. solitude .

. [do livro de cartas] solitude .

0 133

Por Débora Gomes – . as cores dela . – Parceira Contramão HUB

Minha pequena Alice,

soube, pelo teu silêncio, que a solidão voltou a lhe fazer companhia. e é por isso que lhe escrevo: pra pedir que tenha calma. e que entenda que é preciso muito cuidado nesse caminho de desalinhavar tantos nós. 

eu sei que setembro foi um mês de difíceis esperas e de pouco chão. e sei também que esse vazio que por hora te preenche, tem mais a ver com suas escolhas do que com o seu destino em si. entenda, minha querida, que nem sempre vai ser tão fácil e nem sempre tão difícil: às vezes coração da gente pede uma trégua. e é no equilíbrio desses dias mais sombrios, que ele vai entender a beleza de ser um pouco só.

daqui a pouco já é outro dia. e quando a gente abraça a solidão com um pouco mais de calma, ela perde toda sua grandeza e se transforma naquela palavra simples, que te canto desde pequenina: 

“encontra na sua solitude,
a paz que dança no seu coração”

por isso, querida, nesses últimos dias antes do seu ano acabar, trate de tirar esse peso que carregas nos ombros. e volte a sorrir, a escrever, a dançar. que ainda tem muito encontro dentro do seu passo e muito amor pra em ti envelhecer. 

guarda teus anseios nas estrelas e cumpre teu caminho em ser do amor. ainda há muito o que aprender, antes do fim da tua estrada.

com amor,
Bisa.

ps.: sei que a primavera te traz mais espinhos que rosas, mas aprende a perdoar. 
e cura essa desavença com água salgada, manjericão e alecrim.
tem suspiro na gaveta, te esperando voltar. 

NO COMMENTS

Deixe uma resposta