Tags Posts tagged with "pandemia"

pandemia

0 84
Crédito: Pixabay

Por Grégory Almeida

Essencial significa aquilo “que constitui o mais básico ou o mais importante em algo; fundamental”. Até aí, ok. Se pesquisarmos uma frase com a palavra, fique certo de que a famosa citação do aviador francês Antoine de Saint-Exupéry saltará aos olhos. No livro, O Pequeno Príncipe, há um diálogo, entre uma raposa e o principezinho, muito relevante sobre a nova palavra de nosso cotidiano. Conhecida por sua astúcia, a raposa se gaba por se deixar guiar pelos sentimentos. Ela acredita que a intuição – no caso dela, o instinto – deve guiar as decisões, e não a razão. E aí vem minha indagação: o que você julga essencial para você próprio deve servir como régua para “o meu essencial”? Pensemos nisso. Ah, leia o livro. O clássico não é só para misses.

Em dias de pandemia, vivemos uma dualidade de sentimentos sobre o certo e o errado. Um conceito cai em minutos, há erratas a todo momento, e, no fim, nos resta contar mortos.  Os dias estão difíceis. Claro que a gente vai ouvir, de alguns super-heróis, que a tal gripezinha não lhes afetou. A estrutura psicológica desses caras foge da realidade. A pandemia reforçou a ideia do ignorar, do desligar da realidade pra não pirar. Ignore esses caras e não pire.

Seguimos. Abre e fecha de comércios, abre e fecha de igrejas. Um abre e fecha disso e daquilo. Protocolos estabelecidos por “grandes nomes”, que regem nossas vidas. Podemos e devemos analisar as decisões pelo caminho da capacidade política de ponderar o cenário, por erro de gestão, por conjurações políticas, pelos tais favores que eles sempre devem, e até pelo seu voto (faça sua autoanálise), mas, talvez, não precisemos analisar seguindo o conselho da raposa do livro: “o essencial é invisível aos olhos”.

Qual o caminho? Talvez ninguém, saiba. A única certeza é que erramos como sociedade. Fecha comércio e empresários vão à falência. Abre comércio e o número de infectados e mortos aumentam. Eu já ouvi: “Se eu não trabalhar, como vou comer?”. Mas não seriam estes que estão levando o vírus para casa? Quem sabe? Já ouvi, também: “As pessoas que querem as igrejas fechadas, evangélicas e católicas, não sabem o poder da fé”.

Mas a bíblia é enfática em dizer: “É melhor ir a uma casa onde há luto
do que a uma casa em festa”. E os versículos seguem nos Eclesiastes. Pois te pergunto: Quem está certo? Pois é, não se sabe. E é claro que temos inúmeros outros serviços essenciais não citados por este que escreve. A intenção, aqui, não é sobre definir certezas, e, sim buscar alternativas para amenizar a dor de todos. Mesmo porque os questionamentos precisam de contexto. E lembre-se; amenizar a dor de todos. Isso mesmo; de todos.

Ao pensar em “todos”, é emergencial implorar aos eleitos que não desprezem a ciência, nem barganhem com ela. Ela, sim, é essencial. Ao seguir as falas do que já ouvi, um engenheiro mecânico me indagou sobre minha decisão por tomar a vacina. Afirmei: “Acredito na ciência!”. Ele respondeu: “Que ciência?”. Ao pensar em todos, teremos de nos preocupar, também, com os “instruídos”. Eles também votam. Alguns deles gostam de contar números de recuperados, e não de óbitos. O que não me parece ser o cenário que mudará a situação. Afinal, os nomes nos obituários estão ficando entre os nossos conhecidos, nos próprios bairros e nas ruas de cima.

Hoje, não teremos respostas e acho que nem precisamos. A gente quer é passar por tudo isso e sobreviver. Quem será aplaudido, não sabemos, mas o alvo de todas as críticas, sim. É preciso pensar que nunca seremos um país sério enquanto estivermos polarizados. Minha barraca de água de coco não é menos importante que sua empresa. Mas, se seu direito de ir e vir me traz um vírus mortal, não é sobre essencialidade que estamos falamos; é sobre você não saber usar seus direitos. Quem pode fica em casa. Quem não pode sai, mas assumindo riscos. E assumir riscos torna a linha tênue sobre “o seu essencial” não ser “o meu essencial”.

Pra fechar: a raposa não é racional, mas o príncipe, sim. E ele decidiu repetir a frase, para guardar na memória.

– Adeus, disse a raposa. Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos.

– O essencial é invisível para os olhos, repetiu o principezinho, a fim de se lembrar.

Qual essencial? “O meu ou o seu”?

 

*Edição: Professor Mauricio Guilherme Silva Jr.

Créditos: Freepik

Por Arthur Paccelli

A pandemia da covid-19 trouxe consigo uma das maiores mudanças comportamentais da história. A maior e mais eficaz recomendação das autoridades de saúde é ficar em casa, o que resultou em reviravolta na rotina de trabalho de milhões de pessoas ao redor do mundo. Basicamente, todo serviço possível passa a ser feito em casa.

Home office antes da pandeia, para muitos, era uma realidade distante. Muitos acreditavam ser impossível fazer o trabalho fora do escritório. Diante de um cenário cujo ato de sair de casa se transformou em sinônimo de correr riscos, não houve outra escapatória a não ser aderir.

Historicamente, o ambiente do lar é associado a um refúgio de tudo aquilo que nos desgasta e nos estressa no mundo externo. Ouvimos, desde sempre, que não se deve levar trabalho para casa. A “cultura” de desmembrar, radicalmente, a casa do trabalho gerou resistência e delonga na adaptação ao novo modelo.

Isto é, nosso subconsciente percebe a casa como ambiente de descanso. Logo, o foco no trabalho é afetado, não somente pela mudança do ambiente, claro, mas, também, devido ao clima de incertezas de uma pandemia. Não se pode negar que um local tranquilo propicia uma experiência de trabalho melhor.

Pessoas que moram sozinhas, geralmente, não veem problemas, e até preferem o home office. Por sua vez, aqueles que moram com a família, ou têm crianças em casa, por exemplo, encontram dificuldade de adaptação e preferem ir ao escritório. Isso se reflete na situação daqueles que não detêm espaço silencioso e calmo, separado do restante da casa, para trabalhar.

Inúmeros trabalhadores não têm sequer uma estrutura de mesa e cadeira adequadas para o exercício da função. Assim também ocorre no contexto de regiões de periferia, onde não há rede de internet de boa qualidade.

A jornada de trabalho, talvez, tenha sido a que mais sofreu alterações. Como não é mais considerado o tempo de deslocamento de casa à empresa, o trabalhador “ganhou” horas a mais. Em diversos casos, o expediente começa um pouco mais cedo, e só termina quando as demandas acabam, pois não há mais aquela pressa para ir embora.

Uma vez que o motivo de não sair de casa – nem para trabalhar – seja prevenir-se de uma doença, não há o que questionar. A verdade, contudo, é que trabalhar em casa, como tudo da vida, tem dois lados. Os prós e os contras do home office são bem correlatos: ainda que dispensar o uniforme, o dress code, e poupar o tempo do transporte possam ser agradáveis, não ter interação direta com os colegas, ou com o chefe, pode ser estressante, principalmente, em trabalhos de equipe (situação, aliás, da maioria).

Em tese, o modelo de trabalho em home office exige, acima de tudo, paciência, organização e foco. Não podemos romantizar as atuais circunstâncias, pois os desafios são diários. Em meio à atual crise socioeconômica global, é de grande valia ter um emprego. Voltaremos aos escritórios sabendo valorizar e apreciar o melhor dos dois mundos.

 

*Edição: Professor Mauricio Guilherme Silva Jr.

0 122

Por Bianca Morais

Desde o ano passado, o mundo enfrenta dias muito difíceis com a pandemia do coronavírus. Isolamento social, desemprego, dificuldades financeiras, são apenas alguns dos vários problemas que atingem a população. O fechamento de espaços de convívio público como parques, praças e shoppings, com o objetivo de evitar aglomerações, que é uma das principais formas de contágio do vírus, tem afetado e muito a saúde mental das pessoas. 

O Centro Universitário Una, além de ser uma instituição de ensino, carrega também certas responsabilidades sociais como a de promover ações para a cidade onde se localiza o campus. Levando em conta esse momento que passamos e como uma forma de levar um pouco de alegria e diversão a população, a Una Itumbiara criou o Cine Drive. Um evento gratuito para os moradores da cidade e arredores, que promoveu não apenas divertimento, como saúde e bem-estar, nesse período tão complicado.

O Cine Drive aconteceu no dia 26 de agosto de 2020 e exibiu duas sessões de filmes, uma infantil com o Rei Leão, e outra adulta com Minha Mãe é Uma Peça 3. A ideia do evento partiu da liderança comercial da Una Itumbiara, Mariella Alves, junto com o coordenador e professor do curso de engenharias, Gesmar Junior, que desenharam a ação e levaram até a gerente do campus Erika Costa e juntos criaram estratégias para fazer o Cine Drive.  

Segundo a gerente da unidade, Erika Costa, a Una chegou a cidade de Itumbiara com o propósito de transformar a vida pela educação, mas também com propostas de ações para a comunidade. “Seja de entretenimento, voltada para a área da saúde, para a parte de agrárias, e outras áreas as quais tem curso na cidade, a gente está sempre promovendo ações que favoreçam nossa comunidade de alguma forma.”, diz ela. 

A instituição conseguiu movimentar a cidade de Itumbiara, a prefeitura local aceitou a parceria e concedeu o estacionamento onde foi feita a exibição dos filmes. O lugar foi todo demarcado com um propósito de distanciamento entre os veículos, ainda com o apoio da prefeitura, foi proibido ambulantes e vendas fora dos automóveis para evitar aglomeração fora dos veículos. 

Os ingressos foram adquiridos de forma online e retirados dias antes do evento, com horário marcado. Os patrocinadores do Cine Drive se uniram e criaram um kit cinema que continha um balde de pipoca e squeeze, para chegarem equipados ao evento, e o mais importante, sem precisar sair do carro. 

Os cidadãos de Itumbiara ficaram muito felizes com o evento que proporcionou uma experiência incrível, diversão e a quebra da rotina do isolamento. O Cine Drive, conseguiu reunir com todas as medidas de cuidado e segurança divulgadas pela OMS, 450 carros e cerca de 1500 pessoas em um único dia.

A prática do cine drive-in, muito famosa antigamente, principalmente na década de 70, e com a pandemia e a necessidade de distanciamento social retornou ao Brasil. Ao cinema muita gente já foi, agora a experiência de drive in para muitos ali presentes deu-se pela primeira vez. Dentro do carro o áudio dos filmes eram sintonizados pela rádio via FM, os espectadores viam o longa na tela gigante e vivenciava o som dentro do veículo, com certeza uma experiência única para quem esteve presente.

A iniciativa da faculdade Una cumpriu seu papel social como instituição de ensino e levou à comunidade uma oportunidade de lazer com segurança, em um período que muitos anseiam por isso de distrair a cabeça, bem-estar físico e mental. 

*Edição: Daniela Reis

0 144

Por Italo Charles

 

Ao contrário do que já aconteceu na história, 2020, com certeza, foi um ano atípico para a maior parte da população mundial. A começar pelo surgimento de um vírus que mais tarde, ao se proliferar, causaria uma das maiores pandemias já vividas e, posteriormente, com a rápida disseminação em diversos países as relações seriam afetadas.

Visto que a melhor tática, inicialmente, seria optar pelo isolamento social, os relacionamentos em vários âmbitos sofreram alterações. Empresas tiveram que criar métodos para possibilitar aos prestadores de serviços o trabalho remoto, a população teve que se adaptar ao novo modelo de vida permanecendo em casa e só saindo caso fosse necessário.

Espaços de convívio comum passaram a ficar vazios, corporações fecharam suas portas, comércios sofrem com a falta das vendas. Esses, entre outros, fatores viabilizaram novas maneiras de comunicação e aproximação para a manutenção da vida, de certa forma, saudável.

Neste contexto, a mídia e os canais de comunicação se adequaram para transmitir aos espectadores e usuários informações precisas e conteúdo de entretenimento e, a partir dessas modificações foi possível perceber o crescimento exorbitante de mídias digitais.

As redes sociais, nesse período, cresceram significativamente como instrumentos para amenizar a distância física entre pessoas e, também, como atalho para os processos trabalhistas.

Outrora, os aplicativos de vídeo chamada não eram tão usados como em 2020. Escolas, empresas e universidades passaram a utilizar esses sistemas para dar continuidade ao trabalho feito, seja em aulas, palestras, reuniões e afins. 

Mas, para além dos aspectos profissionais, o mundo começou a se conectar dia após dia através dos canais digitais, fossem eles por: videochamada, aplicativos de mensagem ou redes sociais.

O que antes era vivido por meio da presença física, encontros e toques começou a se tornar experiências virtuais, validando então os dilemas da aproximação. Dessa forma, os contatos, relacionamentos e encontros conquistaram novos formatos.

 

0 122

*Por Moisés Martins

Desde a descoberta do vírus SARS-CoV-2, conhecido como Covid-19, a humanidade passa por momentos difíceis, esse ser invisível foi capaz de mudar a vida e o destino de todos.

Logo, uma das medidas de segurança adotada pelo governo de Minas, foi esvaziar as escolas públicas e privadas. Eu pergunto: Onde estão nossas crianças, aquelas que muitos dizem ser o futuro da nossa nação?

Eu busco respostas para essa pergunta todos os dias, ao olhar pela janela e ver uma escola completamente abandonada, a alegria que aqui existia tomou lugar para o silêncio e uma solidão sem fim. Os gritos e as conversações cessaram, por aqui é como se o tempo estivesse parado.

Durante o dia os pássaros cantam, e a noite ouço o estridular dos grilos, uma sinfonia animal tomou conta dos espaços que antes eram habitados por jovens e crianças do ensino médio e fundamental. Quando chega a noite, as luzes tentam iluminar o lado mais sombrio de uma escola vazia, é uma tristeza que parece não ter fim.

Com a ajuda de fenômenos da natureza, principalmente as chuvas, os matos têm crescido cada vez mais, e a poeira nos vidros das janelas aparenta cada vez mais um ar de lugar esquecido.

Nossas crianças, estão “presas” dentro de casa, ligadas ao mundo virtual e circundadas da tecnologia, enquanto os pais se submetem todos os dias a pegar conduções completamente lotadas para ir ao trabalho, correndo sérios riscos de terem contato direto com o vírus. Hipocrisia? Talvez!

Mas a economia precisa se manter, os pais e mães de família precisam levar alimento para dentro de casa, e a educação e o ensino se mostram cada vez menos importantes nesse país capitalista que visa somente o lucro.

Em casa, só os que possuem acesso a internet recebe informações e aulas online, uma pesquisa publicada em 29 de abril de 2020 pela Agência Brasil, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), juntamente com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – Tecnologia da Informação e Comunicação

(Pnad Contínua TIC), mostra que uma em cada quatro pessoas no Brasil não tem acesso à internet. Em números totais, isso representa cerca de 46 milhões de brasileiros que não acessam a rede, um número bastante expressivo.

Em 2020 fomos pegos de surpresa, sofremos e tivemos muitas perdas, foi um ano muito difícil, mas acabou! E nele ficou toda a angústia e frustrações causadas pelo vírus.

O ano de 2021 chegou, e junto com ele a esperança da vacinação. Temos vacina! Ufa, que alívio. Agora, será quanto tempo mais nossos jovens vão demorar para retornar às escolas? Quanto a essa resposta, acredito que vamos ter que aguardar mais um pouco, já que o público jovem ainda não é prioridade no calendário de vacinação.

Aguardamos ansiosos para que todos os brasileiros se vacinem, e junto a isso, nossas escolas voltem a funcionar, cabe aos nossos governantes criar um plano de ação para que o ensino presencial volte gradativamente, e os alunos possam começar a correr atrás do prejuízo e do tempo perdido. Dias melhores virão, e em breve nossas escolas vão estar prontas para receber os alunos novamente, o sol há de brilhar e toda alegria perdida será restabelecida. Que não percamos a esperança!

0 336
Educadores e pais se reinventam para dar suporte às crianças nesse modelo de ensino remoto

*Por Bianca Morais

A realidade do ensino online já existe há anos, o famoso EAD (Ensino a Distância), sempre foi bem funcional principalmente para o público adulto. Cursos superiores muitas vezes eram procurados por pessoas, que sem muito tempo para frequentar uma aula presencial, optaram por realizá-la no computador.

Atualmente grande parte dos estudantes, crianças, adolescentes e adultos, do país se encontram em uma realidade forçada, tendo essas aulas de forma remota como alternativa para as cidades onde as escolas e faculdades permanecem fechadas devido à pandemia do coronavírus.

Se muitas vezes já era difícil o ensino online para adultos, que de certa forma conseguem manter o foco, imagine para as crianças?

A partir de hoje e nas próximas quartas-feiras o Jornal Contramão irá trazer uma série de reportagens sobre como esse ensino virtual está sendo visto pelos principais envolvidos na cadeia da educação.

Lugar de criança é na escola

Nathalia Fernandes Reis, 34 anos, é professora do ensino fundamental há 11 anos e hoje leciona na rede privada de ensino.

Para a educadora uma das questões mais desafiadoras tem sido a preocupação em alcançar os alunos, principalmente aquelas crianças com necessidades especiais, com dificuldades de aprendizagem, carências emocionais, entre outros diversos grupos que precisam de atenção. De acordo com ela, dentro das escolas era muito mais fácil perceber e sentir o que a criança passava e observar seu desenvolvimento, o ensino online, no entanto, criou uma barreira para isso.

“Foi como andar na escuridão”, diz a docente.

Existem dois grupos de alunos dentro de uma sala de aula, aqueles que conseguem aprender de forma e tempo natural e os que necessitam de um olhar mais sensível e uma maior atenção. Em sua vivência educacional, Nathália percebeu que essas crianças que inspiram cuidados neuropsicopedagógicos sofreram grandes déficits e acumularam lacunas no processo de aprendizagem durante esse momento de aulas pela internet.

A forma de ensino precisou ser repensada nesse momento de pandemia, lugar de criança é na escola, com um profissional qualificado ao seu lado, para lhe orientar e dar todo o suporte necessário. Além da presença do educador, é claro, que os pequenos precisam dos colegas,afinal são entre eles que acontece a troca de experiências, a criação de laços e o mais importante, o crescimento e a diversão. A realidade enfrentada agora é outra e ficou nas mãos desses profissionais buscas novas ferramentas para rever e inovar o ensino, pois nem todas as práticas que funcionavam anteriormente se aplicam no sistema remoto.

 

“Nesse período, comprovamos que o professor precisa mesmo elaborar um “circo” para atrair as crianças. Brincadeiras à parte, o que percebemos é que a ideia de que o professor precisa envolver o aprendiz ao que se propõe a ensinar nunca fez tanto sentido como agora. É preciso colocar o estudante dentro do contexto do conteúdo e mostrar o sentido daquilo tudo em sua vida, seja do Português, da Matemática, da Geografia, etc. Para isso, foi necessário utilizar ferramentas que despertavam o interesse das crianças, como os jogos online ou os passeios virtuais, por exemplo” conta Nathália.

Para o momento atual, além da alfabetização das crianças, os profissionais da educação tiveram também toda uma mudança em sua rotina, precisaram se adaptar a como dar aula online. Aqueles que não eram habituados a ferramentas digitais precisaram se recriar para esse novo mundo.

“Professores são heróis e seu principal poder é o conhecimento”. Essa frase nunca foi tão forte. Em meio a uma pandemia mundial, eles não desistiram de levar aprendizado a quem precisa, mesmo com os obstáculos do home office, às condições de cobertura digital doméstica (que muitas vezes não é suficiente para sustentar tantos dados e programas por tantas horas de trabalho). Se a realidade agora é essa, eles procuram a melhor maneira de lidar com ela.

Nathália relata como esse momento foi de grande crescimento em sua vida.  Ao invés de se desmotivar, ela procurou se reinventar para fazer a diferença. Mas reconhece, que na realidade, nem todos os profissionais pensam por esse lado. “Desejo que mais profissionais carreguem essa vontade para alcançar as crianças de todos os cantos”, desabafa. 

Um outro ponto que muito é discutido no que diz respeito às aulas remotas, mais particularmente no ensino privado, é o valor da mensalidade, que além de não ter descontos ainda sofreu reajustes neste ano. Nathália explica um pouco dessa situação e de início ela entende que a atual situação financeira do país não é fácil, o Brasil vive sim um momento de crise e desemprego, porém é necessário analisar o valor da hora/aula dos professores, assim como os materiais utilizados.

“Além desses aspectos, é importante considerar a readequação que as escolas precisaram realizar para essa nova experiência: não há os mesmos custos de manutenção com o espaço da escola, mas em muitas instituições aplicaram grandes investimentos em equipamentos para professores e plataformas para permitir o ensino remoto”.  

O sistema de educação no Brasil vive um momento bem delicado, não é hora de apontar dedos e procurar desentendimentos, é momento de se unir e buscar formas que diminuam ao máximo o impacto das crianças não irem às escolas. Muitas delas passaram a ter atendimento especializado com as famílias e algumas fizeram até drive-thru com a proposta de alunos matarem as saudades dos professores.

Na instituição em que Nathália leciona os profissionais tentaram manter alguns eventos de formas alternativas para não quebrar o laço do aluno com o lugar.

“A escola tentou manter suas atividades de forma adaptada ou representativa, como um evento cultural on-line no formato cada um faz o seu em casa, aula comemorativa sobre a tradição da vida no campo e a Festa Junina, campanhas de Natal no formato drive-thru”.

O caos do ensino público

Joyce Mariano, 48 anos, manicure e depiladora, vive uma realidade muito diferente da contada por Nathalia. Joyce é mãe de Bernardo Henrique, de 7 anos, aluno do ensino fundamental da rede pública de ensino.

Durante a pandemia, Joyce teve que virar uma espécie de professora para o filho. Diferente do suporte que o ensino privado disponibilizou, a escola pública apenas enviava às aulas por áudio no whatsapp e uma apostila. Ficava a cargo dos responsáveis repassá-los da melhor maneira à criança. A mãe recebia o material para orientar o ensino ao filho e a única cobrança da professora e da instituição era que as respostas estivessem escritas no caderno.

Bernardo ainda não é uma criança alfabetizada, por isso, a mãe usava todas suas tardes, de 13 até às 17 horas para ajudar o menino com seus exercícios. Joyce não tem nenhuma formação na área e acabou sendo atingida por uma das maiores dificuldades dos pais em circunstâncias como essa, ela não soube lidar com a situação e o desgaste fez com que ela desistisse.

“Chegou um momento que assim, eu encerrei, eu não conseguia mais, porque ele ficava estressado, eu ficava estressada. Eu gritava muito com meu filho, eu vou ser muito sincera, eu tive momentos de pânico”, desabafa.

Joyce não era responsável por ensinar Bernardo mas o peso caiu sobre ela, o ambiente doméstico tira muito a atenção das crianças, e ainda têm as suas responsabilidades diárias de uma chefe de família, seu emprego e cuidar da casa e dos outros filhos. Jamais se pode culpar uma mãe por não ter se esforçado. Escolas e professores existem para passar conhecimento, para ensinar, e a pandemia tirou isso de muitos.

O sentimento de impotência tomou conta de Joyce por muitas vezes, a falta de recursos, o fato de não conseguir matricular seu filho em uma escola particular em meio ao caos da educação pública. A falta de suporte é algo que atinge diretamente esses pais que sem outras opções são obrigados a aceitar aquilo que o governo oferece. Além disso, Joyce tirou o dinheiro de seu bolso para imprimir os exercícios enviados pelo aplicativo Whatsapp, pois acreditou ser uma forma de facilitar para o filho, e mais,  ainda teve que investir na instalação da internet na sua casa, pois não tinha.

Bernardo hoje está no terceiro ano do ensino fundamental, mas a mãe afirma que não viu evolução no filho desde quando começou o isolamento social e Bernardo ainda cursava o segundo ano. 

“No final eu tive que acelerar, fazer algumas respostas para ele, para conseguir entregar o material lá na escola da data marcada”, confessa a mãe.

A questão a se pensar agora é muito séria. Em algumas cidades brasileiras as aulas presenciais estão de volta, o que se torna um grande alívio para os que poderão entregar a alfabetização dos filhos a quem realmente entende do assunto. Porém, ao mesmo tempo que as aulas presenciais são essenciais a crianças em formação, o medo da exposição ao Coronavírus é real. A vacina chegou para alguns, mas não para as crianças, fazer com que elas não tirem a máscara, por exemplo, será um grande desafio a se enfrentar. A certeza de que desde pequenos o ensino é fundamental na vida de qualquer um irá ser a chave para se alcançar o mais rápido possível a segurança para todos voltarem à escola, quanto a quando isso será de fato realmente cem por cento garantido apenas o tempo irá dizer.