Tags Posts tagged with "vacinação"

vacinação

0 84

A Una  já é parceira da Prefeitura de Belo Horizonte quando o assunto é a imunização contra a Covid-19. Agora, a partir de hoje (04/04), a instituição abre as portas da unidade João Pinheiro para a vacinação gratuita contra a gripe – cepas 2022. Neste dia, serão promovidas ações gratuitas voltadas à promoção da saúde e bem-estar.

A comunidade terá acesso a diagnóstico nutricional, aferição da pressão arterial, quick massage e orientações odontológicas. “A iniciativa vem para selar o compromisso da Una de promover atividades práticas aos seus estudantes, ao mesmo tempo em que oferece serviços úteis e gratuitos à população. Queremos chamar atenção para um assunto de muita importância: manter a cartela de vacinação em dia, especialmente agora com a mudança de estação, e não somente para crianças”, destaca a professora de jornada do curso de Enfermagem da Cidade Universitária Una, Maria de Fátima Silva Castro.

A imunização acontece de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Para saber quem pode se vacinar é necessário acessar o site da PBH e verificar as indicações.

Serviços 

Enfermagem: 
Segunda a sexta-feira, de 08h às 17h
Aferição da pressão arterial

Nutrição:
Quartas-feiras, de 11h às 12h
Diagnóstico nutricional (medidas corporais)

Fisioterapia:
Quartas-feiras, de 11h às 12:00h
Quick massage

Odontologia:
Quartas-feiras, de 8h às 10h
Ações de orientação de métodos de prevenção e diagnóstico precoce das lesões da cavidade oral.

 Una João Pinheiro II 
Av. João Pinheiro, 580 – Lourdes
segundas às sextas-feiras, das 8h às 17h
Telefone: (31) 3235-7300

0 115
Vacinação contra a gripe Influenza em postos de Drive-Thru, no Lago Norte . Sérgio Lima/Poder360 24.02.2020

Por Daniela Reis 

E depois de tantas incertezas e discussão política, o Brasil completa um ano de vacinação contra a Covid-19 com quase 70% da população já imunizada com a segunda dose ou dose única. Enquanto no auge da pandemia o país registrava mais de duas mil mortes por dia, atualmente a média próxima é 130. 

O Brasil viveu momentos de muitos atritos, tanto que a imunização iniciou-se com atraso comparada a países como Argentina, Chile e México. Porém evoluiu de maneira surpreendente, uma vez que a população aderiu a campanha e encheu os postos de vacinação em todos os estados. 

Mesmo superando outras potências em porcentagem de imunizados e com a incrível queda de mortes e casos graves provocados pelo coronavírus, o país ainda enfrenta desafios importantes de combate à pandemia que é o surgimento da Ômicron, uma cepa fez a média móvel de casos no Brasil subir mais de 600%. 

A Ômicron

O primeiro caso confirmado dessa cepa no Brasil, aconteceu no final de novembro de 2021. Naquele momento não se podia prever a rapidez com que o vírus se proliferaria e causaria tantos novos casos. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, chegou a dizer  que a nova cepa “não é variante de desespero” e que o Brasil estaria preparado para uma nova onda de casos do novo coronavírus.

Porém, quase dois meses depois, o tsunami de infecções provocado pela nova variante registra, dia após dia, recorde no número de casos: no mundo, foram mais de 3,2 milhões em 24 horas; no Brasil, a média móvel subiu mais de 600%. 

Ao contrário do que previa o ministro, o país não conseguiu acompanhar a evolução da situação pandêmica. Com a explosão de casos do novo coronavírus, algumas capitais brasileiras já estão sofrendo com grandes filas e lotação de pacientes.

O avanço da variante está provocando falta de profissionais de saúde na linha de frente do combate aos efeitos da doença, devido aos afastamentos de profissionais. Além disso, prefeituras e secretarias de saúde lutam contra a falta de estoque de testes para a detecção dos vírus das duas doenças.

Um estudo feito pelo Instituto Todos pela Saúde (ITpS), em parceria com os laboratórios Dasa e DB Molecular, constatou que a cepa prevaleceu em 98,7% das amostras analisadas no Brasil. Os pesquisadores analisaram 8.121 amostras coletadas entre 2 e 8 de janeiro de 2022.

Desde o dia 1º de dezembro de 2021, os pesquisadores testaram um total de 58.304 amostras em 478 municípios de 24 estados e do Distrito Federal. A Ômicron foi identificada em 191 municípios de 17 estados: Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe, Tocantins e também no Distrito Federal.

A análise demonstrou também, um aumento nos testes positivos para COVID-19. Entre a última semana de 2021 e a primeira de 2022, a positividade nos testes saltou de 13,7% para 39,5%.

Vacinação nas crianças 

Mais um avanço para conter a pandemia aconteceu no dia 05 de janeiro, quando o Ministério da Saúde incluiu as crianças de 05 a 11 anos no plano de vacinação contra a covid-19. 

Segundo a nota técnica divulgada pelo governo, a ordem de prioridade na imunização será a seguinte:

  1. crianças de 5 a 11 anos com deficiência permanente ou com comorbidades
  2. crianças indígenas e quilombolas
  3. crianças que vivem em lar com pessoas com alto risco para evolução grave de Covid-19
  4. crianças sem comorbidades, em ordem decrescente de idade: primeiro, as de 10 e 11 anos; depois, as de 8 e 9 anos; em seguida, as de 6 e 7 anos; e, por último, as crianças de 5 anos.

No entanto, estados e municípios podem decidir sobre a vacinação.

Após tantas discussões, o Ministério da Saúde orienta que os pais “procurem a recomendação prévia de um médico antes da imunização” – mas não exigirá receita médica para aplicar a vacina.

A autorização por escrito só será necessária se não houver pai, mãe ou responsável presente no momento em que a criança for vacinada.

A vacina será dada em duas doses e com 21 dias de intervalo,  assim como nos adultos, mas a dosagem, a composição e a concentração da vacina pediátrica são diferentes da dos adultos.

O frasco da vacina para crianças também terá uma cor diferente daquela aplicada em adultos, para ajudar os profissionais de saúde na hora de aplicar a vacina.

0 1269

Os pontos extras facilitam a aplicação de vacinas e ajudam a evitar aglomerações

A Una é o primeiro Centro Universitário de Belo Horizonte a atuar como posto extra de vacinação para Covid-19. A partir de hoje, 25 de maio, de 7h30 às 16h, serão vacinadas pessoas de 18 a 59 anos com comorbidades, deficiência permanente cadastradas no benefício de prestação continuada (BPC), gestantes e puérperas.

Podem tomar a primeira dose aqueles que preencheram o cadastro no portal da Prefeitura até o dia 16 de maio.

Outras informações sobre a vacinação contra a covid-19 em Belo Horizonte estão disponíveis no portal da PBH.
Serviço:

Onde: Centro Universitário Una – Campus Guajajaras. Rua dos Guajajaras, 175, Centro, BH.
Quando: a partir de terça-feira, dia 25/03.
Horário: segunda à sexta, de 7h30 às 16h.

Para saver como chegar, clique aqui.

Mais detalhes, acesse o link.

0 626

Por Hellen Santos

 

Neste sábado, 20, todas as unidades de saúde da capital estarão abertas das 08h às 17h para o fornecimento das vacinas contra a febre amarela. Ao todo, 152 centros em toda Belo Horizonte e região vão intensificar a vacinação contra a doença que já fez sua 15ª vítima no estado.

 

Na manhã desta quarta-feira,17, o presidente da Rede Minas, Flávio Henrique Alves de Oliveira teve registrado Febre Amarela em seu quadro clínico, sendo ele, a 12ª vítima confirmada na região metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com dados de epidemiologia da capital, Oliveira pode ter contraído o vírus em uma região de sítios ou matas da grande BH. Outro ponto que ocorreu desta contaminação é que o paciente não era vacinado.

 

Na região do Barreiro, um morador veio a óbito no dia 11 de janeiro, por febre amarela, como consta na confirmação de exame de laboratório concluído nesta terça (16). Esse foi o primeiro caso na capital. Conforme relatos da Secretaria Municipal da saúde, a vítima não tinha registro de vacinação e estava com baixa imunidade. A cidade de Nova Lima lidera os casos de febre amarela, com mais de cinco vítimas. Segundo os órgãos de saúde, os primeiros sintomas do paciente infectado é febre repentina, calafrios, dor de cabeça, dores nas costas e no corpo em geral, náuseas e vômito, fraqueza e fadiga.

 

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) destaca a importância da vacinação, principalmente para aqueles que irão viajar para regiões rurais. Vale ressaltar que uma dose é equivalente a uma proteção para a vida toda.

 

 

 

0 1165
Imagem divulgação/ Ministério da Saúde

Com sete casos confirmados da gripe H1N1, ou a Influenza A, em Belo Horizonte, cinco a mais que no ano passado nessa mesma época do ano, o Ministério da Saúde que iniciaria no dia 30 de abril a campanha de vacinação contra a gripe em toda a capital mineira, começou a imunização na rede pública na última segunda feira, 25.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte que trabalha com dados de notificações da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), até o dia 20 de abril foram registradas na capital 315 notificações de suspeitas de Influenza, gripe causada pelo vírus H1N1, um subtipo do influenzavírus do tipo A.

A campanha, que vai até o próximo dia 20 de maio na rede pública, tem como prioridade a vacinação de crianças de seis meses a cinco anos, gestantes (independente da idade gestacional), trabalhadores de saúde, população privada de liberdade e portadores de doenças crônicas ou doenças que comprometam a imunidade.

Mesmo determinando o grupo alvo ou prioritário o Ministério Público pretende vacinar 669.260 pessoas durante o período da campanha, que em Belo Horizonte será realizado em 148 Centros de Saúde, atendendo todas as regionais da capital. Nas clínicas particulares a vacina já está disponível e segundo o Ministério da Saúde para uma maior eficácia da vacina todos devem se vacinar.

Conhecendo a doença

Influenza ou H1N1, que é mais conhecida como gripe e chegou ao Brasil em 2009, é uma doença viral, geralmente benigna,  é o resultado da combinação do vírus da gripe humano, aviário e suíno.  A infecção gerada por ela dura mais ou menos uma semana tendo um período de incubação que varia de três a cinco dias.

A doença que possui três tipos de vírus: A, B e C, com o último não possuindo nenhum impacto na saúde pública, já que ele não está relacionado com epidemias, causa apenas infecções respiratórias brandas. Os vírus A e B são os mais severos sendo o Influenza A de maior magnitude.

O vírus, que se divide em subtipos, é o respónsavel pelos A(H1N1) e A(H3N2) que são os que circulam atualmente entre os humanos. Mas, há outros vírus do Influenza A de origem aviária que também podem infectar humanos, como é o caso do A(H7N9).

A transmissão

A transmissão se dá pelo contato direto com animais ou objetos contaminados e de pessoa para pessoa, a última pode ocorrer por via aérea ou por meio de partículas de saliva e de secreções das vias respiratórias.

Os Sintomas

Os sintomas que ocorrem de maneira repentina e que são sistêmicos incluem: febre, calafrios, tremores, dor de cabeça, mialgia(dor muscular) e anorexia, assim como sintomas respiratórios como: tosse seca, dor de garganta e coriza.

Os cuidados

  • Lavar frequentemente as mãos com bastante água e sabão ou desifentá-las com produtos â base de água;
  • Jogar fora lenços descartáveis usados para cobrir a boca e nariz ao tossir ou espirrar;
  • Evitar aglomerações e contato com pessoas doentes;
  • Não levar as mãos aos olhos, boca ou nariz depois de ter tocado em objetos de uso coletivo;
  • Não compartilhar copos, talheres ou objetos de uso pessoal;
  • Procurar assistência médica caso o doente apresente sintomas que possam ser confundidos com os da infecção do vírus H1N1.

 

Por Ana Paula Tinoco

Em parceria com a Associação das Prostitutas de Minas Gerais (APROSMIG), a Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) realiza a I Semana de Promoção à Saúde das Prostitutas. A campanha é realizada no 3º andar do Shopping UAI e vai até o dia  07 de junho. O objetivo é conscientizar as profissionais do sexo sobre a importância da prevenção contra as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) e melhorar o acesso desse público ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Priscila de Moura Franca, referência técnica em prevenção da Coordenação de DST e AIDS da SMSA explica que a ação visa levar os serviços de vacinação e testagem para mais próximo das prostitutas. “A ideia surgiu em razão da dificuldade que as meninas encontram em sair no seu horário de trabalho e se deslocar até um centro de saúde para realizar os exames”, explica. A campanha também pretende criar um vínculo entre a classe e os centros de saúde. “A medida em que o resultado positivo é encontrado, é feito o encaminhamento aos serviços secundários”, esclarece.

Durante a execução do teste de HIV/AIDS, é realizada a vacinação contra hepatite e gripe. O resultado é divulgado em 30 minutos. Enquanto a verificação é processada, os técnicos oferecem aconselhamento sobre prevenção e orientam as profissionais do sexo acerca dos serviços disponibilizados pela SMSA. Priscila ressalta que do início dos trabalhos até o meio-dia desta quarta-feira 170 pessoas já foram testadas. “O processo está dinâmico, as meninas comparecem aos poucos, não há tumulto e temos testado uma média de 80 mulheres por dia”, avalia.

A APROSMIG se encarregou da divulgação entre as prostitutas nos hotéis. Mônica compareceu e elogiou a campanha: “facilitou por ser mais rápido, o posto é longe e a gente tem que deixar o trabalho”. Outra participante que preferiu não se identificar contou que tomou conhecimento do evento pela televisão. “A campanha é maravilhosa, o meu teste está em dia, mas eu quis comparecer mesmo assim”, declara.

Por: Fernanda Fonseca
Foto: Fernanda Fonseca