Zootopia: Um círculo vicioso de preconceitos e discriminação

Zootopia: Um círculo vicioso de preconceitos e discriminação

0 1005

Por Ana Paula Tinoco

Sempre amei as animações da vida, O Rei Leão era o meu ápice. Quando a Pixar ganhou o mundo com Toy Story, eu estava saindo da adolescência, ou seja, ela fez parte de uma grande mudança da minha vida. Talvez, por isso, eu seja uma daquelas pessoas que vê o estúdio com outros olhos que vão além da sua qualidade.

Há alguns anos a Disney percebeu que se você não consegue vencer a competição o melhor é agrega-la a sua enorme fábrica de dinheiro. Mas, o melhor disso tudo foi ver o quanto a Pixar ensinou a Disney ao longo dos anos dessa junção. Temos um ótimo exemplo: Frozen. Uma história que foi muito além da fábula manjada do tudo vai dar certo e você será feliz para sempre.

Claro que em alguns títulos, como é o caso de Bravejá digo que é um dos meus filmes preferidos, você pode ver uma influência enorme dos estúdios Disney na história, que sempre conta com uma mensagem de evolução de caráter no final. Mas, que se mostra bacana e inovadora quando você percebi que Merida está longe de ser mais uma “princesa Disney”.

Sem mais delongas vamos ao ponto desse texto: Zootopia! Claro que demorei a ver o filme. Mas, não me arrependo. Algumas animações e até mesmo outros estilos de filmes são feitos para serem vistos no momento certo. Para mim é quando a expectativa criada por causa de todo o marketing em cima do título em questão já passou. Quase sempre fico decepcionada quando sigo a maré do está todo mundo vendo.

A preparação foi a mesma de sempre: Um copo com água e gelo, biscoito recheado, edredom (pode tá 1.000 graus que ele é peça chave, nem que seja p ficar do ladinho) e silêncio. Acho que por isso não gosto de cinema, principalmente em dia de estreia. No início estava na cara que era Disney, também admiro isso, pois as animações são sempre muito distintas entre os dois estúdios, personagens fofinhos e muito bem representados em sua natureza animal.

Judy Hopps é a perfeita protagonista, sonhadora quer quebrar um círculo vicioso de sua família. Família que possui uma fazenda e o que mais ela poderia fazer se não cultivar verduras e vegetais, afinal ela é uma coelha. É um mundo perigoso lá fora, onde a lei do mais forte é a que prevalece, ou seja, você é aquilo e pronto e não adianta tentar provar o contrário, pois tudo que eles vêm é o que está diante de seus olhos.

Querendo quebrar esses tabus, Hopps vai para Zootopia após se tornar a primeira de sua espécie a se juntar a força policial. Ao chegar, ela sofre preconceito e então começa a sacada do filme. Apesar de querer quebrar os estereótipos provando que você pode ser o que quiser independente de sua natureza, Hopps se mostra tão preconceituosa quanto os outros a sua volta que sempre a deixavam triste quando duvidavam que ela poderia ser mais que uma “coelha fofinha”. E isso se materializa na forma da raposa Nick Wilde.

Assim como no nosso dia a dia os animais são julgados por sua aparência. E a parte mais interessante é quando de forma bem divertida eles mostram que em algumas situações as aparências enganam e que às vezes aquela pessoa fofinha é na verdade “um lobo na pele de cordeiro”.

E por ai vai, cada animal que sofre preconceito e discriminação por ser quem é, tem o mesmo comportamento com os outros a sua volta. A mensagem que tirei do filme? Cuidado ao tentar quebrar estereótipos que são criados e rotulados a você, por que ao tentar quebra-los você pode estar fazendo exatamente o mesmo com aqueles a sua volta, e muitas vezes, sem perceber.

Por isso, é preciso se educar e se policiar. Ter cuidado ao tentar quebrar tabus ou você pode sem querer generalizar, criar ou reforça rótulos. Tornar alguém vítima do mesmo preconceito e discriminação que você luta contra, apenas por essa pessoa ser diferente em pensamento, forma e vivência que você.

Zootopia é divertido, tem qualidade e mostra a nossa realidade nua e crua. Realidade de como a sociedade trata aqueles que são diferentes e lança mão dos mesmos hábitos que tenta colocar por terra cada vez que generaliza determinada situação usando determinado grupo como ponto de referência, como se você não fosse diferente só por fazer parte daquela parcela.

NO COMMENTS

Leave a Reply