Tags Posts tagged with "nerd"

nerd

Por Ked Maria

Existem várias maneiras de contar uma história, podem ser através de causos, poesias, prosas e textos, porém, quando a narrativa se une com os desenhos para transmitir uma mensagem, as coisas ficam mais divertidas, fluidas e às vezes até mais leves. As histórias em quadrinhos ou as HQs fazem parte da vida de muitos brasileiros, na volta para a casa dentro do ônibus ou do metrô, é comum encontrar algum leitor ávido por aventura imerso nas páginas desenhadas.

Wendrick Ribeiro de 23 anos, consome HQs e diz que a produção nacional é muito boa, porém falta um ar de comercialização. No cenário brasileiro as revistas em quadrinhos se restringem a publicações independentes, talvez com investimento das editoras ou instituições de mercado intensifique o que traria um aumento exponencial nas publicações. Sobre o conteúdo o publicitário ressalta que os quadrinistas buscam inspirações estrangeiras o que acaba seguindo um padrão norte-americano. Para ele, os quadrinhos estão caminhando para a democratização, “Os quadrinhos atualmente ganharam uma impulsão com a internet, porém essa impulsão fez com que alguns grupos que não tem acesso ou que não tem contato de forma complexa com a internet em sua totalidade, não conseguem serem absorvido.”

 

“Ainda não é tão democrático para quem produz, afinal os quadrinhos
que estão em evidência tem um público muito pequeno que é
de uma faixa com o poder aquisitivo um pouco maior.” Wendrick Ribeiro

 

 

As histórias em quadrinhos entraram na vida do quadrinista Luan Zuchi, ainda na infância, com a coleção da revista Tex”. “Esse encontro com o universo dos quadrinhos me fez perceber que a ilustração poderia servir para contar histórias, causar sentimentos, tocar o outro com uma boa narrativa.”, explica o desenhista  de 22 anos, que lembra: “O interesse pelas HQs veio aos sete anos, com cópias de desenhos por observação e com as tentativas de ampliar essas cópias”. O foco sempre foi desenhar quadrinhos, destaca o jovem que entrou em uma faculdade de design na busca de uma base teórica. Hoje Zuchi tem 10 histórias publicadas sobre diversos temas e seu último projeto é a HQ Kong Comics, onde o autor promete disponibilizar seus quadrinhos para a leitura digital. “Todos esses projetos foram publicados de modo independente, ou seja, eu mesmo bancando a impressão, naqueles que fui responsável por roteiro e arte também fiz o projeto gráfico e cuidei, literalmente, de todas as etapas, da ideia à venda. ”, afirma Luan.

 

“Essa fusão de imagem e texto é instigante para quem lê e traz
o indivíduo para dentro da narrativa, já que é na cabeça do leitor
que a ação sugerida nos desenhos se desenrola.” Luan Zuchi

 

A vontade de tocar o próximo, causar alguma reflexão ou risos, são algumas das razões que motivam o ilustrador, já as ideias para os roteiros variam em cada edição, como sentimentos, situações inusitadas ou até mesmo um ponto vista sobre a vida em sociedade. “Acredito que o dever de um autor é filtrar o mundo ao seu redor e entregar ao leitor o seu ponto sobre aquilo e, se tudo der certo, gerar uma reação em quem consome.”, explica Zuchi e acrescenta que os quadrinhos fazem parte da cultura assim como o cinema, o teatro ou até mesmo os livros, mas ressalta que as características de cada país afetam o conteúdo das HQs. No Brasil, por exemplo as histórias em quadrinhos são associadas ao público infantil, porém para Luan as revistinhas são suporte para contar uma história e nada impede que um adulto se envolva em uma narrativa voltada para a criançada. “Tenho percebido é que temos uma grande oportunidade, de criar quadrinhos que se conectem com as pessoas pelos seus interesses na narrativa, devido à produção diversificada que temos atualmente, de criar quadrinhos para quem ainda não consome quadrinhos seja de super heróis, infantis ou material importado e traduzido por aqui.”.

 

Dificuldades dentro das HQs

Sobre as dificuldades nas produções independentes Luan Zuchi diz que não é na produção que se encontra muitos obstáculos, mas sim na distribuição. O autor alega que a fonte de capital vem com eventos ou financiamento coletivo. Na primeira opção se tem custos como aluguel do espaço, deslocamento, hospedagem, o que impacta diretamente no lucro das vendas, já na segunda opção há um investimento muito grande de tempo e de energia que poderia ser melhor aproveitado no desenvolvimento das histórias.

Outro assunto que instiga o ilustrador é a democratização das HQs, o que foi tema de um dos vídeos postados em seu canal no YouTube. Segundo o quadrinista as histórias em quadrinhos eram vistas como cultura de massa, estavam nos jornais, nas bancas, no mercadinho ou nos postos de gasolina, eram para serem lidas a qualquer momento, por qualquer pessoa. Os quadrinhos de certa forma começaram a se afundar no elitismo das livrarias, nas capas duras e ilustradas, papel bom e preço alto. “As editoras focam no público que já consome quadrinhos e que exige edições luxuosas. Enquanto esse público, que começou a ler na banca, na rodoviária, em edições baratas, se vislumbra com a qualidade gráfica atual e aceita pagar o preço, o novo leitor em potencial acredita que não se publica mais histórias em quadrinhos, simplesmente por que elas foram retiradas do seu campo de visão.”, externa o desenhista e alega que o caminho para reverter esse fenômeno talvez seja produzir narrativas que atraem o público que ainda não lê quadrinhos, uma vez que, todos são leitores potenciais.

“O mundo inteiro está mudando e se adaptando a
esse novo capitalismo tecnológico, os quadrinhos
também estão passando por isso.” Luan Zuchi

 

Para ele há outros vetores que implicam diretamente como as editoras, distribuidoras, lojistas e consumidores, contudo Luan Zuchi acredita que as HQs possuem capacidades incríveis. “Exatamente por essa efervescência que estamos vendo nos últimos anos, com eventos e novos autores surgindo e conseguindo produzir por aqui mesmo, conquistando seu público e mantendo um contato próximo com ele por meio das redes sociais.”.

Julio Almeida de 24 anos, publicou seu primeiro quadrinho na Comic Con Experience de 2017, a revista em quadrinhos se chama “Gie, The Gift”, onde narra a história de uma bruxinha e um desafio para acertar um feitiço. “Nesta história em especial tudo aconteceu muito rápido e não teve uma etapa prévia de preparação e concepts, eu só sentei e fui produzindo uma página atrás da outra. Por trás dessa trama principal eu quis criar uma metáfora sobre amor e afetividade, o que foi bem intuitivo e fluido.”, conta o ilustrador que atualmente trabalha no quadrinho “Nico e Alf”, previsto para este ano, e diz que desta vez anda respeitando melhor as etapas e preparando tudo com mais calma.

 

Inspirar os leitores é uma das motivações de Almeida, o autor propõe reflexões em suas narrativas de uma forma que sejam honestas e que encoraja o consumidor. “Enquanto artista eu me sinto no dever de produzir algo que encante visualmente e que guie esse vislumbre do leitor para uma reflexão sobre algo que seja real no modo como a sociedade funciona ou funcionou algum dia de forma que ele se identifique em algum grau com o que está sendo contado e que essa experiência seja levada para fora da leitura do quadrinho.”, explica o jovem e acrescenta que os quadrinhos instiga a curiosidade, as percepções visuais, a imaginação, fortalece vínculos com personagens e tipos de personalidade.

Para o quadrinista as HQs no Brasil eram dominadas pela produção estrangeira, há uma ou duas décadas atrás dificilmente um título nacional ganhava destaque ou era nacionalmente conhecido se não fosse algum título do estúdio Mauricio de Souza Produções. O que está mudando, o consumo de quadrinhos nacionais cresceu bastante e vem inspirando o surgimento de novos e bons autores. “Eu acredito que estamos nos encaminhando (muito bem) para que as histórias em quadrinhos estejam enraizadas como cultura nossa mesmo, com estilo próprio, sem influências a quadrinhos americanos, europeus ou japoneses.”, afirma Julio e alega que o cenário nacional vem criando personalidade própria.

O quadrinho é sempre muito mais sobre a experiência
por trás
do desenho do que o visual em si, e essas experiências
não podem ser definidas por idade.” Julio Almeida

Dentro das principais dificuldades que o quadrinista enfrenta é a publicação e distribuição, mesmo com o mercado em crescimento há poucas editoras interessadas nesse tipo de mídia. “A principal ferramenta de publicação de quadrinhos nacionais hoje é o financiamento coletivo em plataformas como Catarse, Vaquinha, Benfeitoria, KickStarter.”, afirma ilustrador que completa dizendo que prejudica um pouco a qualidade do material impresso, uma vez que, se trabalha com orçamentos muito apertados.

Sobre a divisão entre o público infantil e o adulto, Almeida diz que o quadrinho é muito rico e diverso, existem cada vez mais títulos com mensagens poderosas. “Eu acredito que essa definição hoje só existe na questão de “classificação indicativa”, pois realmente existem títulos com conteúdo que não são apropriados para o público infantil. Mas, fora esses casos específicos, no geral é uma grande besteira essas divisões.”.

0 783

Por: Kedria Garcia Evangelista

O Carnaval de Belo Horizonte vem crescendo a cada ano, em 2016 a Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG), registrou cerca de dois milhões de pessoas. Esse ano, batendo o recorde de público, foram três milhões de foliões nas ruas da capital. Com mais de dois meses para o Carnaval de 2018, a expectativa é grande e os preparativos já começaram, como o cadastramento de blocos de ruas no site da Prefeitura de Belo Horizonte.

Diversidade | Nerds também curtem carnaval 

O bloco de rua Unidos da Estrela da Morte, que desfila desde 2016 na capital, surgiu a partir do fã clube de Star Wars chamado Conselho Jedi Minas. Dani Aayla, professora e fundadora do bloco, conta que a ideia nasceu entre um grupo de amigos, que decidiram compor o cenário de BH no período carnavalesco de uma forma incomum. “Digo incomum porque os membros do fã clube são pessoas mais reservadas, gostam em sua maioria de outro estilo musical que não vão de encontro com o ritmo da referida data, preferem ficar em casa a sair para “baladas” e recebem até um rótulo muito conhecido: são nerds e geeks.”, explica a idealizadora, que conclui dizendo sobre a adaptação da trilha sonora do filme, Guerra nas Estrela, unindo ritmos diferenciado com músicas e temas de outras obras.

Marlon Spielberg de 26 anos, técnico em radiologia é fã da franquia Star Wars desde a infância e hoje integra a bateria do bloco Unidos da Estrela da Morte. Spielberg confessa que não tinha uma relação muito próxima com o Carnaval, passou a ter mais contato com a festa após conhecer o grupo que convoca todos os nobres guerreiros para a folia. “É muito gratificante participar do bloco nesses dois anos, nunca foi fã de carnaval, mas como se tratava de Star Wars, fiz um esforço para participar e fui surpreendido.”, afirma o radiologista ao mencionar a organização e a sensação de familiaridade.

Laila Rezende de 33 anos, nutricionista, conta como foi sua participação do bloco Unidos da Estrela da Morte. “Acho o carnaval de BH muito lindo, muito democrático. Conheço Star Trek e Star Wars desde criança, gosto muito das duas franquias e adorei participar do bloco, porque junta a cultura nerd e o Carnaval, fica uma coisa bem brasileira.”, outro fator que o Unidos leva destaque é no quesito é na diversão. “Gosto também porque não é um bloco muito grande, dá pra se divertir sem se preocupar, dá até pra levar crianças.” conclui.

Créditos: Conselho Jedi Minas

Desafios | O lado negro de colocar seu bloco na rua

Segundo a organizadora Aayla, o grande desafio para o Unidos da Estrela da Morte colocar o bloco na rua, é a sonorização. “Somos poucos músicos, com instrumentos que não são ligados em tomadas e as caixas de som fazem muita falta, pois acreditamos que se a qualidade do som fosse melhor, a experiência dos participantes seria ainda mais intensa e inesquecível. ”, a professora conta que a cada ano a vizinhança se mostra mais solidária e receptiva, assim como os foliões, que comparecem em grande número e fantasiados de personagens conhecidos ou com trajes inusitados.

Segundo Marlon, o Carnaval de BH é diverso, onde todos podem se divertir, desde crianças até idosos. Ainda assim a falta segurança é um problema “São diversos relatos de furtos e arrastões que ocorrem durante a passagem dos blocos.”, alerta o baterista. A PMMG constatou que nos cincos dias de festa, o número de roubos caiu 42% em relação ao ano passado. Laila observa que há poucas lixeiras espalhada pela cidade, “Há pouca lata de lixo durante o carnaval, a gente anda muito tempo tentando achar um lugar pra jogar fora as coisas.”.

A organização promove campanhas nas redes sociais alertando sobre a limpeza da cidade, além de ter pessoas responsáveis por recolher o lixo antes da partida do bloco. “Essas iniciativas dá sentido à festividade, visto que ir com um bloco para a rua não consiste apenas em vestir um traje diferente e beber.”, explica a organizadora à respeito sobre os pedidos verbais e e-mails da prefeitura, incentivando as campanhas sobre limpeza e preservação de patrimônio, disque denúncia, outras sobre sexo seguro, respeito a opções sexuais. “A PBH dá apoio aos blocos, incentiva campanhas de valorização a respeito, educação e cuidados com a saúde mesmo durante o auge da euforia do carnaval, nos sentimos amparados e bem orientados. ”, alega a organização.

0 676
Por: Kedria Garcia

As revistas em quadrinhos têm sua origem nas charges e nos cartuns, que se baseiam no humor ou na crítica. A palavra Comics é uma expressão inglesa que pode ser traduzido ao pé da letra como “cômico”. O papel do negro dentro deste universo se apresentou inicialmente bastante limitado em personagens jocosos e/ou coadjuvantes. Ainda assim a presença negra esteve presente desde o início, ao longo da história a discriminação e o preconceito foram se embrenhando no meio, emergindo em narrativas que colocavam o negro com inteligência limitada.

A primeira mudança veio quando Orrin C. Evans, jornalista negro norte-americano, reuniu artistas para lançar a All-Negro Comics, primeira HQ – História em Quadrinhos, produzida por afro-americanos. O protagonismo negro veio à tona com os movimentos que exigiam direitos civis, juntamente com a luta e resistência de líderes como Luther King e Malcom X, e os movimentos sociais como os Panteras Negras e os Black Powers. Vendo um terreno fértil as editoras lançaram revistas relacionadas ao tema criando super-heróis negros e com notoriedade.

                                                               Black Lives Matter têm origem nos movimentos raciais dos Estados Unidos, com o lema Vidas Negras Importam é direcionado
ao combate à violência contra negros. A hashtag #BlackLiveMatter
surgiu nas redes sociais em 2013, após o segurança George Zimmerman
ser absolvido do crime que resultou na morte do adolescente afro-americano
Trayvon Martin
morto por um tiro no peito disparado pelo vigilante.
A insatisfação saiu do virtual e se espalhou em diversas manifestações,
trazendo o tabu do racismo para uma conversa séria e franca.

 

Black Lives Super Matter Collab

O projeto Black Lives Super Matter Collab com curadoria de Wendrick Ribeiro, reuniu 80 ilustradores voluntários para ilustrar personagens negros no universo nerd.  “O desejo de promover o projeto veio da importância da resistência no universo nerd e como ele pode ser o canal para criar um diálogo com o público consumidor de cultura pop.” Relata o idealizador, que complementa dizendo que há um alerta para o discurso da diversidade e a representatividade na mídia.

As divulgações dessas artes começaram no dia 18 de setembro nas redes sociais, em menos de duas semanas a fanpage no Facebook recebeu quase 800 seguidores e avaliações positivas dos usuários. Além das postagens favoráveis de blogs e veículos da área dos quadrinhos.