Tags Posts tagged with "texto criativo"

texto criativo

0 138

Hoje é dia de escrita criativa aqui no Contramão! A Produção é de uma aluna de Publicidade e Propaganda, se liga no textão!

Ela não vai mais voltar

Por Larissa Medeiros 

Fala pro seu coração desistir de disparar toda vez que o celular vibrar

Ela não vai mais voltar

Provavelmente é só um colega da faculdade, chamando pra tomar uma cerveja

Jurando que essa noite você vai esquecê-la

Mas você prefere ficar em casa

Lendo o livro de poesias que ela gostava

Pra ver se assim consegue encontrar algum código, decifrar algum enigma

E entender o porquê de ela ter partido.

Você pode parar de ensaiar suas falas no espelho

Ela não vai mais voltar

Você não vai precisar fazer esse discurso

Sobre como as últimas noites foram tão mais frias sem os batimentos cardíacos dela sobre seu peito

Sem os cabelos dela no travesseiro ao lado

Ou a gargalhada dela que enchia o quarto, o apartamento e a sua vida.

Pode parar de deixar a porta do quarto destrancada

Ela não vai mais voltar

Ela não vai entrar na ponta dos pés e se aninhar a você

Tranca a porta, dorme com a solidão por hoje

E amanhã, quando acordar

Não precisa comprar a geleia que ela gostava de comer no café

Afinal, só vai servir pra vencer na geladeira, porque você sabe

Ela não vai mais voltar.

Pode jogar todos os discos dos Beatles dela fora

Vender os livros num sebo

Dar as roupas dela pra caridade

E até adotar um gato, já que ela não vai estar lá pra reclamar da alergia

Eu sei que ela jurou amor eterno

E que garotas podem ser más às vezes

Mas também sei de outra coisa

Ela não vai mais voltar

Então toca sua vida como todo mundo faz

Com um lado da cama vazio

Um coração cicatrizando

Mas com uma boa história de amor pra contar.

0 3494

Hoje é dia de texto do e-book “Escrita Criativa: O avesso das palavras”, produto final do projeto de extensão conduzido pela escritora e  professora do Centro Universitário Una, Geanneti Tavares Salomon. 

A produção “Alice” é da estudante de Biomedicina, Gabriela Rocha Coutinho.

 

Alice

*Por Gabriella Rocha Coutinho

Sempre fui silenciada

pelo que existe de mais bonito em mim:

os meus excessos.

Essa tentativa de me chutar para dentro da caixa

de onde eu saí,

como se eu fosse domável.

A vida toda eu fui imparável.

A história real é muito vazia de malícia:

peco justamente por acreditar tanto.

Sou tão mais simples do que a imagem que pintam,

mas ninguém quer saber a verdade.

O quadro já está feito.

A voz incomoda

e todos os dias rompo novas grades

dessas prisões da vida.

Sempre fui de chutar as portas.

Algemas não me cabem.

Há uma gratuidade inadmissível

nessa mania de apontar dedo

e profanar ofensas.

É arrancar o meu chão

onde eu mais tinha fé

que a base era sólida.

Me transformaram em bala

e me disseram para encontrar a paz.

Me pedem palavras e compreensão

quando eu menos tenho controle.

Sou sozinha no escuro da noite

e sigo esperando por perdões que nunca vêm.

 

Sempre entreguei de graça,

passando a 130 no quebra-molas,

me colocando como o peso menor na balança.

Vesti a máscara de palhaço

e acordei outro dia sem mostrar nem uma lágrima.

Chega de me desmontar para te ver respirando

e sustentar seus traumas para que eles me ataquem.

Me disseram que o amor tudo suporta,

mas eu nunca vi nobreza nisso.

Escuto seu grito e não julgo necessário ficar.

Não existe amor

onde meus sentimentos

são enfiados para debaixo do tapete.

Sempre convivi com a ameaça do abandono,

mas nunca reconheci a minha própria força.

A verdade é que eu já estive

várias vezes

nessa toca de coelho,

mas eu me belisco:

nunca mais vou retornar.

Nunca mais serei a mesma passividade

que um dia eu fui.

Encontrei a superfície

e agora posso respirar.

Aprendi a nadar nesse mar de rumores.

 

Para acessar o e-book completo clique no link.

0 200

A partir de hoje, uma vez por semana, o Contramão vai publicar um texto do e-book “Escrita Criativa: O avesso das palavras”. O produto é o resultado final do projeto de extensão oferecido no segundo semestre de 2020 e conduzido pela escritora e professora do Centro Universitário Una, Geanneti Tavares Salomon

O primeiro texto é de Júnio Neves, estudante de letras.

Refém do medo

*Júnio Rodrigues Neres

olhos maldosos me julgam de súbito

ou sou só eu que me insulto

o ar nunca foi tão rarefeito

ou sou eu que não consigo mais respirar direito

meus pesadelos são em formato de espelho

ou eu só perdi o meu autorrespeito

o medo irreal se torna real

e o real se torna irreal

então, de repente, como se fosse inerente

um pequeno anseio se torna um carro sem freio

vindo direto de encontro aos meus melhores feitos

eu sou feito de medos

e os meus medos são feitos dos sonhos que nunca viveram.

 

Para acessar o e-book completo clique o link.