região e a visitam semanalmente. Com seus 119 anos a capela vem resistindo ao tempo e é um dos símbolos históricos remanescentes da cidade. Cerca de 3 mil pessoas a visitam diariamente, participando de missas, confissões e orações pessoais.

Alina Maria Maciel, administradora de empresas, é frequentadora da capela há mais de um ano. Para ela, o aconchego é especial. “Não é minha paróquia, mas sempre que passo por aqui eu entro. Ela é pequenininha, tem um jardim lindo, bem cuidado e é extremamente aconchegante.”. Sobre a importância desse local para o centro da cidade, ela completa, “é vital uma capela como essa (no centro). Milhares de pessoas passam por aqui todos os dias e elas têm a oportunidade de fazerem suas orações ou confissões”, finaliza.

Há seis anos frequentando o local, Marina Brandão Menezes, aposentada, 72, é moradora do centro de Belo Horizonte. Todos os dias, ela visita a capela em busca de serenidade, “é uma capela aconchegante. Devido ao seu tamanho, existe uma maior sensação de intimidade nas orações. Com a interdição da capela, ainda estou procurando por outra igreja. Isso é algo muito pessoal, que leva tempo até nos acostumarmos com outro local”, lamenta a senhora, se despedindo naquele momento, da capela interditada.

De acordo com a Defesa Civil a interdição foi realizada após a verificação de falhas na estrutura do teto da construção. A assessoria da Arquidiocese informou que a medida foi tomada por prevenção à segurança de quem visita o local e pela restauração do espaço histórico. Após a visita de técnicos e engenheiros, decidiram pelo fechamento temporário do prédio até a conclusão das reformas. Especialistas estão finalizando o projeto que ainda não tem previsão para ser finalizado. De acordo com a própria Arquidiocese, o processo será lento por todas as peculiares características da construção, datada do século dezenove.

Como alternativa para os fieis que frequentam a capela, outros pontos na região central oferecem missas e confissões: a Igreja São José, localizada na rua dos Tupis, número 164, no centro de BH; a Igreja de Nossa Senhora da Boa Viagem, localizada na rua Sergipe, número 175 no bairro Funcionários; e a Basílica de Lourdes, que está na rua da Bahia 1596, no bairro de Lourdes.

Texto e fotos: Lucas D’Ambrosio