Tags Posts tagged with "Contramão"

Contramão

0 903
Fotografia: Lucas D'Ambrosio

O dia 19 de Agosto representa uma importante data para a história da comunicação humana. Neste dia, são comemorados os 177 anos do comunicado oficial da invenção da fotografia, realizado na França, no ano de 1839. Desde então, essa forma de comunicação imagética passou por transformações significativas, desde a sua forma de produção até os meios utilizados para a sua divulgação. O que antes era realizado por “alquimistas da imagem”, através de processos químicos, hoje se transformou em um trabalho informatizado e digitalizado. Não impedindo, contudo, a utilização de ambos os processos, analógico ou digital, por aqueles mais saudosistas e apreciadores das formas artesanais de se produzir fotografias.

É incontestável a importância histórica que existe na fotografia, não apenas para os canais de comunicação que há muito dependem dela – dos primeiros formatos de jornal impresso até os portais mais visitados da internet – mas, também, para a vida pessoal que é contada e registrada por meio de tantos registros fotográficos. São retratos de memórias e lembranças do passado que ainda sobrevivem espalhados, por entre vários álbuns de capa colorida e com cheiro de mofo, e guardados com esmero nas casas dos nossos pais, avôs e avós. Assim como o trabalho realizado por Fernando Rabelo, em seu blog pessoal. Entre seus trabalhos autorais, dedica parte do seu tempo para reviver fotografias históricas, de várias épocas e locais do mundo, compartilhando um acervo com mais de 5 mil registros.


Fotografia no Brasil

No Brasil, a fotografia desempenha sua função informativa por meio da eficiência do olhar de nomes como Juca Martins ou Nair Benedicto. Assim como outros, eles estiveram entre ruas, pessoas e tropas durante o período em que o Brasil esteve sob o regime da ditadura militar. Nesta fase da história nacional, a fotografia se fez como um instrumento de defesa para deflagrar e denunciar os abusos e crimes cometidos durante o fatídico período. Já em trabalhos que transcendem o fotojornalismo e assumem um papel artístico, o nome de Sebastião Salgado é lembrado. Com o reconhecimento conquistado por trabalhos que tratam da condição humana, em diferentes lugares e contextos sociais, está entre os clássicos e renomados nomes da fotografia mundial ao lado de, Henri Cartier-Bresson, Robert Capa, Ansel Adams, Helmut Newton, Walter Firmo, entre outros.

A nova geração também vem mostrando o seu valor e conquistando reconhecimento nacional e internacional. O fotojornalista independente, Maurício Lima, é o grande representante dessa safra. Com o trabalho realizado sobre a recente crise dos refugiados do oriente médio, em Abril, conquistou o Prêmio Pulitzer na categoria de fotografia de notícias – criado em 1917, tido como o mais importante do jornalismo internacional – se consagrando o primeiro brasileiro a alcançar tal feito. De mesmo modo, a fotografia também vem desempenhando o seu papel informativo durante os últimos anos de instabilidade política no Brasil.

Em meio a protestos e manifestações, essa nova geração de fotógrafos e fotojornalistas se mostram presentes com câmeras e celulares em punho. Com a possibilidade de produzir e divulgar conteúdos de forma instantânea, por meio da transferência de conteúdo pela internet, os acontecimentos são reproduzidos em tempo real e, novamente, se tornaram um instrumento para coagir repressões e fazer denúncias contra abusos policiais e cometimento de crimes. Este incômodo provocado pelas câmeras, ou até mesmo pelas telas de celular, fazem com que profissionais que utilizam da fotografia como ofício se tornem vítimas. Pouco valorizada no mercado, por instituições e por parte da sociedade, a fotografia dificilmente é reconhecida como uma “verdadeira” profissão. Ao contrário de carreiras tradicionais, que possuem regulamentações e condições mínimas de trabalho, a fotografia ainda tenta superar o preconceito e toda sua desvalorização. Como arte, é pouco reconhecida no Brasil. Como profissão, é praticamente esquecida.

“A Cega Justiça”

O caso mais recente é o do fotojornalista Sérgio Silva, de São Paulo. Durante as manifestações de Junho de 2013, foi ferido por um tiro disparado pela polícia e ocasionou a perda da visão do seu olho esquerdo. Depois de três anos do ocorrido, uma decisão da 10ª Vara da Fazenda Pública, do Tribunal de Justiça de São Paulo, TJSP, negou o pedido de indenização realizado pela defesa de Silva. De acordo com a decisão publicada nessa semana, o fotógrafo assumiu o risco ao se colocar entre a linha de confronto da polícia e dos manifestantes. Dessa forma, de acordo com a decisão, ele assumiu as consequências excluindo a responsabilidade do estado. Decidiu-se, portanto, que o fotógrafo Sérgio Silva é o culpado por estar cego. Que o dia 19 de Agosto, assim como qualquer outro dia, seja o dia para se lembrar que, além da arte e além da profissão, a fotografia é feita por gente. Gente que merece respeito e dignidade.

Texto: Lucas D’Ambrosio

Homem caminha pela Praça da Liberdade e observa a montagem de "Triângulos", do artista Victor Monteiro.

No fluxo diário de Belo Horizonte, pouco se nota dos seus detalhes e dos locais pertencentes a ela. Através de um meio inusitado, o artista plástico Victor Monteiro, 31, é um dos representantes de movimentos da arte que visam a releitura dos espaços urbanos que são utilizados pela população, normalmente, de forma imperceptível. Ele criou um meio para desconstruir essa “utilização automática” dos espaços, por meio de sua arte. A Praça da Liberdade, normalmente utilizada como um caminho pelos moradores da região Centro-Sul de BH, seja para irem até o local de seus trabalhos ou para suas casas, outrora, como um espaço de lazer, se tornou a nova galeria aberta de Monteiro.

Com a utilização de filme plástico e fita tipo durex o artista, que é do Espírito Santo, está criando esculturas interativas entre as palmeiras imperiais que cercam o corredor central da Praça da Liberdade. Ao lado de amigos que o auxiliam na montagem, ele utiliza andaimes de aço para elevar a montagem de três triângulos, representando a bandeira do estado de Minas Gerais. A iniciativa é vinculada ao seminário Patrimônio e Arte Contemporânea, do IEPHA e do Inhotim, e tem por objetivo a preservação do patrimônio e noções contemporâneas de urbanismo, arte e ocupação.

Convidado para realizar uma ação na praça, Victor Monteiro explica sobre o Prolongamentos, nome dado à sua intervenção. “Normalmente realizo ele em construções arquitetônicas e tento fazer extensões de paredes, colunas e elementos da construção arquitetônica. É uma proposta que executo desde 2007. Agora, tentei trazer a proposta para o ambiente natural aqui da praça, utilizando as palmeiras como colunas de sustentação. Fiz uma proposta que chamei de Triângulos, trazendo uma relação formal com a bandeira de Minas”., comenta. Para ele, seu objetivo com esse tipo de intervenção e ocupação é fazer com que as pessoas possam interagir no espaço público por meio de uma maneira distinta daquele trivial. “As montagens das estruturas serão realizadas até o dia 18 e a desmontagem será na sexta feira, 19. Utilizamos o filme de plástico para cobrir e proteger as palmeiras e o durex colamos sobre o filme”.

Monteiro relata que algumas pessoas ainda estranham o trabalho que está sendo realizado, principalmente, pessoas mais velhas. Na tentativa de conversar com o público que frequenta a praça, dois jovens falaram sobre suas impressões da arte de Monteiro. João Victor Duarte e Isabel Lima Pontes, estudantes, acreditam que este tipo de projeto é importante para a cidade. “Sinceramente, não entendi inicialmente a proposta. Depois de chegar mais próximo percebi que é uma arte que pode fazer com que as pessoas percebam ainda mais a praça que está à volta delas.”, opina João Victor. Comentando sobre as dimensões do trabalho, Isabel Pontes comenta, “o mais interessante é que força a pessoa a desviar do seu caminho cotidiano. Não tem jeito da pessoa não ver essa estrutura”, finaliza. Triângulos, o trabalho de Victor Monteiro ficará exposto de hoje, 17 até sexta feira, 19, no canteiro central da Praça.  

Reportagem e fotografia: Lucas D’Ambrosio

0 1808
Foto Ana Paula Tinoco

O Dia dos Pais foi comemorado pela primeira vez em 1953, no Brasil. A data, 16 de agosto, escolhida pelo publicitário Sylvio Bhering, na época diretor do jornal O Globo, tinha como ideia central uma homenagem simples e local. A escolha de Bhering se deu por se tratar do dia do nascimento de São Joaquim, Pai de Maria, mãe de Jesus Cristo. E pelo fato de que na época a população brasileira era predominantemente católica. Com o passar do tempo, a data passou a ser comemorada no segundo domingo de agosto, esse ano, 2016, dia 14 será o dia em comemoraremos com aqueles a quem tanto amamos: nossos pais.

Matéria e foto:  Ana Paula Tinoco

Lucas D'Ambrosio

O estado de Minas Gerais é uma das referências nacionais quando o assunto é música popular brasileira. Também conhecida como MPB, o gênero, considerado um reflexo daquilo que existe de original da cultura musical nacional, feita e pensada por aqui, é aquele que consegue alcançar diferentes gerações entre os seus adeptos. Belo Horizonte, capital do estado e berço de movimentos musicais como o Clube da Esquina, ainda mantém de forma pulsante, os tons desse gênero lançando, por exemplo, nomes como os de Clara Nunes, João Bosco, Milton Nascimento, Paulinho Pedra Azul e Marcus Viana, assim como outros mais recentes, como Paula Fernandes, Aline Calixto e Flávio Renegado.

O projeto Quatro Cantos Coral na Praça, idealizado pelo BDMG Cultural, foi criado para divulgar o canto coral de Minas Gerais e promoverá o encontro de coros infanto-juvenis mineiros na noite desta quarta-feira, 10, a partir das 19h30. O palco será a Basílica de Nossa Senhora de Lourdes, localizada na região centro-sul da capital mineira. O encontro irá reafirmar a importância da música popular como forma de expressão cultural, além de demonstrar sua importância na formação de crianças e adolescentes. No total, serão quatro grupos de coros: Jovem Sesc, Gotas da Canção, São Geraldo e Raio de Luz. De acordo com Leila Lúcia Gregório, coordenadora do Coral BDMG o projeto surgiu “para que existisse um espaço para apresentação dos coros e uma agenda cultural que servisse tanto para divulgar, como interação cultural da cidade de Belo Horizonte”. Sobre a edição desta quarta-feira, Leila Gregório explica que será uma edição excepcional, trazendo coros exclusivamente infantis e infanto juvenis. “No entanto, as apresentações do evento Quatro Cantos contam com corais de todas as faixas etárias”, ressalta.

João Paulo Cunha, presidente do BDMG Cultural destaca a importância do incentivo à música como plano de apoio ao aprendizado de crianças e adolescentes, “O incentivo à cultura é reconhecido com um dos caminhos mais produtivos para a inclusão de crianças e adolescentes. A música, por suas características, é uma das artes que mais se aproxima dos valores sociais que desejamos levar aos jovens. Por meio da música os jovens se socializam, desenvolvem projetos coletivos, entram em contato com a cultura e têm ainda oportunidade de profissionalização”, finaliza.

Coral Raio de Luz

O coral Raio de Luz, foi criado no ano de 1998 e está vinculado ao projeto social Obras Educativas Padre Giussani. Nele, participam quarenta crianças que vão dos 9 aos 13 anos de idade. No repertório, além de músicas e cantos tradicionais da Igreja Católica, as crianças interpretam clássicos da MPB. Vanderlúcia Balsamão, 48, é supervisora da socialização e explica que a ideia do projeto do coral surgiu com o intuito de oferecer às crianças “Coisas belas que pudessem alargar os seus horizontes”. Balsamão acredita que a música, bem como a arte em todas formas de expressão, é um direito universal. “Infelizmente, a acessibilidade a cultura é precária em nosso país, principalmente para a população de baixa renda. Nesse sentido, percebemos a importância de criar canais de cultura que possibilitem às crianças escolher o que lhes encanta e edifica como seres humanos”. ressalta a supervisora que falou sobre a importância de incluir projetos culturais no processo de formação das crianças e adolescentes que participam do projeto.

Todo semestre, seleções são realizadas pelo coral para incluir novos participantes e cantores. Um teste é realizado para avaliar a saúde vocal dos concorrentes, além da experiência musical de cada um dos interessados. Nas apresentações, todo o repertório é organizado e elaborado pelo maestro Daniel Rezende Lopes e pelo músico Marco Aurélio, responsáveis pela condução do coral, que mesclam as músicas entre aquelas que “querem ser ouvidas” com as que estão presentes na realidade individual de cada uma das crianças.

Projeto Quatro Cantos Coral na Praça – BDMG Cultural

Dia: 10 de Agosto

Hora: 19h30

Local: Basílica de Lourdes – Rua da Bahia, 1596 – Lourdes/BH

 

Reportagem e Fotografia: Lucas D’Ambrosio

Trecho de "O Eixo" - Fotografia/Divulgação

Revivendo os áureos tempos das telas de cinema projetadas ao ar livre, o evento Mini Festival de Webfilm irá preencher a noite de sábado, 16, em pleno inverno belo-horizontino. Idealizada pelo Coletivo Luminária, a primeira edição do festival reunirá webfilmes produzidos por nomes do cenário independente nacional e internacional. As projeções serão realizadas na calçada, na escadaria e no quintal do espaço do BDMG cultural, localizado na rua da Bahia 1600, no Circuito Cultural da Praça da Liberdade, região centro sul da capital mineira.

Com entrada franca, as projeções do festival terão início às 18h e irá proporcionar ao público a oportunidade de conhecer 40 trabalhos de animações, curta metragens, documentários, fashion filmes, ficções e vídeo performances nacionais e internacionais, todos com classificação Livre. De acordo com a organização do evento, o principal objetivo deste festival é a ocupação do espaço urbano através da utilização de formas audiovisuais criativas além da consolidação de um ponto de encontro para os apreciadores dos trabalhos audiovisuais.  

Em meio à programação, uma série desses trabalhos foram produzidos por autores de Belo Horizonte. Dentre eles, o curta “BH no Ritmo da Luta”. Com produção e direção de Dandara Andrade, nele é abordado o contexto do carnaval da cidade que, a partir do ano de 2009, voltou a receber os tradicionais bloquinhos de rua. Com um engajamento político, os bloquinhos tomaram novamente o espaço urbano e ultrapassaram os limites da Avenida do Contorno, hipercentro da cidade, para alcançar novos espaços da região metropolitana de BH.

Dandara Andrade é formada em comunicação social e jornalismo, especializada em cinema e iniciou os trabalhos com audiovisual na emissora Rede Minas. Atualmente, é diretora de produção da Gabiroba Vídeo e produz documentários e vídeos educativos. Ela comenta sobre o processo criativo de direção do curta, “eu já era stalker do carnaval de rua de BH e a Mariana Fantini, que trabalhava conosco e teve participação fundamental no projeto, também estava ligada na importância e militância que a juventude vinha desenvolvendo antes e durante o feriado festivo. A ideia foi buscar a resposta para uma pergunta que estava se tornando comum por aqui: de onde veio esse carnaval? Queríamos mostrar que aquela festa nunca tinha morrido e ia muito além da folia e do entretenimento. Desejávamos mostrar como o carnaval de rua era, na verdade, de luta.”, completa.

Assim como outros eventos da cidade, o carnaval de BH se tornou um momento de representatividade política e social que, a partir dos anos de 2008 e 2009, voltou a mobilizar uma quantidade significativa de adeptos. ela explica um pouco da importância política na abordagem desse tema em um trabalho audiovisual, “acho que BH no Ritmo da Luta é um registro muito útil para nos lembrar sempre, enquanto cidadãos-foliões, de onde viemos, para quê viemos, porque e onde queremos chegar com esse movimento e suas revoluções e, consequentemente, com a relação que construímos com a cidade.”, comenta Andrade sobre o papel em que o documentário pode atender.  

Mini Festival de Webfilm

O festival é uma oportunidade, também, para os adeptos e apreciadores do estilo. A utilização da internet para a promoção e divulgação dos trabalhos realizados de forma independente é tido como uma alternativa de acesso ao mercado. Andrade pontua, “Coletividade. Juntar a sua turma, unir suas experiências, técnicas e estruturas, em busca de uma produção que traga sentido para sua vida e toque de verdade aqueles que terão acesso a ela – acredito que esse seja o primeiro passo. É óbvio que o fomento governamental ao audiovisual está crescente, mas, não podemos ficar dependentes dele, por isso, ter atitude de pegar e fazer é extremamente importante. Acho interessante também que quebrem o mito da glamourização do cinema e da direção e abram a cabeça para a internet, para as “lentes sociais” e para a responsabilidade que temos ao registrarmos e exibirmos algo. Nesse caso, a mensagem é mais importante que o meio.”, finaliza.  

Fotografia/Divulgação
Divulgação

Reportagem: Lucas D’Ambrosio

Parte da coleção pessoal de discos de vinil de Gustavo Heringer.

Entre um ensaio e outro, o fotógrafo Gustavo Heringer, 29, divide o seu tempo com um hobby clássico que começou recentemente: colecionar discos de vinil. Amante da música, iniciou sua coleção em 2013, quando ganhou de sua esposa um exemplar do Rolling Stones Play Chuck Berry (2010). Desde então, não parou mais e atualmente possui cerca de 50 títulos em sua coleção, grande parte, do rock internacional. Entre David Bowie, ACDC, Yes, Led Zeppelin, ZZ Top, Queen, Jethro Tull, Beatles e outros clássicos do rock, há uma coleção, em particular, que Heringer busca completar, o trabalho realizado pelo Pink Floyd: a banda britânica que surgiu no final da década de 1960 trazendo um rock singularmente psicodélico e com melodias marcadas pela progressão sonora de baixo, guitarra, bateria e sintetizadores.

Disco do Rolling Stones Play Chuck Berry, 2010, primeiro disco da coleção de Gustavo Heringer.
Disco: The Rolling Stones Play Chuck Berry, 2010, primeiro disco da coleção de Gustavo Heringer.

Sua paixão pela banda surgiu ainda em 2002, em uma viagem com amigos. O destino era certo: Belo Horizonte a São Paulo. No carro, a rádio mal pegava e o único CD que estava presente era um Pink Floyd, mais precisamente, The Division Bell (1994) que tocou “infinitamente”, tanto no trajeto de ida quanto na volta para a capital. Depois dessa viagem, o universo do rock mudou para  Heringer. “Quando gosto de um novo artista, busco saber tudo sobre ele.

Disco The Division Bell, Pink Floyd, 1994
Disco The Division Bell, Pink Floyd, 1994

Depois dessa viagem, com meus 18 anos, comecei a pesquisar tudo o que podia sobre a banda. Another Brick on The Wall (música do disco The Wall, de 1979) já era conhecida por todo mundo. Depois de The Division Bell, fui conhecer trabalhos mais antigos como Animals (1977), The Dark Side of The Moon (1973) e Atom Heart Mother (1970) que se tornaram os quatro mais significativos pra mim”, completou o fotógrafo mostrando cada um dos quatro discos em vinil que já possui em sua coleção.

Gustavo Heringer mostra os ingressos e o pôster do show de David Gilmour, realizado no Royal Albert Hall (durante sua lua de mel) em setembro de 2015. Realização de um sonho.
Gustavo Heringer mostra os ingressos e o pôster do show de David Gilmour, realizado no Royal Albert Hall (durante sua lua de mel) em setembro de 2015. Realização de um sonho.

Assim como outros fãs, sempre existe a expectativa de poder ver e assistir aos ídolos, alguma vez na vida e ao vivo. Não foi diferente com ele. Gustavo conta que por ter começado a se interessar pelo Pink Floyd através de um dos trabalhos mais recentes da banda, ele teve a tendência de admirar mais da fase em que David Gilmour (guitarrista e compositor) esteve à frente da banda, no lugar de Roger Waters (baixista e compositor), que saiu do Pink Floyd em 1985. No ano de 2015, enfim o sonho se realizou. “Foi totalmente por acaso. Estava em Londres, passando minha lua de mel com minha esposa, Flávia. Chegamos no dia 24 de setembro e já sabia do show de David Gilmour no Royal Albert Hall e já sabia, também, que não haviam ingressos disponíveis na internet. No dia 25, sem nenhuma pretensão, saímos de manhã e fomos até o local do show para ver o icônico santuário do rock britânico. Por sorte, alguns ingressos estavam sendo vendidos na bilheteria. Foi começar a pagar os ingressos que não segurei a emoção. Estar naquele lugar, na minha lua de mel com a Flávia e poder assistir ao Gilmour ao vivo, era um sonho. Enquanto preenchia os ingressos, minha mão só tremia. Acabei escrevendo o nome da minha cidade de Bolo Horizonte”, relata mostrando os ingressos que estão emoldurados com o pôster do show que ficam na parede de seu escritório.

Royal Albert Hall/Arquivo Pessoal
25 de setembro de 2015. Show de David Gilmour no Royal Albert Hall, em Londres. Gustavo aproveitou sua lua de mel para realizar outro sonho de sua vida. Fotografia: Gustavo Heringer/Arquivo Pessoal

Após onze anos de espera, Gustavo conseguiu realizar outro sonho proporcionado pela cultura do rock. Depois de voltar de sua lua de mel, ter assistido ao show de David Gilmour no Royal Albert Hall, ter ido em um segundo show do cantor que teve em São Paulo, o ano de 2016 foi tão especial quanto o anterior: conseguiu adquirir para a sua coleção de vinil um exemplar, daquele que foi o disco responsável por toda a admiração do rock e da banda Pink Floyd, o The Division Bell (foi reproduzido durante toda a entrevista).

Grande Aquisição
Capa do disco The Division Bell, Pink Floyd, 1994. O grande divisor para a história de Gustavo Heringer no universo do Rock.

Reportagem e Fotografias: Lucas D’Ambrosio