cidade

0 1094

A Escola Estadual Barão do Rio Branco está passando por reformas. No início do ano teve parte do seu muro destruído pelas chuvas e precisava da troca de todo o telhado que apresen tavam problemas, como infiltrações, calhas entupidas e telhas em mau estado. As obras estão sendo supervisionadas pelo IEFA, pois a escola é tombada pelo patrimônio histórico. Os muros deverão seguir os mesmos padrões dos que foram construídos à um século atrás. O diretor da escola desde 2007, Carlos Henrique, nos conta que foi uma coincidência o estado ter liberado a verba do telhado, junto com a da reconstrução do muro. Para as reformas o estado liberou o total de R$ 344.000,00, sendo R$ 272 mil para o telhado e o restante para o muro.

imagem-033 As obras começaram entre junho e julho e estavam previstas para ser entregues em agosto, porém somente o telhado ficará pronto esse mês, pois outras partes do muro estão comprometidas e terão que ser reformadas. José Salvador, coordenador de serviços gerais da escola, afirma que o muro está pronto e que falta somente a pintura, porém o ato de vandalismo já se faz presente com as contastes pichações dos vândalos.

imagem-044
Parte do muro da escola na Av. Getulio Vargas que ainda está sendo construido
imagem-0181O novo muro, após a queda causada pela chuva
imagem-028O entulho da obra no meio do pátio da escola

Por: Andressa Silva
João Marcelo Siqueira

Fotos: João Marcelo Siqueira

Esta manhã, os dois canteiros de Hortência da Praça da Liberdade, passaram por uma poda bem generosa. É que este ano as plantas não floriram e este tipo de poda ajuda a planta a crescer mais rápido e consequentemente nascer belas flores.

O jardineiro Djalma Francisco, trabalha na praça há 5, distribuiu mudas da planta para quem quisesse levar. “Ela é bem fácil de pegar, se você plantar um talinho desses, nasce uma planta enorme e ela pode dar belas flores” explica Francisco.

A funcionária pública Jussara de Campos Silva, levou várias mudas para plantar em casa. Ela tem um quintal grande e pretende plantar as Hortências em seu jardim. “ É uma flor linda e fácil de cuidar, ela só cresce muito, mas é só tomar cuidado e podar sempre” contou Jussara, que fazia caminhada na Praça, enquanto acontecia a limpeza do canteiro.

O busto do Senador Júlio Bueno Brandão agora pode ser visto por inteiro. Antes ele estava assim.

imagem-018

imagem-017

O busto do Senador Júlio Bueno Brandão

Por Daniella Lages

Os motoqueiros que passavam pela av. Getulio Vargas, em frente à Escola Estadual Barão do Rio Branco, foram surpreendidos por uma blitz de prevenção realizada pela Policia Militar. Segundo o Sgt. Sidney Moreira, a blitz é realizada na região devido o índice do famoso assalto “saidinha de banco”, que é um crime praticado em conjunto. Um dos  integrantes do grupo vigia uma pessoa no banco e assim que ela sai com o dinheiro, já tem outra pessoa na porta esperando para cometer o assalto, com todas as características da vitima, já informadas pelo outro comparsa. “Essa região possui muitos bancos e isso facilita a ação. A blitz de hoje é também uma forma de prevenção de crimes”, relata Moreira.

A blitz acontece em locais diferenciados, de acordo com o número de ocorrências de cada local. Em uma abordagem a uma dupla de motoqueiros, que aconteceu na semana passada,  foi apreendida uma arma modelo PT. Além dessas ocorrências, eles também combatem motociclistas que estão sem habilitações ou infringindo alguma norma de circulação de trânsito. Por isso a importância da blitz de prevenção.

imagem-009

imagem-039

Por: Andressa Silva
João Marcelo Siqueira

Fotos: João Marcelo Siqueira

Um dos bustos da Praça da Liberdade, homenageia um importante político do estado de Minas Gerais. Mas, você sabe quem foi o Senador Júlio Bueno Brandão, cujo busto está localizado em frente ao prédio do IPSENG?

Nascido a 11 de julho de 1858, em Ouro Fino, Bueno era filho de comerciante, fez o curso primário em sua cidade Natal, onde começou a trabalhar cedo, no comércio junto a seu pai, como balconista. Autodidata, estudou sozinho e prestou exame de qualificação e começou a advogar na comarca de Ouro Fino. Sem ter, sequer, feito faculdade, com apenas o curso primário, foi juiz de Direito de Camanducaia e Juiz municipal de Ouro Fino. Também exerceu cargo de delegado.

Entrou para política como vereador em Ouro Fino. Foi nomeado pelo presidente do Estado de Minas Gerais, Bias Forte, em 1891, presidente do Conselho de Intendência de Ouro Fino. Em 1892 foi eleito presidente da Câmara Municipal da cidade.

A importância para o Estado e a cidade

Como chefe do executivo municipal teve a oportunidade de recuperar a economia do município, em crise desde o esgotamento das minas auríferas; reorganizou a administração local; fundou associação jornalística e literária além do jornal Gazeta de Ouro Fino; criou escola primária municipal; fundou a Escola Prática de Agricultura; construiu estradas municipais; cuidou da urbanização da cidade; ampliou a rede de abastecimento de água e melhorou o serviço de telefonia.
Elegeu-se senador do estado em 1897 e neste cargo, empenhou-se na reforma da lei eleitoral, buscando democratizar o sistema. Em 1930 foi o único senador a votar contra o estado de sítio em Minas Gerais.

A Praça da Liberdade ainda conta com os bustos de Azevedo Junior, Bernardo Guimarães, Crispim Jacoques Bias Fortes e Dom Pedro II.


imagem-015

Por Daniella Lages

Emprego temporário nas Eleições

As propagandas eleitorais movimentam os cruzamentos e semáforos da região centro-sul da capital. Com a aproximação das eleições, os políticos investem e apostam nas campanhas por meio de publicidade nas ruas. Foi o caso do deputado federal Rodrigo de Castro que contratou mais de 20 jovens para realizar panfletagem e “bandeirada” (balançar bandeiras do candidato) em pontos estratégicos da capital.

O estudante Lucas Vieira, 17, conta que descobriu o emprego temporário por uma amiga. “O deputado é morador do bairro Nova Cintra, onde mora grande parte do pessoal que está aqui. Então ele chamou a gente para trabalhar com ele.”, conta Vieira. O trabalho começou a cerca de 20 dias e perdurará por mais 2 meses, sendo uma jornada de 6 horas por dia que rende em média R$ 400,00 por mês. “Nós não somos fixos em nenhum lugar. Hoje estamos aqui na Savassi, mas semana que vem podemos estar em outro bairro”, conta o estudante.

dsc_0132

O outro lado da história – Poluição visual e sonora

Com as novas tecnologias os candidatos as eleições 2010 ainda aderem à moda antiga, distribuem materiais publicitários, como fly’s e adesivos pelas ruas da capital.

Em vias como a Avenida João Pinheiro, no bairro de Lourdes, encontram-se faixas, placas, cartazes e bandeiras com a imagem e nome dos respectivos candidatos. Além, da grande quantidade de fly’s jogados pelo chão, o que desfigura a imagem da cidade. Seguindo o percurso da avenida deparamos com o rosto de candidatos do PTdoB e do PT em pelo menos 8 placas.

Além da poluição visual das vias publicas ainda existem os candidatos que aderiram à poluição sonora, hora e meia passa carros de som com canções como “é 1311, é… garra e atitude é Gabriel Guimarães (…) vem você também (…) deputado federal…”

O Tribunal Regional Eleitoral de Minas (TER) é responsável pela campanha “Sujeira não é Legal”. Essa campanha tem como o intuito evitar as irregularidades dos candidatos com as propagandas. E este ano estão mais rígidos, para punir quem desrespeitar as regras.

No site da campanha os candidatos podem encontrar as orientações de como fazer sua propaganda limpa.

Por Ana Paula Sandim, Débora Gomes, João Marcelo Siqueira
Fotos Débora Gomes