Tags Posts tagged with "educação infantil"

educação infantil

0 2963
Educadores e pais se reinventam para dar suporte às crianças nesse modelo de ensino remoto

*Por Bianca Morais

A realidade do ensino online já existe há anos, o famoso EAD (Ensino a Distância), sempre foi bem funcional principalmente para o público adulto. Cursos superiores muitas vezes eram procurados por pessoas, que sem muito tempo para frequentar uma aula presencial, optaram por realizá-la no computador.

Atualmente grande parte dos estudantes, crianças, adolescentes e adultos, do país se encontram em uma realidade forçada, tendo essas aulas de forma remota como alternativa para as cidades onde as escolas e faculdades permanecem fechadas devido à pandemia do coronavírus.

Se muitas vezes já era difícil o ensino online para adultos, que de certa forma conseguem manter o foco, imagine para as crianças?

A partir de hoje e nas próximas quartas-feiras o Jornal Contramão irá trazer uma série de reportagens sobre como esse ensino virtual está sendo visto pelos principais envolvidos na cadeia da educação.

Lugar de criança é na escola

Nathalia Fernandes Reis, 34 anos, é professora do ensino fundamental há 11 anos e hoje leciona na rede privada de ensino.

Para a educadora uma das questões mais desafiadoras tem sido a preocupação em alcançar os alunos, principalmente aquelas crianças com necessidades especiais, com dificuldades de aprendizagem, carências emocionais, entre outros diversos grupos que precisam de atenção. De acordo com ela, dentro das escolas era muito mais fácil perceber e sentir o que a criança passava e observar seu desenvolvimento, o ensino online, no entanto, criou uma barreira para isso.

“Foi como andar na escuridão”, diz a docente.

Existem dois grupos de alunos dentro de uma sala de aula, aqueles que conseguem aprender de forma e tempo natural e os que necessitam de um olhar mais sensível e uma maior atenção. Em sua vivência educacional, Nathália percebeu que essas crianças que inspiram cuidados neuropsicopedagógicos sofreram grandes déficits e acumularam lacunas no processo de aprendizagem durante esse momento de aulas pela internet.

A forma de ensino precisou ser repensada nesse momento de pandemia, lugar de criança é na escola, com um profissional qualificado ao seu lado, para lhe orientar e dar todo o suporte necessário. Além da presença do educador, é claro, que os pequenos precisam dos colegas,afinal são entre eles que acontece a troca de experiências, a criação de laços e o mais importante, o crescimento e a diversão. A realidade enfrentada agora é outra e ficou nas mãos desses profissionais buscas novas ferramentas para rever e inovar o ensino, pois nem todas as práticas que funcionavam anteriormente se aplicam no sistema remoto.

 

“Nesse período, comprovamos que o professor precisa mesmo elaborar um “circo” para atrair as crianças. Brincadeiras à parte, o que percebemos é que a ideia de que o professor precisa envolver o aprendiz ao que se propõe a ensinar nunca fez tanto sentido como agora. É preciso colocar o estudante dentro do contexto do conteúdo e mostrar o sentido daquilo tudo em sua vida, seja do Português, da Matemática, da Geografia, etc. Para isso, foi necessário utilizar ferramentas que despertavam o interesse das crianças, como os jogos online ou os passeios virtuais, por exemplo” conta Nathália.

Para o momento atual, além da alfabetização das crianças, os profissionais da educação tiveram também toda uma mudança em sua rotina, precisaram se adaptar a como dar aula online. Aqueles que não eram habituados a ferramentas digitais precisaram se recriar para esse novo mundo.

“Professores são heróis e seu principal poder é o conhecimento”. Essa frase nunca foi tão forte. Em meio a uma pandemia mundial, eles não desistiram de levar aprendizado a quem precisa, mesmo com os obstáculos do home office, às condições de cobertura digital doméstica (que muitas vezes não é suficiente para sustentar tantos dados e programas por tantas horas de trabalho). Se a realidade agora é essa, eles procuram a melhor maneira de lidar com ela.

Nathália relata como esse momento foi de grande crescimento em sua vida.  Ao invés de se desmotivar, ela procurou se reinventar para fazer a diferença. Mas reconhece, que na realidade, nem todos os profissionais pensam por esse lado. “Desejo que mais profissionais carreguem essa vontade para alcançar as crianças de todos os cantos”, desabafa. 

Um outro ponto que muito é discutido no que diz respeito às aulas remotas, mais particularmente no ensino privado, é o valor da mensalidade, que além de não ter descontos ainda sofreu reajustes neste ano. Nathália explica um pouco dessa situação e de início ela entende que a atual situação financeira do país não é fácil, o Brasil vive sim um momento de crise e desemprego, porém é necessário analisar o valor da hora/aula dos professores, assim como os materiais utilizados.

“Além desses aspectos, é importante considerar a readequação que as escolas precisaram realizar para essa nova experiência: não há os mesmos custos de manutenção com o espaço da escola, mas em muitas instituições aplicaram grandes investimentos em equipamentos para professores e plataformas para permitir o ensino remoto”.  

O sistema de educação no Brasil vive um momento bem delicado, não é hora de apontar dedos e procurar desentendimentos, é momento de se unir e buscar formas que diminuam ao máximo o impacto das crianças não irem às escolas. Muitas delas passaram a ter atendimento especializado com as famílias e algumas fizeram até drive-thru com a proposta de alunos matarem as saudades dos professores.

Na instituição em que Nathália leciona os profissionais tentaram manter alguns eventos de formas alternativas para não quebrar o laço do aluno com o lugar.

“A escola tentou manter suas atividades de forma adaptada ou representativa, como um evento cultural on-line no formato cada um faz o seu em casa, aula comemorativa sobre a tradição da vida no campo e a Festa Junina, campanhas de Natal no formato drive-thru”.

O caos do ensino público

Joyce Mariano, 48 anos, manicure e depiladora, vive uma realidade muito diferente da contada por Nathalia. Joyce é mãe de Bernardo Henrique, de 7 anos, aluno do ensino fundamental da rede pública de ensino.

Durante a pandemia, Joyce teve que virar uma espécie de professora para o filho. Diferente do suporte que o ensino privado disponibilizou, a escola pública apenas enviava às aulas por áudio no whatsapp e uma apostila. Ficava a cargo dos responsáveis repassá-los da melhor maneira à criança. A mãe recebia o material para orientar o ensino ao filho e a única cobrança da professora e da instituição era que as respostas estivessem escritas no caderno.

Bernardo ainda não é uma criança alfabetizada, por isso, a mãe usava todas suas tardes, de 13 até às 17 horas para ajudar o menino com seus exercícios. Joyce não tem nenhuma formação na área e acabou sendo atingida por uma das maiores dificuldades dos pais em circunstâncias como essa, ela não soube lidar com a situação e o desgaste fez com que ela desistisse.

“Chegou um momento que assim, eu encerrei, eu não conseguia mais, porque ele ficava estressado, eu ficava estressada. Eu gritava muito com meu filho, eu vou ser muito sincera, eu tive momentos de pânico”, desabafa.

Joyce não era responsável por ensinar Bernardo mas o peso caiu sobre ela, o ambiente doméstico tira muito a atenção das crianças, e ainda têm as suas responsabilidades diárias de uma chefe de família, seu emprego e cuidar da casa e dos outros filhos. Jamais se pode culpar uma mãe por não ter se esforçado. Escolas e professores existem para passar conhecimento, para ensinar, e a pandemia tirou isso de muitos.

O sentimento de impotência tomou conta de Joyce por muitas vezes, a falta de recursos, o fato de não conseguir matricular seu filho em uma escola particular em meio ao caos da educação pública. A falta de suporte é algo que atinge diretamente esses pais que sem outras opções são obrigados a aceitar aquilo que o governo oferece. Além disso, Joyce tirou o dinheiro de seu bolso para imprimir os exercícios enviados pelo aplicativo Whatsapp, pois acreditou ser uma forma de facilitar para o filho, e mais,  ainda teve que investir na instalação da internet na sua casa, pois não tinha.

Bernardo hoje está no terceiro ano do ensino fundamental, mas a mãe afirma que não viu evolução no filho desde quando começou o isolamento social e Bernardo ainda cursava o segundo ano. 

“No final eu tive que acelerar, fazer algumas respostas para ele, para conseguir entregar o material lá na escola da data marcada”, confessa a mãe.

A questão a se pensar agora é muito séria. Em algumas cidades brasileiras as aulas presenciais estão de volta, o que se torna um grande alívio para os que poderão entregar a alfabetização dos filhos a quem realmente entende do assunto. Porém, ao mesmo tempo que as aulas presenciais são essenciais a crianças em formação, o medo da exposição ao Coronavírus é real. A vacina chegou para alguns, mas não para as crianças, fazer com que elas não tirem a máscara, por exemplo, será um grande desafio a se enfrentar. A certeza de que desde pequenos o ensino é fundamental na vida de qualquer um irá ser a chave para se alcançar o mais rápido possível a segurança para todos voltarem à escola, quanto a quando isso será de fato realmente cem por cento garantido apenas o tempo irá dizer.