Tags Posts tagged with "palácio das artes"

palácio das artes

0 677
Foto: José Sérgio

A peça fica em cartaz até dia 19 de dezembro com entrada franca

  • Por: Italo Charles

Transitar entre o individual e o coletivo, transmitindo pensamentos sobre modos de existência, levando ao público uma parcela de desconstrução e referências do que permeia na cidade de Belo Horizonte, possibilitou a criação  de “Vinte”, peça encenada pelos alunos formandos do 3ª ano do curso Técnico em Teatro do Centro de Formação Artística e Tecnológica (Cefart).

 

Dirigida por Márcio Abreu, diretor da Companhia Brasileira de Teatro, e com os diretores assistentes Lydia Del Picchia e Rafael Bacelar, a obra apresenta aos espectadores um aclamo à sociedade que se desenvolve a partir de movimentos do mundo atual.

 

O processo de construção do espetáculo surgiu de forma orgânica após o convite dos formandos à Márcio em 2018. “Partimos de dois princípios, investigar as impossibilidades e a partilha, como um campo possível de convivência, de pensamentos a respeito do que é comum dentro de uma experiência artística quanto pública, na dimensão que isso se dá nas nossas relações sociais”, comentou Tomás Sarquis.

 

De acordo com Rafael Bacelar os atores foram divididos em núcleos e participaram de todo processo. “Os alunos estiveram presente desde a elaboração e construção dos textos que se deu de forma individual e coletiva até a execução do espetáculo no palco”. Para o ator Davds Lacerda a divisão da turma em núcleos foi uma oportunidade muito rica de estar imerso no trabalho para além da atuação. “Participei do núcleo de produção por pedido meu, por interesse na área e foi uma experiência muito interessante”, completa.

 

Já o ator Arthur Barbosa participou do núcleo de cenografia e afirma: “Em primeiro momento fiquei em dúvida entre dois núcleos, o de cenografia e figurino. Mas por ter muito interesse na área de cenografia e já ter formação em Edificações, o Márcio sugeriu que eu ficasse no de cenografia”.

 

Encenado por vinte atores e atrizes, a montagem tem início no exterior do Teatro. Uma performance dá vida a primeira cena interpretada por Arthur, nela os espectadores são convidados a percorrerem um trajeto com destino ao Palácio das Artes. “O texto dessa cena partiu de um pedido do Tomás Sarquis (participante do núcleo de dramaturgia), como um exercício. Fiquei responsável por inserir o meu contexto diário dentro do trajeto, brincando com a questão de existir tantos palácios, porque nossa turma sempre esteve conectada com Palácios”,  comentou Arthur.

 

Já no interior do Teatro, as luzes se apagam e uma voz surge, “ouve, ouve  o rumor?”, uma súplica à sociedade sobre o que está acontecendo ali dentro e lá fora. Marcados pelo espaço e tempo, as cenas partem da particularidade  para multidão. Fragmentos da dança, música e performance tomam conta do palco.

 

Repleto de cenas reflexivas, a montagem leva ao público o contexto da nudez como quebra de paradigmas. A cena em que o ator Davds aparece nu sobre uma bicicleta durante a fala de Vinny sá, leva a plateia uma experiência de observação. “Acho que a imagem gerada nessa cena é muito bonita. Me instiga a forma como o teatro traz a nudez para um lugar de naturalidade, são apenas corpos, como o meu e o seu, é importante ao meu ver, que saibamos observá-los com naturalidade e respeito”, comentou Davds.

 

A partir de uma cartografia de Belo horizonte, com mapas, ruas e histórias ocultas a cena central acontece. Segundo Tomás, “A passagem pode representar três críticas”. Marcado por grandes acontecimentos da cidade, a cena é narrada por seus moradores contando as histórias não oficiais.

 

“Silêncio por favor, enquanto esqueço um pouco a dor no peito”, trecho da música “Para ver as meninas de Marisa Monte”, marca a passagem em uma das cenas finais, com o desejo que o público ouça o que está acontecendo no contexto atual.

 

Serviço

 

A peça fica em cartaz até o dia 19 de dezembro. Sendo terça, quarta e quinta às 20h, na Sala João Ceschiatti – Palácio das Artes

A entrada é franca, com retirada de ingresso uma hora antes do espetáculo.

*A matéria foi realizada sob a supervisão da jornalista Daniela Reis

O domingo (08), marcou o terceiro dia do LUMIAR no Cine Humberto Mauro no Palácio das Artes. Com a segunda exibição das Sessões de Primeiros filmes e Mostra Competitiva Interamericana, foi possível assistir animações, documentários e ficções vindas do México, Argentina e Brasil às 14 e 18 horas. Entre os 8 filmes exibidos na Mostra Competitiva, um dos destaques foi o filme produzido por Mauricio Ferreira, Miúdo, que aborda músicas de Chico Buarque ao contar a história do casal João Pedro e João Hollanda.
O curta ganhou formato devido a um trabalho de faculdade realizado por Mauricio Ferreira e seu amigo Felipe Lovo. Eles deviam criar um produto audiovisual para ser avaliado no semestre e escolher quais seriam as disciplinas que os avaliariam, e uma dessas escolhas era a edição de som, o ponto principal que deveria ser explorado pelos universitários de Pernambuco. “O tema veio a seguir. O cinema pernambucano tem um tratamento peculiar sobre os corpos masculinos, no qual “quebra” com o clichê da construção enquanto forma dos corpos femininos dentro do cinema clássico, o que não se trata apenas de uma temática homossexual, mas sobretudo ao corpo masculino. Os dois atores, Adolfo Delvalle (paraguaio) e André Macedo (brasileiro) – e que eram casal na vida real quando gravamos o curta – tanto nos inspiraram quanto contribuíram para o desenvolvimento das personagens e do roteiro”, afirma Ferreira.

A escolha quanto as músicas de Chico Buarque, aconteceu porque o diretor é fã do cantor e via como uma oportunidade desconstruir o estigma de que as músicas feitas por Buarque embalassem apenas os relacionamentos heterossexuais. Para Ferreira, a composição de Chico Buarque aproxima a complexidade dos casais, sejam elas as orientações que forem. “Como sou um fã obstinado do músico e compositor, dei-me a liberdade de desconstruir os elementos formais das músicas e associá-las a um casal homossexual. A ideia não era erguer uma bandeira explícita sobre a questão de autoafirmação a orientação sexual, mas sim naturalizar aquela relação entre as personagens João Pedro e João Hollanda. Claro que é necessária essa luta – via audiovisual – pelo direito e liberdade da orientação sexual, porém as vezes entendo que apenas mostrar a luta pela liberdade da orientação sexual de maneira explicita, acaba por deslocar o homossexual ainda como o “outro”, cujo alguém ainda a vier a ser livre.”

As filmagens tiveram duração de cinco dias, mas não consecutivos, já que os equipamentos deveriam ser revezados com outros alunos do mesmo módulo de Ferreira. A edição e o tratamento do som também tiveram um intervalo de cinco a seis dias.
Após a apresentação do projeto em sala de aula, surgiu a necessidade do projeto não somente ser válido como avaliação. “O encontro com o Lumiar se deu dentro dessa busca por festivais universitários complacentes com o contexto de produção universitário. No mais, queríamos que o curta e o tema fosse disseminado festivais afora. Afinal estamos a um ano de completar a faculdade e já é hora de apresentarmos algo fora das paredes da Universidade. O Festival Lumiar, coincidentemente, foi o primeiro festival ao qual o inscrevi e, por sorte, foi o primeiro a seleciona-lo.” Após o LUMIAR, o curta Miúdo produzido por Ferreira, foi selecionado para outros dois festivais. “Sendo o Festival Lumiar o primeiro festival a selecionar o nosso curta, seguramente a relação da equipe com esse festival será carinhosamente mais afetiva do que com os outros festivais. Além disso, o Festival Lumiar tem o diferencial de carregar o subtítulo de Interamericano, ou seja, um reconhecimento importante para nós no que tange o circuito não só do Brasil,” finaliza.
A terça-feira (10) marcará o início da Mostra Panorama Interamericano, tendo em sua primeira exibição os filmes vindos do México e Argentina, além disso terá continuidade da Mostra Competitiva e a Retrospectiva Beto Brant, com o filme Cão sem dono.

Por Julia Guimarães

Foto: Gael Benitez

Dia de Los Muertos

11221462_10208293373639106_6878490173196784919_n
Foto: Divulgação

O Arcângelo Café promove mais uma de suas festas undergrounds, agora em especial a comemoração do Dia dos Mortos. Com rodada dupla de tequila e rabo de galo, a mesa de som é comandada pelo Dj Dáblio Slama. Ah, a festa é a fantasia e tem prêmio pra melhor!

ONDE: Arcângelo Café, no Edifício Maletta, Rua da Bahia 1148.

QUANDO: Sábado, 07/11, a partir das 20h.

QUANTO: De graça.

MAIS INFORMAÇÕES: AQUI

 

Festival Luminária

11217584_1160193717342339_271886641587935060_n
Foto: Divulgação

Já em sua segunda edição o Luminária é um festival exclusivamente colaborativo, que reúne e conecta imagem, música, pessoas e movimento, valorizando a arte como um todo e democratizando o seu fazer a partir de ações no espaço urbano. Com instalações, mini mostras de curtas, Djs e feirinha com venda de produtos artísticos.

ONDE: Museu Mineiro, Av. João Pinheiro, 342.

QUANDO: Sábado, 07/11, a partir das 12h.

QUANTO: De graça.

MAIS INFORMAÇÕES: AQUI

 

Praia da Estação Especial #FORACUNHA

12195810_486722678175987_8087567012925823749_n
Foto: Divulgação

A badalada praia da estação volta em clima de protesto, com a junção do ato contra Eduardo Cunha e o projeto de lei 5069. A concentração começa na Praça da Liberdade às 9h e desce para a Praça da Estação até 12h.

ONDE: Praça da Liberdade até Praça da Estação.

QUANDO: Domingo, 08/11, 9h.

QUANTO: De graça.

MAIS INFORMAÇÕES: AQUI

 

 

Lumiar – Festival Interamericano de Cinema Universitário

11817258_1604769893109414_2142659539107030245_n
Foto: Divulgação

Em sua segunda edição, o Lumiar, festival realizado pelo curso de Cinema e Audiovisual do Instituto de Comunicação e Artes do Centro Universitário UNA, terá exibição de filmes em diversas mostras, palestra, debate e oficinas. Oferecendo um panorama da produção universitária de diferentes países das Américas do Norte, Central, Sul e Caribe.

ONDE: Cine Humberto Mauro (Palácio das Artes – av. Afonso Pena 1.537, Centro), nas dependências do ICA|UNA (campus Liberdade – Rua da Bahia, 1.764, Lourdes), no Teatro do ICBEU (campus Liberdade – Rua da Bahia, 1.723, Lourdes) e na Benfeitoria (Rua Sapucaí, 153, Floresta).

QUANDO: 6 a 12 de novembro.

QUANTO: De graça.

MAIS INFORMAÇÕES: AQUI

 

15 Anos do Festival Internacional de Bonecos

Foto: Guto Muniz
Foto: Guto Muniz

Em comemoração a 15ª edição do evento, Guto Muniz, fotógrafo oficial do Festival, propõe uma exposição fotográfica retrospectiva. Com duzentos e cinquenta fotografias em alto acabamento, que resgatam todos os espetáculos que se apresentaram, reafirmando assim, a grande abrangência do festival.

ONDE: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450 – Funcionários).

QUANDO: 4 a 22 de novembro.

QUANTO: De graça.

MAIS INFORMAÇÕES: AQUI

 

 

 

O universo do mestre do suspense  (1899-1980) chega à capital mineira  com a mostra “Hitchcock é o cinema”, cartaz de hoje até 5 de setembro, no  Cine Humberto Mauro. Os admiradores do cineasta poderão assistir na telona os 54 filmes do diretor inglês e outras além de 94 produções feitas para a televisão, entre as décadas de 1950 e 1960.

 

A atração de hoje é a apresentação Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, sob regência do maestro Marcelo Ramos que interpretará da trilha de abertura da mostra composta por Patrick Cohen, 25. Na parte da manhã desta quarta-feira (31), a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, ensaiou juntamente com as cenas dos filmes que serão exibidos, à noite.

 

A sensação para quem assiste ao ensaio da orquestra é de entusiasmo e emoção, pois além de ser a primeira mostra de Hitchcock na cidade é também a primeira junção de música erudita, ao vivo, acompanhando as cenas mudas do primeiro filme de Alfred Hitchcock, O jardim dos Prazeres (1925). Os ingressos para a apresentação de hoje já se encontra com ingressos esgotados.

 

O maestro Marcelo Ramos explica que o humor britânico de Hitchcock ajuda no usos dos instrumentos, mas é um desafio conferir som a filmes mudos.  “Para essa apresentação a música composta muda de tempo, constantemente, por ser mais longa que o filme, mas isso é apenas um aperitivo que atrai a atenção. Já sabia dos contratempos e até ajudei no alerta.”, explica.

 Por Aline Viana

O Palácio das artes recebe a apresentação Jingle Jazz 2012, trabalho do grupo Happy Feet Jazz Band. O Show faz uma releitura de canções natalinas de grandes compositores como Bing Crosby, Frank Sinatra, Ella Fitzgerald e Nat King Cole. A nova roupagem dada a essas músicas explora o improviso característico do Jazz, mostrando toda a versatilidade sobre as tradicionais músicas desse período do ano.

A banda é constituída por Chon Tai (voz), Marcelo Costa (trompete), Bo Hilbert (bateria), Yan Vasconcellos (contrabaixo) e Fred Natalino (arranjos) e a proposta é  criar um novo hábito no público belo-horizontino. “Nossa intenção é trazer para o público uma tradição que já é comum nos Estados Unidos.”, comenta o trompetista Marcelo Costa, ao se referir às produções natalinas norte americanas, onde artistas gravam CDs específicos para essa época do ano.

De acordo com Costa, a apresentação que acontece pela terceira vez e nos anos anteriores o público que assistiu ao show variou entre crianças e adultos. A primeira apresentação foi realizada no Espaço OI Futura e pela segunda vez será realizado no Palácio das Artes.

Por Ana Carolina Vitorino e Hemerson Morais

Foto Divulgação

Serviço

Jingle Jazz 2012
Data: 15/12/2012 às 20h30
Local: Grande Teatro do Palácio das Artes
Classificação: Livre
Preço: Plateias I, II e Superior:  50,00 (inteira); R$25,00 (meia)
Informações para o público:  (31) 3236 74 00

Os ingressos podem ser comprados também pela internet no site

O Palácio das Artes recebe nos dias 30 de novembro e 1° de dezembro, shows e palestras que fazem parte do BH Beatle Week, um festival que ocorre todo ano na cidade de Liverpool, na Inglaterra, e agora chega à capital mineira. O evento contará com a participação de bandas que irão homenagear o quarteto inglês, como o Grupo Voz e Cia Big Beatles e a Orquestra Ouro Preto.

No dia 1° às 15h, na Sala Juvenal Dias, o público poderá assistir à palestra com o autor do livro Magical Mystery Tours – Minha vida com os Beatles, Tony Bramwell, que conviveu com os integrantes da banda, e a brasileira Lizzie Bravo que gravou a canção Across the Universe com o grupo. Além do show com a banda Pocket Beatles.

Para os fãs do 4Fabs, como são conhecidos, o evento é uma oportunidade de estabelecer contato com mais histórias da banda. “Sou muito fã dos Beatles. Sempre que posso, vou a algo relacionado a eles. Exposições, shows de bandas cover”, declara a estudante de jornalismo Evellen Barrows.

O festival ainda contará com convidados especiais e uma atração surpresa.

Confira a programação completa do BH Beatle Week.

Por Ana Carolina Vitorino e Rute de Santa

Foto: Divulgação do evento