Tags Posts tagged with "cidades"

cidades

As diferenças entre os metrôs que são administrados pela companhia nacional em outras capitais do país.

A insatisfação com o metrô de Belo Horizonte já é história antiga. Desde sua inauguração, em 1986, as promessas de reforma e ampliação de suas linhas superam as expectativas do esquecimento. A administração do metrô foi transferida do estado de Minas Gerais para a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). A companhia, vinculada ao governo federal desde 2003, por meio do Ministério das Cidades, atua na gestão e operação comercial do transporte de 210 mil passageiros por dia, na capital mineira.

Números do metrô de Belo Horizonte

De acordo com dados apresentados em 2011, por uma pesquisa realizada pela CBTU, do número total de passageiros transportados diariamente, 70,8% deles utilizam o metrô para o trabalho e 45,3% fazem o uso durante cinco dias da semana. Outro número que chama a atenção: 15% dos usuários realizam as viagens originadas de bairros da região metropolitana. Isso mostra a defasagem na atual linha em operação, tendo em vista que apenas o município de Contagem, na região metropolitana da cidade, possui estação de metrô.

Outros dados apontam que, a maioria dos usuários possuem entre 18 e 24 anos e são mulheres. Os horários de maior utilização são das 5 até as 8 horas da manhã e, à noite, das 17 até às 20 horas. Dos 210 mil passageiros diários, 57,2% representam funcionários da iniciativa privada, que dependem do transporte público, para chegar até o seu trabalho.

As linhas da CBTU

Atualmente, a CBTU é responsável pela administração do transporte metroviário das cidades de Belo Horizonte, Recife, Maceió, João Pessoa e Natal. Dentre as cidades, o metrô da capital pernambucana é o mais avançado, em termos de número de linhas e usuários atendidos diariamente. Em Belo Horizonte, de acordo com dados publicados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população estimada para 2016 foi de mais de 2 milhões e meio de pessoas e um quinto da população atendida pelo metrô.

Em Recife, porém, os números demonstram a importância desse tipo de transporte. Por lá, de acordo com o IBGE, a população estimada para o ano de 2016 foi aproximadamente de 1,6 milhões de pessoas. A diferença: o metrô recifense, atualmente, atende o dobro de passageiros em relação à BH e possui 43 Km de linhas a mais construídas.

    

Reportagem anterior:

BH continua na espera pela ampliação do metrô

Fotografia, arte e reportagem: Lucas D’Ambrosio

 

Sendo um dos mais famosos prédios de Belo Horizonte, o Edifício Maletta fica localizado no centro da cidade entre a Rua Da Bahia e a Av. Augusto de Lima. Centro da diversidade e da cultura o prédio em sua área comercial é um dos principais pontos de encontro da capital mineira, com lojas restaurante e os famosos botecos se torna um ambiente ímpar para se divertir na cidade.

Os frequentadores do Maletta, conhecidos popularmente como “maletteiros” são o que tornam deste, um lugar diferenciado. Em seus bares e restaurantes podemos observar uma grande variedade de público. Do vegetariano aos adoradores da carne, dos LGBTTS aos heteros sexuais, o Edifício está sempre aberto para a sua turma ou qualquer outra.

O famoso “varandão” com vista para a Rua da Bahia é um atrativo a mais para os frequentadores. Pode-se dizer que o prédio é o centro gastronômico da região,  pois nele encontramos comidas e bebidas de todos os tipos e preços, essa tamanha variedade é que agrada e atrai tanta gente ao local.

Para conhecermos mais sobre este universo gastronômico, A teia conversou com diversos personagens desse palco da diversidade, entre eles o senhor Antônio de Aguiar, 62 anos, mais conhecido como Mourão, que trabalha no restaurante Cantina do Lucas.

via GIPHY

A teia: Mourão, desde quando existe a cantina do Lucas? Qual a história desse local?

Mourão: Desde 1962, o Maletta foi um marco na história de Belo Horizonte, a vida noturna antigamente se restringia ao centro e acontecia no Maletta. Criaram um termo na época chamado “maletteiro” para quem frequentava aqui. A cantina era um reduto que acolheu todas essas pessoas, o restaurante da época que sobrou foi só o Cantina. Tínhamos um garçom que trabalhou aqui, o senhor Olympio que era o símbolo da cantina. Ele era um espanhol refugiado da guerra na Espanha, trabalhou conosco por 40 anos, era uma referência para os estudantes que lutavam contra a ditadura.

malt

A teia: Algum ícone de Belo Horizonte frequenta, ou já frequentou a Cantina?

Mourão: A cantina sempre foi frequentada pelo pessoal de cinema, do teatro. Já frequentaram aqui escritores como Alberto Drumond, Carlos Herculano. Políticos, como Patrus Ananias, também o atual prefeito Márcio Lacerda, entre outros ícones.

A teia: Algum fato marcante no Maletta que você se recorda nesses vários anos de Cantina?

Mourão: A cantina é tombada como patrimônio cultural, então é um fato marcante pois é o único restaurante em minas tombado como patrimônio cultural.

A teia: Nesse decorrer de tempo percebeu alguma mudança significativa na estrutura do Maletta?

Mourão: Teve uma época que estava muito abandonado, o coronel não deixava os bares de cima abrir, só ficava gente no primeiro andar, de uns anos pra cá, o Malleta renasceu.

Além da Cantina Do Lucas, procuramos por algum bar com um ar alternativo, e no segundo andar do Malleta onde a noite é mais movimentada. O Cactos Bar, que se localiza na loja 38 é a cara do edifício, desde o cardápio variado que vai do Veganismo a carne, o ambiente além de possuir um visual despojado é o encontro da diversidade de gênero. Conversamos com o Leandro Gomes, de 28 anos, dono do bar.

malt1

A teia: A quanto tempo o bar existe?

Leandro: Estamos aqui no bar já tem 12 meses, mas temos outro bar que é o ‘’nine’’, o bar da esquina, loja 39. Já estamos lá a três anos e meio, conciliamos os dois bares.

 A teia: Por que escolheram o Maletta para terem os bares?

Leandro: O Maletta virou referencia , como abrimos lá primeiro e teve um retorno muito bom, tivemos a oportunidade de arrendar esse bar neste ano, eu e minha namorada que somos donos, preferimos abrir outro bar no Maletta do que abrir fora, por que é mais fácil ter esse publico já em mãos do que ter que conquistar esse público lá fora.

 A teia: Vocês acreditam que o bar chame atenção do público alternativo de Belo Horizonte?

 Leandro: Meu publico é praticamente todo alternativo, 70% a 80% são da galera alternativa. O bar Olympia ajudou muito a atrair essa turma, englobamos com eles, tiramos algumas ideias para os cardápios vegetarianos, vegano. Então esse é o nosso publico, focamos e precisamos deles aqui. O Maletta não tem muito aquele casal ‘’tradicional”, a galera LGBTT também frequenta muito aqui, tentamos sempre abranger toda e qualquer pessoa que queira se divertir conosco.

A teia: O cactos é um bar temático, com ideias de sertão. Qual a característica do ‘’Nine’’? Tem algum diferencial ? Em termos de decoração.

 Leandro: O nine é voltado para uma casa retro, os hambúrgueres são retros, já o Cactos é voltado para uma coisa mais reciclável, uma coisa mais do sertão, nosso cardápio entra em vigor a partir de 1 de dezembro, onde vamos ter comidas típicas do sertão, inclusive amostras de cactos comestíveis.

A teia: Sabe nos dizer algum acontecimento interessante aqui no seu Bar ou no Maletta?

Leandro: Minha prima Isabella que conheceu o namorado aqui, mas agora estão separados. De terça a quinta conseguimos ter um fluxo maior de casais que se conhecem e continuam frequentando o bar, então acredito que existam alguns casais que se conheceram através do bar. Sexta e sábado é o dia mais de pegada, a galera mais despojada.

A teia: Você passa bastante parte do dia aqui, como sua segunda casa, qual horário costuma ir pra casa descansar?

Leandro: O bar fecha as 2 horas da manhã , depois da rotina do bar saio por volta de 4 horas da manhã para descansar e já voltar no dia seguinte para abrir de novo.

O horário de funcionamento do Cactos é de terça a sábado, das 18  às  2 horas da manhã, almoço de segunda a sexta-feira de 11 da manhã ás 15 horas da tarde.

Mas, o  Edifício Maletta não se limita a gastronomia. Além dos bares e restaurantes é possível encontrarmos também lojas de livros usados e até mesmo salões de beleza.
Conversamos  com o senhor Gilberto Mendes Moreira, de 52 anos, mais conhecido como Gil, proprietário do salão de beleza ‘Salão do Gil’

malt 3

A teia: Desde quando existe o salão do Gil (Antigo Salão do Afrênio)?

Gil: Comecei a trabalhar aqui no Maletta em 86, mas peguei este estabelecimento fazem 4 anos.

A teia: Algum ícone de BH frequenta ou já frequentou ?

Gil: Ex jogadores como Reinaldo, Toninho Cerezo.

A teia: Com o tempo verificou alguma mudança no estilo do Edifício?

Gil: Hoje é mais familiar, não havia tantas famílias frequentando o Maletta antigamente.

 

Conteúdo produzido por:Arthur Barbosa, Flaviane França, GabrielaCarneiro, Hadassa Dias, Henrique Faria, Lorena Cordeiro, Ronaldo Neto, Tiago Rodrigues, Tulio Fernandes

 

0 578

Na próxima segunda-feira, 2, Dia de Finados, são esperadas aproximadamente 125 mil pessoas nos cemitérios municipais de Belo Horizonte. A Fundação de Parques Municipais (FPM), com o apoio de órgãos da Prefeitura Municipal, realizará um esquema especial para receber os visitantes.

Segundo a presidência da FPM, o trabalho vai oferecer tranquilidade e segurança aos cidadãos que visitarem seus entes queridos. Haverá reforço das Secretarias de Administração das Regionais Noroeste, Norte e Leste, BHTrans, Guarda Municipal e Polícia Militar durante o horário de funcionamento, das 7h às 17h.

No dia, serão fornecidas informações sobre transferências de titularidade dos cemitérios, alteração de dados e quitação de débitos, além de missas e tendas de saúde com medição de pressão e glicose. Os funcionários estarão disponíveis para orientar os visitantes sobre a localização de seus jazigos.

Mudanças no trânsito

De acordo com a BHTrans, além da operação especial no trânsito em torno dos cemitérios municipais: Bonfim, Consolação, Paz e Saúde, haverá um reforço no quadro de horários de algumas linhas. Informações sobre as alterações de itinerários e dos pontos de embarque serão colocadas no interior dos ônibus e nos pontos desativados. Faixas de tecido serão fixadas ao redor dos cemitérios para orientação dos motoristas.

Veja no site da BHTrans as operações para cada cemitério: https://migre.me/rWZ9h

Texto: Victor Barboza

Imagem: Prefeitura de Belo Horizonte

0 579

Nessa tarde de quinta-feira foi possível visitar os principais pontos turísticos de cidades brasileiras sem nem mesmo sair da Savassi. Um projeto (Road show Destino Brasil) realizado pelo Instituto Cia do Turismo com apoio do Ministério do turismo, trouxe para a Avenida Pernambuco o caminhão Destino Brasil, adaptado com salas de cinema 3D e recursos multimídia que permitem ao visitante conhecer por meio de uma tela de TV os pontos mais atrativos do nosso país, que espalhados por muitas cidades convidam e encantam os olhos daqueles que as visitam mesmo que através de uma tela.

O projeto sem fins lucrativos tem e intenção de promover os pontos turísticos brasileiros e incentivar a população a conhecer seu próprio país antes de planejar as viagens internacionais. O projeto também dispõe de orientações para os profissionais da área de turismo, e de um cadastro para proporcionar benefícios para esses profissionais.

O caminhão fica em média três dias em cada cidade e nas capitais cerca de quatro dias. Quem quiser visitar o projeto, a entrada é gratuita e ficará na Savassi até amanhã (11/06) seguindo depois para a Pampulha. Ao todo serão percorridas dezoito cidades e seis estados do Sul, Sudeste e Distrito Federal.

dsc_00491

dsc_00192

dsc_0031

dsc_0032

dsc_0025

Por: Danielle Pinheiro

Fotos: Danielle Pinheiro