Tags Posts tagged with "Belo Horizonte"

Belo Horizonte

Por Edilane Carvalho

A maior dificuldade nutricional que um universitário que vem do interior estudar na cidade pode enfrentar em relação à alimentação está geralmente relacionada à mudança de ambiente e à transição para um novo estilo de vida.

Com a disponibilidade de alimentos, muitos universitários do interior podem estar habituados a uma dieta baseada em alimentos frescos e locais, que podem não estar disponíveis gratuitamente na cidade. Isso pode levar a uma diminuição na qualidade nutricional de suas refeições.

As restrições orçamentárias podem levar a uma diminuição da qualidade da alimentação, já que os produtos alimentícios mais saudáveis – frescos e orgânicos – podem ser mais caros nas metrópoles.. A necessidade de equilibrar custo e qualidade nutricional pode ser um desafio, levando a escolhas alimentares menos saudáveis.

A vida universitária muitas vezes é agitada também. Aulas, trabalhos, estudos e atividades extracurriculares, tudo junto leva a falta de tempo e pode levar os estudantes a optarem por refeições rápidas e processadas em detrimento de opções mais saudáveis.

Por ter o conhecimento nutricional limitado sobre nutrição, alguns estudantes – do interior ou não – podem não saber o preparo de refeições saudáveis. A falta de habilidades culinárias e de informação nutricional pode dificultar a tomada de decisões alimentares adequadas.

Outro ponto de cuidado é a pressão dos colegas e o ambiente social, que podem influenciar as escolhas alimentares dos universitários. Festas, lanches rápidos e refeições fora de casa podem ser tentadores, mas nem sempre são saudáveis.Muitos estudantes que se mudam para a cidade, por exemplo, podem vir a morar em dormitórios ou apartamentos compartilhados com cozinhas limitadas, ou sem acesso a elas, o que pode dificultar o preparo de refeições domésticas.

Superando as dificuldades nutricionais

Para superar essas dificuldades, os universitários do interior podem se beneficiar de planejamento e educação nutricional, como aprender a cozinhar refeições saudáveis, fazer compras econômicas e conscientes e aproveitar os recursos disponíveis, como refeitórios da universidade, grupos de alimentação saudável e programas de orientação nutricional . Além disso, é importante lembrar que equilibrar uma dieta saudável com a vida universitária é possível com o tempo e o esforço adequado.

nutricionista Shellen Pollyanna
Nutricionista Shellen Pollyanna ( acervo pessoal )

Para tirar algumas dúvidas referente às questões nutricionais na vida do universitário, conversamos com a nutricionista Shellen Pollyanna, Pós graduada em nutrição aplicada à estética e Pós graduada em clínica e hospitalar na faculdade Santa Casa sobre o tema.

Quais são os principais obstáculos que os universitários do interior enfrentam ao tentar manter uma alimentação saudável na cidade?
Acho que a principal dificuldade é a falta de tempo em preparar os lanches e demais refeições.

Como a falta de acesso a alimentos frescos e saudáveis ​​na cidade pode afetar a dieta dos universitários que vêm do interior?
Discordo, pois o acesso a alimentos frescos e saudáveis muitas vezes está nas cantinas das faculdades. Só precisa de um olhar mais crítico do estudante.

Quais são as opções de refeições disponíveis no campus da universidade e nos arredores?
Tem na maioria das faculdades saladas de frutas disponíveis para estudantes. Nos arredores, muitas vezes, tem espetinhos de carne. Outras vezes refeições completas. Muitas faculdades têm food trucks com opções de macarrão.

Isso influenciou a escolha alimentar dos estudantes?
Não sei dizer. Mas fato é que, na maioria das vezes, é falta de conhecimento a respeito da alimentação ser saudável ou não.

Como a mudança de horários devido às aulas e atividades extracurriculares afeta os hábitos alimentares dos universitários?
Aí, sim, pode afetar, mas também pode ser adequada a realidade de cada um. Lembro que quando estava na faculdade, chegava em casa meia-noite e fazia ceia.

Falta de tempo para cozinhar em casa afeta a qualidade da alimentação dos estudantes? Quais alternativas eles têm para fazer refeições saudáveis ​​de forma conveniente?
Já citei os food trucks acima, que seria uma opção mais adequada do que alimentos muito processados. Além de fazer melhores opções.

Como os custos associados à alimentação na cidade afetam uma dieta equilibrada?
Os custos realmente são altos se não houver um planejamento. Mas se organizar, o custo pode ser muito baixo. Visto que uma alimentação saudável não precisa ser cara, com alimentos simples de sacolão.

A adaptação a uma nova cultura alimentar na cidade é um desafio para as faculdades do interior? Como isso pode influenciar suas escolhas alimentares?
As escolhas devem ser pautadas por conhecimento em educação nutricional. Deve-se conhecer os alimentos, saber o que é bom e diferenciar os objetivos. Não acho que o problema seja de lugar, interior, cidade, não seja também da oferta da faculdade. Acho que o problema é justamente a falta de educação nutricional que recebem desde a infância, passando pela educação nas escolas. Uma alimentação saudável é simples e funciona muito para suprir deficiências nutricionais de estudantes de todas as idades. Agora a escolha do estudante é que leva a demanda do mercado. E opções tem várias.

É importante destacar que a escolha entre uma alimentação saudável e não saudável não se limita apenas aos aspectos físicos da saúde, mas também afeta a saúde mental e a qualidade de vida. Uma dieta equilibrada pode aumentar a energia, melhorar o humor e reduzir o risco de depressão e ansiedade, enquanto uma dieta não saudável pode ter o efeito oposto.

Portanto, a conscientização sobre os benefícios de uma alimentação saudável e os riscos associados à alimentação não saudável desempenha um papel crucial na promoção da saúde e não está bem a longo prazo. Fazer escolhas alimentares sábias e equilibradas é um passo importante na direção de uma vida mais saudável e plena.

Em resumo, a escolha entre uma alimentação saudável e uma alimentação não saudável desempenha um papel crucial em nossa saúde e bem-estar. Optar por uma alimentação equilibrada e rica em nutrientes é fundamental para manter um estilo de vida saudável e prevenir uma série de problemas de saúde.

0 479

Você piscou e já estamos em dezembro, e a Praça da Liberdade está toda paramentada com luzes de Natal

Por Gustavo Meira

A tradicional iluminação de Natal foi inaugurada no dia 02 deste mês, com a presença do governador de Minas Gerais, Romeu Zema, e do secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, dentre outras autoridades. 

 

Além das luzes da praça, as fachadas dos prédios que compõem o Circuito Cultural Praça da Liberdade também estão decoradas. O Palácio da Liberdade ganhou uma árvore de Natal e um presépio. 

 

Mineiros homenageados 

 

Estão em exibição um 14-bis, avião criado por Santos Dumont pilotado por um Papai Noel e as silhuetas iluminadas dos 12 profetas da Igreja do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas, criadas por Aleijadinho. A decoração é em comemoração ao aniversário de 303 anos de Minas Gerais, que estará exposta até o dia 06 de janeiro. 

foto para a parte “Mineiros homenageados” (O ‘’14 Bis’’ foi criado pelo mineiro Santos Dumont em 1906. Foto: Cristina Moreno de Castro/kikacastro)

Durante o período de exposição, o coreto abrigará a Casa do Papai Noel, um ambiente com iluminação cênica e um espetáculo de neve a cada 30 minutos. Um túnel iluminado em neon flex também proporciona uma experiência imersiva e instagramável no espaço.

 

A ação faz parte do Natal da Mineiridade que abrange cerca de 600 eventos oficiais em 450 municípios. Foram investidos cerca de R$ 18 milhões, que devem retornar para o Estado, aquecendo o comércio e o turismo. 

 

Operação especial de trânsito 

 

Devido à iluminação da Praça da Liberdade, a Prefeitura de Belo Horizonte promoverá uma operação especial de trânsito até 6 de janeiro, das 19h à meia-noite. Uma área especial será destinada para Food Trucks. Além disso, haverá interdição das alamedas da Educação, dos Despachos e da Segurança.

foto para parte “Operaçao transito” (Operação especial de trânsito na Praça da Liberdade. Foto: Divulgação PBH.)

0 330

Por Emily Moura e Luísa Freitas

A equipe azul celeste comandada pelo técnico Jonas Urias, venceu a equipe do Atlético Mineiro, comandando pela técnica Vantressa Ferreira, pelo placar de 1 a 0, gol marcado aos 22 minutos do 2º tempo, pela artilheira Byanca Brazil (10), que soma 12 gols marcados durante o campeonato.

Jogadoras antes da partida. Foto: Laryssa Barbosa.

Primeiro tempo

Os primeiros 20 minutos o jogo seguiu equilibrado para ambas equipes, tendo apenas um cartão amarelo aplicado para a jogadora Karol Bermúdez (5) do Atlético, tendo poucas chances claras de gols.

A partir desse momento o jogo que era equilibrado tomou um outro cenário , as cabulosas vieram pra cima e começaram a ter chances, o jogo seguiu com o lado cruzeirense atacando, mas as vingadoras também não ficaram para trás e teve suas chances claras de saírem na frente, o Juiz Richard Michel concedeu 6 minutos de acréscimos a partida , porém manteve sem gols marcados.

Jogadoras entrando em campo. Foto: Laryssa Barbosa.

Segundo tempo

Já no ínicio do 2ºtempo, ambas equipes estavam com muita raça e vontade de vencer, tivemos ao todo 5 cartões amarelos aplicados durante o 2º tempo do jogo, entretanto a atleta Dayana da equipe das Vingadoras, tomo dois(2) cartões amarelos e sem expulsão, oque deixou a torcida cruzeirense confusa.

Aos 22 minutos 2º tempo, como dito anteriormente a Atleta das cabulosas Byanca Brazil (10) abre o placar em um chute de dentro da área marcando para a equipe do Cruzeiro.

Nesse meio tempo tivemos duas alterações, uma para cada equipe, o jogo que seguia 1 a 0 ganhou 7 minutos de acréscimos, indo até 52 minutos. Faltando 2 minutos para o jogo acabar, a equipe atleticana sofre um pênalti, oque levou o torcedor a loucura. A escolhida para bater foi a atacante Soraya (11), entretanto a goleira Taty Amaro (1) das cabulosas defendeu o pênalti, garantindo assim, o tão sonhado titulo de Campeãs Mineiras do ano de 2023.

Elenco do Cruzeiro. Foto: Laryssa Barbosa.

Comemorações

Após a comemoração das cabulosas, estivemos com as jogadoras Vanessinha (7) e Anna Luiza (16) que falaram um pouco sobre como foi ganhar o tão sonhado título do campeonato Mineiro. Confira:

Vanessinha:

Vanessinha, atleta do Cruzeiro, fala sobre o título mineiro de 2023

“Não tem nem oque falar, os 3 anos que a gente vem batendo na trave, o grito na garganta tava entalado, mas esse ano graças a Deus deu tudo certo e a gente conseguiu trazer a medalha e o troféu pro Cruzeiro”, comentou a atleta.

Anna Luiza:

Ana Luiza, atleta do Cruzeiro, fala sobre o título mineiro de 2023

” O título veio, com muito esforço e foi um ano assim, de muito trabalho, muita dedicação e hoje a gente pôde implementar isso dentro do campo com a torcida toda acompanhando a galera toda em cima e uma energia incrível, e é isso, vamo cruzeiro!

Não tem nem oque falar, os 3 anos que a gente vem batendo na trave, o grito na garganta tava entalado, mas esse ano graças a Deus deu tudo certo e a gente conseguiu trazer a medalha e o troféu pro Cruzeiro”, disse a jogadora.

A partida aconteceu no Estádio Independência, e foi transmitida pela primeira vez na história uma final de Campeonato Mineiro Feminina nas telas da Tv Globo e pela Rádio Itatiaia.

Por Michele Assis e Natalia Vianini

Por vezes, ao nos depararmos com o questionamento “o que é o hip-hop?”, pensamos em figuras famosas e grandes hits, mas ele é muito mais do que isso. Para compreendermos plenamente a potência dessa cultura, é essencial revisitar suas origens e entender o que a desencadeou.

O hip-hop, um símbolo de luta e resistência nas periferias, celebrou recentemente 50 anos de existência, uma conquista que destaca sua evolução. Originado no Bronx, em Nova York, tornou-se uma poderosa ferramenta social que, por meio de expressões artísticas, deu voz aos problemas estruturais enfrentados pelas comunidades negras e periféricas nos Estados Unidos. Já no Brasil, este movimento ganhou força em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, na década de 1980. Alguns grupos de periferia de São Paulo passaram a se reunir na Galeria 24 de Maio e na estação São Bento do metrô para escutar as músicas e lançar os novos passos de dança.

Os principais pilares do hip-hop, estabelecidos por DJ Afrika Bambaataa, líder da banda Zulu Nation, reconhecido como “padrinho do hip-hop”, são: o rap, o DJing, breakdance e o grafite, além da moda e da gíria, que também compõem o conjunto. Por meio dessas manifestações artísticas, é possível conscientizar a periferia e despertar as lutas por mudanças.

O Hip-Hop no Brasil

No início, o rap era considerado um estilo musical violento e exclusivamente periférico, sofrendo muitos preconceitos e até repressões policiais. Porém o ritmo começou a se espalhar rapidamente entre as periferias da cidade, trazendo autoestima aos jovens que procuram uma forma de se integrar na sociedade da época, que vivia um regime militar.   

A coletânea “Hip-Hop Cultura de Rua” foi o primeiro álbum brasileiro exclusivamente de rap, lançado em 1988. Foi nesse álbum que o público conheceu o trabalho de rappers como Thaíde e Dj Hum, Mc Jack e Código 13, nomes de grande relevância na cena. O rap conquistou espaço nas rádios de todo o país na década de 1990 e atraiu o olhar da indústria a esse estilo novo e efervescente. O “Movimento de Rua”, programa da Rádio Imprensa, foi o primeiro com programação 100% dedicada ao rap, colocado no ar pelo DJ Natanael Valêncio.

Lançamento do selo comemorativo “BH Hip-Hop 40 Anos” durante o Encontro com a Imprensa, realizado pela Fundação Municipal de Cultura. Foto: Michele Assis.

Um dos nomes de peso dentro da cena que ajudaram a difundir o rap no país é do grupo “Racionais MC’s”. Em 1997 o grupo lançou o álbum “Sobrevivendo no Inferno”, que se tornou um dos maiores clássicos do rap nacional. Em 2018, o disco entrou como obra obrigatória no vestibular da UNICAMP, devido a sua relevância cultural e social.

Quatro décadas depois, o hip-hop vem quebrando várias barreiras e conquistando cada vez mais espaço no cenário musical e cultural brasilero, sem perder a sua essência de dar voz e denunciar as injustiças sociais. O movimento tem atraído também os olhares do poder público. Cada vez mais estão surgindo iniciativas no campo das políticas públicas para fortalecer o hip-hop. 

O Hip-Hop em BH

Em Belo Horizonte a cena do hip-hop tem relevância nacional, graças a eventos como o “Duelo de MCs”, que acontece no Viaduto Santa Tereza há 14 anos e artistas que conquistaram o país como Djonga, Clara Lima e Renegado. Devido a enorme presença que faz parte da cultura da cidade, o movimento tem conseguido dialogar com sucesso junto ao poder público. A cidade tem se destacado neste diálogo, sendo uma das primeiras capitais do país a propor essa ação.    

Recentemente, no mês de agosto de 2023, a Assembléia Legislativa de Minas Gerais aprovou o projeto que reconhece a relevância cultural do hip-hop e de seus elementos na formação e fomento da identidade cultural das periferias de Minas Gerais. O projeto prevê aos elementos do hip-hop a proteção do Estado, por meio de inventários, tombamento, registro e outros procedimentos administrativos. Além disso para resguardar suas atividades manter esta política pública como patrimônio cultural, a Prefeitura instituiu o Fórum Permanente de discussões das políticas públicas do hip-hop e, através da Lei nº 10.114, de 2011, foram criados a Semana Municipal do Hip-Hop (12 a 18 de novembro) e o Dia Municipal do Hip-Hop (12 de novembro).

A Secretária Municipal de Cultura de Belo Horizonte, Eliane Parreiras, reforça sobre a ação do poder público para promover e estimular o Hip-Hop na cidade. “O prefeito Fuad Noman tem solicitado que a gente se organize e estruture essa política municipal para o hip hop, especialmente porque estamos falando de duas vertentes. Da juventude, que dialoga com aqueles que vieram construindo essa história do hip-hop e também  no aspecto da inclusão social junto à juventude negra. É por esse trabalho que temos com a sociedade civil, que estamos construindo um plano municipal que atue no eixo da memória, na salvaguarda, no fomento, na institucionalização e formação, estimulando essa produção e garantindo que tenhamos cada vez mais o hip-hop sendo o que é, essa força e potência na cidade de Belo Horizonte”, diz.  

Batalha de MC’s “FaráOeste” que acontece na Pista de Skate do Barreiro, na Praça Cristo Reina, a cada quinze dias na quarta-feira. Foto: Michele Assis.

Por meio da Secretaria Municipal de Cultura e da Fundação Municipal de Cultura, a prefeitura realiza durante o mês de novembro e dezembro de 2023, o programa comemorativo “Belo Horizonte Hip-Hop 40 anos”, que terá diversas atrações como shows, batalhas de MC’s, saraus, slans, entre outros. Essa é uma iniciativa organizada em conjunto com a sociedade civil para a celebração e promoção do Hip-Hop na capital mineira. Mais uma vez o movimento prova a sua força transformadora, conquistando novos espaços e transformando a vida das pessoas que acompanham a cena.  

(foto: Staff Images/Cruzeiro)

Por André Duarte, Daniel Vieira e Ney Felipe

Neste domingo(15), o sub-20 da raposa levantou mais uma taça. Diante de mais de 12 mil torcedores, um recorde para os jogos de categoria de base, o Cruzeiro enfretou o Grêmio pela final da Copa do Brasil e venceu por 2 a 0.

O jogo teve uma etapa inicial bem tensa e com poucas chances de gol. A melhor chance do primeiro tempo foi do Cruzeiro, que já vinha melhor e com mais proximidade de chegar ao gol, em jogada individual de Robert, o atacante celeste acertou a trave em um belo chute.

Já o segundo tempo seguiu movimentado. o Grêmio foi que teve as primeiras chances mais claras de gol. Mas, logo em seguida a chance mais clara gremista, Fernando pegou um rebote de seu próprio chute, bem defendido pelo goleiro Cassio e abriu o placar.

Com a desvantagem a equipe tricolor foi para cima e deixou mais campo para os contra-ataques cruzeirenses.  Com isso, pouco tempo depois, em uma saída de bola errada do Grêmio, Fernando novamente foi as redes e deixou a Raposa com as mão no título inédito da categoria.

Final de jogo, Cruzeiro 2 a 0 e festa para a nação celeste que esgotou os ingressos disponíveis para a manhã deste domingo.

Já no meio da semana passada, Cruzeiro Sub-20 venceu o Coimbra nos pênaltis e conquistou o Campeonato Mineiro Sub-20

Equipe Sub-20 campeão mineira comemora com a taça. ( Foto: André Duarte )

A emocionante final do Campeonato Mineiro Sub-20 foi decidida em grande estilo após uma disputa acirrada entre o Cruzeiro e o Coimbra. Após um resultado de 2-1 a favor do Coimbra no primeiro jogo, o Cruzeiro entrou com uma equipe alternativa, garantindo uma vitória por 1-0 no segundo jogo, com um gol crucial de Luis Fernando. A partida foi para os pênaltis, onde o goleiro celeste, Otávio, brilhou ao defender 2 pênaltis e Ruan Santos, com frieza, converteu o pênalti do título.

Agora, com a confiança renovada, a equipe celeste se prepara para enfrentar o desafiante Grêmio na final da Copa do Brasil Sub-20, agendada para o próximo domingo no Mineirão. A expectativa é alta enquanto os jovens talentos se preparam para mais um confronto emocionante.

Na comemoração do título, Gui Meira, promessa celeste deu uma entrevista falando se o título mineiro da uma certa tranquilidade para outra final.

– Não diria tranquilidade, mas sim uma confiança. Por causa de todo cenário, revertendo dois jogos, na semi e final, e conseguindo ser campeão, gera um ânimo no grupo.

Estilista André Antunes assina a coleção que irá vestir as Entrelaçadas

O MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal, recebe no dia 05 de outubro, o desfile das Entrelaçadas, grupo de apoio de pacientes de câncer de mama do Mário Penna. O evento celebra a força e a beleza feminina e convoca a todos se envolverem na promoção da prevenção e diagnóstico precoce. O evento será realizado entre 18h e 21h, em formato gratuito e aberto ao público.

Tradicional campanha do Instituto Mário Penna, a ação integra o Outubro Rosa da instituição, cujo tema desse ano é “Quem se importa, se envolve”. A edição ganhou um reforço ao firmar parceria com o curso de Moda da Una, sendo os alunos responsáveis pela produção do desfile e todo backstage.

Já o estilista André Antunes, que possui uma rede de ateliês em Belo Horizonte, Itaúna e São Paulo, assina a coleção de vestidos que as pacientes usarão no dia do desfile, que terá como foco metais e pedras preciosas – proposta que dialoga com o acervo do MM Gerdau. “Estamos preparando uma coleção linda para vestir as pacientes/modelos. O público pode esperar muito brilho, vestidos de pedraria, capa, tudo combinando com a temática de metais e pedras preciosas. Tenho certeza que as modelos darão um show na passarela e, o mais importante, vamos celebrar a força feminina e chamar atenção para a prevenção e o diagnóstico precoce do câncer de mama. É um evento completo e sem dúvida teremos muita beleza, emoção e histórias de superação”, afirma.