Tags Posts tagged with "PBH"

PBH

Resultado de pesquisa técnica realizada em 1995 demonstra as possibilidades de uso do solo urbano na cidade para novas linhas do metrô.

Membros do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Ministério da Ciência e da Tecnologia (PADCT) realizaram um estudo sobre as condições geológicas da cidade de Belo Horizonte. Criado e desenvolvido para determinar as condições do subsolo da cidade, o documento foi entregue para o então prefeito de Belo Horizonte, Patrus Ananias.

Produzido através da parceria entre a prefeitura de BH e a Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (FUNDEP) e do Departamento de Geologia do Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o estudo foi o resultado de análises técnicas em geotecnia, hidrogeologia, geologia básica e projetos de intervenção urbanística.

Desde então, ao longo de 22 anos e 4 prefeitos que passaram pela gestão municipal da cidade (Patrus Ananias, Célio de Castro, Fernando Pimentel e Márcio Lacerda), nada foi feito em relação às obras de ampliação subterrâneas do metrô de BH. Ao longo dos últimos anos, o que se viu, foram frustradas tentativas de criar planos para dar continuidade à reforma que, de alguma forma, foram esquecidas ao longo do tempo.

É o caso das perfurações ocorridas em 2012: máquinas, tapumes e trabalhadores realizaram prospecções em pontos estratégicos da cidade para avaliar as condições de comportamento do solo. À época, a empresa Progeo Engenharia foi a responsável pelas obras, ao lado da Metrominas, empresa criada em 1997 para gerir o metrô e vinculada à Secretaria de Estado de Transoportes e Obras Públicas do estado de Minas Gerais (SETOP-MG).

Faltam obras na sobra de gestão

Um dos membros do programa que participou da elaboração do estudo é o engenheiro geólogo, Edézio Teixeira de Carvalho, 70 anos. Ele se recorda de alguns detalhes que foram entregues, na época. “Em 1995 fizemos o trabalho que importou na realização do mapeamento geológico, o mapeamento de problemas geotécnicos e ambientais da cidade. Até hoje a prefeitura utiliza algumas referências desse estudo para o uso e ocupação do solo ou para realização de novos projetos”, explica.

Dentre os projetos mencionados por Carvalho, existe a ampliação do metrô. Ele afirma que BH possui todas as condições geológicas necessárias para receber as linhas subterrâneas. “Já sabíamos dessa condição há mais de vinte anos (com a realização do estudo) ”. Para ele, o problema de algumas cidades no Brasil é que, ao contrário de outros lugares no mundo, que constroem o metrô de forma continua ao longo dos anos, por aqui, as obras acontecem por gestões (políticas). “Enquanto um mandato não tem verba prevista, as obras ficam paralisadas. Isso é muito grave”, opina.

O engenheiro-geólogo, Edézio Teixeira de Carvalho apresenta alguns dos relatórios que desenvolveu ao longo da sua carreira: “As Veias Abertas do Solo Brasileiro e o Meio de Fechá-las” e “Iniciação de um Geodependente – A Hora de tomar os Cordéis”. Ele é um dos responsáveis por elaborar o estudo do solo de Belo Horizonte, em 1995 e entregue à prefeitura da cidade. Fotografia: Lucas D’Ambrosio.

Na cidade de Lisboa, por exemplo, ao longo das décadas de 1950 e 2010 foram realizadas obras de ampliação na linha do metrô que atualmente possui 44,2 Km. Porém, não é preciso atravessar o oceano para comparar o atraso que permeia o metrô belo-horizontino, que hoje, é administrado pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). Na cidade de Recife (PE), seu metrô também é gerido pela mesa companhia. Por lá, os trilhos conseguiram progredir. Enquanto o metrô mineiro possui uma linha, com 19 estações e consegue atender uma demanda diária de 210 mil passageiros, na capital pernambucana, o metrô possui três linhas subdividas em seis, com 29 estações e transporta diariamente uma média da 400 mil passageiros.

Linhas transversais: uma solução?

Nos últimos anos, algumas sugestões foram levantadas para a melhoria do transporte urbano de BH, dentre elas a possibilidade de instalar os monotrilhos pela cidade. Para Carvalho, essa não seria a melhor alternativa. “Não sou o engenheiro construtor do metrô. Sou o geólogo preocupado com as condições da sua instalação. Porém, acredito que o monotrilho não será eficiente, por BH não ser uma cidade plana. Fazer um trajeto ondulado é muito mais complicado do que fazer linhas sub-horizontais”, afirma.

Mapa da cidade de Belo Horizonte, constante dos estudos apresentados à prefeitura de BH em 1995 com as hipotéticas linhas transversais de metrô. A sugestão: linhas que possam alimentar e ser alimentada pelas vias radiais que existem atualmente na superfície da cidade.

 

Para ele, o que resta é uma sugestão: linhas subterrâneas de metrô que sejam transversais às vias superficiais. “BH possui um sistema radial de vias. Este tipo de sistema pede um metrô que irá abastecer ou ser abastecido por elas. Não faz sentido um metrô percorrer de forma paralela uma avenida”. Sobre as expectativas de ver as obras concluídas algum dia, Carvalho finaliza com um sorriso: “Não verei o metrô de Belo Horizonte ampliado. Não tenho perspectivas de ver essa construção pronta”.

Reportagens anteriores:

BH continua na espera pela ampliação do metrô

Os metrôs da CBTU

Fotografias e Reportagem: Lucas D’Ambrosio

5 anos de mais um capítulo da história de esquecimento do metrô de Belo Horizonte.

Quem transitava pelas ruas de Belo Horizonte no dia 7 de fevereiro de 2012, em pontos como a Praça Sete, irá se lembrar daquele dia. Logo ali, na esquina da rua Carijós com a avenida Amazonas, no coração da cidade, um conjunto de tapumes, maquinários e operários realizavam perfurações para análise da viabilidade geológica do solo. Uma placa afixada revelava o propósito da operação: “O Metrô é a Solução”.

Cinco anos depois, o que restou foi a desilusão da população belo-horizontina. Lá se vão mais de 30 anos desde a inauguração da única linha metroviária da cidade. De 1986 até hoje, planos para reformá-la pairam no imaginário esquecido da capital mineira. Gestão após gestão, promessas não cumpridas, corte de orçamento, jogo de empurra entre prefeitura, empresas administradoras e Governo Federal, criam desculpas que impedem a tão sonhada ampliação do metrô de BH.

Linhas de metrô em Belo Horizonte. Fotografia: Lucas D’Ambrosio

Durante dois anos, a diarista Wanderleia Maria da Silva, 46, utilizou o metrô para trabalhar. No seu trajeto, ela também utilizava uma linha de ônibus para ir da estação em que descia até o bairro do seu trabalho. “Entre metrô e ônibus, prefiro o metrô. É muito melhor, não tem trânsito e é mais rápido”, comenta.

Sobre as obras que ocorreram em 2012, ela se lembra com pesar das promessas não cumpridas pelo então prefeito, Márcio Lacerda. Nas vésperas do pleito eleitoral que o reelegeram, as obras se tornaram uma lembrança para a população. “Lembro que fizeram umas perfurações pela cidade, ali na Afonso Pena. A gente via todos os dias aquele tanto de gente trabalhando, furando o solo. Isso cria uma confiança de que o metrô seria ampliado e até agora, nada. Ninguém fala mais nada sobre isso”, lamenta.

Apesar de ainda ter esperanças da conclusão da ampliação do metrô, ela acredita que não verá as obras prontas. “Entra político, sai político e eles não dão esperança, não dão continuidade em buscar realizar essa obra. Se um começou, o outro deveria dar continuidade. Seria bom para a gente, que precisa desse tipo de transporte, todos os dias para poder trabalhar”, conclui.

A linha solitária

As obras do metrô foram iniciadas no ano de 1981. Cinco anos depois, as operações comerciais foram iniciadas e, na época, englobavam seis estações ao longo da cidade (Eldorado – Lagoinha). O trecho inicial de 10,8 Km iniciou com três trens disponíveis para a população. Entre o final dos anos 1980 até o começo dos anos 2000, a atual linha do metrô foi integrada com outras estações, inclusive de ônibus, e hoje funciona em 19 locais ao longo de 28,2 Km. Diariamente, cerca de 210 mil passageiros são atendidos. O último investimento, realizado em 2015, se deu com a aquisição de 10 novos trens, o que representou um aumento de 40% na frota, que aumentou para 35 unidades, ao custo R$171,9 milhões.

Fotografia e Reportagem: Lucas D’Ambrosio

0 538
Coleta de lixo é retomada em bh - Foto: Dilvugação

A coleta de lixo em Belo Horizonte, foi retomada nesta quarta-feira, 30, após o chefe da Seção de Saúde e Segurança no Trabalho da Superintendência Regional do Trabalho em Minas Gerais (SRTE/MG), Marcos Henrique da Silva Junior, ter interditado o transporte de garis na traseira do caminhão de lixo na segunda-feira, 28.  

“A interdição foi feita para a Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) e vale para todas as empresas vinculadas. Em caso de descumprimento da interdição, vamos lavrar auto de infração e encaminhar para os órgãos públicos para tomar as providências, inclusive criminais”, disse Júnior.

A SLU havia informado que o documento emitido pelo SRTE estaria sendo analisado pelas equipes técnica e jurídica da superintendência, para que medidas cabíveis fossem tomadas. A Prefeitura de Belo Horizonte também informou em nota na terça-feira, 29, que iria recorrer da decisão do SRTE, através de uma liminar, pois, segundo eles, a coleta na capital mineira é feita da mesma forma há 30 anos.

“Que é importante ressaltar que a coleta de resíduos em caminhão compactador, com o sistema ora interditado pela SRTE-MG, é o mesmo utilizado nas cidades brasileiras de médio e grande porte e em diversos outros países, com a condução de garis coletores no estribo traseiro, tendo em vista a praticidade operacional e a agilidade. Em Belo Horizonte, essa forma de coleta é feita há, pelo menos, 30 anos;”, explica.

O que acabou resultando em uma discussão iniciada pelos dirigentes do SRTE/MG e da PBH que suspenderam a medida temporariamente e retomando as atividades ontem, quarta-feira.   

A medida que foi tomada nesta segunda-feira, 28, foi aprovada após uma fiscalização iniciada em outubro deste ano, que apontou riscos graves para a profissão. Segundo a SRTE/MG além dos perigos que os trabalhadores enfrentavam o horário e condições de trabalho estavam irregulares.

“A partir de hoje (segunda-feira,28), a forma de transporte no estribo está proibida e é uma interdição sem prazo determinado. A empresa tem agora 10 dias para protocolar no Ministério do Trabalho um recibo com a assinatura de todos os coletores e motoristas, informando que eles têm ciência da interdição”, explica a auditora fiscal do Trabalho, Carolina Mayr.

A SLU tem 650 funcionários terceirizados e 10 efetivos, e a notícia não agradou alguns trabalhadores, de acordo com um funcionário que preferiu não ser identificado, “não dá para fazer a coleta com dois. Tem que ser quatro e, na cabine, só cabem dois. Isso só vai piorar”, reclamou. E você o que acha dessa decisão do SRTE/MG? Responda nosso formulário com a sua opinião. 

Texto: Amanda Eduarda

O resultado das eleições municipais de 2016 surpreendeu a população belorizontina. No domingo, 02, os eleitores da capital mineira foram às urnas para elegerem o novo prefeito da cidade, bem como, os vereadores que irão compor a Câmara Municipal.

Com a apuração total das urnas, dos onze candidatos ao posto máximo do Poder Executivo de BH, dois deles irão disputar o segundo turno das eleições, Alexandre Kalil (PHS) e João Leite (PSDB).

Na Câmara Municipal de Vereadores, uma mudança significativa irá ocorrer a partir do ano de 2017. Até então, apenas uma mulher ocupava uma das 41 cadeiras na casa legislativa de BH, Elaine Matozinhos (PTB). Agora, serão 4 mulheres representando a população: Áurea Carolina (PSOL), Cida Falabella (PSOL), Nely do Valdivino (PMN) e Marilda Portela (PRB).

Além disso, houve uma renovação de 56% dos vereadores que irão conduzir os rumos legislativos da cidade. Dos 41 que ocupavam a casa, 38 deles tentaram a reeleição. Deste número, somente 18 conseguiram o feito.  

Crise política reflete nas urnas

Após um período de instabilidade política no país, o recente pleito eleitoral apresentou números que representam a desconfiança dos eleitores com os atuais políticos que já cumprem mandatos eletivos como também, àqueles que irão disputar suas cadeiras nas casas legislativas e executivas municipais.

Em Belo Horizonte, a soma das abstenções, votos nulos e brancos ultrapassaram os números totais recebidos pelos dois principais candidatos à prefeitura (710.797), contabilizando 741.915. Desses, 417.537 foram de abstenções, 215.633 votos nulos e 108.745 em brancos.

Nas ruas da cidade, as pessoas demonstram o descontentamento com o quadro que se apresentou nas eleições da cidade. Camile de Oliveira, 21, é estudante e comentou sobre o assunto, “Realmente esse ano as eleições me surpreenderam. Eu vi que o número de votos nulos e brancos superaram os votos tanto de João Leite quanto de Kalil o que é uma vergonha, mas também mostra que a população está sendo mais criteriosa.“.

Otávio Viggiano, 65, professor e jornalista acredita que a cidade poderá ganhar com a eleição do novo prefeito. “Conheço o Kalil e o João Leite há mais tempo, porque meu irmão trabalhava no Atlético. Conheci (os candidatos) fora da política e pelo o que eles faziam dentro do Atlético e, com a boa vontade que tinham para manter um bom time, vão poder usar isso para a política. Vai ser uma maravilha.”, relembrando os tempos em que os candidatos estavam envolvidos com um time de futebol.

O segundo turno das eleições municipais de Belo Horizonte será realizado no dia 30 de outubro. Até lá, os candidatos João Leite e Alexandre Kalil irão tentar costurar novas alianças e estratégias para conseguir atrair os votos, principalmente, daqueles eleitores que não votaram no primeiro turno.

“Não tenho grandes expectativas para o segundo turno mas espero que vença o que realmente vai fazer mais pela nossa cidade, que vai trabalhar de verdade, pensando que está ali fazendo um trabalho pela população e não por ele próprio.”, afirmou a professora e eleitora Jussara Borges.

Fotografia: Lucas D’Ambrosio

Reportagem: Gabriella Germana e Lucas D’Ambrosio

Misturando poesia, politica e pipoca o vendedor Washington Silvestre, 40, chama a atenção de quem passa pelo Centro Cultural Banco do Brasil, na Praça da Liberdade, com poesias e contos colados em seu carrinho. O pipoqueiro, que também é escritor e compositor, sonha em gravar um disco independente e publicar um livro com suas obras.

A ideia de colar os textos surgiu, segundo ele, da vontade de fazer com que as pessoas conhecessem os seus ídolos literários e passassem a ler mais, “com isso faço com que as pessoas, conheçam o que há de bom na literatura brasileira e passem a gostar”.


Antes de se aventurar como vendedor o ambulante trabalhava como gari e afirma ser essa sua profissão. Como perdeu seu emprego, Silvestre resolveu então vender pipoca para se sustentar, “Eu corria atrás de caminhão daí perdi o emprego e resolvi vender pipoca deu certo e estou aqui até hoje”, declara.

Recentemente ele encontrou mais um obstáculo para seu trabalho. A fiscalização da Prefeitura de Belo Horizonte o proibiu de trabalhar em dias de grandes eventos no entorno da praça alegando que o local é patrimônio tombado e vendedor nenhum pode ficar num raio de 50 metros, correndo o risco de tomarem o seu carrinho. A solução encontrada por Washington foi organizar um abaixo assinado e entrar com uma ação pedindo uma liminar para trabalhar em eventos maiores, pois segundo ele, tem o dobro de lucro que nos dias normais, “As vezes a fiscalização tira vendedores de outros pontos que vêm aqui somente em grandes eventos e eu acabo sendo prejudicado”.

DSC_0005
Na foto Washington Silvestre e seu carrinho de pipoca.

Washington morou na rua por três anos, onde acabou se envolvendo com drogas, e encontrou na literatura incentivo para retomar sua vida. Além de poesias ele escreve músicas e espera um dia poder gravá-las. Desde que começou a trabalhar como pipoqueiro passou a usar o espaço para divulgar também as suas obras, onde escreve sobre amor e problemas sociais que ele acompanha de perto.

Animado, Silvestre sonha com o sucesso: “ainda vou conseguir viver somente da minha arte, é isso que eu quero”, finaliza.


Texto e foto: Felipe Chagas

A prefeitura de Belo Horizonte (PBH) organizou na manhã de hoje, 24, a 1° reunião ordinária do Conselho de Mobilidade Urbana (COMURB), no Museu Histórico Abílio Barreto. O objetivo do encontro era explicar a população o aumento das passagens de ônibus de BH e região metropolitana decretadas no final do ano passado.

Enquanto os olhares da maioria das pessoas estavam voltados para as festas de fins de ano, Natal e Réveillon, a PBH anunciava o aumento da tarifa do transporte público de R$ 2,85 para R$ 3,10 (linhas que interligam as estações com o centro). Além dessas, a passagem que custava R$ 2,05 (linhas circulares e alimentadoras) aumentou para R$ 2,20 e a que era cobrado R$ 2,85 agora custará R$ 3,10 (tarifa de integração com o metrô).

Em dezembro de 2014, a prefeitura justificou o aumento alegando também a alta nos serviços necessários realizados pela BHTrans. Entre eles está o reajuste do salário dos motoristas e o óleo diesel.  A composição da tarifa de acordo com a empresa administradora dos transportes e trânsito na capital se divide em: 45% para o pagamento dos trabalhadores da empresa; 25% para o combustível dos veículos; 25% com gastos relacionados aos veículos; 5% com despesas administrativas; 5% com rodagem. Outra justificativa, comunicada na reunião é a reavaliação anual das passagens que está no Contrato de Concessão dos Serviços de Transporte Convencional.

Frotas

De acordo com a BHTrans, nos dias atuais, os usuários do transporte coletivo contam com 3.077 veículos, com uma média de 3,5 anos de idade; 305 linhas de ônibus; 27 mil viagens realizadas por dia útil. O que ainda assim, não satisfaz a população. Os integrantes do Coletivo Tarifa Zero, presentes na reunião apresentaram reclamações como as más condições do transporte.

A integrante do grupo que luta pelo transporte como direito social, Letícia Domingues, comenta as conclusões que teve sobre a reunião. “A gente tem que pensar que hoje foi feita uma demonstração técnica de como ocorreu o último reajuste, que foi atrasado. Não foi no dia estipulado pelo contrato e foi feito por um agente incompetente”, comenta. Além dessa questão, ela ainda ressalta que em 2014 houve dois reajustes. “Por que dois reajustes em 2014?. O discurso que foi colocado aqui nessa reunião é um discurso bastante impessoal e conservador, pra não entrar nos pontos mais polêmicos”, declara a representante. Domingues concluiu alegando falta de compromisso dos coordenadores da empresa responsável.  “A gente acaba tendo espaço pra falar, mas a nossa experiência têm mostrado que os resultados efetivos são bem poucos. Sempre se fala que vai encaminhar que vai levar em consideração, mas quando a gente vai ver nada muda”

Tentamos contato com a BHTrans, mas ela não quis se pronunciar.

Texto e fotos por: Ítalo Lopes