Praça da Liberdade

Quem passeia pela Praça da Liberdade, entre a aleia de palmeiras, não imagina de onde elas vieram e há quanto tempo estão ali. Elas são originárias do Caribe e as primeiras plantadas no Brasil vieram das Ilhas Maurício no sul do continente Africano.

As primeiras mudas que chegaram ao país foram colocadas no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. As da Praça da Liberdade chegaram durante a construção, entre os anos de 1895 e 1897. Quando foi plantada a primeira palmeira no Brasil, em 1809, elas passaram a ser conhecidas como Palmeira Imperial.

fotos-010

Texto e fotos Daniella Lages

O trânsito ficou complicado esta tarde para quem trafegava na Av. Gonçalves Dias sentido Praça da Liberdade devido a uma manifestação que acontecia no local. Duas famílias que foram desapropriadas de suas posses há 69 anos reivindicavam indenização por essa desapropriação. Filhos, netos, bisnetos, sobrinhos, amigos e conhecidos das famílias Abreu e Hilário, gritavam “queremos justiça”, e “cadê nosso dinheiro?” em frente ao prédio do Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

“Esse movimento é dos descendentes das duas famílias fundadoras da região que hoje é o Parque Industrial em Contagem- RMBH. Eles foram desapropriados de suas terras, por volta de 1943 pelo governo da época. Já aconteceram diversas audiências com o governo, mas eles enrolam e não resolvem nada, por isso estamos aqui para reivindicar que o processo seja resolvido”, conta Carlos Ferreira da Costa, professor e amigo da família Hilário. Ainda de acordo com Costa, já foi ganho na justiça a indenização, em ultima instância, mas o pagamento ainda não aconteceu.

Um dos manifestantes era Senhor Leontino Luiz Hilário que, mesmo sendo cego, veio acompanhar a luta da família por justiça. Ele é bisneto de Luiz Hilário que por sua vez era dono da fazenda Peroba, na região do Industrial em Contagem. Ele conta que o governo desapropriou as famílias principalmente para instalar as fabricas na região e com a desapropriação sua família ficou desabrigada e muitos foram morar em favelas, “o governo tem dinheiro aos montes pra todas essas falcatruas que a gente vê aí, mas não têm para pagar os pobres, que estão precisando, como eu. Meus filhos sempre me perguntam: e ai pai? O dinheiro da indenização sai ou não sai?”, desabafa emocionado.

No vídeo entrevista com Leontino Hilário contando toda a história.


A Bhtrans e Polícia Militar estiveram no local para acompanhar a manifestação que aconteceu de forma pacifica.

Click na foto e acesse a galeria: antiga fazenda e manifestação

23

Por: Danielle Pinheiro

Quem procurou pela Secretaria de Cultura essa semana, no antigo prédio na Praça Liberdade, a encontrou de portas fechadas. É que assim como outros órgãos do governo de Minas, a secretaria mudou-se para a Cidade Administrativa de Minas Gerais (CAMG). A mudança começou na segunda-feira, restando no antigo prédio apenas algumas mobílias, artigos de escritórios, papéis e arquivos em caixas de papelão para serem transportados.

Mas o que será que os funcionários acharam da mudança? Afinal, eles terão que mudar suas rotinas diárias para se locomoverem até a CAMG.  A funcionária do setor de patrimônio da Secretaria, Vânia Lúcia, explica que “Aqui já não funciona mais a secretaria, estamos levando apenas alguns objetos que ficaram, mas os funcionários já estão todos trabalhando lá e estão gostando muito. Lá é mais acessível para nós e para os cidadãos também, as novas acomodações são melhores, mais espaçosas e acessíveis”.

O novo endereço da Secretaria é: Cidade Administrativa – Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/n, Prédio Gerais – 5º andar – Bairro Serra Verde, Belo Horizonte/MG. Telefone 3915-1000. O horário de funcionamento é de 8:00 às 18:00.

Por Danielle Pinheiro

Fotos Danielle Pinheiro

Cada cidade tem um marco que atrai turistas, olhares e clicks de câmeras fotográficas. No momento, os Ipês são a atenção da vez na Praça da Liberdade, colorindo e embelezando os arredores da região.

Mas “Como é que o ipê sabe a época que vai florir?”. É a pergunta da dona de casa Lilian Lima que ama os Ipês e todos os anos vai a Praça fotografá- los. Muitas pessoas acham estranho o Ipê florir fora da primavera e o jardineiro Aristeu Antônio Mariota, 50, diz que a época de florescência dos Ipês varia de acordo com cada espécie. “O Ipê Amarelo floresce entre julho e agosto e permanece em flor durante um mês. Já o Rosa, floresce no período de inverno, entre 25 de maio e 30 de julho e permanece em flor por dois meses.” explica o jardineiro, que está nessa profissão há 14 anos.

Para florescer, os Ipês perdem todas as folhas, ficando apenas os galhos. Só então as flores começam a aparecer. “Todo mundo chama o Ipê de Roxo, mas se você olhar bem, vai ver que é rosa”, diz Mariota. Maria Du Carmo Santos, 60, trabalha na região da praça. Maravilhada, diz que tudo fica mais bonito com os Ipês: “Toda vez que o Ipê flora eu venho ver”, conta sorrindo.

Visite nossa galeria

Texto: Danielle Pinheiro e Débora Gomes

Imagens e edição: Marcus Ramos

Os freqüentadores da Praça da Liberdade já podem acompanhar a revitalização de dois importantes ícones da Praça: a “Fonte das Três Graças” e a “Moça mirando espelho d’água”. As duas são esculpidas em mármore carrara e a maior delas, a Fonte das Três Graças, comporta duas imagens femininas de mãos dadas, duas sereias logo abaixo e duas cabeças de carneiro na extremidade.

Com o passar do tempo, as fontes foram acumulando muita sujeira e o trabalho de limpeza e conservação é minucioso. No caso da “Moça mirando espelho d’água”, ainda será feito um trabalho de reintegração de elementos, uma vez que um dos braços da escultura se soltou há algum tempo.

O restauro terá duração de 90 dias e será feito ao ar livre. Serão utilizadas telas no lugar de alguns tapumes, para que a população possa assistir o trabalho.

Por Daniella Lages