gastronomia

A capital mineira sedia de 22 de agosto a 4 de setembro a terceira edição da Belo Horizonte Restaurant Week. Neste ano, o evento conta com a participação de 51 restaurantes que oferecem aos apreciadores da boa comida e ambiente aconchegante, pratos exclusivos a preços promocionais.

Os cardápios especiais com entrada, prato principal e sobremesa serão oferecidos a R$29,90 no almoço e a R$39,90, no jantar. As bebidas, serviço e couvert não são inclusos dentro do valor promocional. “A ida durante o festival me proporciona conhecer mais do cardápio da casa e me fez ter mais vontade de voltar lá”, afirma a publicitária Carol Miyuki, 26 anos.

O evento, em sua última edição, chegou a registrar um aumento de até 60% no movimento dos restaurantes credenciados e contou com a participação de cerca de 35 mil pessoas. A estimativa para este ano é que cerca de 60 mil clientes participem da promoção nos próximos dias. O festival tem como objetivo divulgar os estabelecimentos. De acordo com o gerente da Fabricca Spagueteria, José Carlos de Oliveira, informa que o crescimento durante os dias de festival é notável. O evento traz o público pra rua, com um preço acessível e com isso a casa ganha visibilidade. Estamos com várias reservas até o final de semana, avalia.

A ampliação dessa edição leva em consideração a entrada de restaurantes de peso como Benvindo, Flores, Rokkon e Provincia di Salerno, além de novos restaurantes e outros que já são considerados tradicionais da capital como Fabrica, Cantina Piacenza, que entram no festival através de convite. “Estamos contentes de já fazer parte desse evento que entro para o calendário gastronômico nacional”, ressalta o sócio proprietário do restaurante Bangkok, Geovani Doria, que entrou na lista de convidados com apenas 5 meses de funcionamento.

É aconselhável fazer reserva, pois as filas em algumas casas costumam ser grandes, dependendo do dia e do horário.

Prato Principal Almoço Restaurante Benvindo
Prato Principal Almoço Restaurante Benvindo Foto: Arquivo Belo Horizonte Restaurante Week

O festival

O projeto Restaurant Week surgiu, há 19 anos, em Nova Iorque, com a proposta de oferecer aos consumidores a oportunidade de comer bem nos restaurantes mais elegantes da cidade, durante o período do evento.

A idéia deu certo e espalhou-se por mais de 100 cidades do mundo, chegando ao Brasil, em 2007, quando São Paulo teve uma boa resposta do público em sua primeira edição. Hoje, a capital paulista conta com duas edições anuais.

No momento de pagar a conta, o freguês será convidado a incluir R$ 1 a mais por pessoa, pois ao final da Restaurant Week, a quantia arrecadada será destinada ao Hospital da Baleia.

Saiba mais em: www.restaurantweek.com.br.

Por Natália Alvarenga

Fotos Natália Alvarenga e  Jéssica Barroso

Uma das bebidas mais apreciadas pelos brasileiros tinha que ter um dia só para ela. E é por isso que há 15 anos, é comemorado todo dia 24 de maio, o dia Nacional do Café, um dos grãos mais importantes para a economia Brasileira desde os anos 20 até hoje. O produto é consumido, diariamente, por quase 100% dos brasileiros com mais de 15 anos, colocando o país em segundo lugar no consumo da bebida, perdendo apenas para os Estados Unidos.menor1

Misturada a outros ingredientes, a bebida ganha diversos nomes pelas cafeterias de BH, sem perder o sabor natural. “O que a gente mais vende aqui é o Expresso comum e o Mocca Latter, principalmente no frio”, conta a atendente Mara Batista que há 6 meses, trabalha no California Coffee, localizado no Espaço TIM do Conhecimento. Mara conta os ingredientes da bebida Mocca, mas não revela como é feita “O processo é segredo, não podemos revelar”, explica sorrindo.

Confira a receita do Mocca Latter, por Mara Batista:

Data comemorativa inicia o Circuito de Cafeterias 2011

Começou hoje o “Circuito de Cafeterias 2011 – Minas é o Mundo em Café”. Ao todo, são 18 estabelecimentos participantes, espalhados por Belo Horizonte, com o objetivo de incentivar o público a conhecer as cafeterias da capital. “Será entregue um passaporte para cada cliente que vem ao café e experimenta o drink especial, preparado apenas para o evento”, explica Bruna Daiane, que trabalha como barista há 5 anos. “Você visita todos os estabelecimentos do circuito e ganha uma mug, aquelas canequinhas coloridas.”, completa Bruna.

Localizado na Rua Goitacazes, o Café Kahlúa participa pela primeira vez do circuito, com o drink “João Caetano”, preparado com Nutella, Davinci (essência que não contém álcool) de coco e de baunilha, leite vaporizado, expresso, chantili, raspa de coco e raspa de chocolate. “É a primeira vez que o Kahlúa participa e estamos super animados. A intenção não é uma disputa de qual o melhor café, e sim incentivar o pessoal a experimentar coisas diferentes feitas com café. Fugir do cafezinho do dia-a-dia”, conta a barista, que agora atua como auxiliar administrativo dentro da cafeteria.

Confira no site o endereço das cafeterias participantes do circuito: http://www.circuitodecafeterias.com.br

Por Débora Gomes e Felipe Bueno

Fotos Débora Gomes

O tema do mês de maio na Casa UNA de Cultura é “A poesia em todos os lugares – Zona de Invenção Poesia & (ZIP)” e conta com a presença do artista Chico de Paula que sustenta que as experimentações poéticas da ZIP tem como conceito a poieses. “O termos vem do grego arcaico e está ligado ao fazer, ao criar”, esclarece, “a gente trabalha com a poesia no sentido da criação, da imaginação, da invenção”, explica.

A tônica das criações da ZIP alia poesia e tecnologia em sentidos ampliados. “A gente não faz a distinção entre um computador e o corpo. Tudo é tecnologia e linguagem para manifestação da poesia, o computador não é uma ferramenta, ele determina uma linguagem”, explica. “O pincel é uma ferramenta tecnológica, inventada num determinado momento para pintura, mas não é uma ferramenta é um recurso de linguagem assim como é o cinema que nasce junto com a câmera e o vídeo que nasce junto com os aparelhos portáteis de vídeo”, exemplifica. “A tecnologia e a linguagem caminham juntas, não podem ser vistas separadas, toda arte nasce com sua tecnologia e vai demandando novas tecnologias,” finaliza.

Para o artista um exemplo dessa possibilidade vem desde o primeiro grande poema que se tem notícia, segundo ele, “A odisséia”, de Homero, um poema oral, extenso, com origem na forma tradicional oral grega de contar histórias. “Era mais feito para ser cantado do que falado, então a poesia de certa maneira já nasce multimídia, já nasce para ser encenada”, explica Chico de Paula. “A gente costuma dizer que o ato de dizer poesia é muito mais vocalizar do que declamar. Declamar é muito enquadrado, parece mais leitura com interpretação, a gente trabalha mais com vocalizar, reforçar um som, às vezes, alterar a voz; às vezes, usar efeito da voz para a leitura e trabalhar isso conceitualmente”, detalha.

Em 03 de maio, Chico de Paula, em mostra de vídeos, destacou o seu objetivo de recuperar a história do audiovisual e relembrar as origens da poesia e do audiovisual. Durante a exposição, o artista traçou um panorama dos primeiros registros poético no Brasil desde 1.500 até os dias de hoje, passando pelo cinema, pela vídeoarte e pela performance, destacando as iniciativas mineiras nesse campo.

Chico de Paula nos conta mais sobre a produção poética mineira:

Natural de Ouro Preto, Chico de Paula em 1999 juntamente com um grupo de autores criaram o “Projeto Feito a Mãos”, cujo objetivo era investigação da autoria coletiva, interfaces digitais e formas de realização deste trabalho.

O evento sobre poesia na Casa UNA de Cultura vai até o dia dois de junho, para mais informações acesse o site www.casauna.com.br

Por: Bárbara de Andrade

Foto: Felipe Bueno


1 980

Os clientes da conhecida “feirinha da Savassi”, terão que se adaptar a um novo local. A feira foi transferida nesta quinta, dia 15, para a Rua Paraíba, entre Inconfidentes e Getúlio Vargas, devido as obras da Prefeitura de Belo Horizonte na região.
Há mais de 15 anos, os feirantes expõem seus produtos na Rua Tomé de Souza, esquina com Cristovão Colombo. Os produtos variados, como frutas, legumes, verduras, doces entre outros, atraem clientes de todos os lugares. Segundo o feirante Ivan Silva, o problema maior da mudança foi o aviso de última hora, que fez com que muitos feirantes perdessem seus produtos. “Fomos avisados um dia antes, sobre o novo local da feira. Ficamos duas semanas sem trabalhar”, conta.

sdc106731
A feirante Ivania Rodrigues

Mesmo com alguns problemas, os feirantes acreditam que a mudança foi para melhor. A barraca de mingau e pamonha de Dona Ivania Rodrigues faz muito sucesso na feira. Há quinze anos no local, a comerciante diz que o novo lugar será melhor, por ser mais espaçoso e bem próximo ao antigo. Porém, para Ivan Silva, ainda faltam algumas melhorias “Poderiam colocar uma placa avisando do novo local para não perdermos fregueses”, completa.
A fiscal Ângela Márcia explica que a nova localização da feira é experimental. “O lugar foi indicado pela BHTRANS. Procuramos uma via sem garagens e com ponto comercial”, completa.
Para quem quiser produtos frescos ou um happy hour após o trabalho, a feira funciona todas as quintas-feiras, na Rua Paraiba, entre Inconfidentes e Getúlio Vargas.

Por Bárbara de Andrade e Débora Gomes

Quando passamos pela Rua da Bahia esquina com Rua Aimorés na região Centro-Sul de Belo Horizonte, logo sentimos aquele cheirinho de churros! Em pouco tempo deparamos com o carrinho de Carlos Mendes, um tranqüilo e cativante vendedor que, há 12 anos escolheu essa região da cidade  para trabalhar.”Vendo 200 churros por dia. E com as vendas dá para me sustentar tranqüilo e pagar as contas”, garante.

churros-0021

Mendes veio da Bolívia, há pouco mais de uma década, em busca de uma vida melhor no Brasil, onde não conhecia ninguém. Passou por São Paulo e decidiu estabelecer residência em Belo Horizonte, onde constituiu família, garantiu sua renda como vendedor e, nos finais de semana, faz freelance para eventos e em seu salão. “Entre Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo, prefiro aqui por ser uma cidade mais tranquila, sem tanta violência como nas demais”.

Procurando fugir da grande movimentação do comércio, o vendedor escolheu a região Centro-Sul por ser “calma para trabalhar e não tem muitos ambulantes”.

Para visitantes da região e degustadores de churros, Carlos Mendes trabalha de segunda a sexta das 10h às 19h.

Aproveitem e Bom apetite!!!

Texto: Thaline Araújo

Foto: Andressa Silva


Toda quinta é dia de feira na Savassi. Durante o dia, barracas de frutas, comidas típicas, queijos, doces e biscoitos tomam conta da Rua Tomé de Souza, entre as ruas Pernambuco e Avenida Cristóvão Colombo, como o Contramão já conferiu (veja aqui a matéria).

O que muita gente não sabe é que, depois das 18hs, quando as pessoas saem do trabalho, a feira se torna um grande ponto de encontro de amigos. São os amigos de feira.

Demétrio Araújo, Renato S. e Omar Vieira, 72, se encontram há quatro anos para um happy hour depois do trabalho. Eles escolheram a feira pelos mesmos motivos “por causa dos amigos, o bom atendimento que recebemos na barraca que sempre freqüentamos e pela comida.” explica Araújo, que mora bem longe, mas faz questão de encontrar os amigos toda quinta na feirinha. Eles são fregueses da barraca de churrasquinhos e bebidas de Sandro Santos, que trabalha na feira há mais de 10 anos.

Em frente à barraca de Sandro, fica a de bebidas de Agda Maria Lourenço, que trabalha há 10 anos na feira. Ela conta que a partir das 16hs já tem clientes, mas que a noite fica difícil andar na rua por causa da grande movimentação. “Este cliente aqui, freqüenta minha barraquinha desde quando eu abri” conta Lourenço cumprimentando um freguês que acabara de chegar.

Edney Alves freqüenta com os amigos a barraca de Agda desde 2000. “Você convive a muitos anos no mesmo lugar e acaba conhecendo as pessoas. Somos uma turma que se encontra a 10 anos no mesmo lugar. Não é do trabalho nem da rua, somos amigos de feira” relata Alves.

dsc_0312dsc_0307dsc_0343

Por Daniella Lages

Fotos João Marcelo Siqueira