Tags Posts tagged with "CENSURA"

CENSURA

0 87

Hoje comemoramos o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa e para marcar essa data deixamos aqui o manifesto do curso de Jornalismo da Una, escrito pela professora Carla Maia. O texto também se transformou em vídeo gravado por alunos e ex-alunos, confira no link.

Manifesto 

“Liberdade, essa palavra que o sonho humano alimenta, que não há ninguém que explique e ninguém que não entenda”

Liberdade, essa palavra com a qual levantamos nossa bandeira. Ainda que tardia, ainda que árdua, ainda que arda, ainda que soe como ameaça para os senhores que nos querem escravos, é a liberdade que buscamos, é por ela que trabalhamos.
Trabalhamos pelo direito à liberdade de expressão, de informação, de ir e vir. Liberdade para emitir opinião e – por que não? – para mudar de opinião. Pois é livre aquele que sabe confrontar as ideias falsas com as palavras justas.

Liberdade para buscar os fatos e comunicá-los com senso de justiça. Liberdade para ir contra tudo e todos que ameaçam o direito à vida, à dignidade e à equidade.
Liberdade para investigar o passado, mapear nossos erros e assim projetar outro futuro. Liberdade para assumir responsabilidade e arcar com as consequências de nossas escolhas.
Assumimos, nesse dia que celebra a profissão que escolhemos, o compromisso de usar nossa liberdade a favor de uma sociedade menos fundada em equívocos e, por isso, com chance maior de acertos.

Mobilizamos a força de nossa ação contra tudo que limita nosso direito de pensar em voz alta, nosso direito de ser livres ao exercer nossa capacidade crítica e reflexiva.
Selamos um pacto com todos que resistem à ignorância e à alienação, todos que não desistem de pensar e de criar, livre e coletivamente.

Porque é isso, ser jornalista: um exercício de honra aos direitos humanos fundamentais.
Liberdade é a nossa praça, é nossa praia. É nosso território afetivo e inventivo. É onde podemos nos encontrar para celebrar nossa existência em comum.
Somos jornalistas pela Liberdade e cá estamos para desejar, a todos que nos acompanham, dias melhores.

0 673

Por Henrique Faria

Há 32 anos acabava no Brasil a Ditadura Militar, nessa época os jornalistas e músicos brasileiros foram diversas vezes censurados pelo governo por se mostrarem contra o regime. Na época, após o AI-5, os militares tinham total liberdade para realizar ações sem mandados judiciais, logo, ficou mais fácil censurar o povo.

A censura na Ditadura era constante, principalmente após a assinatura do Ato Institucional Número 5 realizada pelo presidente Costa e Silva no ano de 1968, que concedeu total liberdade aos militares para realizar ações sem mandados judiciais, como por exemplo prender e ocupar as redações de jornais. Assim que assinado o documento, vários meios de comunicação foram ocupados pelos “censores” que realizavam o trabalho de editores. Eles eram responsáveis pela releitura e aprovação das matérias que seriam publicadas na próxima edição e desta maneira começou o trabalho de censura dentro dos meios de comunicação. Muitos jornais contrários às atitudes do governo continuaram publicando matérias negativas e que denunciavam os abusos da época, estes porém, tiveram suas redações invadidas e destruídas, como por exemplo o “Jornal do Brasil” e o “Correio da Manhã”, que sofreu com a prisão de sua proprietária.

Entretanto, os jornais não foram os únicos afetados pelo AI-5, os artistas e intelectuais também foram perseguidos e censurados, muitas músicas escritas pelos artistas foram censuradas, mas mesmo assim Caetano Veloso, Chico Buarque entre outros conseguiram lançar músicas que denunciava a atitude da polícia como “É proibido, proibir” e “Cálice”, respectivamente. Essas canções caíram nas graças do povo e foram eternizadas pela população, porém vários artistas como Caetano e Gilberto Gil foram exilados e outros foram presos e torturados.

A data de hoje, 03 de agosto é lembrado como dia da Censura, apesar dela ainda estar tão atual, não podemos esquecer do que ela foi, o que causou e o que ela representa nos dias de hoje e o que ela promoveu durante a ditadura, em que jornalistas, professores, músicos eram perseguidos apenas por apresentar a sua própria opinião ou escrever uma matéria que seja contra as ideias do antigo governo.