Tags Posts tagged with "texto opinativo"

texto opinativo

0 90

Em comemoração ao Dia do Estagiário, o Contramão traz hoje, um artigo de opinião que simplifica o estágio como um processo enriquecedor e que, consequentemente, tem capacitado os estudantes a serem profissionais do futuro. O texto foi escrito pelo estudante de Jornalismo e nosso estagiário aqui no jornal, Keven Souza.

Confira! 

Processo que salienta o profissional do futuro

Por Keven Souza

Almejar um futuro que contenha êxito profissional, é um sonho de inúmeras pessoas que acreditam na educação como instrumento transformador de realidades. Tudo começa com a difícil decisão de qual curso ingressar e em que área atuar como profissionais realizados e felizes, dilema de quem busca, incansavelmente, o sucesso. 

Desde o início são oferecidos inúmeros conhecimentos, as disciplinas se iniciam interligadas a outros cursos, os meses vão se fluir e a sensação de estar preparado para adentrar no mercado é aguçada a cada semestre concluído. Para além das habilidades fomentadas em sala, nós graduandos, temos necessidade de estimular a relação ensino-aprendizagem com o treinamento prático em situação real, o objetivo é aperfeiçoar o acadêmico em sua totalidade. 

Através dos semestres, o momento de pensar em um estágio não obrigatório se aproxima, aquele momento ímpar pro currículo, que vai enriquecer a jornada dentro e fora do curso. Talvez estar em uma graduação aos dezenove anos é viver uma dicotomia entre ser jovem demais para absorver tantas técnicas, e formar aos vinte e dois para iniciar o quanto antes no mercado de trabalho. Em muitos momentos a insegurança de não ser bom o suficiente e o medo de não absorver na íntegra os conteúdos, são sentimentos constantes. É normal, afinal, ao ingressar na faculdade, tudo é novo e pouco se sabe. 

De modo geral, uma das maneiras de dizimar as inseguras e o medo ao longo do curso é atuar como estagiário, uma etapa importante para aprendermos e nos desenvolver enquanto profissionais em processo de crescimento. São a partir dos ambientes corporativos que pautam pela inclusão, prezam pela diversidade e fomentam a experiência, que se constrói habilidades para além do currículo. Hoje, ser um profissional vai muito além de exercer um cargo, é preciso ser capacitado, indivíduos comprometidos e multifacetados que operam em diferentes âmbitos ocupacionais. 

No entanto, o cenário quase nunca é positivo, um levantamento realizado pela consultoria IDados, diz que no Brasil 40% dos jovens com ensino superior não tinham emprego qualificado até o primeiro semestre de 2020. Um quadro que intimida e informa que inúmeros profissionais formados ocupavam lugares que não exigiam curso superior e que como resultado não exerciam a sua profissão. À vista disso, digo que os alunos carecem de espaços que propiciem oportunidades de alavancar o currículo ainda na graduação, um processo que oferte uma maneira de conectá-los com a profissão e demasiar, com maior sucesso, sua atuação em suas respectivas áreas após a formação.

Estagiar, em suma, solidifica os momentos reais e diversificados dentro da academia é um período que beneficia o crescimento intelectual e a construção de uma carreira profissional brilhante. A prática e a dedicação, adquiridas ao longo desse processo, podem agregar valores e conhecimentos cruciais para cultivar a capacidade de ir de fato ao encontro do mercado de trabalho com diferentes técnicas, habilidades e qualificação necessária. 

Em um panorama positivo, anseio que as empresas, instituições e universidades sejam lugares disruptivos e indispensáveis aos alunos, que possam incentivar e reconhecer a força e a vontade de um aprendiz. A fim de que o mercado de trabalho, que exige capacitação em totalidade máxima dos profissionais, coloque em xeque as oportunidades que concedem aos estagiários. Será que propiciam novos saberes? Será que fomentam um ambiente experimental? São muitas perguntas que deverão ser questionadas para que o estágio continue a abrir novos horizontes aos graduandos e de fato se tornar um processo corriqueiro e imprescindível que, consequentemente, molda o profissional do futuro.

0 215

Por Keven Souza

Nas redes sociais é quase improvável você rolar o feed do Instagram ou visualizar os vídeos do Tik Tok sem ao menos perceber que tanto as mulheres, quanto os homens estão usando a nova tendência do momento. A nail art é uma técnica que prioriza pintar as unhas de forma elaborada e criativa, e que podemos encontrá-la desde os salões de beleza no gueto ou até mesmo nos espaços da alta sociedade. A moda, que é queridinha de muitas pessoas, alcançou seu pico de sucesso na era digital e veio com o objetivo de apostar em unhas divertidas que possam ser usadas para agregar valor ao look. 

No Met Gala de 2019, evento tradicional que reúne diversos famosos internacionais, a nail art foi consagrada e apresentada ao mundo como uma nova tendência do universo masculino, e naquela noite, concedeu holofotes no red carpet a diversas celebridades. O ex- One Direction, Harry Styles, foi um dos anfitriões do evento que se tornou o assunto mais comentado entre as revistas de moda pelo sucesso das unhas pintadas em preto e verde. Entretanto, não darei o prazer, novamente, aos homens héteros de levarem os créditos de serem pioneiros em uma prática que não é de hoje que existe.

O ego masculino faz com que, até hoje, os homens sejam como uma “estrela” inapagável do centro da sociedade, com o reflexo hipócrita de que mesmo com a evolução de debates sobre apropriação cultural, identidade de gênero e igualdade social, a liberdade de se expressar sem ao menos serem julgados é um privilégio restrito somente à eles. 

Talvez seja doloroso aceitar que quando um homem branco e heteronormativo, se apropria de algo, seja uma tendência ou uma causa social, logo em seguida ela se torna relevante e é pautada em diversos veículos de comunicação. 

E, por incrível que pareça, a moda vai muito além do que dispor de uma tendência, é por si só um sistema que acompanha o comportamento humano e que ao longo do tempo desempenha um papel imprescindível na vida das pessoas. É em torno dela que as roupas e as tendências carregam significados sociais, econômicos e culturais, que nos dizem quem somos e de onde viemos, sendo significativa no que se refere a nos comunicarmos, e a nos expressarmos mediante ao que usamos.  

Para nós da comunidade lgbtqia +, usar esmalte não é só mais uma tendência passageira que grandes celebridades usam e usufrui quando querem. É uma vivência, uma prática cotidiana que faz parte da construção da identidade de diversas pessoas e que existe muito antes da nail art chegar ao red carpet como um momento estético e eufórico.  

Um dos exemplos de que pintar as unhas não é uma pauta atual, temos o ator, cantor e supermodelo, RuPaul Andre Charles, que desde os anos 90 nos EUA comanda o seu programa “RuPaul ‘s Drag Race” montada de drag queen com roupas, cabelos e unhas do universo feminino. 

Na comunidade, ele é celebrado como um ícone da arte drag que atua no audiovisual (televisão) sendo homem, gay, e afeminado, que não se compara com o Harry Styles, Bad Bunny ou Zac Efron que se apropriam de uma estética efêmera para estarem em alta na sociedade. RuPaul é a prova de que há muito tempo a nail art existe, e que os LGBTs afeminados lutam para fazerem parte do palco principal e se expressarem como seres humanos livres de rótulos, mas que em suma são ofuscados e esquecidos pela mídia. 

No Brasil, a realidade é pior, celebridades como Gui Araujo, Leo Picon e Lucas Jagger, são alguns dos homens que na maior parte das vezes fazem sucesso nas redes sociais exibindo as unhas coloridas e divertidas, aplaudidos pelo uso da técnica e aceitos por um grande número de  pessoas.

Eu diria que as transexuais e as travestis que pintam as unhas, fazem o cabelo e assumem a sua identidade, não têm a mesma sorte, já que ultrapassam até mesmo os gays em números de mortes violentas no Brasil. Esse dado é do Relatório Anual de Mortes Violentas de LGBT no país, realizado pelo o Grupo Gay da Bahia (GGB), que nos diz que só no ano de 2020, 161 travestis e trans foram vítimas da transfobia e 237 pessoas da comunidade morreram de forma violenta por serem quem são.

O cenário é super cruel e me faz pensar, o que falta para sermos considerados pautas relevantes, e sobretudo, o quanto os holofotes permanecem voltados somente aos homens héteros com estereótipo padrão. Até quando iremos aceitar que, o que os homens heteronormativos fazem é normal, bonito e relevante, e o que produzimos não é plausível suficiente ao ponto de sermos lembrados de um movimento na qual fazemos parte há décadas? Até onde é possível romantizar o ato de usar esmalte em aspecto divertido e bonito, para alguns e para outros que exercem a prática como parte da sua identidade, o resultado ser a morte? 

 

Edição: Daniela Reis 

0 249
Crédito: Rodney Costa

Thiago Guimarães Valu

A cobertura esportiva jornalística, acompanha as mais variadas práticas e modalidades, há pelo menos, 150 anos. Nesse tempo, evidentemente, muita coisa aconteceu.

Aqui,  trataremos, justamente, daquele que é declarado, pela “grande massa”, como o esporte mais popular do mundo, o futebol. Tenho vivido a experiência da cobertura do esporte, como jornalista, nos últimos seis anos,  e cada vez mais me faço as perguntas: “Qual o limite da liberdade jornalística na cobertura de um clube de futebol?” e “Qual a relevância real”?

Atualmente, sou repórter no canal do YouTube Cruzeiro Sports, onde produzimos conteúdos de cunho jornalístico e opinativo sobre o Cruzeiro Esporte Clube. É um canal democraticamente aberto a todos, mas, logicamente, mais consumido por adeptos do clube em questão. Atingimos a importante marca de 150 mil inscritos, recentemente, e a empresa é registrada como veículo de comunicação jornalística. Todos os seus integrantes estão registrados no Ministério do Trabalho como jornalistas, mas o clube não nos reconhece,  nem considera nosso trabalho dessa forma.

O Cruzeiro Esporte Clube segue, a cada dia, mais afundado em crises financeira, política e estrutural sem precedentes, desde que denúncias de irregularidades, tiveram conhecimento público, no dia 26 de maio de 2019, no programa Fantástico, da Rede Globo, graças a grande trabalho jornalístico da repórter Gabriela Moreira. Em um primeiro momento, a tentativa, por parte dos dirigentes, foi mostrar que se tratava de algo tendencioso, já que, no discurso dos gestores do clube, tentava-se criar um ambiente de instabilidade, já que o Cruzeiro  vivia a incomodar no âmbito desportivo. O que se viu, e se vê, desde aquele dia, é o tremendo desmoronamento de uma instituição centenária, que, graças a gestões temerárias, caminha, desde então, sem rumo e luminosidade.

Quer dizer:- a imprensa, antes querida, ao tratar dos títulos e das grandes partidas, passou a ocupar o  posto de “inimigo número” um do “estado”. A verdade é que a cobertura é agradável aos assessores de imprensa dos clubes e direções, enquanto o enquadramento das notícias e informações, favorece não ao clube, mas à imagem de quem ocupa as cadeiras mais importantes das instituições futebolísticas.

Tenho credencial de jornalista validada na AMCE (Associação Mineira Dos Cronistas Esportivos), mas, no entendimento do clube,  não passo de um influencer. Por isso, as perguntas redigidas por mim, direcionadas ao técnico do clube, na coletiva aberta a toda  imprensa, seguem ordem expressa de não serem lidas. O curioso é que  me preparo para cada jogo, do qual fazemos a cobertura, como os profissional da Rede Globo, da rádio Super ou da Itatiaia,que, aliás, me enxergam e reconhecem  como colega de trabalho. Já o Clube, não.

Pergunto, então:- se o conteúdo não fosse crítico e independente como é, será que teríamos o mesmo tratamento por parte dos mandatários do Cruzeiro? Ou seja, a liberdade para coberturas dentro dos clubes de futebol, parece estar, definitivamente, atrelada aos interesses de pessoas que detêm o poder interno, e não dos torcedores.

*Edição: Professor Mauricio Guilherme Silva Jr.

Por Tales Ciel

Ainda me lembro de quando vi a minha primeira parada gay. Vi pela janela do carro; vi, porque participar eu jamais iria. Lembro-me de pensar “ainda bem que não sou eu”, para muitas das ações incabíveis que estavam fazendo – dois homens que se gostam beijando? O sacrilégio! Mal sabia o pequeno eu o que essa frase iria fazer. Às vezes ainda penso no que poderia ter sido se não tivesse sido doutrinado assim, se não tivesse negado tanto, se não teria começado a perceber mais cedo e me poupado de ter que ir no ritmo que a pandemia me permite, mas sei que não vale à pena ficar pensando nisso. Antes tarde do que nunca, é o que dizem.

Para muitas juventudes LGBTQ+, a percepção de que algo está “errado”, incomodando, começa bem cedo. Para outros ela vem mais devagar, aos pouquinhos. Se é algo do destino ou do subconsciente não tem como dizer e pode ser que seja um pouco dos dois, porque tem pessoas que precisam de mais tempo que outras para entender algo que deveria ser apenas mais uma faceta de existir. Mas o medo, ele nos para, faz com que enxerguemos esses pequenos fatos e condições como errôneos e ruins, com que esses seres humanos que são diferentes – pois é apenas isso que somos, diferentes do “padrão” – se odiarem tanto por dentro, até não acreditarem que merecem viver. Que podem ter uma vida normal, um emprego, uma pessoa para amar. Faz um garotinho olhando duas pessoas que se amam pela janela do carro agradecer por não ser como eles.

E é um absurdo pensar que condicionamos o nosso direito de existir nos padrões que um grupo alheio de pessoas seguem. Que temos que justificar com evidências e provas, um slide de 100 e mais páginas e um estudo de 60 anos o porquê merecemos viver. É uma noção retrógada, nociva e cruel, que muitos não param para perceber. Especialmente num tempo em que os números e fatos que deveriam estar sendo levados em consideração é, talvez, o primeiro lugar que o Brasil ocupa mundialmente no assassinato de pessoas transgêneros ou a relação de uma morte por homofobia a cada 16 horas. Tanto que quando invertemos as cartas, há muitas mais evidências de que nenhum dos que nos subjugam podem provar porquê não podemos, porquê somos “errados”.

Em quase todas as espécies de animais no planeta há a presença de todos as cores do arco-íris, por exemplo existem casais de leões, pinguins, elefantes e muito mais, homoafetivos. Até mesmo nas plantas, com árvores que trocam entre serem do sexo feminino e masculino sem motivação ou interferência externa, apenas o fazem. Sexualidade, gênero e identidade são coisas que fazem parte da mãe natureza e, por extensão, fazem parte da natureza humana. Talvez o problema não seja quem somos, talvez não seja quem amamos, como no chamamos ou queremos vestir. Talvez, o problema não sejamos nós, não seja o menino gay que agradece por não ser o que, na verdade, é. Talvez, o problema seja o medo que aprendemos a ter.

0 1767
Ilustração: Tawany Santos

Tawany Santos

O preconceito linguístico está atrelado às diferenças dentro de um mesmo idioma, e se revela quando um indivíduo acredita que seu modo de falar é superior ao de indivíduos de outra regionalidade ou classe social. Não se respeitam, assim, as variações linguísticas de sotaque ou regionalismo, as características de dialetos e as gírias, dentre outras diferenças ligadas a determinados grupos.

Em um país multicultural como o nosso, a prática desse tipo de preconceito é algo frequente. Muitas vezes, a linguagem usada na região centro-sul do país é imposta como padrão, e acaba utilizada, pelos preconceituosos, como motivação ao desrespeito às outras formas de falar. Esse tipo desrespeito, recentemente, foi acompanhado, em rede nacional, em um programa de grande audiência.

No Big Brother Brasil, a participante Karol Conká, junto de outros participantes, desferiu, por vezes, falas preconceituosas ou piadas referentes ao jeito de falar de uma participante nordestina, Juliette Freire, que, em uma das discussões, se sentiu ridicularizada e excluída, e até cogitou mudar seu jeito de falar.

Dentre as causas que geram o preconceito linguístico, a questão socioeconômica também é fator a ser pautado, pois ela está relacionada condição regional do indivíduo, que, muitas vezes, é estereotipada e atrelada a dificuldades da região em que se vive, a exemplo da baixa escolaridade. Nas telas, além do caso anteriormente citado, já vimos situações parecidas, em que personagens humorísticos são tratados com vários estereótipos, agregando diversos tipos de preconceito.

Um exemplo é a Adelaide, do programa humorístico Zorra Total, personagem de aparência bizarra, e pele negra, em cujo roteiro, há falas erradas em relação à norma padrão. Ela está longe de ser engraçada, pois trata-se de retrato criado por mentes racistas, para subjugar e inferiorizar pessoas, usando, como arma, sua condição, aparência, grau de escolaridade e situação socioeconômica.

Assim como em programas de grande audiência, esse tipo de ridicularização de pessoas, devido a suas características, ocorre diariamente fora das telas. A parte da sociedade que não está inserida no padrão visto como aceitável está sujeita a sofre com atitudes preconceituosas, por vezes se excluído, sendo excluída ou sentindo a necessidade de mudar algo que vem da sua raiz cultura, por achara que isso pode fazer com que haja aceitação dos demais.

Além disso, o preconceito linguístico está altamente ligado à liberdade de fala dos brasileiros, e, quando advindo das questões socioeconômicas, pode trazer graves consequências. Levando em consideração a dificuldade de acesso à educação formal de classes mais pobres, e sua variedade linguística, essa parcela da população pode, facilmente, ser excluída em seleções de emprego. Pode, ainda, receber atribuições de menor remuneração, que não permitem que tenham acesso a novas oportunidades. Desse modo, famílias inteiras permanecerão no ciclo da pobreza, sem perspectiva de mudança de classe social.

 

*Edição: Professor Mauricio Guilherme Silva Jr.

0 176
Crédito: Pixabay

Por Grégory Almeida

Essencial significa aquilo “que constitui o mais básico ou o mais importante em algo; fundamental”. Até aí, ok. Se pesquisarmos uma frase com a palavra, fique certo de que a famosa citação do aviador francês Antoine de Saint-Exupéry saltará aos olhos. No livro, O Pequeno Príncipe, há um diálogo, entre uma raposa e o principezinho, muito relevante sobre a nova palavra de nosso cotidiano. Conhecida por sua astúcia, a raposa se gaba por se deixar guiar pelos sentimentos. Ela acredita que a intuição – no caso dela, o instinto – deve guiar as decisões, e não a razão. E aí vem minha indagação: o que você julga essencial para você próprio deve servir como régua para “o meu essencial”? Pensemos nisso. Ah, leia o livro. O clássico não é só para misses.

Em dias de pandemia, vivemos uma dualidade de sentimentos sobre o certo e o errado. Um conceito cai em minutos, há erratas a todo momento, e, no fim, nos resta contar mortos.  Os dias estão difíceis. Claro que a gente vai ouvir, de alguns super-heróis, que a tal gripezinha não lhes afetou. A estrutura psicológica desses caras foge da realidade. A pandemia reforçou a ideia do ignorar, do desligar da realidade pra não pirar. Ignore esses caras e não pire.

Seguimos. Abre e fecha de comércios, abre e fecha de igrejas. Um abre e fecha disso e daquilo. Protocolos estabelecidos por “grandes nomes”, que regem nossas vidas. Podemos e devemos analisar as decisões pelo caminho da capacidade política de ponderar o cenário, por erro de gestão, por conjurações políticas, pelos tais favores que eles sempre devem, e até pelo seu voto (faça sua autoanálise), mas, talvez, não precisemos analisar seguindo o conselho da raposa do livro: “o essencial é invisível aos olhos”.

Qual o caminho? Talvez ninguém, saiba. A única certeza é que erramos como sociedade. Fecha comércio e empresários vão à falência. Abre comércio e o número de infectados e mortos aumentam. Eu já ouvi: “Se eu não trabalhar, como vou comer?”. Mas não seriam estes que estão levando o vírus para casa? Quem sabe? Já ouvi, também: “As pessoas que querem as igrejas fechadas, evangélicas e católicas, não sabem o poder da fé”.

Mas a bíblia é enfática em dizer: “É melhor ir a uma casa onde há luto
do que a uma casa em festa”. E os versículos seguem nos Eclesiastes. Pois te pergunto: Quem está certo? Pois é, não se sabe. E é claro que temos inúmeros outros serviços essenciais não citados por este que escreve. A intenção, aqui, não é sobre definir certezas, e, sim buscar alternativas para amenizar a dor de todos. Mesmo porque os questionamentos precisam de contexto. E lembre-se; amenizar a dor de todos. Isso mesmo; de todos.

Ao pensar em “todos”, é emergencial implorar aos eleitos que não desprezem a ciência, nem barganhem com ela. Ela, sim, é essencial. Ao seguir as falas do que já ouvi, um engenheiro mecânico me indagou sobre minha decisão por tomar a vacina. Afirmei: “Acredito na ciência!”. Ele respondeu: “Que ciência?”. Ao pensar em todos, teremos de nos preocupar, também, com os “instruídos”. Eles também votam. Alguns deles gostam de contar números de recuperados, e não de óbitos. O que não me parece ser o cenário que mudará a situação. Afinal, os nomes nos obituários estão ficando entre os nossos conhecidos, nos próprios bairros e nas ruas de cima.

Hoje, não teremos respostas e acho que nem precisamos. A gente quer é passar por tudo isso e sobreviver. Quem será aplaudido, não sabemos, mas o alvo de todas as críticas, sim. É preciso pensar que nunca seremos um país sério enquanto estivermos polarizados. Minha barraca de água de coco não é menos importante que sua empresa. Mas, se seu direito de ir e vir me traz um vírus mortal, não é sobre essencialidade que estamos falamos; é sobre você não saber usar seus direitos. Quem pode fica em casa. Quem não pode sai, mas assumindo riscos. E assumir riscos torna a linha tênue sobre “o seu essencial” não ser “o meu essencial”.

Pra fechar: a raposa não é racional, mas o príncipe, sim. E ele decidiu repetir a frase, para guardar na memória.

– Adeus, disse a raposa. Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos.

– O essencial é invisível para os olhos, repetiu o principezinho, a fim de se lembrar.

Qual essencial? “O meu ou o seu”?

 

*Edição: Professor Mauricio Guilherme Silva Jr.