Muda mesmo!

Muda mesmo!

0 446

Por Larissa Ohana – Parceira Contramão HUB

O processo interno de mudanças mexe em todos os âmbitos do contexto vivido. Você muda e, consequentemente, parecem cair várias paredes à sua volta. Essas transformações são tão intensas que tudo aparenta ser afetado, sejam suas relações (e digo todos os tipos de relação), sejam os objetivos que até então havia traçado, sejam seus interesses, visão e até seu posicionamento perante tudo isso.

Sobre as mudanças individuais, em muitos momentos, a sensação é de que veio uma onda gigante que nos arrasta para vários lados, e que chegamos até determinado “lugar” sem termos provocado aquilo tudo. Mas saiba que sim, você, mesmo que de forma inconsciente, fez escolhas que motivaram esses efeitos e, mais do que isso, esses momentos instáveis é que revelam a importância de se estar consciente. Isso porque, a consciência de que tudo que acontece em sua vida é responsabilidade sua, ameniza a possível impotência que se sente de não poder agir em relação àquilo, ou até mesmo entender que realmente esse processo faz parte e trará inúmeras possibilidade positivas para sua vida. Mudanças internas podem muitas vezes passar despercebidas e em um dado momento você se dá conta que algum comportamento que se tinha, já não existe mais. Entretanto, há também aquelas transformações que são tão profundas que você se olha e não se reconhece, aquele cabelo não faz parte mais de quem você é agora, aquelas roupas não dizem nada sobre sua personalidade e você se sente tão desconfortável que precisa tomar providências que diminuam tal incômodo. Todas elas, sejam as mais superficiais ou as mais brutas, são importantes para o desenvolvimento e evolução de quem você é. Até porque mudar de conduta e entender as situações como aprendizado, vale principalmente para que esteja preparado para as próximas transições que se vai passar ao longo do tempo.

Quanto aos relacionamentos com as pessoas, sejam elas partes da família, sejam amigos e colegas, ou relações afetivas e/ou amorosas, é possível que sua forma de lidar com essas pessoas mude em consequência de toda a mudança íntima pela qual se está passando. Assim, possivelmente, você passará a distinguir melhor as situações vividas com essas pessoas, e sentirá que está compreendendo melhor o papel de cada uma delas para o seu crescimento. Dessa forma, provavelmente algumas delas podem não mais fazer parte da sua vida, já que as características que os mantinham próximos podem parar de existir e sim, é um processo natural e necessário. Por outro lado quem fica provavelmente vai enxergar um lado seu muito mais brilhante, te admirando e buscando todos os recursos para que vocês, juntos, alimentem essa relação maravilhosa e singular.

Em relação aos objetivos e interesses, é nítido que são influenciados pelas particularidades que compõem o seu ser, sendo igualmente modificados e moldados de acordo com sua forma mais recente e vigente. Portanto o apego aqui dá lugar à abertura para novas ideias e novas rotas a serem traçadas. Mudar seu ponto de vista não caracteriza indecisão, apenas adequação, pois quando você não se adapta, acaba indo contra seus próprios desejos e cai num ciclo difícil, resumido em possível insatisfação.

Enfim, mudar é preciso. Valorize suas mudanças, lembre-se do caminho que você já percorreu e tenha claro que o processo nunca acaba, mas é possível aproveitar esses caminhos que nos levam ao encontro de obter cada vez mais satisfação pessoal.

E como diria Flora Matos: “Ainda não tenho tudo o que eu quero, mas tudo que eu tenho pretendo continuar dando o maior valor”.

NO COMMENTS

Deixe uma resposta