Tags Posts tagged with "transsexualidade"

transsexualidade

0 144

Por Bianca Morais 

Janeiro é o mês da Visibilidade Trans e o Jornal Contramão traz hoje uma reportagem especial com Thabatta Pimenta, a primeira mulher trans no poder legislativo do estado do Rio Grande do Norte. Confira a história surpreendente.

Conheça Thabatta

Thabatta Pimenta tem 30 anos, é do interior do Rio Grande do Norte e é uma mulher trans. Desde pequena Thabata já percebia que não pertencia àquele corpo ao qual ela nasceu. Sem se entender ainda como trans, durante a juventude sofreu muito bullying por ser um “menino afeminado”, foi apenas na adolescência depois de participar de um concurso de miss de sua região e se olhar no espelho caracterizada como mulher que teve a certeza de que era uma.

Apesar do bullying, Thabata carrega uma boa lembrança da infância, de quando ainda em transição foi fazer uma peça de teatro do clássico da literatura brasileira, A Moreninha, e fez o papel da menina, na época o rapaz que contracenou com ela não teve problemas em aceitá la e ser seu par, naquele momento ela pode ser quem era e ter um “príncipe” pela primeira vez.

“Eu acho que a transexualidade é uma descoberta do dia a dia, a gente nasce assim, então com o tempo vamos desabrochando como uma flor, percebendo e se entendendo, comigo foi assim, durante a infância eu percebia, eu tinha meus amigos gays, mas eu via que eu era algo a mais”, conta ela.

A norte-rio-grandense nunca precisou se explicar para família, desde cedo sua mãe e irmãos já notavam sua diferença, sempre foi algo natural e seus entes sempre a apoiaram em todo o processo de transição.

“Um dos meus hobbies é treinar e minha transição física veio com o tempo e me aceitando. Inicialmente, comecei para conseguir forças e cuidar do meu irmão, mas com o tempo meu corpo foi mudando, nunca fui de deixar meu corpo de um jeito de outro, eu fui na questão de olhar no espelho e me gostar. Nunca tive problemas com ele em si, muito menos com meu órgão genital, essa questão da transexualidade vai além do corpo físico, é uma questão mais psicológica”, explica Thabatta.

Um dos momentos mais importantes nessa trajetória foi poder fazer a retificação de seu nome, foi no dia de seu aniversário que ela alterou o nome e ali ela comemorou não apenas o dia que sua mãe lhe pôs no mundo, mas também o dia em que colocou o nome que ela escolheu para si, de se reconhecer dentro de seu gênero. Thabatta é uma mulher trans e torce pelo dia que vai poder ser chamada apenas de mulher.

“Hoje ainda é necessário dizer que sou uma mulher trans, principalmente para mostrar que estamos naquele espaço onde outras deveriam estar. Mulher trans, travesti, na realidade é a mesma coisa, o fato de ser uma travesti é um ato político, um termo político de nos mostrarmos a muito tempo na sociedade, para mim o que eu acho preconceito é se referir travesti no masculino, afinal todas nós somos mulheres”, esclarece ela. 

Thabatta nunca abaixou cabeça para ninguém, toda discriminação que sofreu ao longo da vida ela batia de frente e não deixava a pessoa que cometeu o preconceito sair sem refletir sobre a fala, e foi nessas voltas da vida e buscando pela direito de ser a voz de sua comunidade que a mulher resolveu entrar na vida politica.

Thabatta na política

Thabatta é muito conhecida em sua cidade natal, Carnaúba dos Dantas, é locutora em uma das rádios mais populares da região e querida por muitos devido a sua simpatia.

Em 2016 se candidatou pela 1ª vez a vereadora e apesar de sua alta popularidade, encontrou por dificuldades para encontrar um partido que a aceitasse, isso porquê Thabatta é uma mulher trans, quando um a aceitava, os outros da coligação diziam não querer ter sua imagem associada a uma trans.

Depois de muitas lutas, Thabatta conseguiu se candidatar, no entanto, não foi eleita, sua campanha inclusive, foi duramente atacada, principalmente por partidos mais conservadores.

Ela sempre foi dona de si, corajosa e destemida, quatro anos depois da primeira tentativa, ela voltou às urnas, dessa vez pelo Partido Republicano da Ordem Social, o PROS, e com 267 votos foi eleita a primeira mulher trans no Poder Legislativo do Rio Grande do Norte.

A vereadora é uma mulher trans no país onde mais se matam pessoas trans no mundo, Thabatta porém não deixou se abalar pelo preconceito, ao contrário, transformou todo aquele ódio vinculado ao que ela representa em força para não desistir.

De acordo com o levantamento da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), no Brasil, 90% dessa população tem a prostituição como fonte de renda, muitos não gostariam de permanecer nessa situação, mas o preconceito ainda fala alto na sociedade, e se o desemprego já é uma realidade no país, para o público trans ele é ainda maior.

Thabatta conseguiu vencer as expectativas, alcançou um cargo que poucos de seu grupo conseguem, e além disso, ainda tem que provar diariamente sua competência, trabalhar dobrado para mostrar que merece estar ali, afinal, quando se alcança um local onde poucos dos seus chegaram por preconceito, os outros querem te derrubar.

“Na política hoje eu calo a boca de muitos que duvidaram, sofri preconceito e na primeira campanha fui sozinha e mostrei que eu era capaz, a população também me deu essa resposta, as dificuldade não me abalaram só me fizeram mais forte, entender que era esse caminho que eu tinha que seguir, fazer não só por mim mas por outras pessoas trans, pela minha comunidade lgbt”, diz a vereadora.

Representatividade importa

Depois de eleita, a vereadora aumentou seu número de seguidores nas redes sociais, não só apenas o Rio Grande do Norte conheceu ela, como todo o país. Nascida de uma família humilde do interior, acabou conquistando todos os cantos do Brasil.

Thabatta não apenas levanta a bandeira do LGBTQIA +, mas outra causa que também a motiva e a destaca é a de pessoas com deficiência. Ryan Ricelle, irmão de Thabata, tem 32 anos e paralisia cerebral, ela é responsável por seus cuidados por ele, a “irmãe” enfrenta todos os dias as dificuldades de acessibilidade ao ter que levar seu irmão nos locais, ruas esburacadas, falta de rampas, entre outros. 

Os desafios de Thabatta

Maria Aparecida de Medeiros Silva é mãe de Thabata Pimenta, a vereadora sempre se orgulhou da diversidade de sua família, ela mulher trans, a mãe lésbica, Ryan cadeirante e assexual e Ramon, o hétero. Ela nunca deixou de mostrar tanto em suas campanhas, quanto em suas redes sociais, o amor incondicional a sua família e o amor deles por ela, todos se aceitando como são.

Thabatta e a família

Não é de se surpreender que no dia 29 de dezembro de 2020, quatro dias antes de sua posse, um pedaço de Thabatta se foi, sua mãe, técnica de laboratório no Hospital Regional Mariano Coelho, em Currais Novos, faleceu de covid-19. A mulher que sempre esteve ao lado dela, lhe apoiando e cuidando dela e de seus irmãos morreu, e naquele momento Thabatta que tanto precisa ser forte para encarar a constante cobrança de ser uma vereadora trans precisou ser ainda mais, pois agora a responsabilidade de cuidar de sua família recaia sobre ela, e mesmo precisando ser tudo, ela conseguiu.

Thabatta é sinônimo de fortaleza, durante todo seu mandato vem lutando em favor das minorias, é uma super mulher que carrega muitas causas em suas costas.

A voz da minoria

Ryan, o irmão da vereadora tem um grande talento, o da pintura. Com um suporte na cabeça e um pincel, o rapaz pinta quadros representando as paisagens do nordeste. 

Depois da morte de sua mãe, Thabatta é quem sustenta a família, na casa onde mora vivem Ryan, Ramon, a cunhada e sua sobrinha. Sendo vereadora ela ganha 3 mil reais que precisa ser suficiente para todas as contas. Foi então que através do conhecido site “Razões para acreditar” e de uma vaquinha virtual feita por eles, que a família conseguiu arrecadar 40 mil reais para custear uma nova cadeira para Ryan, uma vez que sua antiga já estava o machucando.

Thabatta desde cedo lida com o preconceito, é uma mulher trans e tem um irmão cadeirante, segundo ela, o irmão é um dos responsáveis pela força que ela tem para enfrentar as dificuldades, que são muitas. Thabatta enfrenta todos os desafios de ser uma mulher trans e mesmo assim ainda consegue cuidar do irmão como se fosse a própria mãe, luta pela educação inclusiva, acessibilidade e direito às pessoas com deficiência, carrega seu irmão, literalmente, todos os dias para diversos lugares para que ele se sinta parte da sociedade, que muitas vezes, exclui o diferente.

Thabatta e o irmão

A busca por políticas públicas para os trans e travestis

Dentro do mercado de trabalho, Thabatta se encontrou e é muito feliz em suas atuais posições, tanto na área da comunicação quanto na política, porém não são todas as mulheres trans e travestis que têm a mesma sorte dela, por isso, uma das principais lutas que ela trava dentro do governo é a de colocação desse público na sociedade.

Uma dessas questões é a da hemoterapia, muitas mulheres trans e travestis por falta de condições acabam se harmonizando sem uma ajuda médica e tendo vários problemas de saúde em consequência disto.

“Eu custei a tomar hormônio, essa é uma questão delicada no cenário trans, no cargo que ocupo hoje eu venho lutando para que essa política pública, a da hemoterapia e da transição em si chegue a mais pessoas trans aqui no meu estado”, comenta a vereadora.

Thabatta é ativista e faz questão de dar voz a seus iguais, já que eles ainda não alcançaram esse espaço, ela como primeira mulher trans e travesti eleita parlamentar do estado fala por eles.

“Eu acho que o que nos falta é cada vez mais políticas públicas que nos incluam, que entendam que a gente existe de verdade sendo na educação, que chamem mais pessoas trans para estudar, cursar uma faculdade futuramente, sou muito a favor das cotas. Hoje a minha luta é principalmente para isso, moro em uma cidade pequena do interior do estado lutando para que a política da mulher seja fortalecida, que a gente tenha cada vez mais acesso ao sistema de saúde, tenhamos um ambulatório para nos tratar, e que com o tempo se entenda que apenas queremos viver e passar dos 35 anos”, posiciona-se.

Nesse mês da visibilidade trans, histórias como a de Thabatta mostram que apesar de muito a se percorrer na luta pela igualdade, é sim possível vencer e reconhecer em Thabatta uma figura tão forte que ajuda milhares de pessoas a não desistir é muito importante, ela é prova que é possível sim vencer as barreiras do preconceito e conquistar seu espaço.

“Na política e como figura pública eu faço o máximo para que as pessoas nos enxerguem, acolham, entendam, e respeitem porque o que mais vemos notificando é as mortes de pessoas trans e travestis e isso dói em mim, não quero que isso aconteça com o futuro de outras trans, quero mudar hoje e amanhã o futuro dessas pessoas que é algo que eu posso fazer”, finaliza a vereadora.

Com a palavra, Thabatta Pimenta

“A população não pode dizer ‘eu não entendo muito, você tem que me explicar’, isso acontece muito, as informações estão ali, a internet está aí, você ser preconceituoso hoje é porque você quer, você entender o direito do outro de ir e vir é muito importante, você tem que respeitar porque isso é o mínimo. A sua obrigação é respeitar o outro, seja qual for a orientação sexual, a identidade de gênero, a cor, a religião, você tem que respeitar o outro. 

A mídia também tem que continuar essa visibilidade, a gente não quer só ser a primeira, ser a primeira trans vereadora, primeira trans médica, primeira trans professora, queremos que cada vez mais tenha outras, mas para isso acontecer as oportunidades tem que chegar até nós, a sociedade tem que nos acolher, nos empregar, tem que nos dar a chance de mostrar que somos capazes.

Hoje lutamos muito na questão da capacitação desses espaços públicos, seja em hospital, escola, banco, que não nos respeitam, quando chegamos nesse espaço que o povo não quer nos aceitar quer te chamar no masculino mesmo vendo uma mulher na sua frente é um absurdo. A sociedade tem que cada vez mais se capacitar e entender o outro, o direito do outro, o respeitar o outro”.

 

0 363

Por Keven Souza

Ao longo das inúmeras reportagens já produzidas no nosso jornal, demos vozes a diferentes ações, projetos e vivências. Tivemos a oportunidade de apresentar pessoas e personalidades, cuja narrativa é ímpar e para lá de especial. 

E hoje, em comemoração ao Mês da Visibilidade Trans, é dia de contar a história de Gabriel Carneiro, homem trans, que passou pelo processo transitório com determinação e representa todos aqueles que não se identificam com o gênero que lhe foi atribuído em seu nascimento. O jovem detém uma trajetória de vida que irradia coragem, além de superação. Conheça-o!

Quem é Gabriel 

Gabriel Carneiro Campos é belo-horizontino, empresário, criador de conteúdo digital e ativista assíduo do movimento LGBTBQIA+. Com 27 anos de idade, é um rapaz apaixonado por acampamento, trilha, viagem e como grande parte dos mineiros, pelo Atlético/MG. Gabriel um dia fora Gabriela. Gabi, como ele a chama, fez parte da sua história enquanto indivíduo e moldou a personalidade do imponente ser que se tornou hoje. 

“O Gabriel é a junção do que a Gabriela construiu até uma determinada parte do caminho. Então, muito do que me tornei é sobre a Gabi”, conta ele, que apesar de ser um grande homem atualmente, sua história com a incongruência de gênero é antiga, quando ainda estava na adolescência. 

Aos 15 anos, em 2010, ardia em seu peito alguns instintos da não identificação com o seu gênero designado biologicamente, na época, o rapaz não entendia muito bem os ensejos do seu próprio eu, mas ia compreendendo os sinais que surgiam e de forma natural, e inconsciente, acabou ouvindo a sua real identidade. “Consigo entender perfeitamente que naquele momento algo já estava sendo reproduzido, mesmo que inconscientemente”, conta.

Durante essa fase havia pouco acesso e representatividade acerca do tema transsexualidade, no entanto, mesmo com a falta de informação sobre o assunto, a boa relação com si próprio trouxe a confiança e a firmeza de dar pequenos passos para se conectar com o universo masculino. 

A partir daí, Gabriel começou a discernir que não se encaixava naquele corpo feminino, a entender que os questionamentos eram apenas a inquietude de quem estava em busca da sua verdadeira identidade e que, desde sempre, se enxerga como homem. 

Relação com família e transição 

Seu vínculo com a família é uma exceção com base nos históricos de relacionamento familiar de transexuais no Brasil. O jovem, criado pelos pais, obteve o companheirismo e a empatia dos seus entes queridos durante todo processo de transição. Dentro de casa, estudou a melhor forma de contar que tinha tido coragem de ser quem ele realmente era. 

“Busquei a forma mais didática para falar com eles, entendi que eu teria que abordar o assunto de formas diferentes… não teria como ter a mesma conversa com minha avó e minha prima de 8 anos, por exemplo”, explica ele. 

Quando começou a obter independência financeira, deixou de raspar os pelos de seu corpo e iniciou a troca das peças de roupas femininas pelas masculinas. Uma decisão crucial, pois acreditava realçar sua masculinidade. “Com minha ‘liberdade financeira’ iniciei a troca do meu guarda roupa, não usava mais peças íntimas femininas, não tinha mais roupas daquele universo”. 

Na época, o menor dos problemas de Gabriel era dizer sobre o desejo de transacionar, já que o assunto vinha sendo trabalhado para não haver certas emoções. “Não tive problema! Era algo que eu deixava bem claro e muito certo do que estava fazendo, não queria e nem aguentava usar nada feminino mais”.

Foi próximo aos 22 anos que deu início ao tratamento hormonal. A aceitação da família foi fora da curva, de modo leve, pautado por trocas e descobertas. “Eles não entendiam nada sobre o assunto, porém estavam lá se esforçando dia após dia para me acolher da forma mais honesta possível. Havia alguns deslizes, mas eu entendia que acabaria com o tempo e foi assim, com respeito, que fui levando e recebendo todo apoio.”

O processo, a priori, foi libertador e tranquilo. Em 2018, custeava cerca de duzentos reais mensais para a terapia de reposição hormonal que acontecia através do atendimento particular. Durante esse período, após um ano de acompanhamento médico, Gabriel acabou perdendo o emprego – que era sua principal fonte de renda na época – e teve que continuar o tratamento através do Sistema Único de Saúde (SUS), no Ambulatório Trans do Hospital Eduardo de Menezes em Belo Horizonte, oferecido gratuitamente. 

O rapaz sentiu grandes emoções com a demissão, mas jamais pensou abrir mão da terapia. “Em nenhum momento passou pela minha cabeça desistir. Muito pelo contrário, estava ciente de tudo que eu poderia perder com minha escolha, mas nada no mundo me assustava mais do que não ser eu, então desistir nunca foi uma opção!”

Hoje em dia, Carneiro mantém o acompanhamento médico, uma vez que o processo tende a durar toda a vida, e para ele chegar onde chegou é dar valor à sua própria trajetória. “Eu sempre deixo claro sobre ser um homem trans e o orgulho que sinto disso”.

Gabriel e a família

Empenho à luta trans

Ser uma pessoa trans no Brasil não é fácil – o país mantém liderança no ranking mundial de estado que mais mata transexuais, de acordo com a ONG Transgender Europe (TGEU). Mas Gabriel, mesmo com tantas adversidades e talvez certos privilégios, se empenha pela causa, na qual tem orgulho e enxerga importância. 

Sua luta pode parecer única, invisível, diante de tantas outras, porém, a coragem de ser quem realmente é realça o desejo permanente pelo reconhecimento e a liberdade de existência da sua população. Por isso, participar de projetos, ações e movimentos ligados à transexualidade é um ato constante que faz parte de seu propósito. “Meu corpo é político e a urgência dessa luta é enorme, já que o nosso país é o que mais mata pessoas trans no mundo”, desabafa. 

Atualmente, Gabriel tem sido voluntário ativo de uma ação para pessoas trans que foram afetadas pelas fortes chuvas em BH. Trabalho significativo que representa a sensibilidade pelo outro. “A pessoa que eu ajudo, de algum modo, fortalece outro companheiro(a) de caminhada e juntos vamos tendo acesso, chegando em lugares que nossos corpos não tem espaço para ocupar”.  

Nas redes sociais não é diferente! Com serenidade, seu trabalho social ganha voz, corpo e imagem através de vídeos de conscientização e publicações voltadas à causa. Onde busca de forma politizada dar fim a preconceitos, baixa representatividade trans e atuar na falta de informação. “A maioria das pessoas têm acesso à internet, por isso o objetivo central é criar uma rede de apoio e conhecimento de forma didática, além de levar acesso às pessoas trans e aqueles aliados ao nosso universo”. 

Recado para marcar o Mês da Visibilidade

“Ser você é o maior presente que você pode lhe dar. Então se acolha, se permita e seja carinhose com você mesmo. A transição é a maior universidade da existência, a viagem muitas vezes é dura, o caminho incerto, mas pode ter certeza que o trajeto começa aparecer à medida que você vai dando seus passos. Para este mês da visibilidade deixo uma frase autoral que diz assim: ‘Que sua imensidão não seja limitada por pessoas vazias’. Então, fique firme!”, diz Gabriel.

0 542
Foto: Assessoria

Em um país que todos os dias pessoas transexuais e travestis são assassinadas, lutar por sobrevivência, respeito e dignidade é um ato político 

*Por Italo Charles

Sobrevivência, reconhecimento, voz e respeito são alguns aspectos que denotam a luta diária de pessoas tranvestigeneres. Viver em uma sociedade dominada por corpos brancos, cisgêneros e machistas que estabelecem a estimativa de vida de um grupo ou que cria estereótipos sobre seus corpos e atribuições, é, para as pessoas transexuais e travestis  um ato de resistência e política.

Falar sobre a visibilidade trans e travesti é compreender os estigmas que esses corpos carregam e, para além, é atuar na causa política para construção de dignidade às pessoas transvestigeneres.

Anualmente, janeiro é o mês que celebra a visibilidade trans.  Essa conquista se tornou possível a partir de uma manifestação por parte de um grupo trans ativista, no Congresso Nacional, no lançamento da campanha “Travesti e Respeito”  promovida  pelo Ministério da saúde no dia 29 de janeiro de 2004.

A partir de então, o mês de janeiro é marcado por uma sequência de ações que visam o reconhecimento, respeito e visibilidade de pessoas transvestigeneres que, diariamente, lidam com o preconceito e invisibilidade. 

Entretanto, as manifestações por respeito, equidade e, sobretudo, existência de pessoas transvestigeneres não pode ser vista pela mídia apenas no mês de janeiro, uma vez que, pessoas transexuais e travestis vivem diariamente uma luta constante por sobrevivência.

É importante ressaltar que o Brasil é o país que mais mata pessoas transexuais e travestis, e pelo 13º ano está no topo do ranking de assassinato de pessoas trans. Segundo dados divulgados pela Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), no ano de 2020 foram mapeados 175 assassinatos de travestis e mulheres trans, número maior que o do ano anterior.

Entretanto, o país que mais mata pessoas transvestigeneres continua no ranking de maior consumidor de pornografia trans nas plataformarmos de conteúdo digital, justo no período em que houve o aumento de assasinatos – 2019 a 2020.

Os dados são alarmantes e mostram como a sociedade reage a esse grupo. Mas, para além dos números (inaceitáveis), a população transvestigere batalha todos os dias enfrentando ameaças, transfobia, racismo e a misoginia para construírem um país mais igualitário.

Dentro do meio político não seria diferente às agressões contra a comunidade transvestigenere, pelo contrário, por se tratar de um âmbito machista, cisgênero, misogino e racista, as pessoas transexuais e travestis enfrentam situações mais desafiadoras para conquitar seus espaços.

O ano de 2020, no viés político, foi muito positivo para a comunidade LGBTQIAP+ em um todo, principalmente para as pessoas transvestigeneres, pois, pela primeira vez na história elegeu um grande número de mulheres transexuais e travestis e homens trans.

Entre as pessoas eleitas, está Duda Salabert, professora de literatura, vegana, ativista, fundadora da ONG Transvest, mãe e a 25ª colocada na lista das 50 pessoas LGBTQIAP mais influentes do Brasil. Eleita pelo PDT com 37.613 votos, Duda é a mulher mais votada da história de Belo Horizonte.

Em entrevista ao Jornal Contramão, Duda Salabert conta sobre as necessidades de ser uma mulher trans na política, os desafios diários e o impacto que sobre a representativa e visibilidade trans.

Duda, o que te motivou a entrar na política?

Para nós, travestis e transexuais, a política não é opção, ela é destino, é sina. Até porque os nossos corpos já são políticos por tensionar e questionar a estrutura e a visão binária da sociedade. Eu entrei na política institucional partidária para combater os números que solapão as identidades das pessoas travestis e ransexuais como fato de que o Brasil é o país que mais mata pessoas transsexuais do planeta há mais de 10 anos consecutivos e 90% das transexuais estão na prostituição.  Esses dois números já mostram a necessidade de construir políticas públicas para a nossa comunidade e a nossa pauta nunca foi protagonismo nem no centro, na esquerda, nem na direita, mas na necessidade de hackear e ocupar o espaço da política partidária institucional.

Quais foram e são os maiores desafios enfrentados na carreira política e como docente sendo uma mulher trans?

As dificuldades em relação à comunidade trans se assemelham às dificuldades enfrentadas pelos grupos tidos como minorias, a população negra, as mulheres, indígenas por que a política partidária institucional é feita para ser mais uma das ferramentas para privilegiar os privilegiados e excluir os excluídos. Então, as estruturas partidárias espelham os preconceitos e violências que são da própria sociedade, dessa forma, nós temos que combater essa estrutura que alicerça o patriarcado e que quer privilegiar homens brancos, cisgêneros e heterosexuais. E isso se espelha também em outras instituições, como no mercado de trabalho, na família, nas igrejas. 

No último ano (2020) você foi reconhecida pela Rede Guiya entre as pessoas LGBTQIAP+ mais influentes do Brasil. Na lista você ocupa a 25ª posição, qual a importância desse reconhecimento e o que muda para situação política atual?

O reconhecimento é importante não em dimensão particular, mas sim na coletiva. Uma vez que quanto mais pessoas transexuais ocuparem esse espaço mais  a pauta trans assume relevo no debate público, então não há vitória particular, mas sim uma vitória coletiva já que eu represento ali a comunidade das pessoas travestis transexuais. Isso é um avanço, porque  na comunidade LGBT a pauta trans ficou em segundo plano, assim, isso mostra que o movimento é organizado e tem ocupado e conquistado mais espaço.

Também em 2020 você foi eleita como a mulher mais votada da capital mineira. Qual a sensação desse marco e como isso influencia contra a transfobia existente na sociedade?

Ter sido a pessoa mais votada na última eleição é um recado que parte da sociedade em relação a não tolerar mais algumas estruturas de opressão, marginalização e exclusão que existia e existe na sociedade. Então, nesse sentido, essa é a vitória de um campo progressista que busca renovar e oxigenar a política e, também, trazer novamente a esperança para o campo da política que foi retirada na última vez devido a consquista do Jair Bolsonaro, que é uma vitória da anti-esperança, da anti-política. Então, em 2020 a sociedade se mobilizou para resgatar essa esperança e resgatar a necessidade de mudar os rumos da política regional que é um termômetro para o nacional também..

Como você enxerga o impacto e a responsabilidade de representar a causa LGBTQIA+ dentro da política?

Sou professora há mais de 20 anos e carrego essa ideia da responsabilidade com o coletivo na minha atividade profissional, no campo da política é uma forma de eu trazer essa preocupação que já tinha em sala de aula para o campo das políticas públicas. Então é uma responsabilidade coletiva que eu já fomentava e que agora é só uma dimensão maior pelo número de votos que tive, mas a ideia central é a preocupação com o social, com a formação de uma nova sociedade que busca a justiça social. Isso  já faz parte do DNA de quem é professora.

Segundo o boletim divulgado pela ANTRA, no período de janeiro a outubro de  2020 em relação ao ano anterior, a taxa de assassinato contra pessoas trans e travestis aumentou 47%. Dessa forma, como você enxerga esse aumento e quais medidas precisam ser tomadas para reduzir esses dados?

É ‘quem tem fome, tem pressa’ já falava o sociólogo Betinho,  importante na história recente do Brasil, que a gente tem que buscar por isso que você merecia mais né na garantia de renda das pessoas transexuais daí hoje uma criação de e aprovação de projetos que garantam a empregabilidade de pessoas transexuais e para Além disso as pessoas políticas estruturais como por exemplo de bater um projeto Educacional que traga a questão da diversidade do respeito à diversidade já que o que transforma a sociedade é educação Então a gente tem que repensar a escola brasileira a fim de que ela construa uma nova mentalidade uma nova perspectiva social de respeito à diversidade e respeito a transexualidade para a gente poder combater esses de violência contra pessoas LGBT especificamente transexuais .

Em relação ao SUS em  BH, existe algum acolhimento específico de pessoas trans e soropositivas, como funciona? 

Nós temos em Belo Horizonte um ambulatório trans que está situado no Hospital Eduardo de Menezes, lá tem uma equipe multidisciplinar para tratar temas referentes à transexualidade. Há  também em Uberlândia e em outros municípios no Brasil.

Como é lidar com a saúde mental em um meio quase que majoritariamente homofóbico, transfóbico e misógino?

‘Há que endurecer sem perder a ternura jamais’, já falava o Che Guevara. Então, o espaço político é espaço de muito enfrentamento e esse enfrentamento vai endurecendo cada vez mais, o casco vai ficando cada vez mais grosso, logo, para nós ativistas que estamos há muito tempo, a gente não sabe como lidar com a saúde mental.  O fato é  que a gente entra blindando e criando um escudo para evitar que a saúde mental seja abalada.

Como é ser uma mulher trans, vereadora, militante e vegana hoje?

A transexualidade e o veganismo têm inúmeros denominadores comuns, entre eles o fato de combater uma lógica sistêmica, estrutural,  histórica e atávica de privilegiar homens brancos, cisgêneros, heterossexuais, europeizados ricos e carnistas. Essa lógica que se configurou a partir do fortalecimento de uma perspectiva antropocêntrica responsável pelas inúmeras violências que tem não só em  relação a seres humanos e não humanos, como também ao meio ambiente, e essa lógica que alicerça o capitalismo, então tanto veganismo como a transexualidade são forças importantes no combate a uma lógica antropocêntrica capitalista é neoliberal.

Anualmente, durante o mês de janeiro, a mídia tem dado espaço para as pautas relacionadas ao mês da visibilidade trans. Entretanto, a cada ano o número de assassinato com transexuais e travestis tem aumentado. O que você acha que deveria ser feito para mudar esse cenário e como os meios de comunicação deveriam se posicionar diante disso?

Os meios de comunicação têm que entender o papel social que eles desempenham, sobretudo  os são concessões públicas. As mídias têm um compromisso com a questão pública e, a questão pública opera sobretudo na busca por justiça social, então os meios de comunicação deveriam ser, em tese, instrumentos para criação de novas consciências que lutam a favor da justiça social, e  a gente não vê isso justamente pelo Lobby que há entre os grandes veículos de comunicação e os oligopólios capitalistas. Entretanto,  uma coisa que deveria mudar é o  entendimento que a pauta das pessoas transexuais não deveria ser discutida só em janeiro, mas no ano inteiro, já que há um genocídio em curso contra pessoas transexuais.

Enquanto vegana e defensora dos animais, quais são os planos para o recolhimento e adoção de animais de rua, campanhas de castração e vacinação?

Há muito o que fazer como, por exemplo, lutar na política orçamentária para valores maiores destinados ao centro de controle de zoonoses, como também garantir o castramóvel nas regionais de Belo Horizonte. Além disso incentivos fiscais tais como: desconto no IPTU para ativistas que resgatam animais de rua e fazem papel que o poder público não faz, como também a criação de um banco de ração para que receba doações de empresas e pessoas da sociedade em geral para que esse banco posso distribuir as rações para os ativistas e ONGs cadastradas na defesa animal na prefeitura. 

Mas as pessoas têm que  entender que a pauta defesa animal não é somente sobre  “gato”, embora sejam problemas visíveis na sociedade, mas também nas outras espécies que coexistem conosco, sobretudo, em Belo Horizonte que há muitos espaços de vegetação com uma diversidade muito grande, então isso passa pelo debate sobre a valorização da educação ambiental nos currículos escolares.

Você acha que seria possível acabar com os preconceitos contra as pessoas lgbtqiap+, se sim, de qual forma?

Os preconceitos só podem ser rompidos a partir de uma revolução. Até porque o capitalismo se alicerça tendo como pilar a exploração e a opressão, então a própria dinâmica do capitalismo transforma as diferenças como um mecanismo de garantir mais lucro para as pessoas privilegiadas no campo da opressão e  também a exploração na luta de classe. Sendo assim, uma das formas de combater qualquer tipo de opressão é acabar com o sistema capitalista, isso não quer dizer que em uma sociedade socialista não teria preconceitos até porque o preconceito é uma coisa cultural e não acaba  da noite pro dia, mas a revolução seria uma das formas da gente buscar o combate às opressões.   Não é a garantia de que elas acabariam, mas é o único meio possível de sustentar o fim dela, já que na dinâmica capitalista a opressão e  exploração são duas faces da mesma moeda.

O que você mais se orgulha dentro do seu trabalho?

Me orgulho de ser professora em um país que não valoriza a educação nem os profissionais da educação, então só de estar 20 anos me mantendo nesse campo de atuação já é para mim motivo de orgulho.

Qual o impacto da criação e manutenção da Transvest?

Não dá para mensurar o impacto da Transvest, porque as principais transformações que a gente fez não está no campo da objetividade mas sim da subjetividade, no sentido de pessoas resgatarem autoestima, ter um espaço de encontro, de afeto e de congregação, então a Transvest acaba sendo uma ilha de afeto e acolhimento no oceano de transfobia que é Belo Horizonte. Isso está no campo do imensurável justamente por não operar na dimensão material, mas no campo do material nós tivemos pontos positivos, como a criação da primeira casa de acolhimento de pessoas trans na capital, também aprovações na UFMG, UEMG, PUC, Milton Campos, Una e outras universidade.

Qual seu posicionamento acerca da visibilidade trans e quais pontos devem e podem melhorar?

O que tem que melhorar não é a visibilidade trans, mas sim a sociedade.  A visibilidade trans é um movimento criado por pessoas transexuais que buscam tornar público alguns problemas que nos tocam, então não tem problema algum uma semana no mês da visibilidade trans, o problema está na na sociedade.

 

*Transvestigenere

Termo adotado pelas ativistas Erika Hilton e Indiana Siqueira, a fim de desconstruir os estereótipos negativos que as palavras “transexual” e “travesti” carregam, além de compreender todes e quaisquer pessoas que não se encaixem na cisgeneridade.

0 2707
Tarso Brant (Foto: Reprodução)

Por Bianca Morais

Você já ouviu falar em Tarso Brant? Se não, provavelmente já escutou sobre Tereza Brant. Falo com tal propriedade porque ele já apareceu em muitos programas da televisão brasileira e fez participação especial na novela A Força do Querer, que está sendo reprisada pela emissora Rede Globo no horário das 21 horas.

No ano de exibição da trama o assunto surgiu ainda como um tabu na mídia e na sociedade. Até então, muito pouco se sabia sobre transexuais, que é termo usado para definir as pessoas cuja identidade de gênero difere daquela designada no nascimento. A novela foi transmitida em 2017, hoje, 2021 a aceitação continua muito baixa, porém o conhecimento do significado da sigla T de LGBTQIA + já vem se disseminando.

Tarso Brant na novela A Força do Querer (foto: reprodução)

O Brasil é um país preconceituoso. E sim,  isso é uma afirmação. Pela 13° vez, o Brasil é o país que mais mata pessoas trans e travestis no mundo. Entre 1º de janeiro a 30 de setembro de 2018, 271 transgêneres foram mortos em 72 países. Desses, 125 foram só no Brasil. Três dessas vítimas morreram em decorrência de tortura, enquanto quatro foram decapitadas ou tiveram seus corpos esquartejados.

Mas chega de falar de algo desagradável, vamos falar de algo bom, e com bom eu quero dizer: Tarso Brant, que em meio a tantas dificuldades e intolerâncias, ele vence e luta todos os dias por igualdade. Quando se trata de aceitação trans, questionado sobre se identificar como ativista da causa, ele afirma “eu sou a causa”. E pronto, esse texto poderia acabar aqui, porque é exatamente disto que se trata, enquanto existir o Tarso Brant, o Elliot Page, o Thammy Miranda, a Duda Salabert, ou qualquer outra pessoa trans e travesti vivendo, respirando e resistindo, essas pessoas serão a causa, elas vão incomodar muitos, mas serão exemplo e inspiração para muitos outros não desistirem.

E o texto não acabou ali. Foi modo de me expressar mesmo. Aqui, agora, vamos falar de algo muito bom que é a existência de Tarso Brant. Homem trans, 27 anos, aquariano, modelo e ator, natural de Belo Horizonte. Quando chegou ao mundo no dia 7 de fevereiro de 1993, Tarso Brant se chamava Tereza Brant e ocupava o corpo socialmente dito como de “menina”.

Desde criança, Tarso, sentia esse desconforto referente a sua aparência física, não se sentia bem naquele corpo de “menina”, aquela pele lisa, cabelo comprido, nunca foi fácil se olhar no espelho e não gostar do que via, por isso, sem saber o que fazer se adaptava com o que podia, usando roupas mais largas e acessórios.

Foi na sua adolescência que veio a mudança drástica. Tereza Brant foi colocado em um grupo criado por João W.Nery, cujo nome era “FTM Brasil (feminino trans masculino Brasil)”. Para quem não sabe, João W. Nery foi um psicólogo e escritor brasileiro conhecido por ter sido o primeiro homem trans a realizar a cirurgia de redesignação sexual no Brasil. Ali, o jovem Tereza Brant percebeu que não era o único. Dentro desse grupo ele teve acesso a importantes informações sobre hormônios e como poderia administrá-los para ter o efeito desejado.

Tereza iniciou essa busca por si mesmo, sozinho. Era um segredo apenas dele, não se abria nem com a família e muito menos com os amigos, até o momento em que percebeu que determinadas mudanças seriam mais acentuadas. Nesse instante tomou a decisão de que era hora de contar para seus pais. Brant não contou aos seus pais de primeira, disse apenas que estava tomando “algumas coisas” para melhorar seu desempenho na academia e isso poderia alterar um pouco seu corpo. Aos amigos, ele não fazia muita questão de dar satisfações e o diálogo era sempre o mesmo:

-“Nossa você tá diferente. O que tá tomando”?

-“Tô me alimentando bem e me exercitando”.

-“Mas a sua aparência tá diferente”.

-“Impressão sua”.

-“Você não acha que é feio para mulher”?

-“Tô me sentindo bem, não se preocupe”.

A verdade é que nada daquilo interessava a ninguém a não ser a ele mesmo. Tarso sentia uma vontade que o movia incessantemente, não ligava para obstáculos ou criticas. Desistir? Jamais. Ele queria se encontrar e faria o que fosse necessário para aquilo acontecer.

Amar é aceitar o outro como ele é. E foi isso a base da força que o moveu. Os pais não sabiam detalhes desse tratamento, mas sabiam que não iriam lhe fazer mal, que ele estava tendo o acompanhamento necessário, então o que ficava a cargo dos pais era dar amor, carinho e apoio, isso nunca faltou. Se você  é pai de um ser humano, sua obrigação é estar ali para o seu filho, amar independente, se o seu filho não está fazendo nada que o prejudique ou prejudique outra pessoa, ele não está fazendo nada de errado, por isso, sua única missão é amá-lo.

Você é homem ou mulher? Nunca precisou disso. Nunca foi necessário. Os pais de Brant sempre tiveram esse tato com ele, uma sensibilidade de estar ali e dar apoio.

Foi com muito amor que Tarso iniciou seu processo de transição hormonal.

Lá entre os seus 19 e 20 anos ele começou o uso de hormônio, essa fase inicial foi sem dúvidas para o jovem algo desafiador e muito conturbado. Hormônios são por natureza substâncias importantes para o controle e bom funcionamento do organismo. Esses hormônios fizeram com que características psicológicas afloracem de uma forma incrível, o que fez com que Brant se redescobrisse. Os três primeiros meses foram marcados por picos de excessos: humor, libido, confusões mentais, uma verdadeira explosão de energia sem igual.

Conforme os meses iam se passando as características físicas apareciam mais e mais. No quinto mês já era possível ver os pelos no rosto, a voz mais grave, músculos rígidos e muita fome. Que bom que os pais do jovem são cozinheiros de mão cheia e além de dar todo amor e apoio davam também algo muito relevante nesse processo, comidinhas boas. Filho único e mimado pelos pais. Bom demais.

Do sexto mês adiante o rapaz já estava mais adaptado àquele processo invasivo, dessa forma estava na hora de cuidar de mais um detalhe importante, a mente. Ele buscou um pouco de paz no espiritismo e seus ensinamentos. O processo de autoconhecimento é algo bem extenso e que dura a vida inteira, manter contato com terapeutas, prezar por saúde mental é de suma importância para qualquer indivíduo.

Agora se você leu isso tudo até aqui e se lembrou de algumas das cenas da novela A força do querer é porque Tarso Brant (na época com nome Tereza), foi consultor exclusivo de Glória Perez para escrever a personagem Ivana, e pode ter certeza que assim como nas novelas ele terá um final feliz.

Depois do final de seu primeiro ano de tratamento, a aparência já estava completamente do gênero masculino. Brant já se via no espelho com seu jardim particular, que deve ser aparado no mínimo uma vez por semana, e sim, eu estou falando de sua barba.

Tereza Brant sempre vai fazer parte do Tarso Brant, mas chegou uma hora que aquele nome feminino não cabia mais, com tantas mudanças e evoluções estava na hora de assumir de vez uma nova identidade. Tarso entrou com o processo de pedido para averbação referente ao seu nome e gênero, após oito meses teve o retorno. Tarso foi o nome que sua família lhe deu.

Tarso Brant é um ser inquieto, aventureiro, destemido, curioso, pensante. Gosta de tocar com DJ em festas, jogar basquete, andar de patins, correr, dançar, cantar, tocar instrumentos, escrever. Tarso já namorou menino antes da transição, Tarso já fugiu correndo da mãe de uma ex-namorada enquanto ela o perseguia de carro tentando atropelá-lo. Tarso gosta de ouvir bem alto Power of two, música da sua banda favorita Indigo Girls. Tarso é grato por tudo que já conquistou na sua vida. Tarso ri, Tarso chora, Tarso é igual a mim e a você que está lendo esse texto. Tarso erra e acerta. Tarso está todos os dias em busca de ser melhor como ser humano.

Quando o assunto é transexualidade, um dos pontos que mais devemos nos lembrar é que todos somos humanos, de carne e osso. Erramos e acertamos. Se você encontrar o Tarso na rua, ficar confuso e acabar o chamando de ela por nervosismo, ele não vai te xingar ou te ofender, ele vai dar uma risada descontraída e te orientar do que é certo. Todo dia é um novo dia para aprender e se tornar uma pessoa melhor.

Hoje, Tarso Brant está bem consigo mesmo, mais consciente e mais maduro. Se arrepende apenas do que ainda não fez, e isso tudo porque ele é quem ele sempre sonhou ser.

“Nunca diga nunca, pois os limites são como os medos: sempre são apenas ilusões”. Quem disse isso foi uma das inspirações de Tarso e o nome dele é Michael Jordan. Ex-jogador na NBA, Jordan é também um grande motivador, autor de vários livros sobre superação, ele ensina que é preciso tentar e fazer acontecer.

Foto: Reprodução

A liberdade de ser quem se é de verdade não tem preço.

Vamos voltar um pouco no exemplo da Ivana de A Força do Querer. Uma das cenas que eu mais gosto de toda sua jornada é o momento em que ela se assume trans para os pais e finalmente vira ele. O grito que solta, o grito que ficou anos entalado dentro de si e que finalmente pôde pôr para fora. Ver aquilo me passou uma sensação tão boa, tão libertadora, é aquelas cenas de arrepiar, sabe? Quando a ficção se mistura com a realidade, aquilo que nos faz sentir.

Durante essa cena existe outro detalhe importante a ressaltar, a mãe de Ivana chorando após ver a filha com os cabelos curtos, chorando de tristeza por estar perdendo sua filha, sua princesinha como ela dizia. Não era tristeza que ela deveria estar sentindo, mas isso a personagem entenderá mais para frente.

Sabe quem devemos nossas lágrimas de tristeza? A cena da Camila de laços de família. Ok leitores aqui vocês percebem que sou uma noveleira, mas não vamos perder o raciocínio. Em um dos maiores sucesso de Manoel Carlos, a personagem Camila tem leucemia, um câncer, uma doença que mata milhares de pessoas todos os anos, isso sim era cena de chorar de tristeza, inclusive você também consegue revê-la no a tarde no vale a pena ver de novo. Agora tratando de Ivana, a única lágrima que pode ser derrama pelas madeixas perdidas pela personagem é de alegria e felicidade, por ver ele finalmente se olhando no espelho e se reconhecendo como sempre quis.

Ser transexual não é doença, mas mesmo assim acaba matando milhares de pessoas no Brasil todos os anos. Lamentável se pensar nisso. Deplorável saber que a perspectiva vida de um indivíduo trans é de 35 anos, e isso não é por conta dos hormônios e toda essa mudança, porque sabendo cuidar a estimativa de vida é muito maior, o que mata transexual no Brasil é a transfobia, atos de violência física, moral ou psicológica. É preciso ter mais compreensão sobre a causa, é necessário mais educação sobre esse tema nas escolas e dentro de casa, é imediato a necessidade de romper o preconceito.

A sua verdade não é absoluta, respeito se deve a todos. “Ame o seu próximo como a si mesmo”. Essa frase poderia ter sido dita pelo M.Jordan mas é um pouco mais antiga que ele, e, na verdade, foi dita por um ídolo também muito conhecido por muitos. Essa frase e seu autor eu deixo no ar, mas adianto que para ela só existe uma interpretação e não está relacionada a preconceitos.

O mês da visibilidade trans foi em janeiro, mas o respeito deve ser praticado todos os dias.

*Agradecimento especial a Tarso Brant por ter colaborado com a matéria.