Tags Posts tagged with "cinema"

cinema

Esta semana, a mostra Tati por Inteiro exibe a obra completa do cineasta francês Jacques Tati, rememorando os 30 anos da morte do artista. Totalizando onze obras audiovisuais, o evento conta ainda com um documentário sobre o homenageado, dirigido por sua filha Shopie Tatischeff, e uma aula inaugural com o crítico francês, Stéphane Goudet.

Segundo o professor de crítica cinematográfica, Athaídes Braga, Jacques Tati, com sua personagem Mr. Hulot, é um somatório de Charles Chaplin e Buster Keaton, reconhecidos como os primeiros grandes cômicos do cinema. “Mr. Hulot é uma verdadeira corporização da graça, o humor dele é único, não depende de texto”, afirma Braga.

Um dos filmes que serão exibidos no evento será “Meu Tio” (Mon oncle, França, 1956) que faz uma sátira à vida mecanizada e é considerado por Braga a obra prima de Jacques. “É o filme onde percebo a maior piada visual, é o humor de uma pessoa anacrônica àquele ambiente”, opina.

De acordo com Braga, depois do anos 80, raras foram as vezes em que algum filme de Tati foi exibido em salas de cinema brasileiras, “Acho muito importante ele ser resgatado pelos jovens, pois é este público que encontra uma grande facilidade de informação, porém uma falta de cultura”, completa.

Sobre Jacques Tati

Jacques Tati (1907 – 1982) nasceu na França, onde começou sua carreira como ator e roteirista em 1932. Sua carreira decineasta começou em 1947 com ” Jour de Fête” que lhe rendeu o prêmio de melhor roteiro no Festival de Veneza, na Itália e o Grande Prêmio do Cinema Francês em 1950. Destacou-se por seu tema e estilo que sempre remetiam a uma constante luta entre o homem e a máquina.

A mostra será exibida no Sesc Palladium, a partir de hoje (05/11) até o dia 18 de novembro. A entrada é franca.

Veja a programação.

Por: Ana Carolina Vitorino e Rafaela Acar

Ilustração: Diego Gurgell

Amanhã, 30, de outubro, a partir das 19h, entra em cartaz  a 1º Mostra TODXS DIVERSXS, no Cine Humberto Mauro no Palácio das Artes. O objetivo da mostra é promover discursões relacionadas a experiências LGBTs (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) na atualidade. A mostra é pioneira na discursão deste assunto por meio do cinema.

A mostra é uma parceria do Núcleo de Direitos Humanos e Cidadania LGBT da Universidade Federal de Minas Gerais (NUH/UFMG) e o curso de Cinema Audiovisual do Centro Universitário UNA. O filme Tomboy2011, da cineasta francesa Céline Sciamma, abrirá o evento que contará  ainda com uma mesa-redonda com pesquisadores e estudiosos que irão debater o preconceito. “A Mostra quer chamar atenção da comunidade, para pautar a sociedade a necessidade de tratar a questão da homofobia”, declara o professor de Cinema Audiovisual do Centro Universitário UNA e palestrante na Mostra, Sanzio Canfora.

As sessões serão gratuitas e abertas ao público, a programação está neste site.

Ouça o podcast com Curadora do evento e diretora de um dos filmes que integram a mostra, o curta Transhomemtrans,  Tatiana Alves de Carvalho Costa.

Por: Ana Carolina Nazareno e Rute de Santa

Foto: Divulgação do evento

Um dos grandes nomes da Nouvelle Vague, Eric Rohmer é homenageado com uma mostra no Cine Humberto Mauro que abrange as diversas vertentes do artista, mostrando seu lado ator, diretor e crítico do cinema francês. Durante a mostra serão exibidos 16 filmes produzidos por Rohmer e dois relacionados à sua obra.

Um dos destaques em cartaz é o “O Raio Verde”, de 1986, vencedor do Leão de Ouro do Festival de Veneza. O filme conta a história de Delphine, uma mulher solitária que, além de ter que lidar com seus sentimentos, precisa resolver diversas situações inesperadas. Outros destaques são “A Inglesa e o Duque”, “O Homem e as Imagens” e “As contemplações de Victor Hugo”.

Sobre Eric Rohmer

Eric Rohmer (1920-2010) se destacou como um cineasta, crítico de cinema, roteirista, professor e ator. Foi um dos principais idealizadores da Nouvelle Vague Francesa. Seu primeiro filme de sucesso foi “A Minha Noite em Casa de Maud”, de 1969 e em 2001, ganhou um Leão de Ouro no Festival de Veneza, em homenagem à sua carreira.

A mostra será exibida no Cine Humberto Mauro – Palácio das Artes, a partir de hoje (24/10) até o dia quatro de novembro. A entrada é gratuita.

Veja a programação.

 

Por João Vitor Fernandes e Rafaela Acar

Foto: divulgação

Grandes mostras de cinema como a de Charles Chaplin e Clint Eastwood fizeram com que o público que frequenta o Cine Humberto Mauro triplicasse“Essas mostras fizeram parte das ações que aumentaram o público, mas a nossa preocupação é manter uma programação de qualidade”, declara o gerente de cinema da Fundação Clóvis Salgado, Rafael Ciccarini. Outro fator que pode ter contribuído para o aumento foi reforma que o cinema passou recentemente.

O público que compareceu às duas mostras comentou sobre as novidades da sala. “O espaço é bom, foi bem utilizado. O ponto negativo foi a projeção que alterou um pouco a cor do filme”, declara a estudante de cinema, Isabel Abreu, que acompanhou a mostra do cineasta Clint Eastwood.

Por outro lado, o estudante de Ciências da Computação, Victor Alves, que compareceu a mostra do Chaplin, comenta que apesar desses eventos serem importantes, o espaço do cinema foi pequeno para um público tão grande. “É importante esse tipo de mostra na nossa cidade, tanto é que fez muito sucesso. Porém, eu penso que o espaço para fazer um evento do porte da mostra foi pequeno. Eu tentei algumas vezes até conseguir os ingressos”, declara.

Segundo o gerente de cinema da Fundação Clovis Salgado, a expectativa é “melhorar a questão técnica é fazer mostras grandes para o ano que vem, tem muito coisa boa 2013! Vai ser tão bom quanto 2012 foi”, comenta Ciccarini.

Por Ana Carolina Nazareno, João Vitor Fernandes

Foto: Marcelo Fraga

A cidade recebe neste mês a edição da Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte (Mostra CineBH). O evento contará com a exibição de 126 filmes nacionais e internacionais e homenageará a produtora Teia, que comemora dez anos de existência, além de oficinas, palestras, cursos, sessões de escola e lançamentos de livros.

O público terá a oportunidade de rever cinco longas que representam a carreira dos diretores Sérgio Borges, Leonardo Barcelos, Helvécio Marins Jr, Clarissa Campolina, Marília Rocha, Pablo Lobato e Cao Guimarães, todos membros da produtora.

Serão apresentadas, nesta edição, nove mostras, entre elas uma retrospectiva da carreira do diretor francês LeosCarax, que teve sua mais recente produção, o filme Holy Motor, premiada no último Festival de Cannes, e, o jovem prodígio do cinema, o mexicano Nicolas Pereda, 28 anos e que já acumula em seu currículo sete filmes e recebeu diversos prêmios, incluindo o Toulouse e Guadalajara. Pereda estará presente no evento, para discutir com o público suas técnicas de filmagem e como acontece seu processo criativo.

Pelo terceiro ano seguido será realizado, simultaneamente, com a mostra, o BrasilCineMundi, que visa a troca de experiências e capacitação dos profissionais e estudiosos do cinema, oferecendo assim oficinas, debates e estudos de caso.

Com a Mostra de filmes de produção independente e do grande mercado, os organizadores do evento visão uma conexão através de debates e seminários sobre as exibições, tendo o propósito de ampliar os questionamentos comerciais, criar ações de cooperação, lançamentos de novas ideias, com o intuito de modificar a compreensão do cinema que se faz, e refletir sobre o assunto.

A abertura da amostra será amanhã, dia 18 de outubro, às 20h30, no SESC Palladium. A entrada é franca e o evento vai até o dia 30 de outubro em diversos pontos da cidade.

Por Hemerson Morais, Paloma Sena, Rafaela Acar e Rute de Santa

Foto: divulgação do curta Cadê meu Rango?, de George Damiani

O Cine Belas Artes promove entre os dias 12 e 18 de outubro a segunda edição da Mostra Internacional de Cinema Infantil, que exibe filmes de diversos temas, produzidos em países como Argentina, Itália e Espanha. “Procuramos fazer uma seleção menos comercial possível dos filmes e todos eles tangenciam a cidadania de alguma forma. São temas como, por exemplo, a ecologia”, explica o diretor do Belas Artes, Pedro Olivotto.

Ainda de acordo com o diretor, a mostra tem o objetivo de criar uma visão mais crítica nas crianças, fugindo dos estereótipos criados pela grande mídia.  “As crianças de três, quatro anos ficam a cargo da televisão como educadora. O cinema no Brasil precisava de um projeto infantil para interferir na alfabetização do olhar”, afirma Olivotto.

A primeira edição do projeto ocorreu em 2010 no Parque Municipal e buscou atrair o público de áreas mais distantes da região central de Belo Horizonte. Desta vez a mostra será levada para outros bairros e outras cidades. Após o término das exibições no Belas Artes, haverá duas extensões, uma no Barreiro e a outra na cidade de Macacos.

Os filmes são exibidos diariamente em duas sessões, às 14:40 e às 16:30. O cinema está localizado na Rua Gonçalves Dias, 1581 – Lourdes. A entrada é gratuita.

Por Marcelo Fraga e Ana Carolina Vitorino

Foto: Marcelo Fraga

EntrevistaPedroOlivotto by jornalcontramao