lazer

Imagem: Reprodução/Google

Por Bruna Valentim

Cartas para Julieta, Querido John, Razão e Sensibilidade, Orgulho e Preconceito; essas são apenas algumas obras da ficção clássica e contemporânea onde as cartas são consideradas um personagem importante, com poder de ditar os rumos das situações na trama principal. As cartas contam segredos, dores, declaram paixões, arrependimentos e novidades.

 

Desde o início dos tempos a comunicação por meio da escrita foi essencial para as relações humanas. As cartas foram, por anos, o único meio de comunicação entre pessoas queridas que estão distantes, elas podem ser carregadas de palavras de amor, frustração, carinho e raiva. Cartas já tiveram o poder de começar alguns relacionamentos e finalizar outros. Por vezes enviar cartas é o único meio encontrado por pessoas com dificuldades de verbalizar seus sentimentos e anseios. Cartas podem ser tanto um ato de amor quanto um ato político.

 

No dia 25 de janeiro, é comemorado o dia do carteiro, o principal meio entre o mensageiro e o receptor. O profissional que trabalha horas por dia faça chuva ou faça sol para que as correspondências cheguem até seu destinatário final. Seja o cartão postal de um amigo que está distante, uma conta a pagar, um encomenda há tempo ansiada, uma carta de alguém especial.

 

Com o surgimento da tecnologia, o envio de cartas manuscritas foi diminuindo, sendo substituída por fax, emails e as populares mensagens instantâneas. O uso da tecnologia foi um grande auxílio para acelerar diálogos e transmitir notícias em tempo real.  Mas ainda há pessoas apegadas a prática intrínseca de pegar uma caneta, um papel e colocar seus sentimentos ali, um ato cada vez mais raro e por consequência valorizado.

 

Larissa Ohana, 23 anos, escreve crônicas o tempo todo e disponibiliza na internet para seus textos. Com páginas em plataformas online a estudante de moda se sente confortável ao compartilhar com mundo suas emoções. Larissa não se recorda de escrever cartas diretamente direcionadas a alguém, mas gosta da pessoalidade da ideia “Acho muito legais, mas é algo que não é do nosso tempo. O que atrapalha é a dificuldade das notícias alcançarem seus destinos, que é o que acontece com as redes sociais. Talvez se houvesse uma forma de fazer isso de forma online, seria interessante. Hoje provavelmente eu escreveria para pessoas queridas, gente que eu amo, contaria sobre minha vida e perguntaria sobre a vida delas”.

 

A funcionária pública Maria Silva de 55 anos, por outro lado lembra com nostalgia de sua juventude e sobre a importância das cartas em suas relações “Já escrevi muitas cartas de amor, muitas. Me comunicava assim com um noivo do passado, que não era aceito pela família na época. Trocamos confidências e juras de amor por muito tempo. Também foi por carta que finalizamos nosso relacionamento. Descobri uma traição e estava tão chateada que não conseguiria encara-lo pessoalmente, então escrevi uma carta.” Relembra “Hoje em dia as coisas estão​ mais rápidas, mas tinha algo especial em tirar uma parte do seu dia, escolher um papel de carta, um envelope, ir até o correio ou esperar ansiosamente o carteiro. Eram coisas simples que traziam felicidade” finaliza

 

Por sua vez o publicitário Henrique Ferreira de 25 anos, conta que escreve cartas independentemente delas serem entregues, escrever sempre me ajudou ou não “Tive um momento difícil na minha vida, tava com um forte bloqueio criativo e depois disso dei uma pausa, mas eu escrevo sempre sempre sempre. Hoje em dia tudo é muito virtual, cartas você escreve e guarda. As coisas virtuais vão e voltam. Eu envio muitas cartas então não sinto falta de enviar, mas sinto de receber. Hoje com as redes sociais tudo tá muito impessoal. Então eu recebo textos pelo twitter, facebook, emails… Mas cartas a punho eu posso contar nos dedos quantas já recebi. Se eu fosse escrever uma carta hoje, escreveria para o meu eu do passado, contando um pouco como estão as coisas aqui agora. Escreveria para o Henrique adolescente, acho que seria legal, receber umas atualizações, umas palavras de conforto de mim agora”.

 

No Facebook existe um grupo com essa finalidade, as pessoas contam seus problemas, dramas pessoais, histórias, e deixam sua caixa postal, para quem ler e se identificar de alguma maneira ou quiser ajudar, possa enviar uma carta.

 

Além do Dia do Carteiro, também é comemorado os 355 anos dos Correios. Simone das Graças, que trabalha na firma desde de 2002,  ressalta que a empresa mudou muito ao longo dos anos, o que se deu devido ao avanço da tecnologia “Hoje quem procura o serviço de envio de cartas é majoritariamente  familiares de pessoas em situação carcerária, com isso o foco social mudou um pouco e hoje em dia serviços de sedex são os mais procurados, então a empresa dá mais importância ao transporte de mercadorias. Fazemos vários serviços bancários também pois temos convênio com o Banco do Brasil,temos telefonia e outros serviços do gênero”

 

Em caso de dúvidas quanto ao funcionamento das agências dos correios Simone explica “O recebimento de cartas pelo destinatário não mudou e é entregue no endereço colocado na caixa de correios quando registrada em casos de encomenda a mesma é entregue com a assinatura do receptor”.

 

 

0 215
Divulgação

Por Ana Paula Tinoco

O Universo Star Wars é um dos mais rentáveis do mundo do entretenimento e isso se prova através de números. A Disney, que detém os direitos da franquia criada por George Lucas desde 2012, arrecadou somente o ano passado, 2016, com o lançamento de “O Despertar da Força” no final de 2015, US$ 1 Bilhão. E esse sucesso está ligado a tudo que está relacionado à marca, fato que acabou transformando o estúdio de Walt o mais poderoso do mundo.

Para alguns, pode-se tratar de uma surpresa caso não esteja familiarizado com Luke Skywalker, Princesa Leia, Han Solo e Chewbacca ou o icônico vilão/ anti-herói Darth Vader. Mas, fato é que após 11 anos de um longo hiato, a Disney trouxe de volta a esperança dos fãs da incrível saga e com isso conquistou novos Jedi e Sith.

Este ano, mais precisamente dia 13 de dezembro, próxima quarta-feira, ocorrerá o lançamento de um novo capítulo da nova trilogia conhecida como “Sequela”. A Disney agora lança o episódio VIII – Os Últimos Jedi e fãs de todo o mundo esperam ansiosos por esse dia, os ingressos para pré-estreia acabaram em questão de horas quando anunciada suas vendas.

O Minas Shopping embarcou no clima e comprou uma passagem para uma galáxia distante no dia 14 de dezembro, quinta-feira, e as boas-vindas para todos aqueles que quiserem participar desta viagem intergaláctica serão dadas pelo fã-clube oficial Conselho Jedi de Minas Gerais a partir das 18h. Divididos entre o lado luminoso e o negro da força, os integrantes irão circular pelo Mall e interagir com o público. Fotos, vídeos ao som da bela Marcha Imperial de John Williams, tema do de um dos Sith mais poderoso do universo, Lord Vader.

Porém, caso você queria se aventurar por este universo fantástico, o Minas Shopping também realizará de 13 a 28 de dezembro uma exposição de miniaturas e trajes dos personagens da Saga. Ela ficará exposta no Piso 2, localizada em frente à loja oficial do Authentic Games e o melhor a participação é gratuita. Para o gerente de marketing do Minas Shopping, Christian Magalhães, essas ações são válidas diante do amor que os fãs demonstram por franquia, “Buscando oferecer uma experiência diferenciada, temos promovido diversas ações interativas dos cosplayers de Star Wars. A exposição das miniaturas e trajes dos personagens complementam as atrações para os fãs da saga”, concluí.

Prepare seu sabre de luz e não perca a oportunidade de embarcar nesta jornada por esta intensa e imensa galáxia.

 

Foto: Carla Maia

Por Bruna Valentim

Foto: Carla Maia

O Lumiar, 4º Festival Interamericano de Cinema Universitário, teve seu início ontem, 26 de outubro, no Cine Humberto Mauro. A mostra que inaugurou o evento teve todos seus ingressos esgotados meia hora antes da sessão do filme “Esfera Máxima”, vencedor do 3º Edital Lumiar de Apoio à produção de curta-metragem, promovido pelo curso de Cinema e Audiovisual da UNA. Após a exibição do curta o público presente teve a oportunidade de ouvir os comentários do diretor do filme exibido que estava presente na sessão.

Hoje dia sexta-feira, o festival homenageará o produtor executivo João Vieira Jr em uma Masterclass, às 20h, no Cine Humberto Mauro. A homenagem incluirá seis longas-metragens de diferentes períodos da carreira do produtor e os cinco episódios da minissérie Fim do mundo (Canal Brasil). Um desses longas é Tatuagem que, logo após a sua exibição, será comentado pelo diretor Hilton Lacerda, em um bate-papo ao lado de Jacson Dias (Integrante do UNA-se contra LGBTfobia).

O evento que durará até o dia 1 de novembro, ainda conta com atrações como a Mostra Competitiva Interamericana, três mostras paralelas de curtas, Palestra sobre Acessibilidade no cinema; Debate Novos desafios do mercado audiovisual e uma festa de encerramento do festival que ocorrerá na Benfeitoria.

A programação do festival é inteiramente gratuita e livre para todos os públicos. As atividades ocorrem no Cine Humberto Mauro (Palácio das Artes – Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro), na Uma Campus Liberdade (Rua da Bahia, 1764, Lourdes), no auditório da Uma Campus Aimorés (Rua dos Aimorés, 1.451, Lourdes) e na Benfeitoria (Rua Sapucaí, 153, Floresta).

 

Por: Kedria Garcia

A Praça Marechal Floriano Peixoto, localizada no bairro Santa Efigênia região Centro-Sul de Belo Horizonte, recebeu nos dias 21, 22 e 23 de julho a segunda edição do Festival da Gentileza com muito gás. A praça comumente conhecida como Praça do BG, foi palco de uma programação diversa com shows, feiras, oficinas, contação de histórias entre outras atrações.

A edição anterior, ocorreu na Praça da Liberdade e foi marcada com fitas coloridas e suas frases de reflexão, este ano não foi diferente. Posicionadas na entrada da praça, o público adulto aproveitou para tirar fotos e as crianças para se divertir entre as faixas. O evento chama a atenção por incentivar a população a dar uma respirada e parada na correria da vida cotidiana deixando a rotina de lado, o que foi bem aproveitado com as toalhas na grama e os piqueniques.

 

Foram três dias para entender a necessidade da gentileza praticada diariamente. A festa teve como tema: “Respire, Pare e Faça”, instigando os belo-horizontinos a repensar no tempo gasto, assim como a capacidade de colaboração e a solidariedade.

A organização ficou por conta do movimento Verbo Gentileza com apoio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura da Prefeitura de Belo Horizonte e a Fundação Municipal de Cultura, além dos patrocínios de empresas privadas e algumas parcerias foram feitas para promover o festival.

 

Fotografia: Lucas D'Ambrosio

Banda mineira, Pink Floyd Reunion apresenta espetáculo conceitual para o público de Belo Horizonte.

Reportagem: Lucas D’Ambrosio

As noites de Belo Horizonte são conhecidas, entre outras atrações, pela sua cena musical. Diferentes bandas se apresentam periodicamente pelos pub’s e casas especializadas, trazendo trabalhos autorais ou obras já consagradas. Um dos grupos que se destacam nesse cenário é o Pink Floyd Reunion.

Nos dias 10, 11 e 12 de março (sexta, sábado e domingo), a banda apresenta o espetáculo “The Wall, o filme”. O palco será o Cine Theatro Brasil Vallourec, na Praça Sete, região central de Belo Horizonte.

A Reunião

Criada em 2003 por um grupo de amigos, ela se consolidou na noite belo-horizontina pela fiel reprodução do trabalho criado pelo Pink Floyd. Outro ponto de destaque, são as apresentações conceituais, que misturam a música com reproduções e experiências audiovisuais, presentes em parte do repertório de shows da banda mineira.

Para os ensaios, um estúdio de garagem é o local para a reunião dos sete integrantes da banda: Marcelo Canaan, Fernando Grossi, Raphael Rocha, Fernando Nigro, Raquel Carneiro, Marcelo Dias e Thiago Barbosa. Entre uma pausa e outra para ajustes de instrumentos, um café e água servida em filtro de barro, alguns instrumentos aguardavam as mãos dos músicos para iniciarem os trabalhos.

Em um quarto de garagem, na cidade de Belo Horizonte, acordes, notas, cantos e ajustes abrigam o Pink Floyd Reunion. Fernando Nigro é quem conduz a bateria da banda.  Fotografia: Lucas D’Ambrosio
Entre um ajuste e outro, leva tempo até organizar todos os instrumentos. No meio de cabos, teclados e contrabaixo, os integrantes Thiago Barbosa, Raphael Rocha e Marcelo Dias se preparam para mais uma maratona de ensaios. Fotografia: Lucas D’Ambrosio
O processo de imersão da banda para a realização do espetáculo já dura três meses. Ensaios, encontros, reuniões e acertos finais se fazem necessários para que a identidade na fidelidade de execução possa ser mantida. Na foto, os fundadores da banda, Fernando Grossi e Marcelo Canaan. Fotografia: Lucas D’Ambrosio

Dentre incontáveis cabos distribuídos pelo chão, 14 instrumentos de corda, uma bateria e três teclados, os ajustes são realizados pelos integrantes da banda, que preparavam os equipamentos para o início do ensaio. Os pés nas pedaleiras sincronizavam os últimos ajustes para o seu início. O repertório? A trilha sonora do filme “The Wall”, inspirado no disco de mesmo nome (lançado em 1979), da banda britânica. Para o espetáculo, a banda terá a companhia de um coral e orquestra, comandados pelo maestro Rodrigo Garcia.

Veja a entrevista completa com Marcelo Canaan. O Produtor executivo, guitarrista e vocalista do Pink Floyd Reunion conta mais sobre o espetáculo “The Wall”: 

Foto Luander Lennon

Em sua estreia na Campanha de popularização Teatro e Dança, Nelio Souto chega em grande estilo. Como produtor e ator, ele enriquece o quadro de espetáculos do evento trazendo duas peças, uma adulta “As Casadas Solteiras” e uma infantil “Um Chorinho para Dona Baratinha”. E, nesse clima de cultura e arte, o Jornal Contramão conversou com o produtor e ator para conhecer melhor o processo por trás da produção.

Contramão: Como foi a preparação para a Campanha?

Nelio Souto: O espetáculo a princípio não tinha pretensão de entrar na campanha, mas o resultado ficou bom então tomamos essa decisão. Cumprimos uma temporada de quatro semanas ano passado e hoje chegamos então a esse que é um dos maiores, senão o maior em termo de público, evento ligado ao teatro do país.

Contramão: Sobre as peças, como foi desenvolve-las e como é vê-las em execução?

Nelio Souto: O processo de montagem é muito interessante, enriquecedor. Desde a escolha do texto, as primeiras leituras, os estudos, a divisão dos personagens. Tudo muito rico. Ensaiamos por três meses com dois encontros semanais, e essa folga de agenda permitiu ir acompanhando o processo e notando seu desenvolvimento a cada semana, a cada elemento que é acrescentado ao processo de criação, até que o produto final esteja pronto para ser apresentado ao público. Ver hoje esse espetáculo concluído, traduzido para libras e ainda com audiodescrição é muito gratificante. É ver um trabalho o qual você se empenhou, se dedicou… e de repente ele está pronto e passa a ter uma espécie de vida própria, como se não dependesse mais de você e agora fosse do público. É muito prazeroso para o ator saber que seu trabalho, que seu espetáculo está chegando às pessoas, tocando, comovendo, passando uma mensagem…

Contramão: O que podemos esperar do espetáculo desenvolvido por sua equipe?

Nelio Souto:  É um espetáculo clássico, escrito em 1845, uma comédia de época. Não é um besteirol, mas uma comédia que apresenta o humor nos detalhes, na crítica social de uma época, dos costumes e comportamentos da época. A diretora manteve o texto praticamente na íntegra o que dá ainda mais sabor ao espetáculo com relação à narrativa e às escolhas do autor. Acho que o público irá encontrar uma comédia engraçada e inteligente ao mesmo tempo e terá a oportunidade de reler no palco um autor clássico da nossa literatura.

Contramão: A resposta do público, como eles tem reagido? Mais pessoas estão indo ao teatro?

Nelio Souto: Pelo fato de o espetáculo não ter um apelo popular no ponto de vista de gênero, por ser considerado uma comédia mais, como costumam dizer, cabeça, o espetáculo acaba tendo um público mais curioso, de pessoas em busca de uma história, de um teatro menos óbvio, digamos. E também de um público que conhece o texto, o autor e vai ao teatro atraído pela beleza do contexto literário e teatral da montagem. Acho que é uma oportunidade para as pessoas diversificarem um pouco o que assistem. O teatro tem uma infinidade de possibilidades, narrativas, formatos… é importante que o público passe por várias possibilidades… senão ficamos sempre na comédia rasgada, no besteirol, elegendo apenas esse formato como teatro, o que não é uma verdade diante dos vários gêneros e estilos possíveis a uma montagem. Então acho que nosso espetáculo é um convite a visitar uma possibilidade de comédia que foge um pouco dos estereótipos atuais.

Contramão:  E para o ano que vem, já possui planos?

Nelio Souto: Esse ano circulo com um outro espetáculo… um infantil que inclusive também está na campanha, que é “Um chorinho para Dona Baratinha”, com um texto super legal que homenageia chorinhos clássicos de Ernesto Nazareth e Chiquinha Gonzaga. E também começamos a preparação para um novo espetáculo a partir de março. No mais é isso. Então fica aí o convite para nos assistirem e principalmente para nos ajudar a divulgar as sessões com libras e com audiodescrição.

Serviços:
As casadas solteiras, com direção de Rosanne von Sperling
De 25/01 à 05/02, quarta a sábado às 20h30 e domingo às 19h, no Teatro Santo Agostinho
Um chorinho para Dona Baratinha (Musical Infantil)
De 28/01 a 05/02, às 16h no Teatro Santo Agostinho
Para outras informações: (31) 3582-6665.
Ingressos nos postos Sinparc e através do site www.vaaoteatromg.com.br
Por Ana Paula Tinoco