Tags Posts tagged with "Praça da Liberdade"

Praça da Liberdade

Trecho de "O Eixo" - Fotografia/Divulgação

Revivendo os áureos tempos das telas de cinema projetadas ao ar livre, o evento Mini Festival de Webfilm irá preencher a noite de sábado, 16, em pleno inverno belo-horizontino. Idealizada pelo Coletivo Luminária, a primeira edição do festival reunirá webfilmes produzidos por nomes do cenário independente nacional e internacional. As projeções serão realizadas na calçada, na escadaria e no quintal do espaço do BDMG cultural, localizado na rua da Bahia 1600, no Circuito Cultural da Praça da Liberdade, região centro sul da capital mineira.

Com entrada franca, as projeções do festival terão início às 18h e irá proporcionar ao público a oportunidade de conhecer 40 trabalhos de animações, curta metragens, documentários, fashion filmes, ficções e vídeo performances nacionais e internacionais, todos com classificação Livre. De acordo com a organização do evento, o principal objetivo deste festival é a ocupação do espaço urbano através da utilização de formas audiovisuais criativas além da consolidação de um ponto de encontro para os apreciadores dos trabalhos audiovisuais.  

Em meio à programação, uma série desses trabalhos foram produzidos por autores de Belo Horizonte. Dentre eles, o curta “BH no Ritmo da Luta”. Com produção e direção de Dandara Andrade, nele é abordado o contexto do carnaval da cidade que, a partir do ano de 2009, voltou a receber os tradicionais bloquinhos de rua. Com um engajamento político, os bloquinhos tomaram novamente o espaço urbano e ultrapassaram os limites da Avenida do Contorno, hipercentro da cidade, para alcançar novos espaços da região metropolitana de BH.

Dandara Andrade é formada em comunicação social e jornalismo, especializada em cinema e iniciou os trabalhos com audiovisual na emissora Rede Minas. Atualmente, é diretora de produção da Gabiroba Vídeo e produz documentários e vídeos educativos. Ela comenta sobre o processo criativo de direção do curta, “eu já era stalker do carnaval de rua de BH e a Mariana Fantini, que trabalhava conosco e teve participação fundamental no projeto, também estava ligada na importância e militância que a juventude vinha desenvolvendo antes e durante o feriado festivo. A ideia foi buscar a resposta para uma pergunta que estava se tornando comum por aqui: de onde veio esse carnaval? Queríamos mostrar que aquela festa nunca tinha morrido e ia muito além da folia e do entretenimento. Desejávamos mostrar como o carnaval de rua era, na verdade, de luta.”, completa.

Assim como outros eventos da cidade, o carnaval de BH se tornou um momento de representatividade política e social que, a partir dos anos de 2008 e 2009, voltou a mobilizar uma quantidade significativa de adeptos. ela explica um pouco da importância política na abordagem desse tema em um trabalho audiovisual, “acho que BH no Ritmo da Luta é um registro muito útil para nos lembrar sempre, enquanto cidadãos-foliões, de onde viemos, para quê viemos, porque e onde queremos chegar com esse movimento e suas revoluções e, consequentemente, com a relação que construímos com a cidade.”, comenta Andrade sobre o papel em que o documentário pode atender.  

Mini Festival de Webfilm

O festival é uma oportunidade, também, para os adeptos e apreciadores do estilo. A utilização da internet para a promoção e divulgação dos trabalhos realizados de forma independente é tido como uma alternativa de acesso ao mercado. Andrade pontua, “Coletividade. Juntar a sua turma, unir suas experiências, técnicas e estruturas, em busca de uma produção que traga sentido para sua vida e toque de verdade aqueles que terão acesso a ela – acredito que esse seja o primeiro passo. É óbvio que o fomento governamental ao audiovisual está crescente, mas, não podemos ficar dependentes dele, por isso, ter atitude de pegar e fazer é extremamente importante. Acho interessante também que quebrem o mito da glamourização do cinema e da direção e abram a cabeça para a internet, para as “lentes sociais” e para a responsabilidade que temos ao registrarmos e exibirmos algo. Nesse caso, a mensagem é mais importante que o meio.”, finaliza.  

Fotografia/Divulgação
Divulgação

Reportagem: Lucas D’Ambrosio

Exposição "Pintando a Natureza", de Yara Tupinambá, apresenta trabalhos inéditos da artista, de paisagens de Minas Gerais.

Após seis décadas de trabalhos e uma trajetória de prêmios e reconhecimento internacional, a artista mineira Yara Tupynambá irá comemorar o conjunto da sua obra com uma nova exposição na cidade de Belo Horizonte. Intitulada Yara Tupynambá – Pintando a Natureza, a exposição irá apresentar ao público mineiro um trabalho inédito em que a artista, no auge da vida com seus 84 anos, apresenta a natureza de Minas Gerais através de suas pinturas paisagistas. Com entrada gratuita, a exposição ocorre na Casa Fiat de Cultura, localizada no Circuito Cultural da Praça da Liberdade, região centro sul de BH, entre os dias 14 de junho até 24 de julho.

A artista, responsável também pela curadoria da mostra, irá apresentar 48 telas, divididas em quatro séries: Vale do Tripuí, Rio Doce, Serra do Cipó e Inhotim. Em cada uma delas, um trabalho documental representando paisagens de Minas é retratado por meio de pintura em tela. As obras pertencem ao acervo pessoal da artista e é fruto de um trabalho que se iniciou em 2005 e finalizado ainda em 2016.

Nascida em 1932, na cidade de Montes Claros, região norte do Estado de Minas Gerais, Yara Tupynambá é um dos principais nomes das artes plásticas do Brasil. Reconhecida pelos seus trabalhos em grandes painéis, a sensibilidade da artista transcende o conteúdo de suas obras abordando temas presentes na cultura do seu estado natal, Minas Gerais. Trabalhos como A Imprensa, localizado na Casa do Jornalista, região central de Belo Horizonte e a obra, Inconfidência Mineira, realizado no prédio da reitoria da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) são exemplos vivos de alguns desses trabalhos e influências da artista.

Informações da Exposição:
– 14 de Junho até 24 de Julho
– Casa Fiat de Cultura – Praça da Liberdade, 10 – Bairro Funcionários, Belo Horizonte/MG
– Entrada gratuita

Texto e Fotos: Lucas D’Ambrosio

Foto: Gael Benitez

Dia de Los Muertos

11221462_10208293373639106_6878490173196784919_n
Foto: Divulgação

O Arcângelo Café promove mais uma de suas festas undergrounds, agora em especial a comemoração do Dia dos Mortos. Com rodada dupla de tequila e rabo de galo, a mesa de som é comandada pelo Dj Dáblio Slama. Ah, a festa é a fantasia e tem prêmio pra melhor!

ONDE: Arcângelo Café, no Edifício Maletta, Rua da Bahia 1148.

QUANDO: Sábado, 07/11, a partir das 20h.

QUANTO: De graça.

MAIS INFORMAÇÕES: AQUI

 

Festival Luminária

11217584_1160193717342339_271886641587935060_n
Foto: Divulgação

Já em sua segunda edição o Luminária é um festival exclusivamente colaborativo, que reúne e conecta imagem, música, pessoas e movimento, valorizando a arte como um todo e democratizando o seu fazer a partir de ações no espaço urbano. Com instalações, mini mostras de curtas, Djs e feirinha com venda de produtos artísticos.

ONDE: Museu Mineiro, Av. João Pinheiro, 342.

QUANDO: Sábado, 07/11, a partir das 12h.

QUANTO: De graça.

MAIS INFORMAÇÕES: AQUI

 

Praia da Estação Especial #FORACUNHA

12195810_486722678175987_8087567012925823749_n
Foto: Divulgação

A badalada praia da estação volta em clima de protesto, com a junção do ato contra Eduardo Cunha e o projeto de lei 5069. A concentração começa na Praça da Liberdade às 9h e desce para a Praça da Estação até 12h.

ONDE: Praça da Liberdade até Praça da Estação.

QUANDO: Domingo, 08/11, 9h.

QUANTO: De graça.

MAIS INFORMAÇÕES: AQUI

 

 

Lumiar – Festival Interamericano de Cinema Universitário

11817258_1604769893109414_2142659539107030245_n
Foto: Divulgação

Em sua segunda edição, o Lumiar, festival realizado pelo curso de Cinema e Audiovisual do Instituto de Comunicação e Artes do Centro Universitário UNA, terá exibição de filmes em diversas mostras, palestra, debate e oficinas. Oferecendo um panorama da produção universitária de diferentes países das Américas do Norte, Central, Sul e Caribe.

ONDE: Cine Humberto Mauro (Palácio das Artes – av. Afonso Pena 1.537, Centro), nas dependências do ICA|UNA (campus Liberdade – Rua da Bahia, 1.764, Lourdes), no Teatro do ICBEU (campus Liberdade – Rua da Bahia, 1.723, Lourdes) e na Benfeitoria (Rua Sapucaí, 153, Floresta).

QUANDO: 6 a 12 de novembro.

QUANTO: De graça.

MAIS INFORMAÇÕES: AQUI

 

15 Anos do Festival Internacional de Bonecos

Foto: Guto Muniz
Foto: Guto Muniz

Em comemoração a 15ª edição do evento, Guto Muniz, fotógrafo oficial do Festival, propõe uma exposição fotográfica retrospectiva. Com duzentos e cinquenta fotografias em alto acabamento, que resgatam todos os espetáculos que se apresentaram, reafirmando assim, a grande abrangência do festival.

ONDE: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450 – Funcionários).

QUANDO: 4 a 22 de novembro.

QUANTO: De graça.

MAIS INFORMAÇÕES: AQUI

 

 

 

Entre os dias 10 e 12 de abril, Belo Horizonte recebe o 2º Encontro Nacional pelo Direito à Comunicação (ENDC). O encontro faz parte do calendário de eventos da Semana Estadual pela Liberdade de Expressão, pela Democratização dos Meios de Comunicação e pelo Direito à Informação, instituída pela Lei Estadual 20.818/13.

Com a presença de militantes de movimentos sociais, sindicais, estudantes, ativistas e cidadãos interessados no direito à comunicação, o evento abordará temas como politica de comunicação no Brasil, a urgência de um novo marco regulatório das comunicações e a necessidade de fortalecimento dos meios de comunicação do campo público, incluindo as emissoras comunitárias.

A abertura do evento aconteceu na tarde desta sexta-feira, na Praça da Liberdade com o Ato pelo Direito à Comunicação se estende até às 22 hrs, com atrações artísticas e musicais. Grupos como Trupe Sonora, Mambembe, Meninas de Sinhá, Caribe Brasilis e DJ Anônimo estão confirmados.

O diretor de programação da rádio comunitária Brasil FM, Elder Pacheco, 57, afirma que ele quer reivindicar o direito à liberdade de expressão, a regulamentação da mídia e principalmente, espaço para as mídias independentes.

No sábado o Instituto Metodista Izabela Hendrix (Campus Praça da Liberdade), recebe a partir das 9h suas primeiras discussões. O primeiro tema será O cenário Internacional e os desafios do Brasil para enfrentar a regulação democrática da mídia e garantir o direito à comunicação.

Os convidados da mesa são o ministro de Estado das Comunicações Ricardo Berzoini, Toby Mendel (Canadá) consultor da Unesco e diretor-executivo do Centro de Direitos e Democracia, Martín Becerra (Argentina) professor e pesquisador da Universidade de Buenos Aires e Universidade Nacional de Quilmes, João Bosco Araújo Fontes Junior  procurador regional da República e membro do grupo de trabalho Comunicação Social da Procuradoria Federal e Rosane Bertotti  coordenadora-geral do FNDC.

Além das discussões, o evento promove oficinas como a de Análise Crítica da Mídia, que ocorrerá no domingo, 12, às 9h, que convida os participantes a um Exercício de leitura crítica de vídeos, matérias da imprensa na internet, jornais e outras publicações.

A coordenadora do comitê da organização do FNDC, Lidyane Ponciano, afirma que o intuito do evento é discutir os meios de regulamentação da mídia e mostrar para o novo governo que é sim, necessário, uma regulamentação da mídia nos dias de hoje.


Texto: Felipe Chagas e Luna Pontone

Fotos: Felipe Chagas/ Divulgação

Misturando poesia, politica e pipoca o vendedor Washington Silvestre, 40, chama a atenção de quem passa pelo Centro Cultural Banco do Brasil, na Praça da Liberdade, com poesias e contos colados em seu carrinho. O pipoqueiro, que também é escritor e compositor, sonha em gravar um disco independente e publicar um livro com suas obras.

A ideia de colar os textos surgiu, segundo ele, da vontade de fazer com que as pessoas conhecessem os seus ídolos literários e passassem a ler mais, “com isso faço com que as pessoas, conheçam o que há de bom na literatura brasileira e passem a gostar”.


Antes de se aventurar como vendedor o ambulante trabalhava como gari e afirma ser essa sua profissão. Como perdeu seu emprego, Silvestre resolveu então vender pipoca para se sustentar, “Eu corria atrás de caminhão daí perdi o emprego e resolvi vender pipoca deu certo e estou aqui até hoje”, declara.

Recentemente ele encontrou mais um obstáculo para seu trabalho. A fiscalização da Prefeitura de Belo Horizonte o proibiu de trabalhar em dias de grandes eventos no entorno da praça alegando que o local é patrimônio tombado e vendedor nenhum pode ficar num raio de 50 metros, correndo o risco de tomarem o seu carrinho. A solução encontrada por Washington foi organizar um abaixo assinado e entrar com uma ação pedindo uma liminar para trabalhar em eventos maiores, pois segundo ele, tem o dobro de lucro que nos dias normais, “As vezes a fiscalização tira vendedores de outros pontos que vêm aqui somente em grandes eventos e eu acabo sendo prejudicado”.

DSC_0005
Na foto Washington Silvestre e seu carrinho de pipoca.

Washington morou na rua por três anos, onde acabou se envolvendo com drogas, e encontrou na literatura incentivo para retomar sua vida. Além de poesias ele escreve músicas e espera um dia poder gravá-las. Desde que começou a trabalhar como pipoqueiro passou a usar o espaço para divulgar também as suas obras, onde escreve sobre amor e problemas sociais que ele acompanha de perto.

Animado, Silvestre sonha com o sucesso: “ainda vou conseguir viver somente da minha arte, é isso que eu quero”, finaliza.


Texto e foto: Felipe Chagas

O uso da música para auxiliar no aprendizado é uma das propostas do projeto da Escola Integrada, da Prefeitura de Belo Horizonte. A parceria do projeto com as escolas do ensino fundamental já beneficia milhares de estudantes, como os alunos do Colégio Imaculado Coração de Maria (Imaco). Os adolescentes participantes passam a ter aulas de manhã e participam de disciplinas extracurriculares, como percussão, capoeira, circo, teatro e dança, no período da tarde.

Na tarde dessa terça-feira, 23, o professor Ricardo Britto esteve na Praça da Liberdade, região centro-sul de Belo Horizonte, com alguns alunos do Imaco para uma aula de percussão ao ar livre. Para Britto é importante que os jovens tenham algumas aulas fora do colégio. “Os alunos ficam na escola o dia inteiro. Às vezes a gente vem para a praça para eles terem contato com um ambiente mais natural”, afirma o professor.

O projeto trabalha com crianças de 11 a 14 anos. Britto também chama atenção para as apresentações que as crianças fazem na cidade, como no Parque das Mangabeiras ou na própria Praça da Liberdade. Durante o ano, as crianças praticam as músicas e em algumas datas, como o dia das crianças e o final de ano, elas se apresentam para o público.

As crianças que marcaram presença na aula na praça de hoje, disseram que gostam do projeto por se sentirem bem nas aulas. Algumas fazem apenas percussão, outras, teatro e circo também. Um dos jovens disse preferir fazer as aulas de música porque futebol da para fazer durante as aulas de educação física da própria escola. Todas elas reafirmaram ser muito boa a iniciativa da Escola.

 

Texto e foto: Umberto Nunes.