Tags Posts tagged with "bdmg"

bdmg

0 864
Imagem retirada: Arco-íris/ UOL Blog

No dia 23 de agosto, o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais – BDMG – lançou o Programa de Pró – Equidade de Gênero e Raça com o objetivo de discutir assuntos que giram em torno de transexualidade, racismo, pessoas com deficiência e gênero feminino. Com um comitê formado por profissionais do Banco, a ação foi dividida em quatro módulos e acontece no auditório da própria instituição.

Segundo o presidente do BDMG, Marco Crocco o senso de justiça é o tema central da pauta da atividade realizada pelos profissionais do Banco: “A diversidade produtiva, cultural, de gênero, raça e orientação sexual é elemento de desenvolvimento. A atividade da instituição é promover avanço social como inclusão, respeito à diversidade e garantir direitos.”.

Na quarta-feira, 24, iniciou-se o primeiro módulo que fala sobre transexualidade. Essa semana, dando continuidade à programação, os palestrantes farão um ciclo de palestras sob o tema: visibilidade travesti e transexual, com as abordagens “saúde, identidade e violência”, hoje 30, e na quarta, 31, “Mercado de Trabalho e Acesso à Educação”. Com entrada franca, não é necessário realizar inscrições para participar.

O programa que terá continuidade em outubro e dezembro irá abordar assuntos relacionados ao bem-estar de pessoas com deficiência. Em 2017, no primeiro semestre, o BDMG abrirá discussões abordando racismo e gênero feminino.

Programação: 

23/08 – 18h30

Abertura oficial do Programa de Pró-Equidade

24/08 – 18/30

Apresentação da peça Flor de dama, com o ator Silvero Pereira

Projeção de fotografias de Lucas Ávila, projeto “Elas Madalenas”

30/08 – 18h30

Módulo 1 – “Visibilidade Trans”

Mesa 1: “Saúde, identidade e violência”

Convidados – Anyky Lima, Sissy Kelly, Paulo Bevilacqua, Raul Capistrano, Sofia Favero, Vanessa Sander

31/08 – 18h30

Módulo 1 – “Visibilidade Trans”

Mesa 2: “Mercado de trabalho e acesso à educação”

Convidados – Sayonara N. B. Nogueira, João W. Nery, Daniela Andrade, Maria Clara Araújo, Rafaela Vasconcelos Freitas

 

Reportagem: Ana Paula Tinoco

Fonte: Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais – BDMG

Lucas D'Ambrosio

O estado de Minas Gerais é uma das referências nacionais quando o assunto é música popular brasileira. Também conhecida como MPB, o gênero, considerado um reflexo daquilo que existe de original da cultura musical nacional, feita e pensada por aqui, é aquele que consegue alcançar diferentes gerações entre os seus adeptos. Belo Horizonte, capital do estado e berço de movimentos musicais como o Clube da Esquina, ainda mantém de forma pulsante, os tons desse gênero lançando, por exemplo, nomes como os de Clara Nunes, João Bosco, Milton Nascimento, Paulinho Pedra Azul e Marcus Viana, assim como outros mais recentes, como Paula Fernandes, Aline Calixto e Flávio Renegado.

O projeto Quatro Cantos Coral na Praça, idealizado pelo BDMG Cultural, foi criado para divulgar o canto coral de Minas Gerais e promoverá o encontro de coros infanto-juvenis mineiros na noite desta quarta-feira, 10, a partir das 19h30. O palco será a Basílica de Nossa Senhora de Lourdes, localizada na região centro-sul da capital mineira. O encontro irá reafirmar a importância da música popular como forma de expressão cultural, além de demonstrar sua importância na formação de crianças e adolescentes. No total, serão quatro grupos de coros: Jovem Sesc, Gotas da Canção, São Geraldo e Raio de Luz. De acordo com Leila Lúcia Gregório, coordenadora do Coral BDMG o projeto surgiu “para que existisse um espaço para apresentação dos coros e uma agenda cultural que servisse tanto para divulgar, como interação cultural da cidade de Belo Horizonte”. Sobre a edição desta quarta-feira, Leila Gregório explica que será uma edição excepcional, trazendo coros exclusivamente infantis e infanto juvenis. “No entanto, as apresentações do evento Quatro Cantos contam com corais de todas as faixas etárias”, ressalta.

João Paulo Cunha, presidente do BDMG Cultural destaca a importância do incentivo à música como plano de apoio ao aprendizado de crianças e adolescentes, “O incentivo à cultura é reconhecido com um dos caminhos mais produtivos para a inclusão de crianças e adolescentes. A música, por suas características, é uma das artes que mais se aproxima dos valores sociais que desejamos levar aos jovens. Por meio da música os jovens se socializam, desenvolvem projetos coletivos, entram em contato com a cultura e têm ainda oportunidade de profissionalização”, finaliza.

Coral Raio de Luz

O coral Raio de Luz, foi criado no ano de 1998 e está vinculado ao projeto social Obras Educativas Padre Giussani. Nele, participam quarenta crianças que vão dos 9 aos 13 anos de idade. No repertório, além de músicas e cantos tradicionais da Igreja Católica, as crianças interpretam clássicos da MPB. Vanderlúcia Balsamão, 48, é supervisora da socialização e explica que a ideia do projeto do coral surgiu com o intuito de oferecer às crianças “Coisas belas que pudessem alargar os seus horizontes”. Balsamão acredita que a música, bem como a arte em todas formas de expressão, é um direito universal. “Infelizmente, a acessibilidade a cultura é precária em nosso país, principalmente para a população de baixa renda. Nesse sentido, percebemos a importância de criar canais de cultura que possibilitem às crianças escolher o que lhes encanta e edifica como seres humanos”. ressalta a supervisora que falou sobre a importância de incluir projetos culturais no processo de formação das crianças e adolescentes que participam do projeto.

Todo semestre, seleções são realizadas pelo coral para incluir novos participantes e cantores. Um teste é realizado para avaliar a saúde vocal dos concorrentes, além da experiência musical de cada um dos interessados. Nas apresentações, todo o repertório é organizado e elaborado pelo maestro Daniel Rezende Lopes e pelo músico Marco Aurélio, responsáveis pela condução do coral, que mesclam as músicas entre aquelas que “querem ser ouvidas” com as que estão presentes na realidade individual de cada uma das crianças.

Projeto Quatro Cantos Coral na Praça – BDMG Cultural

Dia: 10 de Agosto

Hora: 19h30

Local: Basílica de Lourdes – Rua da Bahia, 1596 – Lourdes/BH

 

Reportagem e Fotografia: Lucas D’Ambrosio

Trecho de "O Eixo" - Fotografia/Divulgação

Revivendo os áureos tempos das telas de cinema projetadas ao ar livre, o evento Mini Festival de Webfilm irá preencher a noite de sábado, 16, em pleno inverno belo-horizontino. Idealizada pelo Coletivo Luminária, a primeira edição do festival reunirá webfilmes produzidos por nomes do cenário independente nacional e internacional. As projeções serão realizadas na calçada, na escadaria e no quintal do espaço do BDMG cultural, localizado na rua da Bahia 1600, no Circuito Cultural da Praça da Liberdade, região centro sul da capital mineira.

Com entrada franca, as projeções do festival terão início às 18h e irá proporcionar ao público a oportunidade de conhecer 40 trabalhos de animações, curta metragens, documentários, fashion filmes, ficções e vídeo performances nacionais e internacionais, todos com classificação Livre. De acordo com a organização do evento, o principal objetivo deste festival é a ocupação do espaço urbano através da utilização de formas audiovisuais criativas além da consolidação de um ponto de encontro para os apreciadores dos trabalhos audiovisuais.  

Em meio à programação, uma série desses trabalhos foram produzidos por autores de Belo Horizonte. Dentre eles, o curta “BH no Ritmo da Luta”. Com produção e direção de Dandara Andrade, nele é abordado o contexto do carnaval da cidade que, a partir do ano de 2009, voltou a receber os tradicionais bloquinhos de rua. Com um engajamento político, os bloquinhos tomaram novamente o espaço urbano e ultrapassaram os limites da Avenida do Contorno, hipercentro da cidade, para alcançar novos espaços da região metropolitana de BH.

Dandara Andrade é formada em comunicação social e jornalismo, especializada em cinema e iniciou os trabalhos com audiovisual na emissora Rede Minas. Atualmente, é diretora de produção da Gabiroba Vídeo e produz documentários e vídeos educativos. Ela comenta sobre o processo criativo de direção do curta, “eu já era stalker do carnaval de rua de BH e a Mariana Fantini, que trabalhava conosco e teve participação fundamental no projeto, também estava ligada na importância e militância que a juventude vinha desenvolvendo antes e durante o feriado festivo. A ideia foi buscar a resposta para uma pergunta que estava se tornando comum por aqui: de onde veio esse carnaval? Queríamos mostrar que aquela festa nunca tinha morrido e ia muito além da folia e do entretenimento. Desejávamos mostrar como o carnaval de rua era, na verdade, de luta.”, completa.

Assim como outros eventos da cidade, o carnaval de BH se tornou um momento de representatividade política e social que, a partir dos anos de 2008 e 2009, voltou a mobilizar uma quantidade significativa de adeptos. ela explica um pouco da importância política na abordagem desse tema em um trabalho audiovisual, “acho que BH no Ritmo da Luta é um registro muito útil para nos lembrar sempre, enquanto cidadãos-foliões, de onde viemos, para quê viemos, porque e onde queremos chegar com esse movimento e suas revoluções e, consequentemente, com a relação que construímos com a cidade.”, comenta Andrade sobre o papel em que o documentário pode atender.  

Mini Festival de Webfilm

O festival é uma oportunidade, também, para os adeptos e apreciadores do estilo. A utilização da internet para a promoção e divulgação dos trabalhos realizados de forma independente é tido como uma alternativa de acesso ao mercado. Andrade pontua, “Coletividade. Juntar a sua turma, unir suas experiências, técnicas e estruturas, em busca de uma produção que traga sentido para sua vida e toque de verdade aqueles que terão acesso a ela – acredito que esse seja o primeiro passo. É óbvio que o fomento governamental ao audiovisual está crescente, mas, não podemos ficar dependentes dele, por isso, ter atitude de pegar e fazer é extremamente importante. Acho interessante também que quebrem o mito da glamourização do cinema e da direção e abram a cabeça para a internet, para as “lentes sociais” e para a responsabilidade que temos ao registrarmos e exibirmos algo. Nesse caso, a mensagem é mais importante que o meio.”, finaliza.  

Fotografia/Divulgação
Divulgação

Reportagem: Lucas D’Ambrosio

A mostra Ver e voltar a ver: a cidade dos alunos do mestre Guignard faz parte das comemorações dos 50 anos do BDMG. As obras compõem o acervo da exposição À Cidade e o Artista – Dois Centenários, produzida por 26 ex-alunos do pintor Alberto da Veiga Guignard, em 1995. Naquele ano o projeto foi criado para homenagear o centenário do pintor e da cidade de Belo Horizonte. “Pensamos em chamar alunos do Guignard que ainda estivessem em atividade e então, pedimos a eles que pintassem Belo Horizonte como eles enxergavam na época”, explica a diretora do BDMG cultural em 1996 e curadora da exposição, Marília Salgado.

Segundo a curadora está exposição foi marcante por relembrar acontecimentos de Belo horizontes em épocas passadas. “Foi muito prazeroso para o público ver aquela exposição, foi interessante ver também que, mesmo os artistas tendo o mesmo professor, tinham formas de se expressar bem diferentes”, comenta.

Chanina – Festa em BH – Eduardo Eckenfels
Álvaro Apocalypse – Homenagem ao Bom Gavino – Eduardo Eckenfels

Percussor da arte moderna em Belo Horizonte Guignard teve papel importante para a arte na capital mineira. Marília Salgado relembra que foi uma exposição do artista que inaugurou a galeria de arte do BDMG. “Pedimos a colecionadores que cedessem as obras. Eu mesmo fui a casa do pessoal escolher as peças”, relembra.

As obras ficam expostas na galeria de arte BDMG cultural até o dia 23 de dezembro e a entrada é gratuita.

Por João Vitor Fernandes e Rute de Santa

Foto: Divulgação BDMG

A Galeria de Arte BDMG Cultural recebe os dias 09 e 30 de outubro  a exposição O aniversário de Dadá que expõe desenhos e modelagens do artista plástico Marcelo Xavier, em comemoração aos 25 anos do lançamento do livro O dia a dia Dadá.

A abertura da exposição ocorreu na quarta feira, 09, e contou com a participação de um coral formado por 47 crianças carentes moradoras da região norte de Belo Horizonte. Até o encerramento da mostra serão ministradas, pelo próprio artista, oficinas gratuitas de modelagem para crianças a partir dos quatro anos de idade.

As obras estão expostas no espaço BDMG Cultural que está localizado no edifício-sede do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (Rua da Bahia, 1600, Lourdes). O horário de visitação é de 10h às 18h, e a entrada é gratuita.

Por Ana Carolina Vitorino e Marcelo Fraga

Fotos: Marcelo Fraga