#CRÔNICA: Domingo é dia de rock bebê

#CRÔNICA: Domingo é dia de rock bebê

0 179

Por Ked Maria

A tarde de domingo é algo que tento evitar, deveria ser uma parte feliz da semana, afinal é o dia de descanso, porém esse espaço de tempo está perto demais do recomeço da segunda-feira e longe da leveza da sexta. No decorrer dos anos desenvolvi algumas técnicas para fugir da monotonia, como sair para barezinhos com amigos ou ir ao cinema, ficar em casa no geral termina comigo comendo chocolate, maratonando série com a sensação de estar jogando a minha vida fora. Acreditem, isso não é legal.

Essa semana as coisas não saíram muito bem planejadas, meus amigos estavam sem dinheiro e o cinema lotado acabaram com o plano B. Resolvi andar pela a cidade a procura de uma boa diversão, apesar de saber que domingo é o primeiro dia da semana e as pessoas insistem em tratar como o final dos tempos, o comércio quase não funciona o que reduz bastante as possibilidades de curtir a vida. Sento no primeiro copo sujo que encontro no centro, com o sertanejo depressivo tocando no fundo e depois de pedir uma cerveja gelada vou verificar o Tinder.

A garota que deu match na semana passada respondeu ao chamado para conhecer a minha boquinha linda, por sorte ela não queria esperar. A palavra “coincidência” nunca foi gentil nos meus primeiros encontros, mas em momentos em que o “nada para fazer” reina era melhor do que continuar desperdiçando o meu look “gótica-suave” naquele bar. Angélica era o nome da felizarda, que já chegou com uma garrafa de Budweiser na mão e um vestidinho básico preto, não quero me gabar mas formamos um lindo casal.

Toda animada a moça sugeriu irmos ao parque municipal, que aparentemente era a única coisa aberta nesse ovo chamado Belo Horizonte. Com o sorriso largo e a leveza do álcool, disse sim sem me preocupar com o número de crianças que teria naquele lugar. No caminho as mãos foram dadas e a conversa fluía do feminismo aos questionamentos do jovem adulto contemporâneo, não me pergunte o que diabos são essas questões, o fato é que aquela mulher era maravilhosa e eu a beijei agradecendo o Universo por não me botar mais em uma furada com aplicativos de relacionamentos.

A recepção do antro de diversões foi dada com os gritos de felicidade das crianças e o de desespero dos pais, os brinquedos que rodam, rodam e não saem do lugar ainda proporciona algum frio na barriga. Corri para comprar um picolé com gosto de isopor e minha parceira insistiu em tirar foto com os fotógrafos lambe-lambe. Coloquei um bom e velho rock in roll e o fone de ouvido foi dividido para encarar a Roda Gigante, com a cidade aos nossos pés o sentimento de sermos infinitas, definia o momento. A cabeça no ombro dela e o sorriso de paz veio confirmar que domingo é dia de rock bebê!

NO COMMENTS

Deixe uma resposta