Tags Posts tagged with "Educação"

Educação

Por Keven Souza

A constante inovação tecnológica dos últimos anos transformou o nosso modo de ter acesso às notícias, reportagens, artigos e meios de entretenimento. Os acontecimentos do mundo inteiro estão a um clique de distância na palma da mão. Esse fenômeno faz com que muitas pessoas que antes eram consumidores de notícias apareçam, também, como produtores e disseminadores de conteúdos. Isso é ainda mais evidente, aos adolescentes que são na atualidade um público favorável aos avanços da tecnologia das comunicações. 

É pensando nisso, que a Associação Profissionalizante do Menor (Assprom) desenvolveu o Projeto Jovens Jornalistas, estimulando o protagonismo dos jovens da entidade ao propor a iniciação dos participantes na elaboração de pautas jornalísticas para o jornal da associação e inúmeras produções de conteúdos para as redes sociais. 

A Assprom, ao lado do Centro Universitário Una, entende a importância de oferecer experiência e qualificação profissional para os adolescentes e jovens da atualidade. Desde 2020, com a finalidade de prepará-los para serem profissionais do futuro, o projeto tem atuado em parceria com a faculdade, que com o suporte da Fábrica, auxilia os jovens no desenvolvimento de habilidades e técnicas imprescindíveis para formar profissionais especializados, capazes de operar em diferentes âmbitos ocupacionais no mercado de trabalho.  

A Associação e o projeto 

A Assprom, desde 1975, profissionaliza e oferece aos adolescentes e jovens de famílias em situação de vulnerabilidade social, por meio de programas socioassistenciais, a oportunidade do primeiro emprego. Os projetos institucionais têm como objetivo a inclusão social e o exercício da cidadania plena e, dentre eles, o Jovens Jornalistas foi criado em 2017, com o intuito de dar voz e espaço aos adolescentes escrevendo assuntos de seus interesses.

O projeto, desenvolvido pela Divisão de Orientação e Formação Profissional (Difop/Assprom), foi idealizado pelas educadoras sociais Flávia Fontenele e Alenir Maria Silva, com o apoio da equipe de Comunicação da entidade e, atualmente, a responsável interina pelo projeto é a educadora Flávia Fontenele, que atua com o suporte técnico da equipe de Comunicação/Assprom. 

Desde sua estreia em 2017, a trajetória do Jovens Jornalistas é única e admirável. Em 2019, foi um dos vencedores da primeira edição do concurso “Prêmio Educador Social Fectipa/MG”, que teve como objetivo valorizar as ações educadoras em combate ao trabalho infantil, e, neste prêmio, especificamente, o projeto foi reconhecido de forma solene ao ficar em 3º lugar no concurso.

Prêmio Educador Social Fectipa/MG

Na visão da responsável pelo projeto, Flávia Fontenele, a proposta é excepcional para que os aprendizes obtenham conhecimentos de várias ferramentas de comunicação essenciais para o mercado de trabalho. Para ela, em cada oficina realizada se percebe o interesse e engajamento dos jovens no projeto. “Quando a turma finaliza o projeto solicitamos um feedback dos aprendizes e recebemos muitos retornos positivos e, além disso, alguns acabam se interessando em seguir a área da Comunicação. É muito importante ensinar provocando o protagonismo juvenil”, explica. 

A proposta do projeto acontecer junto a uma universidade é com o intuito de beneficiar exclusivamente o aprendizado dos jovens. O apoio da UNA no projeto resulta em um contato ativo dos aprendizes com a área acadêmica. “A aproximação com o ambiente universitário desperta o interesse do jovem em continuar seus estudos e até mesmo alguns acabam se identificando com a área de Comunicação”, ressalta Flávia, sobre a idealização da parceria com a Una. 

Parceria junto à Una

Oficina de gravação de vídeos com Daniela Reis, líder do Núcleo de Conteúdo da Una

A colaboração entre a Assprom e o Centro Universitário Una é uma relação de longa data. Anualmente, na Associação são realizadas palestras na “Feira das Profissões”, ministradas por profissionais da universidade e, desde 2020, através do contato entre ambas, surgiu a oportunidade de unir forças ao Projeto Jovens Jornalistas. Uma parceria marcante que contribui para o desenvolvimento pessoal dos aprendizes e fomenta o crescimento profissional, além de oportunizar uma experiência ávida de vivenciarem o ambiente corporativo ao conhecerem melhor a rotina da área de Comunicação.

Através da parceria, o projeto acontece semestralmente. É selecionada uma turma do Programa de Aprendizagem da Assprom com a participação de jovens que demonstram responsabilidade e se identificam com a proposta do projeto. 

A Fábrica, que é o coletivo dos laboratórios de Economia Criativa da Una, tem um papel imprescindível para a continuidade da parceria com a Assprom. O coletivo, que tem atuado no programa de forma virtual, desde outubro de 2020, por conta da pandemia do coronavírus, soma a segunda turma consecutiva ministrando oficinas e treinamentos para os aprendizes. As oficinas são fornecidas pelo laboratório do Núcleo de Conteúdo de Jornalismo (Nuc), bem como o de Publicidade (Luna) e o Dígito Zero (audiovisual). 

As principais oficinas desempenhadas dão oportunidades aos jovens de participarem ativamente de ações que fomentam a produção de texto, a elaboração de vídeos para as redes sociais, o desenvolvimento de postura do repórter, o combate a fake news, o ensinamento de como criar conteúdo para o Instagram, dentre outras atividades. 

Daniela Reis, Jornalista e líder do Núcleo de Conteúdo da Una, afirma que as oficinas aprimoram as habilidades dos jovens. As tarefas propostas aos encontros virtuais permitem aos participantes aperfeiçoarem a responsabilidade profissional em relação ao tempo de execução, além de desenvolver o trabalho em equipe e a escrita de redação. “São várias as habilidades, principalmente as voltadas para a comunicação. As tarefas desenvolvidas por eles, permitem que aprimorem a abordagem com pessoas de diferentes posições e níveis de conhecimento, uma vez que fazem o papel de repórteres e realizam entrevistas de diferentes temas”, explica a líder.

Segundo ela, o incentivo da academia às técnicas e ações voltadas à sociedade tem um papel excepcional, à vista da interconexão do mundo poder ensinar os jovens aprendizes a serem comunicadores de forma responsável e com qualidade, e colocá-los à frente no mercado de trabalho. “Uma parceria com o futuro, de uma importância imensa, tanto para os meninos, que se qualificam e podem desenvolver suas habilidades, quanto para as duas instituições, que juntas estão sendo capazes de gerar oportunidades e crescimento”, desabafa. 

E, afirma que é gratificante fazer parte do projeto e tem orgulho do empenho dos jovens nas ações.

Aos participantes, é uma oportunidade ímpar de enriquecer a trajetória. Ao se envolverem com o projeto, tendem a se destacar no mercado de trabalho. Para Larissa Alves da Rocha, que tem dezessete anos e foi aprendiza do projeto no primeiro semestre de 2021, sua participação foi inesquecível e trouxe melhorias em sua escrita, o contato com as técnicas de fotografia e redes sociais foi de extrema relevância para aparar as dificuldades. 

Larissa Alves da Rocha

Segundo ela, participou de inúmeras oficinas que tinham o propósito de abordar variados temas como a fotografia e o vídeo, a produção de matérias, a técnicas de entrevistas e o marketing de redes sociais. Na execução das tarefas, os participantes eram divididos de acordo com as demandas e tinham a abertura de se expressar em qual haviam mais identificação. “Particularmente me vi mais na parte de redação, produzindo matéria”, diz ela. 

O Jovens Jornalistas, por si só, é um projeto extraordinário que em suma é significativo, e que, em parceria com a Una, pretende ir além do preparo dos jovens para o mercado de trabalho, mas atrelar experiências sublimes na vida particular. A incitação à auto estima, a segurança e a soft skills de relacionamento interpessoal são fatores incentivados que resultam positivamente na vida dos jovens. Além de que é uma injeção de ânimo no futuro dos aprendizes ao se pensar no contato ofertado entre eles e a faculdade. 

Um exemplo é da outra adolescente que também chama Larissa. Ela está pela segunda vez no projeto e se dedica com afinco à todas as propostas, pensando no futuro. “É muito importante, pois nos proporciona ver um novo lado do mundo jornalístico, aprofundar, e com isso quem sabe poderá até abrir novas portas de vagas de trabalho nas áreas de comunicação como o jornalismo, publicidade e propaganda, cinema, rádio e tv. As atividades nos prepara para o futuro, a Assprom pegou no ponto certo, essa parceria nos proporciona desafios que podemos encarar com muita satisfação, porque isso tudo que estamos passando, no final vai ser um grande ganho quando entramos no mercado de trabalho”, explica Larissa Silva A. Barbosa, de 17 anos.

Larissa Silva A. Barbosa

Em 2019, o projeto chegou a levar uma turma para conhecer os laboratórios de comunicação da Una. A ocasião na época inclinou-se a construir uma responsabilidade social e, até hoje, com a implantação das oficinas, propõe-se a dar estímulo aos adolescentes de cada vez mais frequentarem espaços educacionais e incentivá-los a entrar em uma universidade. 

Vinícius Alves Martins, que iniciou recentemente a graduação em Letras na Una e participou do projeto no segundo semestre de 2020, afirma que sua jornada foi benéfica em relação à  decisão de qual curso ingressar e que, através dos ensinamentos durante as oficinas, a opção de cursar Letras se tornou mais clara e viável. “Atividades como desempenhar o papel de redator e editor, me abriram um leque de possibilidades e expandiu o meu pensamento sobre o curso”, explica.

Vinícius Alves Martins

Segundo ele, o seu primeiro contato com uma universidade foi através do colégio, a sua jornada foi pautada por diversos passeios que fomentaram a sua relação com o ensino superior e, com isso, acredita que é importante os jovens se conectarem com a universidade desde o ensino médio. “Foi através do Jovens Jornalistas que pude conhecer mais sobre a Una e entender melhor sobre o curso de Jornalismo. Definiria minha participação como bastante comprometida e determinada. Me trouxe o sentimento de empatia, de como é estar na pele de um jornalista. Eu já sabia disso através dos jornais e outros meios de comunicação, mas vivenciei só através do projeto”, comenta Vinícius. 

Com a palavra, o presidente da Assprom

Carlos Augusto de Araujo Cateb, presidente da Assprom

“A Assprom acredita que a educação transforma o mundo. Oferecer este espaço para os jovens é incentivá-los ao protagonismo juvenil e reconhecer que a participação atuante deles pode gerar mudanças decisivas na realidade social, incentivando que os jovens sejam os atores principais de suas histórias e que se posicionem perante a comunidade”. E acrescenta: “Não podemos esperar que os jovens lutem e procurem agir como transformadores da sociedade se não lhes for permitida uma abertura efetiva, teórica e prática. Falamos tanto em liberdade de expressão e acesso à informação, sendo este um caminho para os jovens se comunicarem e mostrarem seus talentos. Por meio das oficinas, eles aperfeiçoam suas reflexões sobre o mundo, o modo de se expressar, de ler e escrever, fato que pode contribuir futuramente para a permanência no mercado de trabalho”, enfatiza o presidente, Carlos Augusto de Araujo Cateb, sobre a importância do projeto. 

 

Edição: Daniela Reis 

0 590

Alunos do ensino médio e universitários sofrem com a falta de aulas presenciais e práticas de estudos

*Por Bianca Morais

Na semana passada trouxemos o relato de Nathália Fernandes, professora do ensino fundamental, e de Joyce Mariano, mãe do pequeno Bernardo, estudante do 2°ano do fundamental. Através da reportagem foi possível reconhecer como tem sido difícil a educação infantil através da internet.

No Brasil, de fato, foi a primeira vez que nos deparamos com crianças tendo aula online, porém muitos jovens e adultos já eram adeptos a esse método, conhecido como EAD – Ensino à Distância. O EAD sempre foi uma excelente solução para quem não tinha tempo de frequentar as aulas presenciais. E com o tempo, muitas instituições que antes eram predominantemente presenciais, passaram a aderir às aulas híbridas, uma mescla entre online e presencial, isso acontece com muitos cursos que possuem aula teórica e prática, por exemplo.

Com a pandemia, não houveram escolhas e o ensino obrigatoriamente se tornou remoto. No entanto, muitos jovens acabaram se frustrando com esse novo método. A falta de socialização com os colegas, o fato de não poder frequentar laboratórios para disciplinas práticas, não ter o professor presencialmente para tirar dúvidas e por aí vai, são inúmeras insatisfações e incertezas. 

O crescimento profissional

Micheli Cristiane dos Reis Lana, 47 anos, atua como técnica em contabilidade. Micheli iniciou seu curso de Ciências Contábeis em 2016, no Centro Universitário Una, e se formou no ano passado. Por opção, escolheu um curso EAD, para não ficar longe dos filhos, na época com 6 e 13 anos. 

A profissional se formou no técnico em 1990 e trabalhou durante 25 anos em uma construtora e foi responsável pela contabilidade do lugar, mas em 2015 a empresa fechou e ela foi demitida. Ao procurar por um novo emprego percebeu que mesmo com a experiência que tinha o mercado demandava um curso superior. Então, Micheli se deu conta que para conquistar novas oportunidades e crescer no mercado de trabalho deveria voltar a estudar.

Quando o assunto é ensino online, é fato que ele não pode ser comparado ao presencial, afinal são duas metodologias diferentes. Dentro de uma sala de aula existe a constante troca de conhecimento entre aluno e educador, esse talvez seja um dos pontos em que o online mais perde.

“Não tive a oportunidade de ter um professor para tirar as minhas dúvidas no momento em que estava estudando. Em muitos casos, tive que me virar para entender a matéria. Após um dia cansativo de trabalho, nem sempre estava com disposição para estudar” desabafa a técnica.

O aluno que escolhe um curso online, com certeza, tem um elemento a mais em sua trajetória, a dedicação. Não é fácil enfrentar, por exemplo, a falta de suporte, apesar disso quando se tem um objetivo vale a pena. Micheli garante que se tivesse a chance de escolher entre fazer uma graduação presencial ou online, mesmo com as considerações, ela encararia o online novamente.

“Quando era mais nova tive oportunidade de fazer a graduação presencial e não tive interesse. Foi através da online que me senti estimulada. É um desafio enorme, mas com disciplina consegui formar”.

A prática prejudicada pelo online

Há aqueles que não escolheram o ensino online, mas que acabaram sendo inseridos nessa nova realidade forçada. É o caso dos estudantes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

A UFMG foi uma das que mais sofreu devido ao coronavírus. Diferente de instituições particulares, a universidade pública não conseguiu continuar as aulas após a suspensão do presencial, no dia 18 de março, do ano passado. Os universitários ficaram cinco meses sem aula, perderam o semestre que voltou de forma remota apenas no mês de agosto.

Gabriela Guimarães, 23 anos, é aluna de fisioterapia na instituição. O curso escolhido pela jovem é totalmente presencial. A fisioterapia forma profissionais capazes de atuar na prevenção e na reabilitação da capacidade física e funcional das pessoas, com isso, as aulas práticas são o ponto forte de sua educação e se encontram completamente defasadas.

O fisioterapeuta precisa de muito treino para aprender, e sem dúvidas em cursos como esses, os alunos sentem na pele a falta dos laboratórios. “A fisioterapia exige um contato muito próximo com o paciente, para tratar dele eu preciso saber algumas técnicas manuais, onde pegar, de que forma fazer os exercícios” conta a universitária.

Além disso, a falta do educador ao lado também é uma preocupação. “Não ter alguém para falar se estou fazendo certo, errado, se a quantidade de força que estou usando é suficiente ou não é bem ruim” desabafa a jovem.

Por um lado, se esses alunos da área da saúde sofrem com o ensino a distância, os professores e coordenação se mostram dispostos a tentar diminuir essa defasagem. Os educadores elaboram aulas bem explicativas, utilizam diversos recursos de vídeos e monitorias.

“Eles estão mais abertos a nos ouvir e tirar nossas dúvidas, eles fazem alguns vídeos de práticas também para que a gente consiga acompanhá-los da forma correta”, explica Gabriela.

A tolerância com prazos é outro ponto positivo que a universitária enxerga nesse momento, até porque, segundo ela, o número de atividades aumentou bastante e sua turma têm experimentado uma vivência do ensino online que demanda muita disciplina e esforço.

A cobrança do ensino online

Muito se engana quem acha que pelo fato dos alunos estarem em casa, a vida deles é mais fácil. Ao contrário, o ensino online vem sendo sinônimo de muita cobrança e sobrecarga em cima de grande parte dos estudantes.

Kamilla Antunes, 21 anos, cursa psicologia na PUC-MINAS. Segundo a jovem, estar em casa passa a impressão de que o tempo investido não é válido, em virtude da comodidade apresentada. O fato de poder escolher em qual ambiente da casa quer assistir a aula, ou até mesmo o “fazer lanchinhos” durante ela, não significa que não exista esforço ali.

“Tanto por parte dos familiares, quanto dos professores, já tive essa sensação. Os familiares que agora com mais frequência soltam o famoso, “ah, mas você só está estudando?”, como os professores, que associam o tempo em casa com maior tempo para fazer as coisas da faculdade, passando mais trabalhos e exigindo cada vez mais” desabafa a jovem.

É de comum acordo entre os estudantes, que independente das horas de aulas serem as mesmas, o aproveitamento e rendimento não são. Por mais que no começo os educadores tenham se esforçado ao máximo para se dedicarem às plataformas e ao ensino, com o tempo é possível ver um desânimo sobre suas performances.

“Me sinto prejudicada, não consigo captar tudo através da tela. Na psicologia nosso objeto de estudo é o ser humano, e essa falta de contato com práticas, mesmo com os professores me deixam insegura“, confessa.

As instituições de ensino superior, sempre graduaram alunos através do EAD, e isso não os tornaram trabalhadores menos competentes, o que faz um profissional não é apenas a faculdade, é a própria pessoa. No entanto, pela primeira vez é possível ver determinados cursos, antes com matérias específicas as quais deveriam ser feitas de forma presencial, sendo onlines, cresce, dessa forma, na cabeça do aprendiz a dúvida se ele realmente será capaz.

A faculdade de Kamilla, fez adaptações das práticas do curso, introduziu atendimentos e supervisões para o formato online, fizeram parcerias com algumas instituições e centros de ensino para articular palestras feitas pelos alunos, com o intuito de contribuir e amparar outros que passam dificuldades neste período de adequação.

As instituições de nível superior, as quais oferecem a psicologia em sua grade, sempre buscou prestar serviços à comunidade. Grande parte dos universitários da área, sonham desde que ingressaram na faculdade com esse atendimento, lidar diretamente com as pessoas, ajudar o próximo, isso se quebrou muito durante a pandemia.

Muitas vezes, o online não alcança a todos, muitas das pessoas, principalmente essa camada da sociedade a qual não tem condição, também não possui acesso a internet, o que dificulta bastante. O cenário de incertezas continua e esses estudantes da área da saúde enfrentam diariamente uma dura realidade. 

O esforço de quem ainda sonha com o ensino superior

Para quem ainda está no ensino médio, um dos momentos mais esperados, sem dúvidas, é o famoso terceirão. Ano de conclusão de uma jornada, de se despedir dos amigos, dos professores e de todo ambiente acolhedor que é uma escola. O terceiro ano é de transição, além de todo esse clima de nostalgia, existe também a pressão dos estudos, afinal, é a hora de fazer o Enem, prestar vestibular e tomar a grande decisão do que o jovem será para o resto de sua vida: escolher que profissão seguir. 

Marcela Castro Rincon, tem 18 anos, e concluiu o ensino médio no conflituoso 2020. No começo, era um afastamento de 7 dias, que se tornou 15 e finalmente se deu em tempo indeterminado. A implementação das aulas online na escola particular de Marcela, não aconteceu de forma imediata, pois os professores precisaram passar por um curso a fim de aprofundar seus conhecimentos sobre o funcionamento da nova plataforma de ensino na internet.

Com o recomeço das aulas, o que já era esperado por muitos aconteceu, o rendimento caiu muito. “O abismo entre o rendimento de um aluno no sistema presencial e no remoto é gigantesco”, conta Marcela. O ato de ficar sentado em frente a um computador por horas e tentar manter a concentração é impossível, já era difícil dentro de sala com toda a dinâmica e atmosfera criada pelos educadores, isolado em casa, ficou bem pior.

Todos que já cursaram colegial sabem que o volume de matérias a serem estudadas é enorme, enquanto no superior, o estudante está apenas dentro de uma área e a carga horária é bem menor, no médio, os adolescentes ainda aprendem todas as áreas juntas, as linguagens, exatas, humanas, e ciências da natureza. Para além disso, ainda sofrem o aperto dos vestibulares.

No começo das aulas, Marcela relata que os professores tentaram aliviar o impacto do novo método, as atividades avaliativas e simulados foram suspensos, tudo isso sendo pensado para que os jovens tivessem uma melhor adaptação. Slides explicativos, “quizzes”, os educadores buscaram a melhor maneira de manter os jovens acolhidos.

Com o passar do tempo, as avaliações voltaram, e com elas toda a pressão psicológica. Como se não bastasse o isolamento social, reajuste do aprendizado, distância dos amigos e escola, agora eles seriam cobrados por isso. Marcela descreve que sofreu muito em todo esse processo, passou por crises de ansiedade e teve a saúde mental diretamente prejudicada pela intimidação dessas cobranças.

Além de todas as dificuldades enfrentadas durante a jornada de conhecimento, um dos pontos que mais atingiu Marcela e outros adolescentes foi a falta de contato direto com os educadores. Eles, que são uma das maiores inspirações para os estudantes, principalmente sobre qual área seguir, acabaram tendo essa troca quebrada no momento de isolamento.

“Apesar de ainda vivermos um sistema de ensino monótono, arcaico e tradicional, a relação entre professor e aluno tem sido aprofundada, não é mais apenas uma relação de autoridade e submissão. Os professores não têm mais somente um papel de transferência de conteúdo, de explicação de matéria, eles ajudam no nosso desenvolvimento pessoal, contribuindo para a nossa formação não apenas profissional, como nossa formação humana. As conversas, os puxões de orelha, o apoio que a gente tinha deles em qualquer momento, fez uma falta que ninguém consegue explicar” desabafa a jovem.

Marcela foi uma dos milhares de alunos que sofreram com o ensino remoto em plena pandemia. A jovem reconhece a sorte que teve de estudar em um colégio particular, ter acesso a um computador e internet para acompanhar as aulas, o que não foi a realidade de muitos. Estudantes de classe baixa, matriculados na rede pública de educação resistiram muito mais, as aulas de forma remota não voltaram na mesma rapidez que no privado e também não tiverem o mesmo suporte, mas na hora de serem cobrados pelos vestibulares e pelo Enem, foram avaliados da mesma forma.

O sistema de ensino no Brasil precisa ser seriamente repensado após esse período de pandemia, quando a realidade “voltar ao novo normal”. Seja no primário, no médio ou no superior, os estudantes vêm sendo prejudicados sim, pela falta de apoio, por mais que uma instituição tente os ajudar das melhores maneiras possíveis e incomparável o vácuo de conhecimento que está acontecendo.

 

**Revisão: Italo Charles

***Edição: Daniela Reis

 

0 283
Cleuza Maria Teixeira Reis - Professora e supervisora da rede pública de educação

As aulas online são uma saída para a educação durante a pandemia, mas a rede pública ainda enfrenta problemas com famílias carentes

*Por: Jéssica Reis, Marcelo Duarte e Mariana Aroni

A inesperada pandemia de Covid-19 afetou todos setores importantes do Brasil, e a educação é um dos mais afetados. Segundo a Unesco, estima-se que cerca de 776,7 milhões de crianças e jovens estão sem aula em 85 países que adotaram o isolamento social. Na rede pública os desafios diários, como falta de acesso à internet, à computadores e telefones, têm sido enfrentados pelos professores, que tentam diminuir o impacto no ensino dos alunos.

Novas medidas tiveram que ser acionadas para que o ano letivo pudesse continuar a ser ministrado. A Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE/MG) preparou uma metodologia integrada com suporte de três ferramentas para utilização de um material construído por professores da própria rede pública para este momento. Os materiais disponibilizados são: o Plano de Estudo Tutorado (PET), o programa de TV Se Liga na Educação e o aplicativo para telefone Conexão Escola.

A professora e supervisora da rede pública, Cleuza Maria Teixeira Reis, pós-graduada em psicopedagogia e especialista em educação inclusiva, falou ao Jornal Contramão um pouco das dificuldades e barreiras que este momento de isolamento social tem trazido para os professores.

 

 Como estão sendo ministradas as aulas para os alunos da rede pública?

As aulas estão sendo ministradas de maneira remota, através da formação de grupos no WhatsApp com cada turma, através do “Conexão Escola”, aplicativo do governo, e pela Rede Minas,com o programa “Se Liga na Educação”. E também, por meio de grupos em facebook, blogs da própria escola, etc

 Quais os maiores desafios que as aulas online trouxeram para a educação? Como está sendo o processo de adaptação para todos os envolvidos?

As aulas online trouxeram mudanças bruscas para o setor público educativo,  levando a mudanças em nossa rotina para que pudéssemos nos adaptar a esta nova versão de ensinar. Quanto ao processo de adaptação, depende do querer de cada um envolvido. Para o servidor público são muitas indagações, principalmente no que se refere à valorização dos nossos serviços. De como se dará isto, já que nas aulas presenciais era preciso ir para as ruas adquirir direitos que nos foram negados. Agora, em casa com a pandemia, a luta só fica nas redes sociais. Quanto às famílias, percebemos uma grande dificuldade de adaptação pois, muitas vezes, a falta de acesso à internet e [baixas] condições financeiras, impossibilitam que o material chegue até elas. Outras famílias não querem saber deste novo jeito, acham que a escola é obrigada a ensinar e não elas.

 Você acha que o sistema de aulas remotas será capaz de suprir as necessidades e trazer um conhecimento efetivo para os alunos?

Acredito que se houvesse uma adaptação melhor por ambas as partes poderíamos à longo prazo, sim. Mas… como temos visto, há dificuldade para chegar naquela criança sem telefone, sem televisão, até mesmo [sem] o que comer em casa. Impossível haver efetividade de ensino diante de tantas desigualdades sociais e educacionais.

 Vocês, professores, diretores e comunidade escolar, participaram da elaboração do material e dos conteúdos que estão sendo ministrados por meio das videoaulas e da apostila da Secretária de Educação? Como foram feitos?

Como professora, não. E acredito que uma parcela muito pequena dos servidores tivesse informações sobre este material.

 Desde o começo do ano letivo de 2020 a rede estadual está em greve. Em meio à greve surgiu a pandemia e, logo em seguida , as diretrizes de isolamento. Você acha que este ano letivo está perdido ou vê saída

Talvez, depende de vários fatores que nos ligam. O problema maior são nossas famílias que não possuem condições de terem telefones com internet, muitas vezes também não querem ter trabalho… Enfim, o novo é sempre difícil, mas o querer sair de onde estamos precisa acontecer de ambas as partes.

 Assim como estudantes, os professores também são prejudicados por falta de estrutura na migração das aulas presenciais para online. Como vocês têm sido afetados?

Com certeza, ambas as partes saem prejudicadas. Principalmente o professor por ser cobrado e não ter condições de pagar a própria conta por atraso do pagamento salarial e continuar ministrando suas aulas. Quanto à mim, sou afetada somente quando a internet não pega na região. Tenho buscado me adaptar.

 Além do atraso nos salários e no décimo terceiro, os professores da rede pública enfrentam ainda a dificuldade de trabalhar com escolas sem estrutura e alunos carentes, que por vezes não têm o básico para estudarem. Como esse cenário tem se agravado neste período de quarentena?

Cenário triste das periferias, onde as condições são precárias e a estrutura familiar sofre com a falta do que comer. Há crianças que iam à escola para se alimentar. Agora, com toda a situação de pandemia, são obrigadas a se virarem pelo pão de cada dia. Ficam sem condições de estudar, não se encaixam ao novo.

 

* A entrevista foi produzida sob a supervisão da jornalista Daniela Reis e do professor Maurício Guilherme Silva Jr.

0 1314

Os postos municipais do Sine na capital estão com inscrições abertas para cursos de Assistente Administrativo, Espanhol Básico, Informática Básica e Inglês Básico. As inscrições estão abertas para o primeiro semestre de 2016 (sempre 30 dias antes da data de início de cada curso), ao todo, 74 vagas serão distribuídas e os cursos serão realizados entre os meses de fevereiro e maio.
Ministrados na Escola Profissionalizante Raimunda da Silva Soares, no bairro São Cristóvão, região Noroeste da cidade, a iniciativa vem para beneficiar jovens e adultos. Os cursos fazem parte do Programa Municipal de Qualificação, Emprego e Renda de Belo Horizonte (PMQER), voltado prioritariamente para beneficiários de programas sociais, residentes no município de Belo Horizonte e que necessitem de qualificação profissional para ingressar ou se manter no mercado de trabalho ou para geração de renda.

Programação

 

Sem título

Fique por dentro

  • Inscrições: De segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, mediante disponibilidade de senhas.
  • – Sine Barreiro: Rua Barão de Coromandel, 982 – Barreiro
  • – Sine BH Resolve: Rua dos Caetés, 342 – Centro
  • – Sine Venda Nova: Rua Padre Pedro Pinto, 1055 – Venda Nova
  • Documentos necessários para a inscrição: Identidade com foto (Carteira de Identidade ou Habilitação), CPF, comprovante de residência, Carteira de Trabalho, PIS/PASEP/NIT
  • Local de realização dos cursos: Escola Profissionalizante Raimunda da Silva Soares (Rua Carmo do Rio Claro, 411, Pedreira Prado Lopes – São Cristóvão)
  • Informações: 3277.6001, 3277.6049 ou escolaprofissionalizante@pbh.gov.br​

Por Amanda Aparecida

Foto: Google/divulgação

Hoje foi o último dia da programação especial de férias, do Memorial Minas Gerais Vale. A edição do Férias Divertidas no Memorial trouxe para as crianças, espetáculos infantis, visitas mediadas e ações interativas durante o período de férias.

A oficina “Fábrica de Monstro” encerrou a programação, estimulando o potencial criativo das crianças, utilizando papeis e materiais diversos para traçar as características únicas de cada criança.

Na tarde desta sexta-feira, a parte externa do memorial transformou-se em uma praia, em que crianças vestidas com roupas de banho, brincavam e faziam performances. Os óculos de sol, bolas e objetos de praia, chamaram a atenção de quem passava pelo local. De acordo com os organizadores, a ideia foi fazer uma “praia do memorial”. A coordenadora do Educativo Memorial Minas Gerais Vale, Mabel de Melo Faleiro brinca ao dizer: “A Praça da Estação tem a praia da estação, aqui nós temos a praia do memorial”. Segundo ela as atividades que estão acontecendo do lado de fora do memorial era resultado de uma oficina de Inter criação. Além de interagir com os espaços, a proposta era permitir que as crianças tivessem um olhar diferente sobre a arte que esta espelhada pela cidade.

Também do lado de fora do memorial, os educadores deixaram com que as crianças experimentassem a magia da criação. Ao elaborarem um quadro com grafites. “Nessas atividades selecionamos duas coisas: entender as artes da performance a o grafite. Essas atividades integram as crianças no museu. Começar com uma brincadeira para que elas entendam mais e aprendam. Eles veem além da própria ‘coisa’, escolhem o que querem fazer, tem que ser livre”, destaca o educador David Chech, 22 anos.

Texto e Foto: Victor Barboza

0 415

A mesa redonda “Lição de democracia: respeito à diversidade sexual no ambiente acadêmico”, realizada no auditório do Icbeu na noite de ontem, abordou a necessidade de se discutir e promover ações contra a homofobia no ambiente escolar. O debate contou com a presença do professor doutor da Faculdade de Educação da UFMG, Paulo Nogueira, da professora Carolina Marra, assessora do Núcleo Acadêmico da UNA, do coordenador dos cursos de Publicidade e Propaganda e Relações Públicas da UNA, Pedro Coutinho, e dos professores Kenya Valadares e Roberto Reis.

Carolina Marra, representante da reitoria, declarou que a UNA preza a discussão contra a intolerância e incentiva ações que considera fundamentais para a democracia: “entendemos que a universidade é um espaço democrático e fundamental para o debate de ideias. Por isso, iniciativas desenvolvidas pelos professores e alunos em favor da diversidade, como o Una-se Contra a Homofobia, que ganham força ao somar-se a outras iniciativas, é fundamental para o debate, que precisa acontecer no ambiente universitário. Esperamos que essa seja uma iniciativa que dê vazão para outras ideias em prol dos direitos humanos, que nasçam na faculdade e venham para o debate público”.

A postura do centro universitário está em consonância com o que determina o art. 12 da Resolução nº 1 do Conselho Nacional de Educação, expedida em 30 de maio de 2012, que estabelece as diretrizes nacionais para a educação em direitos humanos. De acordo com o dispositivo legal, “as Instituições de Educação Superior estimularão ações de extensão voltadas para a promoção de Direitos Humanos, em diálogo com os segmentos sociais em situação de exclusão social e violação de direitos, assim como com os movimentos sociais e a gestão pública”.

Paulo Nogueira, que atua no campo da sociologia da educação, falou em entrevista para o Jornal Contramão sobre a importância da discussão da diversidade sexual nas universidades. “A discussão da diversidade é uma discussão pública: está na rua, na mídia, nas igrejas, nos partidos políticos, nas instituições que regulam o mundo público – congresso nacional e ministérios, em todas as esferas de governo. Se está em todos esses lugares, também deve estar nas universidades”, esclarece.

Para Paulo Nogueira a faculdade é um espaço de reflexão e de vivência democrática. “Dentro de uma faculdade não se pode viver da mesma maneira que se vive na rua, pois a faculdade pressupõe uma imersão no cotidiano de forma reflexiva. O ato educativo exige isso, principalmente no ensino superior, onde os sujeitos já estão constituídos, já passaram por processos de escolarização, já estão inteiradas da sua sexualidade. É importante que no percurso da formação profissional haja o exercício da vida democrática e é na faculdade que isso deve se dar, talvez até com muito mais clareza do que na educação básica, em que a personalidade dos sujeitos ainda estão em formação”, explica.

Por: Fernanda Fonseca
Foto: Fernanda Fonseca