#CRÔNICA I Pelo menos o barco, eu já tenho

#CRÔNICA I Pelo menos o barco, eu já tenho

0 104

Por Melina Cattoni

Foi um sonho! E como todo sonho está difícil acordar. Ela prefere dormir para continuar a sonhar ou pelo menos para o tic-tac do relógio passar mais rápido. Sabe, ela está passando por tanta coisa. Tanta coisa que você não imagina e, o pior é que não imagina mesmo. Mas se imaginasse também, diria que estava certo o tempo todo. O que na realidade, você sempre está certo. Ela é teimosa e precisa apanhar muito para finalmente entender. Ela só não imaginava que seriam tantos baques – um atrás do outro, um mais forte que o outro –. Isso tudo em uma semana.

Ela está fraca e para ela admitir isso aqui dói. Ela é tão orgulhosa quanto você. Mas ela está sem força para continuar, sem força para retornar, sem força para parar. Ela está no limbo. Mas sabe, ela recebeu um aviso pesado, daqueles que esfrega a cara no asfalto mesmo – um aviso que não é daqui, se é que me entende –. Controlar os pensamentos, as palavras, que o tempo tem o tempo dele e esse tempo é diferente do nosso tempo. Então, não adianta correr, pular, retroceder. Tudo tem um propósito, basta confiar e, principalmente, fazer a sua parte. E para ela fazer a parte dela, ela tem que se consertar. Eu não sei quanto tempo isso vai levar, mas se tivesse a sua companhia seria mais fácil. Mas eu entendo que talvez seja pedir muito e se não puder tudo bem. Eu só espero que quando esse tempo acabar, você me encontre novamente.

E sobre o sonho, bom, eu sempre vou me lembrar dele. Cada momento, cada detalhe pequenininho porque eu apenas fui atrás da felicidade e eu a encontrei. E em algum dia, eu vou acordar e continuá-lo. Como um marinheiro que retoma o controle da vela do barco. Pelo menos o barco, eu já tenho.

 

 

SIMILAR ARTICLES

0 38

0 69

NO COMMENTS

Deixe uma resposta