Praça da Liberdade

Esta manhã, os dois canteiros de Hortência da Praça da Liberdade, passaram por uma poda bem generosa. É que este ano as plantas não floriram e este tipo de poda ajuda a planta a crescer mais rápido e consequentemente nascer belas flores.

O jardineiro Djalma Francisco, trabalha na praça há 5, distribuiu mudas da planta para quem quisesse levar. “Ela é bem fácil de pegar, se você plantar um talinho desses, nasce uma planta enorme e ela pode dar belas flores” explica Francisco.

A funcionária pública Jussara de Campos Silva, levou várias mudas para plantar em casa. Ela tem um quintal grande e pretende plantar as Hortências em seu jardim. “ É uma flor linda e fácil de cuidar, ela só cresce muito, mas é só tomar cuidado e podar sempre” contou Jussara, que fazia caminhada na Praça, enquanto acontecia a limpeza do canteiro.

O busto do Senador Júlio Bueno Brandão agora pode ser visto por inteiro. Antes ele estava assim.

imagem-018

imagem-017

O busto do Senador Júlio Bueno Brandão

Por Daniella Lages

Desde o dia 22 de junho o museu de minas está aberto ao público, com diversas exposições relacionadas às minas e minerais existentes no estado mineiro.

De acordo com a coordenadora educativa Luísa Macedo,23, as exposições no museu tem o intuito de contar a história do estado através das grandes minas que já existiram, com seus aspectos econômicos e culturais sendo contada de forma didática e interativa através de expositores educativos.

Além da principal atração, o museu oferece esclarecimentos sobre a consistência de minerais como zinco, ferro entre outros. O museu foi inaugurado no final de junho deste ano e já recebeu cerca de 8000 visitantes.

As exposições são de terça a domingo, de 12h às 18h. Entrada franca.

Texto e foto: Henrique Muzzi

Um dos bustos da Praça da Liberdade, homenageia um importante político do estado de Minas Gerais. Mas, você sabe quem foi o Senador Júlio Bueno Brandão, cujo busto está localizado em frente ao prédio do IPSENG?

Nascido a 11 de julho de 1858, em Ouro Fino, Bueno era filho de comerciante, fez o curso primário em sua cidade Natal, onde começou a trabalhar cedo, no comércio junto a seu pai, como balconista. Autodidata, estudou sozinho e prestou exame de qualificação e começou a advogar na comarca de Ouro Fino. Sem ter, sequer, feito faculdade, com apenas o curso primário, foi juiz de Direito de Camanducaia e Juiz municipal de Ouro Fino. Também exerceu cargo de delegado.

Entrou para política como vereador em Ouro Fino. Foi nomeado pelo presidente do Estado de Minas Gerais, Bias Forte, em 1891, presidente do Conselho de Intendência de Ouro Fino. Em 1892 foi eleito presidente da Câmara Municipal da cidade.

A importância para o Estado e a cidade

Como chefe do executivo municipal teve a oportunidade de recuperar a economia do município, em crise desde o esgotamento das minas auríferas; reorganizou a administração local; fundou associação jornalística e literária além do jornal Gazeta de Ouro Fino; criou escola primária municipal; fundou a Escola Prática de Agricultura; construiu estradas municipais; cuidou da urbanização da cidade; ampliou a rede de abastecimento de água e melhorou o serviço de telefonia.
Elegeu-se senador do estado em 1897 e neste cargo, empenhou-se na reforma da lei eleitoral, buscando democratizar o sistema. Em 1930 foi o único senador a votar contra o estado de sítio em Minas Gerais.

A Praça da Liberdade ainda conta com os bustos de Azevedo Junior, Bernardo Guimarães, Crispim Jacoques Bias Fortes e Dom Pedro II.


imagem-015

Por Daniella Lages

A grave infração ocorreu na praça da liberdade. A verdadeira demonstração de ousadia aconteceu entre a última terça-feira e a manhã de hoje e ninguém sabe quem foi o responsável pelo delito, mas quem passou pela praça se surpreendeu ao parar diante da homenagem ao Imperador. Com espaço livre em meio à estrutura, ficou fácil perceber a ausência da placa em bronze, que é colocada em todas as estátuas localizadas na praça, para identificação das mesmas.

Miguel Tavares estava caminhando na praça e sentiu falta do emplacamento do busto e declarou toda sua insatisfação com o roubo do patrimônio público “A praça é tão bem cuidada por grande parte das pessoas que freqüentam o espaço, por isso é mais triste chegar e perceber que o cuidado de alguns não representa nada para outros. Isso é apenas uma questão de ética”.

Buscamos contato com a prefeitura de Belo Horizonte no telefone 156 e foi transmitida a seguinte informação: Depois da abertura do processo de reconhecimento do roubo, é colocada outra placa no local.

No entanto, ninguém soube informar qual é o investimento e quanto tempo é utilizado para que a placa seja colocada novamente no local.

dsc_0102

Atualmente a praça da Liberdade conta com cinco bustos o do Senador Júlio Bueno, Azevedo Junior, Bernardo Guimarães, Crispim Jacoques Bias Fortes e Dom Pedro II.

Por: Iara Fonseca

O canteiro central da praça da liberdade passa por um processo de limpeza . De acordo com o jardineiro Gustavo Costa,28, o canteiro sempre teve o mesmo tipo de planta e a limpeza feita no local ajuda no desenvolvimento lateral da mesma.

Costa explica que a planta denominada Alysson tem um curto período de vida que varia de 8 a 10 meses, após esse período os restos são retirados, a terra é adubada e uma nova remessa da planta é colocada no local. A professora Maria Lúcia Vieira,44, afirma que a praça sempre foi bem cuidada.

Já a turista espanhola Gracilete Aparecida,42, demonstra insatisfação com o local, “a praça é grande , tem poucas lixeiras , faltam bancos e o chão é muito sujo”, afirma.

Foto e texto: Henrique Muzzi