Tags Posts tagged with "câncer"

câncer

0 284

Por Daniela Reis 

Um diagnóstico que muitas vezes assusta e amedronta. Uma doença que interfere no corpo e na autoestima da mulher. O câncer de mama é uma doença que atinge mulheres de diferentes faixas etárias e que tem outubro como o mês destinado à sua conscientização. Hoje o Contramão traz uma matéria especial com dados e entrevistas que mostram que é possível vencer essa enfermidade. 

De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) no triênio 2020/2022 devem ser diagnosticados mais de 66,2 mil casos de câncer de mama no Brasil. No ano de 2018 ocorreram 2,1 milhões de novos diagnósticos no mundo, o equivalente a 11,6% de todos os cânceres estimados. 

A doença acomete pacientes do sexo feminino e masculino, porém é muito mais incidente entre as mulheres e ocupa a primeira posição em mortalidade por câncer entre pacientes do sexo feminino no país, com taxa de mortalidade ajustada (que mede os riscos em termos percentuais) por idade, pela população mundial. Para 2019, de 14,23 por 100 mil habitantes. As maiores taxas de incidência e de mortalidade estão nas regiões Sul e Sudeste do Brasil.

Mesmo com números tão elevados de mortalidade, a médica ginecologista e integrante do corpo clínico da Rede Consultar, Nathalie Fantoni, explica que o diagnóstico precoce é um fator que contribui muito para a recuperação. “Quanto mais cedo identificamos um problema de saúde, maiores são as chances de cura e mais simples são os tratamentos necessários. Por isso, é importante que os exames de rastreio sejam realizados. Os exames de rotina não evitam o câncer de mama, mas evitam que, uma vez que a doença ocorra, ela cause ainda mais complicações de saúde”.

Ainda de acordo com Fantoni, o câncer é uma doença multifatorial e seu surgimento está relacionado a fatores genéticos, ambientais e fisiológicos. “Maus hábitos como tabagismo, falta de atividade física e ingestão regular de álcool estão associados ao maior risco dessa doença no geral. Especificamente no câncer de mama, outros fatores de risco são: idade, menarca precoce, menopausa tardia, não ter tido filhos, exposição à radiação, terapia de reposição hormonal, obesidade e história familiar”, ressalta

Apesar de, mais de 70% dos diagnósticos acontecerem em mulheres na faixa etária dos 50 anos, a médica alerta que mulheres jovens também podem sofrer com a doença, é  importante o autoexame e os controles periódicos com o(a) médico(a) ginecologista. “Por isso é essencial conhecer o próprio corpo e passar por exame clínico periódico mesmo antes dessa idade”. Ela salienta que em pacientes mais novas os exames de imagem só serão solicitados se houver sintomas. “Não há rastreamento previsto para mulheres jovens sem fatores de risco e com exame físico normal”, finaliza. 

 

Sintomas

É importante que todas as mulheres conheçam o próprio corpo e realizem o autoexame para verificação de alguma anormalidade nas mamas e também visitar seu médico uma vez ao ano. “A consulta de rotina com o ginecologista deve ser anual, para passar por exame clínico e tirar dúvidas. A coleta do preventivo e a solicitação de mamografia serão feitos de acordo com a periodicidade dos protocolos do Ministério da Saúde, mas a consulta é fundamental”.

Cada tipo de câncer de mama manifesta diferentes tipos de sintomas, que variam de paciente para paciente. Mas segundo a médica os mais comuns são: nódulo duro, irregular e geralmente indolor, saída de secreção espontânea do mamilo (se a paciente não estiver amamentando), alteração da pele da mama ou do mamilo e inversão do mamilo.

Mulheres que possuem casos na família também devem ficar alertas. “Familiares de primeiro grau do sexo feminino com câncer de mama é fator de risco. Se houver algum parente homem com câncer de mama na família, é considerado fator de risco em qualquer grau de parentesco. Nesses casos, o acompanhamento médico deve ser mais criterioso e o rastreio é iniciado mais precocemente”, completa a ginecologista Nathalie Fantoni.

 

Histórias que inspiram

Apesar do susto do diagnóstico e da rotina pesada de tratamentos invasivos, é possível encarar o câncer de maneira mais leve e confiante, como mostram Roberta Albuquerque e Liosdete Bonaccelli. Ambas dividiram conosco as suas histórias para inspirar outras mulheres. 

 

Roberta Albuquerque 

A luta de Roberta começou em 2016, quando ela foi diagnosticada com carcinoma lobular invasivo, o segundo tipo mais comum de câncer de mama. “A notícia foi uma bomba. E embora a doença seja assustadora, o que mais me preocupava era meu filho portador de necessidades muito especiais. Autismo severo e síndrome de down, altamente dependente de mim pra tudo! Naturalmente qualquer mãe em uma situação como essa se apavora”, conta.

A falta de uma rede de apoio para auxiliar Roberta com o filho, fez com que ela adiasse o tratamento. “Tive que internar meu filho em uma clínica, visto que, eu não tenho família em BH. Mas só o fiz depois de fazer uma criteriosa pesquisa. Durante 5 meses, com um tumor enorme, enfim encontrei o local. Então eu já podia fazer minha cirurgia tranquilamente”.

Ela fez a retirada total das duas mamas, cirurgia denominada mastectomia radical e logo depois iniciou o tratamento. “Fiz o procedimento nas duas mamas, embora o tumor estivesse apenas em uma, eu não queria correr o risco de ter que passar por tudo novamente. Iniciei logo em seguida o tratamento, quimioterapia e depois radioterapia”, explica.

A maior preocupação era como mãe, Roberta pedia a Deus por sua vida, ela não queria partir e deixar seu filho especial sem suporte e sem o amor materno. Mesmo sendo especial, o garoto não tinha problemas sérios de saúde, porém na mesma semana em que ela perdeu todo o cabelo, consequência comum nos tratamentos de câncer, seu filho partiu do plano físico para o espiritual. 

Sem a família por perto, ela recebeu apoio à distância de seus entes queridos e explica a importância de se sentir amada em um momento tão difícil. E ao perguntar de onde ela tira tanta força a resposta é: “Deus! E a certeza de que ninguém vai embora antes da hora. Acordar com saúde é um privilégio negado a muitos”.  

O câncer ainda a assombra, ela continua sua luta de cabeça erguida e acreditando sempre no melhor. E quis compartilhar conosco um texto que ela postou no ano de 2020 em suas redes sociais e que diz traduzir o sentimento dela em relação à doença. 

“O câncer me ensinou que momentos valem ouro, que nosso corpo é nosso templo, que a vida pode ser curta e que não podemos depender de ninguém pra ser feliz. 

O câncer me ensinou o lugar das coisas, das pessoas e o meu lugar no mundo. 

Me ensinou a gostar das coisas simples, me deu um lugar de fala e de pertencimento. 

Não virei Santa e nem mais sábia, sou apenas alguém que entendeu a oportunidade que lhe foi dada, sendo assim, eu vivo com exagero toda minha simplicidade… A vida é o agora!”

 

Liosdete Bonaccelli

O diagnóstico de Liosdete aconteceu em janeiro de 2021. A descoberta veio através de um exame de mamografia após ela sentir uma coceira insistente na auréola de uma de suas mamas. “Eu recebi o resultado do exame e dia 13 tive certeza absoluta com a confirmação do médico. Descobri o câncer através de uma coceira que tive na auréola do meu seio esquerdo. Como já havia feito mamografia no início de 2020 e não havia dado nenhum nódulo, resolvi, então, pedir uma nova mamografia a minha Endocrinologista, pois o médico ginecologista havia dito que eu tinha feito uma mamografia no início do ano, e não me deu novo pedido”, explica. 

Ela conta que na sua família há anos atrás duas primas também sofreram com o câncer de mama e que havia informado isso à técnica que realizou uma das suas mamografias, mas que mesmo assim a profissional não deu importância a esse fator e nem as manchas que acusaram no seu exame. Então, quando o médico lhe deu o diagnóstico, não houve espanto. “Para mim, não foi uma coisa assustadora. Não chorei e também não me desesperei, o médico até perguntou “Não está surpresa?” Eu disse: Não, porque eu estava suspeitando, por causa da coceira e meu cabelo estava caindo. Pensei comigo “Agora é cuidar, seguir em frente e colocar nas mãos de Deus.” Pois na vida, nada acontece por acaso. A minha preocupação era em comunicar a minha família, pois perdi um sobrinho no mesmo dia que descobri o câncer”.

Segundo Liosdete, a parte mais dolorosa de tudo isso é o tratamento de quimioterapia. “A quimioterapia que enfraquece, que transforma você em um ser sem vida. As injeções que são em veias invisíveis, praticamente. O enfraquecimento das pernas, a dor estomacal, a perda do olfato e do paladar, um pouco de perda de memória, fora o cansaço físico”, afirma.

O tratamento doloroso influencia muito na rotina de pacientes e com Liosdete não foi diferente. Ela que tinha paixão por cozinhar, parou de preparar suas delícias, pois não aguentava sequer o cheiro da comida. Também parou com o curso que fazia e até atividades prazerosas foram prejudicadas. “Com a colocação do cateter não posso fazer natação ou hidroginástica, que era um dos objetivos para esse ano. Já não saio mais de casa, por medo de contrair doenças oportunistas, pois a imunidade com o tratamento fica muito baixa. Ainda peguei covid-19 através de visitas que vieram em minha casa e infelizmente estavam contaminadas”.

Mas, as mudanças não são apenas negativas. A doença trouxe uma nova visão de vida. “Me vejo hoje, uma pessoa melhor a cada dia. Me sinto uma pessoa mais perseverante, mais independente, com uma nova visão da vida, tipo: não deixe para amanhã o que pode fazer hoje, me apeguei mais aos amigos e procurei aqueles que há muito não via. Coloquei a família, irmãos, primos, sogra, cunhadas(os) em segundo lugar e em primeiro lugar veio a minha saúde que nunca deixei de cuidar, mesmo na pandemia, faço meus exames frequentes. Então, a vida me ensinou que nós devemos viver, sermos mais humanos, mais amigos, mais chegados, ter mais fé, confiar mais em Deus e acreditar que tudo passa”, ressalta

E com essa energia positiva ela deixa um recado: “Eu diria que, na vida, enquanto pessoas, estamos sujeitos a tudo e a todo tipo de doença. Mas, não devemos colocar obstáculos na nossa frente pois tudo passa. Devemos erguer a cabeça e continuar porque ainda que venham as dores do tratamento, somos mais do que vitoriosas e não devemos desistir. Devemos pensar na família, se tivermos filhos, nos filhos. E que essa experiência só nos faz melhores seres humanos. Que olhem para dentro de si e vejam a força que existe em cada uma de nós. Eu ainda estou fazendo tratamento, e depois de passar pela quimioterapia vejo como eu fui, através da minha dor, e talvez até do meu egoísmo, em pensar só em mim, em desistir, o quanto fui covarde. Vendo nos olhos de quem me ama como família e amigos, o choro da sinceridade com que eles me abraçavam e choravam por mim. Então, eu só digo: Não desistam. Essa é uma luta de todas nós, com gosto de vitória”.

 

 

0 385

Projeto de extensão do Centro Universitário Una promove cuidados a paciente oncológicos

Por Italo Charles

“O projeto chegou em um momento que me trouxe iniciativa para fazer muitas coisas. A primeira vez que tive a videoconferência eu me senti reviver naquele dia, porque fazia muito tempo que eu não conversava com pessoas, nem por telefone eu tinha proximidade com ninguém”. 

Essas são algumas palavras de Ana Paula Rosa Soares Martins, 49, diagnosticada com adenocarcinoma e carcinoma invasor no ano de 2016. Ana Paula enfrentou muitas dificuldades durante o tratamento. Recém moradora de Belo Horizonte iniciou o tratamento e se sentiu sozinha por não ter conhecidos na cidade.

Em muitos casos, como o de Ana Paula, conviver com o câncer se torna um desafio. A falta de auxílio psicológico e apoio familiar geram desconfortos e podem ocasionar sofrimentos para além do câncer.

Ana Paula Rosa – paciente assistida pelo projeto

“O tratamento e todos os cuidados no hospital foram muito humanizados, mas no final eu saí sem nenhuma indicação do que fazer, não sabia se deveria procurar assistência psicológica. Estava sozinha, eu e Deus e tive que enfrentar, cheguei a ter depressão, não tinha forças para viver, não sabia o que fazer”, comenta Ana Paula.

Através de uma indicação, após quatro anos diagnosticada e em tratamento pós-câncer, Ana Paula conheceu o Projeto de extensão Atenção Estética no Câncer promovido pelo Centro Universitário Una.

“Com a pandemia, tudo ficou pior, há muito tempo eu não via e conversava com ninguém. Então recebi um link sobre o projeto, quando entrei fui muito bem recebida pelo grupo, tenho muito a agradecer”. Diante dessa oportunidade, Ana Paula se sentiu encorajada para voltar a viver.

Projeto Atenção Estética no Câncer

Idealizado pela Professora Paula Mota Vasconcelos, docente na graduação em saúde e pós graduação em estética nos cursos de Biomedicina, Enfermagem, Farmácia e Estética, do Centro Universitário, o projeto de extensão Atenção Estética no Câncer nasceu no segundo semestre de 2020 a partir da necessidade de promover cuidados a pacientes em remissão e tratamento oncológico.

Paula Mota, professora da Una e idealizadora do projeto

O projeto se dá por meio de uma abordagem estética integrativa nas áreas de estética e cosmética, odontologia, fisioterapia, biomedicina, enfermagem e nutrição, proporcionando aos pacientes uma dose de cuidados a fim de elevar a autoestima e suscitar os cuidados.

Para além de estimular cuidados estéticos com a saúde, o projeto Atenção Estética no Câncer encoraja e traz vida aos pacientes participantes através de acolhimento e orientações.

“O projeto promove atendimento em demandas que os médicos e hospitais não atendem. Nosso foco é diferenciado, não só estético, mas de saúde. Prestamos orientação odontológica, nutricional, de pele, cabelo, unha, serviço social, dúvidas dos pacientes”, comenta Paula Mota.

Ao longo do projeto é elaborado o formulário de triagem que consta a avaliação integrada, encontro por vídeo chamada com paciente, montagem de conduta integrativa e orientações ao paciente.

De acordo com a idealizadora do projeto, uma das maiores dificuldades foi desenvolver uma didática para o atendimento remoto que pudesse humanizar o acolhimento dos pacientes e ir além do câncer. “Trazê-los de volta à vida! Com vontade de viver e ficar com auto estima lá em cima”, afirma Paula. 

“Inspirador”, palavra usada pela estudante de Estética e Cosmética, Márcia Pereira Rodrigues, 21, para definir sua participação no projeto.

“Depois de cada encontro on-line, terminamos todos comemorando o quanto havíamos conseguido ajudar cada paciente. É como uma engrenagem, o dentista junto ao esteticista, ao biomédico e diversos outros profissionais da saúde com o único objetivo de contribuir com a melhora daqueles pacientes. Sem sombra de dúvidas, a prof. Paula Mota nos proporcionou uma experiência que vai muito além de horas complementares da faculdade, mas algo que mexeu com as nossas vidas e ampliou nossa perspectiva como profissionais. Eu sei disso porque mexeu comigo, me ensinou que a estética pode chegar a muitos lugares e que, de fato, juntos somos mais fortes! Tenho apenas gratidão por tudo o que tenho vivido e por essa oportunidade extraordinária”, comenta Márcia.

Márcia Pereira – aluna da Una e participante do projeto

 

*A matéria foi produzida sob a supervisão da jornalista Daniela Reis