Tags Posts tagged with "Arquitetura e Urbanismo"

Arquitetura e Urbanismo

0 123

Por Bianca Morais

Marlon Junior da Silva, formou-se no curso de arquitetura no ano de 2019, e seu trabalho de Conclusão de Curso, intitulado T.R.E.M, Tratamento e Requalificação de espaços minimizados, foi selecionado para ser apresentado no maior evento mundial de Arquitetura e Urbanismo. Promovido pela União Internacional de Arquitetos, o Congresso Mundial de Arquitetos que aconteceu no mês de julho, pela primeira vez no Brasil.

“Tive a oportunidade de auxiliá-lo no seu TCC. Marlon sempre foi um aluno dedicado e que se destacava, seja nas matérias teóricas, com uma escrita coerente e madura, seja nas matérias práticas, com uma representação eficiente e bons repertórios projetuais”, conta o orientador e professor da Una, Tarcísio Gontijo.

Projeto do TCC do aluno Marlon

Para o professor Tarcísio, que acompanhou a trajetória de Marlon desde seu primeiro período até a conclusão do curso, não faltam elogios ao ex-aluno.

“O TCC do Marlon foi o coroamento de uma trajetória acadêmica levada com muita seriedade. A escolha do tema e do local de seu projeto mostram seu compromisso em contribuir com a sociedade onde se insere, propondo uma intervenção com chances reais de ganho coletivo em uma área de grande valor histórico e cultural. A oportunidade de exposição de seu trabalho em um congresso de arquitetura de repercussão mundial abre a ele novas possibilidades e o coloca em contato com novos e experientes profissionais que compartilham dos mesmos anseios por melhoria dos contextos onde inserem seus projetos. Certamente, é um ganho pessoal e coletivo”, completa o professor.

Como parte das comemorações dos 60 anos da Una , o Jornal Contramão, traz hoje uma entrevista especial com Marlon, contando sua trajetória como arquiteto e a sensação de ter sido escolhido para um evento tão importante dentro da sua área.

Marlon Junior da Silva, arquiteto e ex-aluno da Una

1. Marlon, o que gerou em você a vontade de cursar arquitetura?

Alguns amigos já me disseram que nasci arquiteto. Pode ser que sim, porém, ao meu ver, isso não ocorreu. Conheci mais sobre a arquitetura naquela fase da escolha do ofício para ingresso na graduação e foi uma ótima descoberta. Me vi na arquitetura como possibilidade de realização numa profissão tão rica e diversa, podendo praticar meu lado criativo, que sempre foi aguçado, para melhorar a vida das pessoas através da melhoria da qualidade dos espaços à sua volta. 

 

2. Atualmente você trabalha em que área da arquitetura?

No momento, dedico o maior tempo de trabalho na arquitetura residencial, dentro de um escritório do ramo, mas desenvolvendo também projetos autorais na área comercial e residencial, além de continuar estudando, finalizando em agosto de 2021 um MBA em Gestão Estratégica de Projetos, também pela Una.

 

3. Você acredita que os projetos desenvolvidos durante o curso contribuíram para o seu desenvolvimento profissional?

Todos os projetos acadêmicos contribuíram muito para o profissional que sou hoje, cada um de uma forma, alguns me identificando mais, outros menos. Acredito que o importante durante o curso é estar aberto e disposto a receber o conhecimento em sua total diversidade. Uma vez apreendido, esse aprendizado é levado para vida, podendo ser aplicado em diferentes cenários. E principalmente nas disciplinas de projeto, foi uma ótima oportunidade de desenvolver propostas com problemas e possibilidades reais, que acontecem no mercado.

Parte do projeto do TCC de Marlon

 

4. Como você define sua trajetória da Una?

A graduação foi um caminho muito prazeroso! Prazeroso, pois apesar da grande carga de trabalho que o curso exige, era notável o ganho progressivo de conhecimento durante os 5 anos do curso. É gratificante ver quando os esforços rendem resultados, e pude perceber que sou um arquiteto grato por tudo que vivenciei na Una.

 

5. Qual sua opinião sobre o curso de Arquitetura e Urbanismo da Una? 

Percebi que o curso da Una tem uma formação bastante humanizada e diversa, sem deixar de lado o conhecimento técnico necessário na formação. Sem falar no corpo docente, com professores excelentes e reconhecidos no mercado. O curso prepara bem para o que vamos lidar no ingresso ao mercado de trabalho.

 

6. Como começou a sua carreira na arquitetura?

Através do bom e infalível network. Por meio de uma amiga que já estagiava num bom e reconhecido escritório, consegui uma vaga como estagiário dentro de uma mostra de arquitetura. Tendo um bom desempenho, fui efetivado neste próprio escritório, inclusive de propriedade de uma professora da Una, que se tornou uma amiga. Lá tive a oportunidade de aprender muito atuando em projetos de vários segmentos.

 

7. Depois de se formar você teve dificuldades para ingressar no mercado?

Desde quando me formei, há quase dois anos, até o momento, sempre estive empregado ou com projetos pessoais. Ainda estava no mesmo estágio quando me formei, e não havendo possibilidade de continuar no mesmo escritório, saí de lá na sexta, e comecei na segunda seguinte, em outro escritório, já como arquiteto, um mês antes da colação de grau. Como arquiteto, já empregado, recebi também outras oportunidades de trabalho na área, então nunca tive dificuldades, as oportunidades sempre apareceram e ainda aparecem.

Acho que no início, o que vale é estar disposto a aprender e crescer em uma vaga, mesmo que ela não traga um retorno financeiro satisfatório.

 

8. De onde partiu a ideia do seu projeto de tratamento e requalificação de espaços do Baixo Centro de Belo Horizonte e o que ele propõe?

A ideia deste projeto veio da minha própria vivência e trânsito por esta área do Baixo Centro. Não sou de BH, me tornei um morador daqui quando me mudei para estudar Arquitetura e Urbanismo. Como estudava no centro, utilizava o transporte público e caminhava pela região para chegar a Una. Foi uma oportunidade para conhecer a cidade e sentir a qualidade dos seus espaços. Veio daí essa percepção de locais degradados, mas amplamente utilizados, que poderiam justificar a proposta de um projeto de requalificação urbana.

 

9. Quando realizou o projeto você tinha noção da dimensão que ele teria?

Tinha a dimensão de que era um grande desafio, pelo tamanho e complexidade do projeto. Mas me propus a fazê-lo partindo do autoconhecimento de que toda bagagem que acumulei durante o curso seria suficiente para concluir com êxito o projeto. É evidente que o princípio básico em um TCC seja a conclusão e aprovação final no curso, mas me dediquei em entregar um resultado melhor, algo que poderia ser também a minha porta de entrada no mercado, e a dimensão que ele tomou foi surpreendente e muito satisfatória.

 

10. Como recebeu o convite para participar do UIA?

Recebendo nota máxima, a banca avaliadora, juntamente com o colegiado do curso e corpo docente da Una, indicaram o projeto para alguns concursos desta categoria acadêmica. Um deles, a Mostra Nacional dentro do Congresso Mundial de Arquitetos, promovido pela União Internacional dos Arquitetos (UIA) que aconteceria em 2020, mas foi prorrogado para 2021 devido à pandemia da Covid-19.

 

11. Qual a sensação de ter seu projeto apresentado pela União Internacional de Arquitetos?

A sensação é de muita felicidade e realização profissional. Ter a oportunidade de participar de um congresso desta importância, com menos de 2 anos de formado, foi excelente. Acredito que foi uma ótima vitrine, em poder publicar e divulgar um projeto de grande impacto social e relevância para o cenário do pensamento urbanístico de Belo Horizonte.

 

12. Além do UIA você foi indicado para outros concursos? Se sim, quais?

Sim, com este mesmo projeto, fui indicado ao Prêmio TCC CAU/MG e ao Ópera Prima, concurso nacional de TCC’s de Arquitetura e Urbanismo promovido por revista especializada.

 

13. Qual a principal evolução do Marlon que estudou Arquitetura na Una para o Marlon já formado de hoje?

A principal diferença daquele Marlon de 5 anos atrás é ser um arquiteto cada vez melhor, aprendendo com os erros e acertos diários da profissão, e de criar olhares para conhecimentos e culturas que orbitam a profissão de arquiteto e urbanista, buscando enriquecer soft e hardskills para me diferenciar no mercado.

 

14. Qual conselho você daria para os estudantes de Arquitetura que em breve irão ingressar no mercado?

Aproveitem a época da graduação o máximo possível, no sentido de extrair o quanto puderem de seus professores para o seu conhecimento. Faça estágios, cursos extras, vá a palestras, workshops, enfim, faça tudo que possa agregar ao currículo. Isso fará toda diferença quando formado, assim como fez para mim.

 

Edição: Daniela Reis 

0 214

Por Keven Souza

Há muito tempo a arquitetura se empenha para ser um instrumento transformador de realidade na qual se aplica conforto e bem-estar às pessoas, e se a essência consiste em pensar e projetar espaços para as atividades humanas, é importante que arquitetos e urbanistas desenvolvam uma visão plural e aberta das diferentes realidades que se pode encontrar em termos de habitação. 

Segundo o relatório lançado pelo Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos, o Brasil possui cerca de 33 milhões de pessoas sem moradia, e desse número, cerca de 24 milhões que não possuem habitação adequada ou não têm onde morar, vivem nos grandes centros urbanos. Por isso, tomar consciência de que, grande parte da população não tem acesso a um projeto arquitetônico bem feito, com aspectos técnicos e funcionalidade, por falta de habitação é indispensável. 

Pensando nisso, o Escritório Modelo é uma proposta extensionista criada pela Federação Nacional dos Estudantes de Arquitetura e Urbanismo (FeNEA), que tem buscado maneiras de atender a população de baixa renda, além de proporcionar vivência prática na formação profissional dos estudantes.

O papel do Escritório Modelo no Centro Universitário Una, desempenhado pelo curso de Arquitetura e Urbanismo, é de um espaço de atendimento que busca não só unir a prática acadêmica ao exercício do trabalho comunitário e de extensão, mas atuar sobretudo com parcerias solidárias. Além disso, é uma iniciativa que busca auxiliar as comunidades, bem como a arquitetura social, e subsidiar o apoio aos alunos na multidisciplinaridade e no desenvolvimento de projetos, com suporte aos professores e serviços administrativos nas áreas de arquitetura da Una. 

Fábrica NAU

O NAU é o Núcleo de Arquitetura e Urbanismo da Fábrica e está situado na Una Liberdade, em Belo Horizonte. O laboratório que atua desde 2014, atualmente é gerido pela líder Ana Karolina de Oliveira Carvalho (arquiteta e urbanista com especialização em gestão estratégica de projetos) com o suporte das estagiárias Maria Luiza Azevedo, Gabriela Sabrina de Souza Oliveira e Renata Barbosa Botelho. 

O laboratório faz parte da Fábrica – coletivo dos laboratórios de Economia Criativa –  e é um importante projeto da Cidade Universitária, sendo referência para outros escritórios da instituição, e até mesmo do Ecossistema Ânima, sendo exemplo a seguido, com pilares de organização, fluxos e resultados. 

Com ação múltipla, o NAU vai além de um Escritório Modelo, estimula a arquitetura solidária, com o compromisso de fomentar o contato do laboratório com os alunos, e na universidade tem o papel de oferecer oficinas e promover eventos de maneira que o conhecimento seja amplificado para aperfeiçoar as técnicas adquiridas ao longo dos cursos de Arquitetura e Urbanismo e Design de Interiores.

Além do contato praticado entre o laboratório e a instituição, há também a prestação de serviços para a comunidade externa. Os atendimentos seguem todas as etapas de um projeto arquitetônico e urbanístico, com construções de plantas e maquetes eletrônicas, visitas técnicas e elaboração de planilhas de orçamento. No entanto, estão elegíveis a solicitação do apoio famílias que possuem renda de até três salários mínimos, que se enquadre dentro da Lei da Assistência Técnica, e caso se trate de alguma instituição sem fins lucrativos voltada a um coletivo, há também a possibilidade de atendimento.

Na visão da líder, Ana Karolina de Oliveira Carvalho, o laboratório é uma oportunidade dos alunos experimentarem a arquitetura social, que é pouco vivenciada na maioria dos cursos de arquitetura, só que com desenvolvimento técnico e psicológico prontos para transformarem a visão da sociedade em relação ao “o que é” a arquitetura e onde ela pode chegar. 

“Eu definiria o NAU como um escritório que pensa na democratização do acesso à Arquitetura e Urbanismo, que pensa em uma melhor qualidade dos espaços para a cidade e principalmente para as pessoas”, explica Ana.

Para ela, o escritório além da prática, existe a reflexão acadêmica, em que a pesquisa, a produção de artigos científicos baseado na experiência dos alunos, ou conteúdos para as redes sociais, é uma realidade constante no laboratório.  

No NAU, a arquitetura não é só um meio que auxilia para condições estéticas e funcionais, favoráveis à habitação, utilização e organização dos ambientes, é um escritório que possui conexão cooperativa e solidária, com estudantes comprometidos em melhorar o futuro das comunidades.

Para Maria Luiza Azevedo, que está no nono período do curso de Arquitetura e Urbanismo, ser estagiária do laboratório a mais de um ano lhe permitiu desenvolver diversas habilidades, e que lidar com projetos reais é estar mais preparada para o mercado de trabalho.

“Tudo o que eu desenvolvia de prática dentro da arquitetura era somente nas aulas da faculdade e por isso sentia um certo receio, porque nunca tinha lidado com um projeto real que realmente seria edificado.” explica. 

Segundo ela, o trabalho do NAU tem sido essencial no auxílio à comunidade, pois tem ajudado várias pessoas a conseguirem o direito de moradia digna e afirma que a arquitetura é uma ferramenta que mexe com os sonhos e a qualidade das pessoas.

“Trabalhar com arquitetura social é um grande desafio, mas é totalmente recompensador fazer alguma diferença na vida de alguém que precisa, mesmo que pequena, não tem preço” desabafa Maria. 

É admirável que um dos objetivos do NAU seja ecoar na camada social de baixa renda para induzir a arquitetura para aqueles que ainda não tem acesso, para isso se envolver com demandas de Vilas, Favelas, Bairros periféricos, ONGs e prefeituras de forma inteiramente gratuita, é uma maneira de democratizar a arquitetura como uma linguagem acessível a todos.

Um dos projetos desempenhados recentemente pelo laboratório, é referente à casa dos moradores da Vila Acaba Mundo, em Belo Horizonte, que trouxeram a demanda pautada na queixa de não possuírem terrenos divididos corretamente, fazendo com que existam restrições de espaço dentro dos lares, e neste projeto o laboratório trabalha junto a comunidade em formas de obter melhorias no quesito de ventilação aos ambientes, tal como evitar mofos e conseguir aproveitamento do espaços das casas.

A reclamação da comunidade é corriqueira, e a muito tempo buscam alternativas para melhorar a vida de todos ali, entretanto neste projeto a Casa da Raquel, Casa do Laerte e Casa da Claudinha, são os lares que fazem parte do planejamento. 

Laerte Gonçalves Pereira, que é um dos moradores atendidos pelo NAU, e afirma que antes do apoio do laboratório, a maioria da vila não teria condições financeiras de arcar com uma consultoria particular de um arquiteto, no qual existiu um trabalho árduo de aceitação por parte da comunidade com relação a ter acesso aos projetos, mas que agora é um sonho coletivo.

“A sensação que resta do apoio é saber que o meu sonho está saindo do papel, e existe, principalmente, uma segurança de que lá na frente minha casa vai estar pronta por causa de um planejamento bem feito”, desabafa.

Segundo ele, boa parte dos moradores se edificam com a parceria, posto que muitos não compreendem sobre projetos arquitetônicos e que às vezes atrasam a obra por falta de conhecimento técnico, mas que o comprometimento dos alunos simplifica muito o entendimento do processo.

“Os alunos vêm com muita boa vontade de ouvir as nossas dificuldades, nos mostram a planta e nisso acabamos compreendemos mais sobre projetos e até mesmo sobre obra, por isso é importantíssimo entendermos que é necessário fazer uma casa com planejamento para que nós não nos percamos em meio à obra”, explica Laerte.

E conclui que o projeto é uma felicidade para todos os moradores que almejavam ver a comunidade mais bonita. 

Escritório EMAU 

O Escritório Modelo de Arquitetura e Urbanismo (EMAU) é uma agência gerida pelos alunos do curso de Arquitetura e Urbanismo, do Centro Universitário Una de Pouso Alegre, que em escalas de unidade habitacional ou da cidade, gerencia projetos que visam a interação entre a universidade e a sociedade.

Com atuação desde novembro de 2020, o papel desempenhado pelo escritório tem como objetivo alinhar o conhecimento acadêmico à realidade da profissão de arquiteto e urbanista, através de assessoria e assistência técnicas voltadas para a população de vulnerabilidade social, sendo o atendimento totalmente gratuito àqueles que buscam a parceria do escritório.

Atualmente, existe autonomia na seleção dos projetos por parte do EMAU, portanto todos os serviços realizados são por demandas levantadas pela comunidade local. Dentre os atendimentos às instituições sem fins lucrativos ou organizações civis como prefeituras, paróquias e escolas, que necessitam de diagnóstico sobre elementos arquitetônicos, podem entrar em contato e solicitar o atendimento. 

Gustavo Reis Machado, que é professor e coordenador do EMAU, acredita que o Escritório Modelo traz um impacto positivo na formação dos alunos como profissionais, cidadãos e como arquitetos transformadores que vão atuar dentro da sociedade sabendo que a sua profissão pode ter um efeito único na vida de vários indivíduos.

“A ideia é que o projeto seja horizontal, sem hierarquias, como professor estou ali para orientá-los. Colaboro sim! Mas a produção é deles. Ali é um ensinando o outro e compartilhando experiências”, explica o professor. 

Para ele, um dos pilares que compõem o EMAU é a solidariedade, sendo uma extensão acadêmica em que o aprendizado está ligado à realidade das pessoas, e que só existe porque a sociedade necessita do atendimento.

“O EMAU é o melhor exemplo de extensão para um curso de Arquitetura e Urbanismo, é muito transformador porque o que faz gerar os projetos e as demandas, é a comunidade local”, complementa. 

A comunidade local tem sido parceira do escritório na troca de experiências, com isso além do planejamento para espaços físicos, há uma maneira de apoiar o bem estar social das pessoas que vivem ali.

Um dos projetos realizados pelo escritório atendeu ao Centro Educacional Infantil Municipal (CEIM) Professora Evangelina Meirelles de Miranda, situado no bairro Cidade Jardim, em Pouso Alegre, que atende alunos de creche, pré-escola e educação especial.

O “Projeto Crescer” trouxe o conceito “Mundo Imaginário da Natureza”, que propôs a revitalização das áreas livres e de convivência dos alunos, realizou um estudo preliminar de cunho pedagógico a fim de entender como ocorre o desenvolvimento físico, cognitivo e psicossocial desta faixa etária visando a melhoria do espaço de brincar, de modo a otimizar o desenvolvimento das crianças. 

Para Ana Lúcia Clemente Gonçalves, que é professora e a atual gestora da escola, a ideia da parceria surgiu com a necessidade de mudar a estrutura do parque (local antigo), sendo uma área atrativa da escola e que precisava de renovação que promovesse a imaginação e a criatividade dos alunos. 

“Foi desenvolvido para atender melhor os estudantes de três a cinco anos e incentivar a exploração do mundo por meio do corpo, aprimorando o motor amplo, através de experiências, ou seja, tendo contato com diversos materiais, texturas, formas e cores”, informa Ana.

Segundo ela, neste momento a escola está passando por uma reforma geral e estão se organizando para colocar o projeto em prática, assim que ela for concluída. Além disso, expressa que o sentimento em relação a parceria é o de gratidão. 

“Essa parceria só traz benefícios para a comunidade, como a união da comunidade escolar junto com as famílias dos alunos, a interação ainda maior entre os funcionários da escola, e a motivação para sempre querer melhorar os espaços físicos dentro da escola.” desabafa ela.

Neste caso, a arquitetura atuou como peça fundamental no ensino, motivação e inspiração das crianças, e transcende a utilização do espaço como um agente ativo que influencia positivamente aqueles alunos que irão utilizá-lo.

Mayron Tadeu Costa, que é estudante e participa há oito meses do escritório, diz que atuar no projeto para o CEIM foi importante para aprimorar a vivência entre o seu contexto social-econômico, e que não sentiu dificuldade em elaborar o projeto para a escola infantil. 

“Tive pouca dificuldade. Nosso orientador, o professor Gustavo Reis, nos preparou tanto com referências bibliográficas, quanto com ensinamentos a partir de sua experiência profissional. Além disso, contei com auxílio dos meus colegas que foram essenciais para realizar a prática da melhor forma possível”, informou Mayron.

Segundo ele, os projetos desempenhados pelo escritório, além de reconstruir espaços físicos, busca também influenciar aquele que utiliza o espaço, seja na praticidade, na organização espacial ou na sensação do ambiente, e que a arquitetura como resultado estimula o sonho de muitas pessoas. 

 

 

Revisão: Bianca Morais

Edição: Daniela Reis