Tags Posts tagged with "intercambista"

intercambista

0 87

*Por Ingrid Moreira de Oliveira

Tamires, 25 anos, sempre teve vida muito boa no Brasil, por causa de seus pais. Apesar disso, ela não conseguia arrumar trabalho. Ou melhor, não conseguia subir de cargo, já que a maioria das empresas pede anos de experiências – e muitas delas só aceitam “indicações”.

Formada em Gestão de Recursos Humanos, Tamires concorreu confiante a uma vaga, pois sabia que tinha tudo para passar. No fim das contas, porém, eles escolheram o candidato que, apesar de não ter qualificação na área, havia sido indicado por alguém.

Ela, então, começou a desacreditar de si, e a se considerar incapaz. Após uma crise sentimental e emocional – nascida de um relacionamento que não deu certo –, e depois de um acidente que a deixou debilitada por seis meses, percebeu que não queria só aquilo em sua vida. Tamires desejava mais. Queria ser melhor. Precisava chegar a algum lugar por mérito próprio, e não por indicação.

Percebeu, pois, que não havia nada a perder. Apesar de morar no Brasil há 23 anos, ela não tinha absolutamente nada, fora sua família. O tempo passou, seus irmãos se casaram… E Tamires sentia que ficara para trás, como alguém sem valor algum. Sentia-se, além disso, um peso para os pais.

No dia a dia, Tamires fazia tudo que sua mãe queria. Em certo momento, percebeu que não desejava aquilo. Fazia tudo para deixar seus pais orgulhosos, apesar de as tentativas serem em vão, pois sua mãe sempre a comparava a várias pessoas. Ela nunca fora boa o suficiente. Por isso, resolveu que queria ser melhor, não importava o quanto isso custasse. E mesmo que tivesse de ficar longe da família. Ela queria ser valorizada.

A jornada começou! Tamires resolveu ir morar em Portugal. Sabia que poderia contar com a ajuda de parte da família paterna, já há algum tempo em solo lusitano. Ao aproveitar que sua tia estava no Brasil, pegou o dinheiro que havia juntado e foi viver em Amora.

Lá, por mais que as coisas fossem muito baratas – afinal, é possível viver bem com pouco –, Tamires sempre pagou aluguel, até mesmo na casa de seu tio. Além disso, desde que chegou, há um ano, tem trabalhado muito! E começou a fazer de tudo para progredir de vida. E, claro, para ficar legal.

Certos momentos ruins foram muito ruins, porém. Depois de três meses em Portugal, Tamires resolveu mudar de emprego, pois trabalhava 14 horas por dia. Pois não é que, naquele exato momento, teve um problema com o tio, por se intrometer na discussão dele com a esposa, já que não admite violência contra ninguém. Seu tio a expulsou de casa, e ela saiu dali sem nada. Seus outros parentes não tinham como ajudar. (Ou não queriam, mesmo!)

Tamires ama Portugal! O país é maravilhoso e ela está muito feliz. Há segurança, as leis funcionam e não existe… indicação! Ou você é bom no que faz, ou não é. Ela sabe que pode crescer profissionalmente ali, ou seguir a qualquer lugar da Europa, por valores que consegue pagar, sem financiamento.

Para ela, quem a fortaleceu, realmente, foi Deus. “Ele é maravilhoso, pois me deu amigos maravilhosos!”. O Alan, que, no começo, era só um amigo, tornou-se marido. Outros tantos amigos portugueses deixaram que ela ficasse em suas casas durante certo tempo.

Hoje, com tudo estabilizado, e já casada, Tamires tem o documento que a permite residir em Portugal. Ela poder entrar, sair ou morar em qualquer país da Europa.

Ela se diz muito grata pelas pessoas que se mantêm a seu lado. Principalmente, o marido, que sempre a ajuda, e com quem construirá uma família. Eles vivem muito bem, e têm planos. Tamires ama o Brasil, um país lindo, mas, em questão de segurança – e outros tantos quesitos –, deixa a desejar.

Agora, ela vai correr atrás de seus sonhos.

 

*Essa crônica foi produzida sob a supervisão do professor Maurício Guilherme Silva Jr.

0 246
Parlamento Federal da Alemanha (Berlim) Créditos: Rafaela Oliveira Guimarães

Por Ana Luiza Ribeiro

Quem nunca sonhou em estudar fora? A maioria dos jovens, hoje em dia, busca grandes experiências para suas vidas. Além disso, sabemos que o intercâmbio é um dos maiores diferenciais no currículo de uma pessoa. Ao pensar nisso, resolvi dar dicas valiosas sobre um país que, atualmente, conta com a maior economia da zona europeia e que tem uma atmosfera jovem e moderna.

Com posição central na Europa, a Alemanha é cercada por países importantíssimos à economia mundial, como Espanha, Bélgica, França, Suíça. Além disso, exibe imensa diversidade cultural e é conhecida por falar um dos idiomas mais difíceis do mundo.

Rafaela de Oliveira Guimarães, estudante de administração pelo Cefet-MG, realiza intercâmbio na cidade de Berlim, em 2020. “Eu tinha duas opções: Alemanha e Portugal. Escolhi a primeira por se tratar de língua e cultura mais difíceis. Precisava sair um pouco da caixinha e aprender mais”, comenta.

Por onde começar?

Hoje, existem muitas formas de conseguir um intercâmbio. Muitas universidades, por exemplo, ofertam programas por meio dos quais o estudante realiza testes para conseguir estudar fora do país. “Consegui meu intercâmbio por meio de edital aberto pelo Cefet-MG, onde estudo. O programa exigia nível B2 na língua inglesa e carga mínima completa de 40% do curso. Rendimento global e participação em projetos na faculdade contavam pontos”, explica Rafaela Guimarães.

Ela fez a prova de inglês – Toefl iBT – e conseguiu a pontuação necessária. Em seguida, enviou a documentação com a carga horária realizada e os comprovantes dos projetos dos quais participou. Desse modo, passou na primeira etapa. “A segunda era uma entrevista presencial, com orientadores do Cefet, da diretoria de relações internacionais e psicólogos. A terceira, por fim, foi a avaliação, pela instituição anfitriã, de minhas habilidades e de meus documentos. A partir daí, estava classificada e apta à realização do intercâmbio”, completa.

Sim, mas e se você não está numa universidade? Também existem formas de conseguir estalar fora: agências de viagem especializadas em intercâmbio podem lhe ajudar a realizar este sonho, e em vários países. (Clique aqui e veja essa dica de agência em Belo Horizonte.)

Depois de ser aprovado, existem custos? Ou a universidade arca com tudo?

“A princípio, o aluno intercambista arca com despesas como passagem, passaporte, seguro saúde, instalação e custos extras de viagem. O Cefet-MG, por exemplo, sobre os estudos e auxilia o aluno com 720€ por mês de intercâmbio (3 parcelas no início e 3 no meio do período de mobilidade), calculados em R$ no dia em que a verba é liberada. Qualquer divergência positiva ou negativa fica a cargo do intercambista”, esclarece Rafaela.

A universidade anfitriã tem parceria com uma residência estudantil de custo reduzido, um prédio de estudantes com quartos individuais e banheiros/cozinhas compartilhados. “O custo mensal do meu quarto é 285€. Cada lugar tem um custo, e você não pode escolher o que prefere. A escolha se dá por disponibilidade e por ordem de chegada, e o valor depende do número de quartos no apartamento”, completa.

Visto e documentação

Em toda a Europa, de acordo com o tratado de Schengen, o “visto” de turista dura três meses. Em outras palavras: não é preciso de visto em tal período. Para os meses subsequentes, deve-se fazer processos administrativos na prefeitura da cidade onde mora, para que você comprove que tem uma “residência”. Além disso, a assinatura de um seguro/plano de saúde é obrigatória durante toda a estadia. O intercambista pode optar por um seguro privado.

“Diversas empresas prestam esse serviço. Escolhi o Swisscare, que é mais acessível e só precisa ser pago uma vez, já o serviço público de saúde cobra dos cidadãos uma taxa de 105€ por mês, para que a pessoa tenha direito a ele. Além desses documentos, a universidade emite um documento comprovando que você é estudante. O visto é tirado no escritório oficial e se dá por ordem de chegada. Às terças e quintas, uma fila de mais de 200 pessoas se forma (ainda de madrugada) para a tentativa de conseguir uma senha para o visto”, conta Rafaela.

Quanto às possibilidades, a estudante conta que é essencial ter, ao menos, o nível intermediário de inglês, já que se trata da língua mais falada no mundo. Não é necessário falar alemão, mas é interessante ter um conhecimento prévio do idioma para facilitar a comunicação.

Clima e fuso horário

Para quem vive em um país tropical, não é muito fácil adaptar-se ao clima da Alemanha, pois, no verão, chove com frequência e as temperaturas não sobem além dos 23°C. O grande desafio de viver num país como este, porém, são os meses de outono e inverno, já que a temperatura pode chegar abaixo de zero.

O fuso horário também é muito diferente: enquanto todo mundo dorme no Brasil, os alemães já estão de pé, para começar sua rotina. Na Alemanha, são quatro horas a mais do que por aqui. Devido a isso, a comunicação, a rotina e o descanso podem ficar um pouco afetados.

Porém, nada disso impede de conhecer as belas paisagens do país e de ter uma conversinha com os amigos e familiares. Como tudo é questão de costume, isso seria só mais uma adaptação à rotina dos intercambistas.

Trabalho

Conseguir um trabalho na Alemanha, não é uma tarefa muito fácil, pois a maioria dos contratantes exige que você fale a língua alemã. Também não é algo impossível, já que existem alguns empregos em startups e freelances que só exigem o inglês.

 

E aí, o que achou de nossas dicas? Já pensa em arrumar as malas e partir para o intercâmbio? Deixe seu comentário!

 

*A matéria foi produzida sob a supervisão do professor Maurício Guilherme Silva Jr. e da jornalista Daniela Reis