Tags Posts tagged with "mãe e filha"

mãe e filha

0 1058

Por Bianca Morais

Em comemoração ao mês das mães, o Contramão produziu uma série de matérias muito especiais e hoje é dia da história de Roberta e Brenda, mãe e filha que são inseparáveis e passaram por um processo de superação depois que uma delas descobriu o câncer. 

Brenda Ferraz Leal Lucas tem 24 anos e a mãe Roberta Ferraz Lucas, 47. Roberta engravidou muito jovem e foi mãe solo, por isso, criou vínculo bem próximo e intenso com a filha. A Brenda, segundo palavras da própria mãe, é uma garota com qualidades ímpares e o que mais admira nela é a força e a lealdade.

A relação das duas vai além da materna. “Trabalhamos juntas, estudamos juntas e saímos juntas. Eu sempre brinco com isto, estava difícil achar uma boa amiga, então eu fiz uma”, diz a mãe.

Brenda e Roberta – arquivo pessoal

Quando se formou no ensino médio, Brenda demorou cerca de um ano para decidir qual instituição de ensinoescolher. Roberta, como mãe e amiga, sempre aconselhou a filha escolher para sua vida o que ela realmente ama. E foi com os sábios conselhos dela que a jovem ingressou no curso de Direito no Centro Universitário Una.

“Escolhi a Una e com toda certeza foi uma das melhores escolhas da minha vida. Sou fã n°1 de todo o corpo docente e a maior prova é que levei o grande amor da minha vida para a faculdade”, explica Brenda.

Já se percebe que o termo “inseparáveis” para essa dupla não é uma mera forma de falar. Sim, no auge dos seus 43 anos, influenciada pela filha e mais disposta do que nunca, Roberta também resolveu ingressar no curso de Psicologia. “Sempre estudei muito sobre o assunto, nos livros, através de vídeos na internet, sou uma apaixonada por Freud. Foi quando minha filha me disse: vá buscar o seu diploma, duvido que alguém já estudou mais sobre Psicologia que você”.

E foi assim que a insistente Brenda conseguiu convencer a mãe a estudar na mesma instituição. 

“Minha filha é uma apaixonada pela Una, assim que entrou ficou fazendo a minha cabeça para entrar também. Falou tanto que resolvi ir ver, deixei claro que só faria se fosse psicologia, não tinha o curso. Por incrível que pareça dentro de 10 dias a Una lançou o curso. Óbvio que ela não iria perder a chance de me cobrar novamente, então entrei”. 

Não existe dúvidas que quando algo é para ser, assim será. E foi o destino que se encarregou de colocar mãe e filha nos mesmos corredores da faculdade com um propósito que apenas algum tempo depois elas entenderiam.

Arquivo pessoal

No quarto período da faculdade, Roberta foi diagnosticada com câncer de mama, um dos momentos mais difíceis de sua vida. “Meu mundo caiu, mas sou uma daquelas pessoas que não desiste nunca. Em vez de pensar: Por que eu?  Pensei: Por que não eu? Passada uma semana já estava pronta para encarar a batalha”, relembra.

Mãe é aquela que protege e cuida do seu filho. Que dá a vida por ele se necessário. Em determinadas situações, no entanto, a mãe passa por problemas na vida que não consegue tomar o controle da situação, e certamente elas não se sentem confortáveis com isso. 

Roberta contou à nossa reportagem que teve um dos piores tipos de câncer, o inflamatório e triplo negativo, o médico disse que apenas 30% sobreviviam, e o mais surpreendente é em nenhum momento seu maior medo foi a doença ou o tratamento, esse ela garante que conseguiu levar de forma tranquila, principalmente por fazer psicologia e acreditar muito no poder da mente. 

Na hora em que recebeu a notícia do câncer a sua maior preocupação era “Como iria morrer e deixar a Brenda? Esse foi o meu medo, deixar minha filha”.

Em um primeiro instante, a filha apenas tinha ido ao médico para acompanhar a mãe. “O primeiro médico falou que era apenas uma mastite, a gente iria aproveitar o dia para comprar um óculos. O médico vira e diz: “Tenho uma péssima notícia, é câncer”, relata Roberta.

Para Brenda, o momento da descoberta foi a pior dor que já sentiu na vida, no segundo ela entendeu que teria que ser a pessoa mais forte do mundo para estar ao lado da mãe. Roberta relata que a filha teve uma reação incrível e inimaginável. “Ela pegou o telefone e começou as ligações para marcar exames, desconheço alguém mais forte que Brenda”.

Existem horas na vida de um filho que ele se vê na responsabilidade de inverter o papel com a mãe ou o pai. Brenda é jovem, jamais havia cogitado que sua mãe, aquela mulher que lhe ensinou a ser forte e dona si, poderia ser vítima de uma doença tão triste, mas entendeu que precisava tomar o controle da situação e estar ali para quem sempre lutou por ela. “Naquele momento eu só não queria que ela sofresse. Tentei evitar tudo que pudesse machucá-la”.

Roberta e Brenda são carne e unha. Nas palavras de Brenda “é como se fosse uma parte de mim fora de mim. Só me sinto completa ao lado dela”. No decorrer de toda a trajetória do tratamento do câncer uma deu força a outra, as duas levavam os livros para as sessões de quimioterapia e estudavam juntas, a mãe passando mal nas aulas e a filha sempre nos corredores a apoiando. 

Roberta cogitou parar os estudos pois tinha medo de continuar à toa. “E se eu morresse? Mas logo mudei de ideia, eu iria viver, meus professores e amigos da Una foram fantásticos, os meus professores e os professores da Brenda. Tive total apoio”.

Arquivo Pessoal

Duas fortalezas, uma não deixou a outra desmoronar. Brenda estava no seu 5° período de Direito e carrega consigo o dever de ser inabalável. “Eu realmente precisava ser forte como a minha mãe para poder estar sempre apoiando. Nessa época, o mundo parou para mim, tudo girava em torno de ser forte e de protegê-la”. E a mãe, por mais que estivesse batalhando pela vida, jamais baixou a guarda, “Tive que me fazer forte para não a ver cair”.

A relação mãe e filha ganha uma dimensão fora do comum quando se trata dessas duas. A forma como uma nunca deixou a outra desistir e a importância do apoio da filha foi fundamental para que a mãe não perdesse as esperanças. “Não teria conseguido sem ela”, afirma Roberta.

Durante a rotina do tratamento, Roberta relata não ter tido muitos problemas. “Estudei, trabalhei de uma forma mais lenta, mas consegui fazer tudo. Brenda nunca arredou o pé de perto de mim”. Juntas as duas passaram por momentos de muita batalha, foi a filha que cortou os cabelos da mãe. “Foi um momento tenso, mas aproveitamos para fazer vários cortes”. Uma fortalecia a outra, e conseguiam enxergar mesmo nesse período tão puxado uma luz de possibilidades.

O momento da cura foi para as duas o mais marcante do caminho que traçaram juntas. “O dia que a médica, a nossa Dra. Fernandinha, disse que deu tudo certo, foi um dia mágico, um dos dias mais felizes da minha vida”, relembra Brenda.

Roberta sempre foi uma mulher de garra, e a positividade foi um dos elementos que a ajudou na luta contra o cancer. “Hoje eu tenho a certeza da morte, antes nem parava para imaginar isto. Tendo a certeza da morte, você vive mais. Quando a morte para de ser algo distante, você entende a necessidade do agora. Você aprende a curtir momentos simples, cafés, abraços. E toma consciência da finitude”. 

Para Roberta, a filha é seu maior orgulho. “Consegui deixar uma boa pessoa para o mundo, ela irá fazer a diferença”, orgulha-se a mãe.

Para Brenda, a mãe é sinônimo de vida, se orgulha da força e coragem que vê diariamente nela. “Eu sou eternamente grata a Deus por ter me escolhido para ser filha de uma mulher tão fantástica e excepcional. Nunca consegui expressar em palavras meu amor e admiração, mas espero poder demonstrar com gestos ao longo da minha vida. Todos vão dizer que tem a melhor mãe do mundo… Eu tenho a mãe, a irmã, a amiga, a conselheira, tudo isso na mesma pessoa”.

 

Edição: Daniela Reis

Por Bianca Morais

Se o amor já é difícil de descrever, amor de mãe é impossível. Amor de mãe não se explica, não se julga, não questiona. É um sentimento que nasce ainda na gestação, quando o filho é carregado no ventre, ou mesmo naquela expectativa da adoção. O amor de mãe é capaz de superar tudo,de enfrentar qualquer barreira para apoiar a cria. 

A partir do momento em que a mulher se torna uma mãe, ela cria planos para o futuro daquela criança, ela acompanha os primeiros passos, o vê entrar na escola, na faculdade, ela consegue idealizar seu futuro, imaginar situações e traçar objetivos. 

Mas, nem sempre o filho vai seguir ou corresponder aos projetos que a mãe idealizou. Alguns não vão cursar a faculdade, outros talvez não irão ter filhos, entretanto, o sentimento daquela que o criou não irá mudar, vai se adaptar às escolhas daquele jovem adulto que um dia ela carregou no colo. 

Agora, um dos maiores medos, senão o maior de uma mãe, é ver o filho sofrer. A dor e a frustração de um filho talvez seja o maior desencantamento de uma mãe. 

Hoje, em homenagem ao Dia das Mães, o Jornal Contramão traz a história de Karen de Oliveira Carvalho, 23 anos, e Marilene Oliveira Ferreira, 49. Um exemplo de amor, empatia e proteção. 

Karen é bissexual e se assumiu para a mãe. Descobrir que seu filho não é o que planejava pode ser frustrante, agora perceber que a sexualidade dele pode ser algo que vai interferir em sua segurança é desafiador.

O Brasil é um país intolerante em relação ao público LGBT’S. E nesse grupo tão marginalizado pela sociedade, é a figura materna que pode fazer a diferença. Aceitar, amar, compreender e acolher um filho pelo que ele realmente é, é muito importante para que ele tenha força para lutar todos os dias contra o preconceito. 

E foi exatamente o amor de Marilene que fez toda a diferença na vida de Karen. 

Karen é uma menina alegre, sempre foi. Para a mãe, Marilene, é uma garota de personalidade forte, estudiosa, vaidosa e que adora dançar. Karen tem uma capacidade incrível de animar qualquer ambiente e tenta fazer todas as pessoas ao seu redor se sentirem especiais e únicas.

A relação entre mãe e filha não poderia ser melhor. A mãe, sempre muito atenciosa com a garota, sabe exatamente o que ela sente, quando precisa conversar, às vezes até quando a Karen está confusa e perdida, é a mãe que lhe dá o norte.  

“É uma ótima relação, a Karen é uma filha muito carinhosa, tem um jeito de gatinho manhoso que acaba conquistando todo mundo”, conta Marilene.

Mãe e filha sempre foram muito próximas, é aquele sentimento natural que só quem tem conhece, porém apesar dessa proximidade, por anos Karen escondeu um segredo de sua mãe, não por medo, mas receio de que de alguma forma isso mudasse algo o relacionamento das duas. 

Karen, a mãe e os irmãos

Karen tem uma orientação sexual que não é considerada tradicional por boa parte da população. Ela é bissexual, se relaciona com homens ou mulheres. Sempre sofreu com o estigma de que a bissexualidade é promiscuidade. “Sou constantemente sexualizada por homens em geral. A bissexualidade muitas vezes é confundida com bagunça. Dizem que somos confusos, que é só uma fase. Que somos mais propensos a traição, a realização de fantasias, etc. Isso incomoda bastante e enche a paciência”, desabafa. 

Devido a  todo esse preconceito, Karen carregava com ela a insegurança em contar para a mãe a verdade sobre ser quem é. “Esperei até meus 22 anos e sei que não é fácil. Eu ainda estava com o receio que quase todos temos quando estamos pra sair do armário. É algo bem individual de cada um e não culpo quem não consegue, a pressão é bem grande quando ficamos sem apoio”, ressalta a estudante de Direito do Centro Universitário Una.

Além disso, ela já havia presenciado experiências ruins com amigos próximos e conhecidos e famílias preconceituosas. E mesmo que conhecesse o jeito e a personalidade da sua mãe, ainda se sentia apreensiva. Compartilhou primeiro com a irmã, que já desconfiava de suas escolhas. “Eu não me preocupava em me esconder dela porque sabia que me apoiaria de qualquer forma”, diz ela. Foi apenas quando se sentiu segura e confortável que resolveu compartilhar com outras pessoas próximas dela. 

“Ela contou na mesa do almoço “Mãe, eu sou viada! Gosto de garotos e garotas!” Todo mundo riu bastante e foi algo bem natural”, contou Marilene.

Se Karen pudesse prever o futuro e a reação da mãe após assumir sua sexualidade, com certeza, jamais sofrido para se libertar. “Pra mim, é algo natural, não faz diferença a sexualidade da minha filha. Tenho consciência que existe muito preconceito em relação à orientação sexual dela e sei que ela é boa em se defender”, relata a mãe.

Para Marilene, seu amor de mãe sempre vai falar mais alto e está acima de tudo. De acordo com ela, o que importa é ver sua filha bem, feliz. E quanto a opinião dos outros, eles que procurem o que fazer. “Não dou liberdade para ninguém falar da minha filha. Se algum dia alguém ousar em perguntar, eu mando cuidar da própria vida” completa.

Marilene é mãe, e para ela apoiar e amar o filho é dever de todas. Segundo ela, as barreiras de qualquer discriminação devem ser vencidas com o amor e não com a ignorância. Marilene estudou para entender a sexualidade da filha e o porquê dela ter demorado a ter coragem de se assumir. 

“A falta de apoio desestrutura os LGBT’s, e pode levar a insegurança, situação de rua, consumo de drogas, problemas psicológicos e a prostituição por falta de alternativas. Eu acho que pais que não apoiam seus filhos só contribuem para perpetuar o sofrimento deles, sua casa tem que ser o seu porto seguro, se a família não apóia, fica triste e complicado. O acolhimento evita a vulnerabilidade dos filhos”, explica. 

* Karen Carvalho participa do Projeto de Extensão Una-se contra a LGBTFOBIA.

 

**Edição: Daniela Reis