Cotidiano

Por Bianca Morais 

Dando continuidade a comemoração ao mês das mães, o Jornal Contramão traz hoje a história de Vanessa. Mostraremos os prazeres e os desafios de conciliar a rotina profissional com a maternidade durante a pandemia.

Vanessa Cristina Lopes Santos, tem 46 anos e é professora do curso de Engenharia Elétrica da Una Cristiano Machado e do Uni-BH. Além de exercer o papel como profissional da educação, também atua em um outra área muito importante, a maternidade. Vanessa é mãe de três crianças, Fernando, o mais velho, e as gêmeas Isabela e Letícia.

Para a professora, ser mãe sempre foi mais que um sonho, foi uma realização como mulher. Casada há 15 anos, ela sempre teve o desejo de ter no mínimo dois filhos. “Na realidade, sempre enxerguei a maternidade como um empréstimo em confiança. É uma missão que Deus nos confia”. E Deus confiou e muito nela, dando-lhe três filhos, pois sabia que ela seria capaz.

 

Começa uma história de amor

Vanessa e o marido fizeram Engenharia na mesma faculdade, porém não se conheceram nessa época. O encontro aconteceu apenas no mestrado, anos depois. Podemos dizer que foi obra do destino, pois logo se apaixonaram e estão juntos até hoje. 

Depois de casados, os dois planejavam o futuro. Queriam dois filhos, para eles o número ideal para ter uma vida tranquila e confortável. Fernando, 11 anos,  é primogênito. Um menino muito calmo e que sonhava com a companhia de um irmão. Para os pais, o cenário perfeito, pois sempre idealizaram um ambiente de partilha, uma criança sendo companheira da outra.

Na época em que descobriu a segunda gravidez e contou ao filho, Fernando já sabia que viriam dois, isso sem ao menos a mãe ter feito o ultrassom. “O mais interessante é que quando soubemos da gravidez, fomos perguntar ao Fê se ele iria ter irmão ou irmã, qual seria o presente que  o Papai do Céu mandou. Para surpresa de todos, ele  nos disse que ganharia dois irmãos e contou na escola, para a família e a todos que ele conhecia. Nós achamos aquela situação engraçada”.

Fernando foi preciso em sua intuição! A mãe realmente estava grávida de dois bebês, só que esperava dois irmãos, porém na realidade eram duas meninas: Isabela e Letícia, atualmente com 7 anos . 

“No dia da ultrassonografia, quando o médico disse que tinha uma surpresa, eu e meu marido nos surpreendemos mais ainda com a sensibilidade do Fernando. Este acontecimento aumentou demais nossa fé e nos uniu muito como família, acreditamos que a sensibilidade dele foi uma forma de Deus nos mostrar o quanto ele estava depositando confiança em nossa fammília”.

O cotidiano antes da pandemia

Passeios em família eram constantes

Antes do isolamento, a família vivia a mesma rotina diariamente. Na parte da manhã, as crianças tinham uma cuidadora, à tarde iam para a escola e à noite ficavam com o pai, pois Vanessa tinha que se dividir em seus empregos, em uma empresa privada e nas faculdades.

“Eu saía para trabalhar cedo,  no horário do almoço levava as crianças para a escola e voltava ao trabalho. Chegava em casa por volta das 23h, a essa altura meus filhos já estavam dormindo. No outro dia, eu saía às 6h30 e eles ainda não tinham se levantado.Assim, nossos encontros eram no horário do almoço e no caminho da escola”, relembra.

Era aos finais de semana que Vanessa de fato conseguia aproveitar e passar um tempo maior com os filhos, e ela fazia questão de aproveitar cada minuto. Ia com os garotos passear em praças, clubes, andar de bicicleta, enfim, tirava o atraso da semana.

Mudança radical

Com o início da quarentena, Vanessa passou a trabalhar em home office, as crianças passaram a ter aula online, foi quando a rotina mudou completamente. Se antes a mãe pouco via os filhos, agora ela acompanhava de perto cada momento.

“Atualmente,  o tempo todo estou a conciliar e encaixar tarefas. Os horários se sobrepõem e a rotina é uma palavra quase em desuso em casa. Me tornei uma mãe mais dedicada em tempo, mas também percebo que às vezes tomo muito controle da situação. Assim, tento deixar as crianças desenvolverem sua autonomia, mas me freio muito”, explica.

Dentro de casa, 24 horas com os filhos, Vanessa consegue acompanhar de perto a alfabetização deles, estar perto nessa fase de construção de conhecimento dos filhos, por ser professora, é capaz de ser mais compreensível e intervir de forma mais assertiva no que diz respeito à rotina escolar.

O ensino remoto dos filhos

No início foi necessário um período de adaptação para toda família, diferenciar os dias das semana dos fins de semana, explicar à eles que mesmo em casa, não era tempo de férias,  foi uma missão desafiadora.

“Passamos por um período de conscientização das responsabilidades e de entendimento da situação. Para ajudar na compreensão das crianças, fomos explicando, juntamente com os professores, que estávamos passando por uma situação crítica e enfrentando uma doença desconhecida e severa. Assim, eles conseguiram se adaptar ao confinamento e se protegerem”. 

As gêmeas estão em fase de alfabetização e em nenhum cenário Vanessa previa viver esse momento tão próxima delas. A mãe consegue muitas vezes assistir  parte das aulas com as pequenas e ajudá-las. Sem contar, que apesar de trabalhar durante as aulas delas, a mãe precisa se transformar em duas, é um olho no trabalho e outro dividido entre as meninas.

“Coloco elas em cômodos diferentes, porque são gêmeas e se ficam juntas vira palhaçada, brincadeira atrás de brincadeira. Fico em um cômodo intermediário, onde eu consigo ver as duas”.

Se já dá trabalho dar conta de uma criança em aula online, imagine duas meninas sendo alfabetizadas. A mãe relata que há  dias tranquilos e outros bem agitados. “Tem dia que o lápis quebra a ponta, aí pega o lápis da outra e se torna motivo de briga”. Vanessa, ao invés de perder a cabeça, enxerga ali a oportunidade de ensinar as duas a partilhar. “Eu consigo ver onde elas estão tendo uma dificuldade, intervir, uma coisa que eu não veria se eu não estivesse participando”.

Diferente das mais novas, o filho mais velho é bem independente e sossegado, porém não gosta muito de estudar e como grande parte dos pré-adolescentes prefere jogar bola e passa um bom tempo no Tik Tok. Para cumprir as tarefas escolares, a mãe precisa ficar no pé, porém vê com bons olhos a chance que tem de estar dentro de casa, acompanhar de perto e poder mostrá-los as consequências das escolhas que ele faz. 

“Sinto que está sendo um período muito difícil para o mundo inteiro, mas me trouxe chances únicas e indispensáveis”, revela.

Em relação ao método de ensino remoto dos filhos, a mãe avalia que apesar de a distância, são aulas muito boas. “Os professores acompanham as atividades, exploram o conteúdo, conversam com as crianças, mantêm os intervalos para levantar e descansar a vista da tela. As aulas que me deixam de cabelo em pé são as de educação física. A casa vira de pernas para o ar”.

A profissional

No horário em que ministra suas aulas, Vanessa conta com o apoio do marido. É ele quem consegue manter as crianças em silêncio, aproveita o momento para dar banho e lanche. A professora tem uma placa de “mamãe em aula”, que deixa na porta e se fecha no quarto de estudos. Nessa hora eles sabem que a mãe está no trabalho, por isso, não interferem muito. Mas foi preciso orientá-los sobre a seriedade do silêncio durante esse período em que ela está com seus alunos. 

“Na hora dos intervalos,  eu abro a porta e todos entram como um furacão. Mãe eu quero pizza, mãe eu quero isso, mãe eu quero aquilo. Aí eu respondo que  daqui uma horinha ou duas a mamãe está fazendo tudo que vocês querem”.

Se surpreende quem pensa que o dia de Vanessa acaba depois de dar sua última aula. Ali, a noite na verdade está apenas no começo. Depois de colocarem as crianças na cama, ela e o marido separam as atividades das meninas e já preparam tudo para o dia seguinte.

“Como são crianças, nem sempre eles conseguem acompanhar e fazer tudo, sempre tem um para casa que passa despercebido. A gente tem que aproveitar para colocar tudo em ordem no sábado ou no domingo. Também é nos finais de semana que fazemos as leituras, treinamos as sílabas, as letras, a pontuação, a acentuação, e prepararmos as tarefas que segunda-feira”.

Diversão em casa

As aulas das crianças terminam por volta do meio-dia, e é a partir daí que inicia-se o momento de brincar. Os três filhos sempre se divertiram muito entre si. Em meio a pandemia e o isolamento social, Vanessa encontrou uma forma de driblar a falta de rotina com outros amigos e trouxe  novo membro para a família: o Flash, um cãozinho. “Flash é um cachorrinho lindo e sapeca, a hora de levá-lo para passear é um dos melhores momentos do dia, é uma algazarra”.

Flash, o amiguinho especial

Outro momento que a família também tira para descontrair é quando Vanessa tem provas para corrigir, ela reúne todos na mesa e é “hora da escola”, cada um faz sua tarefa e aproveitam para passar o tempo juntos. “Logicamente que uma coisinha ou outra sai da linha né. Se é uma tarefa que dava para fazer de manhã, ela gasta de manhã e  à tarde, mas aqui com saúde, fé, boa vontade, às vezes a polêmica a gente contorna”.

Os desafios da pandemia em família

Na rotina da mãe e professora existem dias mais difíceis, em que as tarefas não são concluídas e o cronograma não é cumprido, mas mesmo assim ela  garante que não se deixa abalar e que sua fé a faz acreditar sempre que tudo na vida é um aprendizado. Paciência, confiança e fé são suas palavras de ordem. 

“Daqui um tempo vamos poder parar, olhar para trás e espero que possamos agradecer por ter saúde, por ter o desafio vencido e ter crescido como ser humano, como família e estarmos mais fortes e mais preparados. Acredito que a pandemia me mudou como pessoa em muitos aspectos, principalmente em reconhecer os meus  limites e dos outros, entender que todos estamos sujeitos a problemas e ninguém está livre de mazelas. Assim, a fé aumenta e a gente aprende a confiar mais, confiar na vida, na proteção de Deus”.

Vanessa é uma mãe muito dedicada e grata a família que tem. No momento em que uma doença assola o mundo, ela enxergou a chance de ouro de se aproximar de seus filhos. Em meio a correria do dia a dia ela tenta dar atenção a cada um individualmente e educá-los da melhor forma possível. Ao estar diariamente presente, ela percebe as necessidades de cada um e entende a hora certa de interferir.

“Às vezes no momento em que você não pode intervir numa determinada situação, no momento exato do acontecimento, outra acontece e te dá a oportunidade de fazer uma abordagem mais madura. Nós somos muitos transparentes aqui em casa e fica mais fácil a percepção de como está cada um. Como eu via muito pouco meus filhos, apenas quando íamos para a aula, eu conversava muito com eles e explicava como é importante sermos sinceros e contarmos uns com os outros”, finaliza.

 

*Edição: Daniela Reis

0 565

Por Bianca Morais

Em comemoração ao mês das mães, o Contramão produziu uma série de matérias muito especiais e hoje é dia da história de Roberta e Brenda, mãe e filha que são inseparáveis e passaram por um processo de superação depois que uma delas descobriu o câncer. 

Brenda Ferraz Leal Lucas tem 24 anos e a mãe Roberta Ferraz Lucas, 47. Roberta engravidou muito jovem e foi mãe solo, por isso, criou vínculo bem próximo e intenso com a filha. A Brenda, segundo palavras da própria mãe, é uma garota com qualidades ímpares e o que mais admira nela é a força e a lealdade.

A relação das duas vai além da materna. “Trabalhamos juntas, estudamos juntas e saímos juntas. Eu sempre brinco com isto, estava difícil achar uma boa amiga, então eu fiz uma”, diz a mãe.

Brenda e Roberta – arquivo pessoal

Quando se formou no ensino médio, Brenda demorou cerca de um ano para decidir qual instituição de ensinoescolher. Roberta, como mãe e amiga, sempre aconselhou a filha escolher para sua vida o que ela realmente ama. E foi com os sábios conselhos dela que a jovem ingressou no curso de Direito no Centro Universitário Una.

“Escolhi a Una e com toda certeza foi uma das melhores escolhas da minha vida. Sou fã n°1 de todo o corpo docente e a maior prova é que levei o grande amor da minha vida para a faculdade”, explica Brenda.

Já se percebe que o termo “inseparáveis” para essa dupla não é uma mera forma de falar. Sim, no auge dos seus 43 anos, influenciada pela filha e mais disposta do que nunca, Roberta também resolveu ingressar no curso de Psicologia. “Sempre estudei muito sobre o assunto, nos livros, através de vídeos na internet, sou uma apaixonada por Freud. Foi quando minha filha me disse: vá buscar o seu diploma, duvido que alguém já estudou mais sobre Psicologia que você”.

E foi assim que a insistente Brenda conseguiu convencer a mãe a estudar na mesma instituição. 

“Minha filha é uma apaixonada pela Una, assim que entrou ficou fazendo a minha cabeça para entrar também. Falou tanto que resolvi ir ver, deixei claro que só faria se fosse psicologia, não tinha o curso. Por incrível que pareça dentro de 10 dias a Una lançou o curso. Óbvio que ela não iria perder a chance de me cobrar novamente, então entrei”. 

Não existe dúvidas que quando algo é para ser, assim será. E foi o destino que se encarregou de colocar mãe e filha nos mesmos corredores da faculdade com um propósito que apenas algum tempo depois elas entenderiam.

Arquivo pessoal

No quarto período da faculdade, Roberta foi diagnosticada com câncer de mama, um dos momentos mais difíceis de sua vida. “Meu mundo caiu, mas sou uma daquelas pessoas que não desiste nunca. Em vez de pensar: Por que eu?  Pensei: Por que não eu? Passada uma semana já estava pronta para encarar a batalha”, relembra.

Mãe é aquela que protege e cuida do seu filho. Que dá a vida por ele se necessário. Em determinadas situações, no entanto, a mãe passa por problemas na vida que não consegue tomar o controle da situação, e certamente elas não se sentem confortáveis com isso. 

Roberta contou à nossa reportagem que teve um dos piores tipos de câncer, o inflamatório e triplo negativo, o médico disse que apenas 30% sobreviviam, e o mais surpreendente é em nenhum momento seu maior medo foi a doença ou o tratamento, esse ela garante que conseguiu levar de forma tranquila, principalmente por fazer psicologia e acreditar muito no poder da mente. 

Na hora em que recebeu a notícia do câncer a sua maior preocupação era “Como iria morrer e deixar a Brenda? Esse foi o meu medo, deixar minha filha”.

Em um primeiro instante, a filha apenas tinha ido ao médico para acompanhar a mãe. “O primeiro médico falou que era apenas uma mastite, a gente iria aproveitar o dia para comprar um óculos. O médico vira e diz: “Tenho uma péssima notícia, é câncer”, relata Roberta.

Para Brenda, o momento da descoberta foi a pior dor que já sentiu na vida, no segundo ela entendeu que teria que ser a pessoa mais forte do mundo para estar ao lado da mãe. Roberta relata que a filha teve uma reação incrível e inimaginável. “Ela pegou o telefone e começou as ligações para marcar exames, desconheço alguém mais forte que Brenda”.

Existem horas na vida de um filho que ele se vê na responsabilidade de inverter o papel com a mãe ou o pai. Brenda é jovem, jamais havia cogitado que sua mãe, aquela mulher que lhe ensinou a ser forte e dona si, poderia ser vítima de uma doença tão triste, mas entendeu que precisava tomar o controle da situação e estar ali para quem sempre lutou por ela. “Naquele momento eu só não queria que ela sofresse. Tentei evitar tudo que pudesse machucá-la”.

Roberta e Brenda são carne e unha. Nas palavras de Brenda “é como se fosse uma parte de mim fora de mim. Só me sinto completa ao lado dela”. No decorrer de toda a trajetória do tratamento do câncer uma deu força a outra, as duas levavam os livros para as sessões de quimioterapia e estudavam juntas, a mãe passando mal nas aulas e a filha sempre nos corredores a apoiando. 

Roberta cogitou parar os estudos pois tinha medo de continuar à toa. “E se eu morresse? Mas logo mudei de ideia, eu iria viver, meus professores e amigos da Una foram fantásticos, os meus professores e os professores da Brenda. Tive total apoio”.

Arquivo Pessoal

Duas fortalezas, uma não deixou a outra desmoronar. Brenda estava no seu 5° período de Direito e carrega consigo o dever de ser inabalável. “Eu realmente precisava ser forte como a minha mãe para poder estar sempre apoiando. Nessa época, o mundo parou para mim, tudo girava em torno de ser forte e de protegê-la”. E a mãe, por mais que estivesse batalhando pela vida, jamais baixou a guarda, “Tive que me fazer forte para não a ver cair”.

A relação mãe e filha ganha uma dimensão fora do comum quando se trata dessas duas. A forma como uma nunca deixou a outra desistir e a importância do apoio da filha foi fundamental para que a mãe não perdesse as esperanças. “Não teria conseguido sem ela”, afirma Roberta.

Durante a rotina do tratamento, Roberta relata não ter tido muitos problemas. “Estudei, trabalhei de uma forma mais lenta, mas consegui fazer tudo. Brenda nunca arredou o pé de perto de mim”. Juntas as duas passaram por momentos de muita batalha, foi a filha que cortou os cabelos da mãe. “Foi um momento tenso, mas aproveitamos para fazer vários cortes”. Uma fortalecia a outra, e conseguiam enxergar mesmo nesse período tão puxado uma luz de possibilidades.

O momento da cura foi para as duas o mais marcante do caminho que traçaram juntas. “O dia que a médica, a nossa Dra. Fernandinha, disse que deu tudo certo, foi um dia mágico, um dos dias mais felizes da minha vida”, relembra Brenda.

Roberta sempre foi uma mulher de garra, e a positividade foi um dos elementos que a ajudou na luta contra o cancer. “Hoje eu tenho a certeza da morte, antes nem parava para imaginar isto. Tendo a certeza da morte, você vive mais. Quando a morte para de ser algo distante, você entende a necessidade do agora. Você aprende a curtir momentos simples, cafés, abraços. E toma consciência da finitude”. 

Para Roberta, a filha é seu maior orgulho. “Consegui deixar uma boa pessoa para o mundo, ela irá fazer a diferença”, orgulha-se a mãe.

Para Brenda, a mãe é sinônimo de vida, se orgulha da força e coragem que vê diariamente nela. “Eu sou eternamente grata a Deus por ter me escolhido para ser filha de uma mulher tão fantástica e excepcional. Nunca consegui expressar em palavras meu amor e admiração, mas espero poder demonstrar com gestos ao longo da minha vida. Todos vão dizer que tem a melhor mãe do mundo… Eu tenho a mãe, a irmã, a amiga, a conselheira, tudo isso na mesma pessoa”.

 

Edição: Daniela Reis

“Meu trabalho consiste em levar soluções eficientes às famílias, casas e as empresas, de forma em que haja mais qualidade de vida às pessoas”

Por Italo Charles

Organizar espaços e torná-los funcionais nem sempre é uma atividade fácil. Para muitas pessoas pode parecer uma tortura, mas para outras pode ser algo prazeroso e até mesmo  uma profissão.

Em meados da década de 1980, nos Estados Unidos, um grupo de amigas empreendedoras – Bewerly Clower, Stephanie Culp, Ann Gambrell, Maxine Ordesk  e Jeanne Short – se reuniram para oferecer serviços de organização na cidade de Los Angeles.

A partir de então, a prestação de serviços do grupo ganhou grandes proporções e em menos de três anos fundaram a National Association Productivity & Organizing, que atualmente conta com mais de 4 mil membros.

No Brasil, a atividade de organização se iniciou por volta dos anos 2000. Não há registros da primeira pessoa que começou a atuar nesse ramo de forma profissional no país. Mas sabe-se que a maioria começou auxiliando familiares e amigos.

Ao decorrer do tempo, os serviços prestados foram crescendo e em 2006 profissionais da área se juntaram para criar uma associação a fim de subsidiar e regulamentar a profissão, porém apenas em 2013 que de fato a Associação Nacional de Profissionais de Organização e Produtividade (Anpop) foi estabelecida.

Mas, ainda hoje existem rumores e desconhecimentos sobre a profissão  e atuação de Organizers no Brasil. Em entrevista ao Jornal Contramão, Karina Carneiro Elian Costa, personal há três anos e proprietária da Kaetrenos Organização, fala sobre a profissão e dá dicas de como deixar o home office mais organizado e eficiente.

 

Como você descobriu a área de atuação como “Personal Organizer”? 

A organização sempre foi um dom, um hobbie e uma ferramenta de organização dos próprios sentimentos e emoções (organizar algo ou algum ambiente, sempre foi para mim uma forma de me organizar internamente).

Mas, como nenhuma profissão se faz apenas com dom ou habilidades, comecei a ver a possibilidade de profissionalizar esse, até então hobbie, a partir do olhar de amigos próximos, familiares e posteriormente, alguns programas de canais fechados de TV.

Após pesquisas, descobri que a profissão já existia fora do Brasil há mais de 20 anos, mas aqui (Brasil) ainda não era conhecida e muito menos regularizada. Comecei então a ler a pouca literatura existente antes de me profissionalizar em um curso e, como pedagoga de formação, reconheço que é um mercado que exige muito conhecimento (de diversas naturezas).

E, claro, com um olhar empreendedor de natureza, esses conhecimentos foram aos poucos, ao encontro das necessidades das pessoas ao meu redor. Organizar a casa, organizar o espaço de trabalho, a agenda, entre outros.

Apesar de parecer uma novidade, a profissão de Personal Organizer surgiu na década de 1980 nos Estados Unidos,

 

Quais foram/são os maiores desafios? 

No início, confesso que o maior desafio era enxergar a atuação de organizer como profissão reconhecida e valorizada. A grande maioria da população brasileira não sabia o que era (o que ainda é uma realidade hoje) ou, achava que era um serviço supérfluo e destinado à Classe A.

O meu maior desafio hoje é apresentar o serviço de organização para todos os níveis sociais. Mostrar como a vida organizada (interna e externamente) traz inúmeros benefícios e, não necessariamente é preciso ter a casa mais bonita, decorada, os melhores organizadores e etc.

Hoje a profissão tem crescido bastante, mas ainda é preciso percorrer um longo caminho, sobretudo no que diz respeito a valorização de mercado.

Infelizmente, muitas pessoas ainda acham que é só ter o dom e acabam entrando no mercado sem qualificação, o que desvaloriza a profissão.

 

Como funciona a rotina de um profissional Personal? Há passos fundamentais a serem seguidos? 

Sim… Há alguns passos fundamentais na minha rotina de organizer.

O primeiro deles é ouvir o cliente: entender um pouquinho da sua rotina e quais as suas principais queixas em relação à organização atual do seu espaço. Também é  dar a oportunidade de conhecer melhor como funciona o trabalho, o portfólio e esclarecer as suas dúvidas, etc.

A partir daí, começamos o trabalho na visita técnica. É nessa visita, que pode ser presencial ou através de vídeo conferência e até mesmo por vídeos e fotos, que consigo entender a real necessidade do meu futuro cliente, qual a sua rotina, espaço e o que ele espera de mim. 

Uma Personal Organizer não organiza apenas closets, o serviço é amplo e pode ajudar em qualquer âmbito da vida de uma pessoa, desde a organização de documentos, mudanças, residências e empresas inteiras!

Nessa hora muita gente fica com vergonha, com medo do que a personal organizer vai pensar quando ver a bagunça. Mas, um profissional sério não tem olhos julgadores para o espaço. E pode acreditar que, com nosso olhar apurado, até a bagunça nos ajuda a entender o que não está funcionando ali e buscar soluções que tragam um resultado eficiente. Quanto mais soubermos sobre a rotina no espaço a ser organizado, melhor será o resultado da organização.

É o resultado desta etapa que vai me permitir criar o projeto com mais eficácia e esclarecer o que pode ser esperado do resultado da organização do seu espaço.

Essa é a próxima etapa: criar um projeto baseado no que foi conversado e visto do local, apresentando as soluções pensadas para aquele cliente especificamente. Ou seja: tudo é personalizado porque ninguém tem o mesmo espaço, a mesma quantidade de objetos, a mesma rotina.

No projeto, além das soluções, também envio o orçamento e a quantidade de tempo que será necessária para a transformação acontecer. Não existe uma tabela de preços. Cada profissional decide o seu preço e, em geral, leva em conta a sua experiência, os custos necessários para manter a sua estrutura, entre outras questões. Assim como em qualquer profissão.

Na maior parte dos projetos, também sou eu quem faz a compra dos produtos organizadores, previamente acordados com o cliente. O que também é opcional. Trabalho de uma forma que tento, ao máximo, otimizar e aproveitar tudo o que o cliente já possui. Mas, é claro que, na maior parte das vezes, como as pessoas não costumam investir tanto nisso ou não possuem conhecimento específico em organização, é necessário levar itens básicos que permitirão a “mágica” da organização acontecer.

Uma Personal Organizer também ajuda a cliente a se livrar de objetos que fazem mal emocionalmente para ela (e). Orientar e escutar é uma das rotinas cruciais na organização. 

Como o mercado e o público entendem a profissão e atuação dos profissionais? 

Quando comecei, esse era um grande mercado adormecido no Brasil, o da organização pessoal, residencial e corporativa. Não havia empresas, sites ou blogs que falassem tanto assim no assunto.

Porém, o mercado tem estado cada vez mais aberto e o tema organização e produtividade tem sido referência constante na mídia. Novas empresas, blogs e sites surgem a cada dia. Principalmente pelo fato de que, na pandemia, as pessoas passaram a conhecer melhor os seus lares, e assim, passaram a enxergar os “vilões” de um espaço e uma vida desorganizada. 

Os tempos modernos fazem com que o tempo fique mais curto e mais valioso. É nesse cenário que o trabalho de um Personal Organizer passa a ganhar um papel cada vez mais importante. A tendência é que as pessoas utilizem seu tempo com a sua família, com o lazer ou com o seu próprio desenvolvimento pessoal. 

Hoje, também cresce a compreensão da necessidade de se otimizar os espaços residenciais (mais praticidade e economia) e de trabalho (mais produtividade e menos stress) e, para alcançar tudo isso é necessário organizar, e é exatamente aí que entra o Personal Organizer, oferecendo serviços, orientação e soluções para uma vida mais organizada, e claro, com mais praticidade e produtividade.

Se ficarmos atentos, considerando que tudo evolui, assim como no mercado americano, que já tem quase 30 anos de desenvolvimento, iremos entender que há muito ainda por acontecer por aqui. Até o mercado do varejo está mais atento ao mercado da organização. Grandes lojas já contam com setores específicos para a venda de produtos desse segmento.

 

Acredito que exista um tabu em relação à profissão e que muitas pessoas acham que não é pra elas por ser “caro”, como mudar essa visão? 

Esse tipo de serviço foi por muito tempo e ainda é considerado para para uma classe mais provida de recursos financeiros. É aí que entra um dos meus diferenciais no mercado pois, a organização está para todos, e nos mais variados aspectos das nossas vidas.

Por muito tempo, a organização estava associada a um espaço planejado, decorado, estruturado e, principalmente, para quem tinha espaço. Com a mudança dos espaços residenciais para casas cada vez menores, as rotinas de trabalho e cada vez mais corridas das pessoas e com isso, a falta de tempo, a organização se faz necessária para todas as pessoas. Com ela, deixamos de perder tempo, multiplicamos o espaço que temos, alcançamos uma vida mais produtiva e temos mais prazer em nosso dia a dia. Bem estar é tudo!

 

O serviço de personal organizer não está condicionado somente a casas, certo? Em quais outros espaços ocorre essa atuação? 

Os clientes estão em todos os lugares e as necessidades de uma vida organizada se fazem em todas as áreas. Com os diversos cursos existentes no mercado hoje, já temos especialização para as diferentes demandas: residencial (que é o mais demandado), pré e pós mudanças, organização corporativa, organização baby e infantil, arquivos digitais, organização de fotos e documentos, organização de barcos, luto, malas/viagem.

Depende da segmentação que você fizer do seu negócio. Algumas organizadoras só dão consultoria. Outras, só organizam armários.

Com o crescimento do mercado, as organizadoras profissionais estão se especializando cada vez mais.

Durante esse período de pandemia em que as pessoas estão a maior parte do tempo em casa, trabalhando em casa, fica até difícil manter uma organização  e talvez, para além disso, dificulte o seu trabalho.  Como tem sido atuar nesse período, quais os desafios e, sobretudo, como as pessoas podem manter o espaço de casa e trabalho organizados? 

De fato, o período da pandemia trouxe um olhar extremamente diferenciado para os ares, adicionando esse ambiente fundamental nos dias de hoje: o home office.

Não é tão difícil assim criar esse ambiente de produtividade, mesmo para aqueles que não possuem um escritório em casa, ou seja, um espaço para ler, trabalhar, produzir…A importância de se manter um escritório em casa organizado vai além da questão estética, auxiliando também na concentração e aumentando a produtividade.

Como personal organizer, recebi muitas demandas de auxílio/consultoria, para organizar e até mesmo criar esses espaços nos lares. O maior desafio do momento, é estar auxiliando meus clientes presencialmente. Porém, com a tecnologia a nosso favor, tenho me re-inventado e criado atendimentos adaptados para trazer soluções ao meu público.

No exemplo do home office, é importante que esse espaço seja pensado de forma específica dentro de casa, através de local que não tenha tanto barulho, que sejam aproveitados ambientes com iluminação natural

Crie um local (casinha) para todos os objetos necessários para o trabalho (agendas, canetas, blocos, fios dos eletrônicos, papéis, livros…) 

Utilize mobília, tapetes e divisórias como painéis móveis para criar múltiplos espaços e aumentar a funcionalidade

Use acessórios organizadores como caixas e revisteiros para manter os itens guardados (nesse caso, para quem não tem gavetas disponíveis). Opte sempre pelos organizadores móveis

Mantenha a mesa limpa: quanto menos objetos espalhados, maior a sensação de limpeza e organização

 

Sua conta no Instagram é bem ativa, como surgiu a ideia de usar a Internet como complemento do seu trabalho? 

Acredito muito no poder da internet há algum tempo. Claro que hoje, além de importante, usar esse espaço é essencial. A melhor forma de ser visto e reconhecido, sem dúvida.

Como comecei na organização atuando como pedagoga empresarial, essa foi uma maneira de dizer às pessoas não próximas a mim que esse também seria o meu trabalho. Fez parte do processo de transição de carreira, me estabelecer como P.O e ser vista assim. 

Existe a possibilidade de prestar o serviço de personal organizer virtualmente? 

Claro!! E como dito anteriormente, após a pandemia, foi necessário me reinventar e deu super certo. Até mesmo para aquelas pessoas que achavam ser impossível contratar uma personal organizer, essa também foi uma solução. Hoje em dia, além da consultoria online, onde conheço virtualmente o espaço do cliente e apresento as melhores soluções, também faço a venda dos acessórios (atualmente estou desenvolvendo uma linha de produtos organizadores que já conta com colméias organizadoras, ganchos e planner), e material exclusivo ensinando as técnicas (dobras) em um ou dois encontros virtuais. A pessoa executa, mas todo o projeto é proposto por mim e acompanhado.

 

Conheça mais sobre o mundo da organização acessando o perfil de Instagram @kaentrenos.organizacao da Karina.

 

“Organizar é solucionar!!!

E todo mundo merece uma vida e um ambiente em ordem”  – Karina Carneiro

 

*A entrevista foi produzida sob a supervisão da jornalista Daniela Reis

0 537

Por Bianca Morais

Hoje, 19 de março, é dia de São José de Nazaré. Biblicamente falando ele é o esposo da Virgem Maria e pai adotivo de Jesus Cristo. Além desse título, São José ainda é tido como “Padroeiro dos Trabalhadores”, de acordo com a tradição cristã, ele era carpinteiro, praticava ofício de maneira artesanal, e por conta disso, divide sua data comemorativa com a linha de profissionais que o tem como protetor, 19 de março também é então Dia Mundial do Artesão.

Artesão é aquele indivíduo que pratica arte ou ofício que dependem de trabalhos manuais. São produtos feitos de formas únicas, por mãos de profissionais que depositam toda sua dedicação para produzir algo exclusivo.

Os produtos artesanais fogem daquela linha de produção em série das indústrias e são encontrados por todo o país, principalmente em feiras livres e eventos de exposições. Na capital mineira existe uma das maiores feiras de artesanato do país, que também é um dos principais pontos turísticos de Belo Horizonte, a Feira de Artesanato da Afonso Pena, popularmente conhecida como Feira Hippie.

Antes da pandemia, todos os domingos, a avenida, que é uma das mais movimentadas da capital mineira, se fechava para receber artesãos e visitantes. Por lá se encontrava de tudo, arranjos decorativos, móveis rústicos, cestos, tapetes, cortinas, calçados, bolsas, bijuterias, vestuário adulto e infantil, enxoval para bebês, brinquedos, pinturas, esculturas e muito mais, quase tudo feito a mão pelos expositores. Atualmente, a feira se encontra fechada para evitar aglomerações, mas muitos desses artesãos continuam a produzir e vender seus produtos de forma online, em sites, redes sociais e aplicativos. Um exemplo é o Fala Feira, um instagram criado exclusivamente para exposição e venda desses produtos na internet.

O artesanato é sem dúvida a profissão mais antiga do mundo e nesse dia não poderíamos deixar de homenageá-los. Hoje o Jornal Contramão conta a história de Maria Aparecida dos Santos Ferreira,também conhecida como dona Cida, uma das milhares de talentos da feira. Ela que cresceu com a feira e dela tirou o sustento para criar seus filhos. 

Cida, a artesã

Linha, agulha, tesoura, cola, arco, bico de pato, fitas dos mais diversos modelos, tamanhos e larguras, decoração à gosto. Esses são os materiais utilizados pela artesã Maria Aparecida dos Santos Ferreira, 68 anos, para produzir a mão seus artigos de cabelo para crianças e vendê-los na Feira de Artesanato da Afonso Pena. O material é este, agora a criatividade de inventar o que vai sair dali com intuito vender é um elemento a mais.

Maria Aparecida, está no ramo de artesanato há 40 anos. Começou seu trabalho como artesã por meio de uma oportunidade que teve de trabalhar com uma senhora, a Dona Carmem. Era Cida que colava as caixas, produzidas por Carmem, e trabalhava em cima delas dando seu toque especial e único para cada uma delas. Essas caixas se transformavam no final em lembrancinhas de casamento, aniversários de 15 anos, ou para qualquer finalidade que o cliente quisesse. 

Através de dona Carmen, Cida, teve a chance de aprender e confeccionar para si própria, foi então que conseguiu sua primeira licença na prefeitura e começou a trabalhar como feirante, na Praça da Liberdade. Na época, conseguir uma barraca era menos burocrático e demorado, diferente dos dias de hoje, que os trabalhadores manuais esperam meses e até anos para receberem a licença para expor seus produtos em feiras ao ar livre. Nesse período, não existiam concorrências, a feira era muito grande e tinha espaço a favor de todos. Na Praça da Liberdade, Cida trabalhou durante muitos anos, todas as quintas e domingos. Lá ela fez seu pé de meia e conquistou sua clientela.

Em 1991, a Feira Hippie, foi transferida da Praça da Liberdade para a Afonso Pena, onde se tornou a maior desse estilo a céu aberto da América Latina.

Um novo lugar, uma nova história 

Cida, com outros feirantes, lutaram muito com objetivo de continuar na Praça da Liberdade, afinal, ali já tinha um ponto fixo reconhecido por seus clientes. A artesã sabia que ao mudar de área precisaria começar de novo e foi exatamente isso que aconteceu.

O recomeço teve início com um sorteio, onde os vizinhos de barraca se perderam, os pontos das barracas foram redefinidos, a feira passou a ser dividida por setor, letra e fila. Maria Aparecida havia perdido seus clientes, ninguém encontrava ninguém, logo, ela precisou se reinventar.

A história recomeçou com o conselho de uma amiga, a Dona Hilda, que sugeriu a ela que aprendesse a fazer lacinhos de cabelos, pois os mesmos sempre foram acessórios obrigatórios nas meninas quando crianças. Dessa forma, a feirante entrou em um novo ramo, agora de arranjo e complemento e comercializava laços, tiaras, faixas, tic-tacs, clips e carequinhas.

Como todo recomeço foi preciso se organizar, planejar, plantar o novo, procurar clientes, tratá-los bem em prol de fidelizá-los. Sua rotina era puxada, chegava à feira todos os domingos às duas da madrugada e finalizava seu dia de comércio às três da tarde. Grande parte dos clientes vinham de fora, a maior parte das vendas eram pelo meio de atacado. A Afonso Pena recebia em média cem ônibus por final de semana, eram visitantes do mundo inteiro. Cida já enviou laços para os quatro cantos do Brasil, além de vender presencialmente para gringos e exportar seus adereços. 

É com muito orgulho que a artesã relata que em seus 40 anos de feira recebeu apenas um cheque sem fundo, que guarda até hoje. Numa época em que não existia máquina de cartão e os feirantes trabalhavam apenas com dinheiro e cheque. Ter tido apenas um prejuízo é muita sorte, garante ela orgulhosa.

Artesãos x China 

Após anos expondo sua arte, dona Cida, acredita que os artesãos de verdade, de linha, agulha e tesoura, perdem muito seu espaço para a China, que é grande produtora em larga escala de diversos tipos de produtos. 

“A China tomou conta da feira hippie, nem se fala que é feira hippie mais. Você vai em São Paulo, compra qualquer coisa a 50 centavos e vende aqui a 5 reais” desabafa.

A principal ferramenta do artesão são suas mãos e o diferencial é a criatividade. Muitas pessoas preferem pagar mais barato em algo industrializado e importado da China, desmerecendo o trabalho desses profissionais milenares, que passam seu ofício através de gerações. No entanto, ainda existem aqueles que entendem o quão especial é ter um produto único, feito a mão, produzido por alguém que saiu de sua casa, pegou ônibus, foi até o centro da cidade, comprou meio metro de fita e desenvolveu com todo cuidado cada detalhe da peça. O que vem da China é barato, mas o valor pago a um artesão pelo serviço, é resultado de muito esforço e carinho depositado em cada produto.  

Um artesão que dedica sua vida àquilo, enfrenta diversas dificuldades para estar ali todos os domingos e entregar suas peças. Tem o perigo de chegar tarde da noite e trabalhar no escuro, enfrentar as chuvas e o sol quente debaixo de uma barraca de lona, e tem também, a dificuldade financeira.

O padrão de consumo tem mudado bastante, ultimamente não são todos os consumidores que têm dinheiro para gastar em supérfluo e acabam por comprar apenas o necessário. No caso de dona Cida, se antes os clientes compravam seus adereços aos montes, hoje as vendas se resumem em uma ou duas peças para uma ocasião especial, onde os laços e apetrechos são considerados peças essenciais, como as datas comemorativas.

São muitas décadas de profissão e Maria Aparecida garante que é preciso gostar muito da profissão. É o prazer de trabalhar durante toda a semana e se encontrar aos domingos com os outros amigos feirantes a fim de vender. Ali tudo se cria e também se copia, e não existe problema nenhum nisso. Cida conta que um criava uma novidade e compartilhava com o vizinho de barraca e assim ela se espalhava. “Eu fazia um modelo, quando é na outra semana elas apareciam com um igual o meu, aí eu pegava o modelo delas e fazia a mesma coisa”.

A feira para Cida é uma segunda casa, é uma família que ela construiu, lá ela conversa, ela ri, chora, brinca. Alguns já se foram, como é o caso da dona Hilda, aquela que lhe ensinou a fazer os artigos de bebê, mas sua herança e seus ensinamentos sempre estarão presentes. Na feira é um por todos e todos por um. Se alguém está prestes a perder uma venda devido a não ter troco, todos se unem com o propósito de ajudar. Alguma pessoa não tem dinheiro para comprar material para produzir, eles se juntam e auxiliam.

Hoje existe uma saudade do que foram esses tempos. A feira, sem dúvidas, é um lugar de aglomeração, e era uma aglomeração boa, todos alegres, trabalhando e comprando, porém a realidade que vivemos atualmente não nos permite isso, infelizmente no momento presente aglomeração é sinônimo de medo. Vivemos em uma pandemia que já levou milhares de vida embora. A grande maioria dos feirantes são de idade avançada e não podem se expor.

Maria Aparecida relembra com carinho e emoção os velhos tempos, em muitos domingos durante a pandemia ela acordou cedo e chorou ao lembrar que não tinha mais feira. Toda vida, a senhora já de idade, gostou de ir trabalhar e acredita que a cada dia que passa se torna mais próximo a hora de entregar sua barraca.

A satisfação de ser uma artesã, dona Cida irá carregar para sempre. As memórias de seus parentes indo visitá-la em sua barraca e elogiar sua mercadoria, a sobrinha que por anos foi sua modelo favorita. Essas lembranças ela não entregará junto com a barraca, essa nem mesmo a pandemia poderá tirar, essas ela irá carregar para sempre consigo.

 

*Edição: Daniela Reis

0 301
Dia 02 de dezembro é comemorado o aniversário do estado

*Por Bianca Morais

O estado, conhecido como um dos maiores do Brasil, recebe anualmente milhares de turistas interessados em se aventurar pelas maravilhas que são as cidades históricas, as cachoeiras, a estrada real, os museus e a gastronomia. Minas Gerais é abraçado por serras que contemplam um encanto só delas, e como já se dizia a letra da música: “Ó Minas Gerais quem te conhece não esquece jamais”.

Quando se trata de música, a mineira conquista milhares de corações ao redor do Brasil e do mundo. Artistas não apenas na área da música, mas jogadores de futebol, políticos, e tantos outros famosos mineiros que marcaram o mundo.

Hoje Minas comemora seus 300 anos com muita bagagem de quem à muito tempo mostra ao mundo o que é história de verdade.

300 anos de história

Como o próprio nome já diz “Minas Gerais”, um estado repleto de minas que por anos foram exploradas pelos bandeirantes em busca de ouro e pedras preciosas.

Em 1709, foi criada a Capitania de São Paulo e Minas de Ouro, que mais tarde, em 1720, com objetivo de facilitar a administração dos territórios foi desmembrada pela Coroa Portuguesa, sendo criada a Capitania de Minas, que se tornou conhecida como Minas Gerais. O alvará dessa separação foi datado no dia 2 de dezembro daquele ano, data oficial do nascimento do estado.

As Minas Gerais, quem conhece não esquece jamais

A atividade minerária sempre foi grande no estado, principalmente na época Brasil Colônia, e com isso uma das heranças deixadas pelo período foi a Estrada Real, primeira rota feita pelos portugueses para levar as pedras preciosas de Minas até o mar.

A rota começa em Ouro Preto, localizada em meio às serras mineiras, a cidade reúne o maior e mais importante acervo da arquitetura e da arte do período colonial de todo o Brasil.  O trajeto ainda passa por cidades históricas e marcantes do turismo mineiro como Mariana, a primeira capital de Minas Gerais, Diamantina e seus povoados encantadores, Congonhas, terra dos 12 profetas de Aleijadinho, Lagoa Dourada, lar do famoso rocambole, tradição passada entre famílias, Resende Costa marcada pelo artesanato local, São João Del Rei e Tiradentes, ligadas pelo passeio de Maria Fumaça, cidades que até hoje possuem casarões coloniais, ruas de pedra, igrejas barrocas, e claro, a boa e velha culinária mineira.

A estrada Real corta muitas outras cidades mineiras, algumas delas como Carrancas, São Tomé das Letras, Aiuruoca, Pouso Alto e Itamonte, que são conhecidas pelas suas cachoeiras, fauna e flora diversificadas. MG é a caixa d’água do Brasil, recebe nascentes de grandes rios, por isso, é um dos estados que mais tem cachoeiras no país, recebendo visitas de todo o mundo para conhecer as famosas quedas-d’água.

O turismo no estado vai muito além da rota da estrada Real. As serras que rodeiam o estado, são um desses atrativos, Serra da Piedade, Serra da Mantiqueira, Serra do Cipó, Serra da Canastra, Serra do Caparaó, Serra da Moeda, todas com lindas paisagens, atraem os diversos públicos, desde casais buscando aconchego, até aventureiros que exploram suas trilhas, escaladas e voos de parapente.

Minas ainda é o lar do maior museu a céu aberto do mundo, o Inhotim. Localizado na cidade de Brumadinho, o instituto recebe anualmente milhares de visitantes, repleto de galerias com artes contemporâneas, o museu ainda abrange uma espetacular área verde, com um jardim botânico impecável onde se encontra a maior coleção em número de espécies de plantas vivas entre os jardins botânicos brasileiros.

Minas Gerais é repleto de peculiaridades e elementos que a tornam única. Poucos sabem, mas o estado concentra o maior número de grutas e cavernas do país, segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), das 16.034 cavidades naturais registradas, 6.184 (38,5%) estão em Minas. São lugares com mais de 600 milhões de anos de história, esculturas naturais moldadas pela ação da água e formações rochosas.

Duas grutas muito populares são a Gruta do Rei do Mato em Sete Lagoas e a Gruta da Lapinha em Lagoa Santa, na última se encontra o museu Peter Lund com acervo de 80 fósseis e é conhecida como uma das maravilhas da Estrada Real, ambas se localizam na região metropolitana de Belo Horizonte. Para um turista que esteja disposto a se aventurar um pouco mais longe, a Gruta de Maquiné, localizada em Cordisburgo, apresenta pinturas rupestres e outros vestígios arqueológicos. As três grutas formam a Rota das Grutas de Peter Lund, naturalista dinamarquês considerado o pai da paleontologia e arqueologia no Brasil.

A cidade de Cordisburgo não abriga apenas a famosa Gruta de Maquiné, lá também é o local de nascimento de um dos escritores mais importantes do modernismo no Brasil, João Guimarães Rosa. Em seu conto Recado do Morro ele retrata o lugar “(…) tão inesperada de grande, com seus enfeites de tantas cores e tantos formatos de sonho, rebrilhando risos na luz – ali dentro a gente se esquecia numa admiração esquisita, mais forte que o juízo de cada um, com mais glória resplandecente do que uma festa, do que uma igreja”.

Berço de grandes artistas

Guimarães Rosa que assinou importantes obras da nossa literatura como o Grande Sertão Veredas, sempre tratou com admiração o estado em que nasceu. “Minas, são muitas. Porém, poucos são aqueles que conhecem as mil faces das Gerais.” E estava certo.

Minas Gerais é solo de grandes escritores, e outro nome muito conhecido também nasceu em terras mineiras, mais especificamente na cidade de Itabira no dia 31 de outubro de 1902. Um dos mais importantes nomes da poesia brasileira de todos os tempos, poeta, contista e cronista, o nome dele, Carlos Drummond de Andrade.

Itabira foi a primeira casa do escritor que se orgulhava disso, em diversos poemas Drummond, faz referência a cidade, que em forma de carinho e exaltação a sua imagem criou o Museu de Território Caminhos Drummondianos. O lugar é uma espécie de museu a céu aberto, com 44 placas-poemas distribuídas por diferentes pontos da cidade, identificando os locais citados nos poemas de Drummond.

(…) Alguns anos vivi em Itabira. Principalmente nasci em Itabira. Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro. Noventa por cento de ferro nas calçadas. Oitenta por cento de ferro nas almas. E esse alheamento do que na vida é porosidade e comunicação (…)

O verso acima faz parte do Confidência do Itabirano, um dos poemas espalhados pela cidade de Itabira, esse em específico se localiza no Memorial Carlos Drummond de Andrade, desenvolvido por seu amigo Oscar Niemeyer. Localizado em um dos pontos mais altos da cidade, o Pico do Amor. Ao chegar no lugar o turista se depara com uma estátua do poeta sentado num banco, o memorial ainda abriga um precioso arquivo de livros de Drummond. A cidade de Itabira mantém a lembrança do poeta sempre viva.

Mas não é apenas dos grandes escritores que nós, mineiros, podemos sentir orgulho. Aleijadinho e Mestre Ataíde, reconhecidos como maiores artistas do período Colonial, o primeiro escultor e o segundo pintor, nasceram nas terras mineiras e nelas deixaram eternizadas suas obras.

Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, nasceu na cidade de Ouro Preto em 1738. Ele é considerado o maior representante do barroco mineiro, conhecido por suas esculturas em pedra sabão, um exemplo delas são os profetas do Santuário de Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas.

Próximo de Ouro Preto, em Mariana nascia no ano de 1762, Manoel da Costa Ataíde, o Mestre Ataíde, produziu um acervo imenso de pinturas espalhadas pelo estado, principalmente em igrejas. Na famosa Matriz de São Francisco de Assis, em Ouro Preto, se eternizou uma de suas criações, a Assunção de Virgem Maria, rodeada de uma orquestra de anjos.

E é assim, com grandes Mestres como Ataíde, Reis como Pelé, ou até mesmo aqueles que não nasceram em Minas, mas são mineiros de coração, como é o caso do excepcional e único Milton Nascimento, que Minas se consagra como um berço de grandes artistas.

“De uma terra tão distante do mar 

Vem trazendo esperança para quem quer

Nessa terra se encontrar

E o trem…

Gente se abraçando

Gente rindo

Alegria que chegou no trem

(o trem…o trem…o trem)”. 

 

*Edição: Daniela Reis

0 8246

*Por Moisés Martins

Antoine Laurent Lavoisier, conhecido como Lavoisier foi um grande químico do século XVIII, o parisiense se interessou pela ciência  e  tomou gosto pela química, e logo ficou conhecido por derrubar teorias científicas. 

Em 1777, era o princípio da conservação de massas, conhecido pela frase: “Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. Hoje, em pleno século XXI, a então frase ainda é muito usada, e é por isso que resolvi usar ela para falar de transformação.

Do lado de fora da janela do meu quarto, me chama atenção um pé de Sechium edule, o famoso “pé de chuchu”, em algumas regiões recebe o nome de machucho, caiota e pimpinela, mas aqui, é só chuchu mesmo.

Mas vocês devem estar se perguntando: O que o pé de chuchu tem haver com transformação? É aí que começa a história!

Por se tratar de uma trepadeira herbácea (Plantas de caule macio ou maleável, normalmente rasteiro), o pé de chuchu necessita de um apoio superficial para que consiga crescer e se ramificar, o daqui de casa por exemplo cresceu sobre uma goiabeira.

No princípio havia a dúvida se o pé de goiaba seria sufocado pelos ramos, mas logo descobrimos que plantas trepadeiras não são parasitas, então optamos por deixar a natureza seguir o seu curso. Meses se passaram, e já não era mais possível ver as folhas e nem se quer o próprio tronco da goiabeira. O pé de chuchu tomou forma e logo veio a colheita.

Nos primeiros meses o chuchuzeiro surpreendeu a todos, teve mês em que foi colhido quatrocentos frutos, uma média de quinze por dia. Foi uma grande transformação, com tanta fartura, a felicidade de quem o plantou foi duplicada e famílias foram contempladas com a hortaliça que foi ganhando cada vez mais cuidado e atenção, além da fama.

Ninguém se quer lembrava do infrutífero pé de goiaba, nem mesmo os pássaros, que aproveitaram os raminhos fechados para fazerem seus ninhos e se reproduzirem, as borboletas faziam os seus casulos e os filhotes de Gambá ficavam escondidos nos emaranhados do chuchu, enquanto sua mãe os alimentavam. 

Uma verdadeira obra da natureza. Dia e noite quando olho para o chuchuzeiro vejo uma cena diferente.

Pela manhã, o lindo assobio dos pássaros me acorda, a noite o barulho dos grilos e gafanhotos me incomoda, mas isso me deixa feliz, vejo que na natureza nada se cria tudo se transforma.

Às vezes o perder se faz necessário para entendermos o poder das transformações, podemos não assimilar logo de imediato o que está acontecendo, mas quando olhamos para trás podemos ver o quão a mudança é linda se faz importante.

Hoje com a pandemia de COVID 19, e com o pedido de isolamento social para diminuir o contágio do vírus, as pessoas precisam ficar em casa. É necessário entender e olhar para trás, o mundo é outro, os olhares são outros, as prioridades já não são mais as mesmas, o tempo corrido já não existe mais. O que vai ser de nós no futuro? Estamos sempre em processo de mudanças e transformações.

O cenário não nos permite caminhar mais sozinho, o pensamento egoísta e o egocentrismo tomou novas formas, é necessário agora aproximação (mesmo que distante), é preciso ter empatia, escutar e entender o outro, só será possível erradicar esse vírus se a humanidade pensar e agir coletivamente.

Dentro de casa, buscamos afeto, o carinho de quem está do nosso lado, é como o apoio que o pé de chuchu precisa, sabe?. Estamos todos psicologicamente abalados, o momento é delicado precisamos de afeto.

Da minha janela, vejo todos os dias o verdadeiro exemplo de transformação, e é com a brisa gelada do vento batendo agora em meu pescoço, que encerro meu texto com a esperança de que dias melhores virão, que a humanidade entenda que tudo que estamos passando agora faz parte de uma transformação e que só colheremos os resultados positivos dessa crise mundial, no futuro. Às vezes a dor se faz necessária para que haja um bom aprendizado. 

 

*A crônica foi produzida sob a supervisão do professor Maurício Guilherme Silva Jr. e da jornalista Daniela Reis