Esportes

0 848
Foto Divulgação Playstation 4

O Halloween chegou à América do Norte com os irlandeses em 1840. A festa, que tinha como base antigos valores da cultura bárbaro-cristã da Europa Medieval, nasce como uma preocupação simbólica onde a tradição é cercada por figuras estranhas e bizarras, tendo como objetivo afastar a influência dos maus espíritos que ameaçariam suas colheitas.

Uma das lendas de origem celta fala que os espíritos de todos que morreram ao longo daquele ano voltariam à procura de corpos vivos para possuir e usar pelo próximo ano. Os celtas acreditavam ser a única chance de vida após a morte. Os celtas acreditaram em todas as leis de espaço e tempo, o que permitia que o mundo dos espíritos se misturassem com o dos vivos. Como os vivos não queriam ser possuídos, na noite do dia 31 de outubro, apagavam as tochas e fogueiras de suas casa, para que elas se tornassem frias e desagradáveis, colocavam fantasias e ruidosamente desfilavam em torno do bairro, sendo tão destrutivos quanto possível, a fim de assustar os que procuravam corpos para possuir.

Hoje tem mais cunho social. Para comemorar o 31 de outubro separamos uma lista de filmes de terror das antigas, para mexer com seu psicológico e quem sabe as profundezas do gênero terror da sétima arte.

  • O Exorcista – 1973

Em Georgetown, Washington, uma atriz vai gradativamente tomando consciência que a sua filha de doze anos está tendo um comportamento completamente assustador. Deste modo, ela pede ajuda a um padre, que também um psiquiatra, e este chega a conclusão de que a garota está possuída pelo demônio. Ele solicita então a ajuda de um segundo sacerdote, especialista em exorcismo, para tentar livrar a menina desta terrível possessão. 

  • O Bebê de Rosemary – 1969

Um jovem casal, Rosemarey (Mia Farrow) e Guy Woodhouse (John Cassavetes), se muda para um prédio habitado por estranhas pessoas, onde coisas bizarras acontecem. Quando ela engravida, passa a ter estranhas alucinações e vê o seu marido se envolver com os vizinhos, uma seita de bruxas que quer que ela dê luz ao Filho das Trevas.

  • A Profecia – 1977

Um diplomata americano preocupado em não chocar a esposa, em virtude da morte do seu filho ao nascer, lhe oculta o fato e adota um recém-nascido de origem desconhecida. Mortes misteriosas começam a cercar a família do homem, que sem saber, pode estar criando o AntiCristo em pessoa.

  • Psicose – 1960

Marion Crane é uma secretária (Janet Leigh) que rouba 40 mil dólares da imobiliária onde trabalha para se casar e começar uma nova vida. Durante a fuga à carro, ela enfrenta uma forte tempestade, erra o caminho e chega em um velho hotel. O estabelecimento é administrado por um sujeito atencioso chamado Norman Bates (Anthony Perkins), que nutre um forte respeito e temor por sua mãe. Marion decide passar a noite no local, sem saber o perigo que a cerca.

  • Halloween – A Noite de Terror – 1978

Michael Myers (Tony Moran) é um psicopata que vive em uma instituição há 15 anos, desde quando matou sua própria irmã. Porém, ele consegue fugir de seu cativeiro e retorna à sua cidade natal para continuar seus crimes na localidade que, aterrorizada, ainda se lembra dele.

  • O Iluminado – 1980

Durante o inverno, um homem (Jack Nicholson) é contratado para ficar como vigia em um hotel no Colorado e vai para lá com a mulher (Shelley Duvall) e seu filho (Danny Lloyd). Porém, o contínuo isolamento começa a lhe causar problemas mentais sérios e ele vai se tornado cada vez mais agressivo e perigoso, ao mesmo tempo que seu filho passa a ter visões de acontecimentos ocorridos no passado, que também foram causados pelo isolamento excessivo.

  • Carrie, A Estranha – 1977

Carry White (Sissy Spacek) uma jovem que não faz amigos em virtude de morar em quase total isolamento com Margareth (Piper Laurie), sua mãe e uma pregadora religiosa que se torna cada vez mais ensandecida. Carrie foi menosprezada pelas colegas, pois ao tomar banho achava que estava morrendo, quando na verdade estava tendo sua primeira menstruação. Uma professora fica espantada pela sua falta de informação e Sue Snell (Amy Irving), uma das alunas que zombaram dela, fica arrependida e pede a Tommy Ross (William Katt), seu namorado e um aluno muito popular, para que convide Carrie para um baile no colégio. Mas Chris Hargenson (Nancy Allen), uma aluna que foi proibida de ir festa, prepara uma terrível armadilha que deixa Carrie ridicularizada em público. Mas ninguém imagina os poderes paranormais que a jovem possui e muito menos de sua capacidade vingança quando está repleta de ódio.

  • A Hora do Pesadelo – 1986

Um grupo de adolescentes tem pesadelos horríveis, onde são atacados por um homem deformado com garras de aço. Ele apenas aparece durante o sono e, para escapar, é preciso acordar. Os crimes vão ocorrendo seguidamente, até que se descobre que o ser misterioso é na verdade Freddy Krueger (Robert Englund), um homem que molestou crianças na rua Elm e que foi queimado vivo pela vizinhança. Agora Krueger pode retornar para se vingar daqueles que o mataram, através do sono.

  • Poltergeist – O Fenômeno – 1982

Família é visitada por fantasmas, que inicialmente se manifestam apenas movendo objetos pela casa, mas gradativamente vão aterrorizando-os cada vez mais, chegando a sequestrar a caçula através do televisor. Os pais se desesperam e uma especialista em fenômenos paranormais sugere que eles busquem a ajuda de uma mulher com poderes mediúnicos.

  • Uma Noite Alucinante – A Morte do Demônio – 1981

Cinco estudantes da Universidade de Michigan decidem passar um final de semana em uma casa isolada. Lá eles encontram o livro dos mortos, um documento que data da época da Babilônia e que está relacionado ao livro dos mortos egípcio. Enquanto vasculham a casa os amigos gravam em fita alguns encantamentos demoníacos, escritos no livro. A partir de então eles são possuídos por espiritos, um a um. O primeiro alvo é Cheryl (Ellen Sandweiss), brutalmente estuprada pelas forças do mal. Ash (Bruce Campbell), seu irmão, resolve levá-la a uma cidade próxima, mas descobre que a única ponte que leva ao local está destruída. Logo a transformação de Cheryl em demônio é concluída, resultando em seu ataque aos amigos.

  • Hellraiser – Renascido do Inferno – 1987

Frank Cotton (Sean Chapman) é um conhecedor da depravação sexual, que busca a mais nova experiência sensual e compra um belo e intrincado cubo de quebra-cabeças. Só que Frank tem uma experiência atra com o cubo ao resolver o enigma e abrir as portas do Inferno e do Céu, o que provoca sua morte. Após vários anos seu irmão Larry (Andrew Robinson), que ignora o que aconteceu com Frank, decide voltar para a casa da família, que estava fechada há dez anos. Larry se muda juntamente com sua segunda esposa, Julia (Clare Higgins), mas sua filha, Kirsty (Ashley Laurence), optou por morar sozinha. Um acidente faz o sangue de Larry cair no chão do sótão, fazendo com que ocorra a ressurreição de Frank. Porém o corpo dele está só meio composto, assim ele procura a ajuda de Julia, com quem tivera um tórrido envolvimento, para ter novamente a forma humana. Ainda secretamente apaixonada por Frank, Julia o ajuda seduzindo homens da cidade e levando-os até a casa, pois assim seu renascido amante pode beber o sangue deles para recuperar seu aspecto humano. Tentando melhorar sua relação com Julia, Kirsty, que nunca se sentiu a vontade com a madrasta, vai até a casa para conversar com ela. Quando está chegando vê Julia com um desconhecido, que na verdade é a próxima vítima e não o que Kirsty pensa. Ao entrar na casa, Kirsty fica diante do estranho que está coberto de sangue, e pede por socorro. Aterrorizada, ela se depara com o ainda incompleto Frank, que se identifica e tenta dominá-la. Apavorada, Kirsty pega por acaso o cubo e sente que ele é importante para Frank, então o atira pela janela, o que deixa Frank em pânico. Ao fugir, ela resgata o cubo e anda pelas ruas desnorteada, pois está dominada por um medo que nunca sentiu.

  • Sexta Feira 13 – Parte III – 1982

O assassino Jason continua fazendo vítimas, desta vez um grupo de jovens procurando a paz das florestas por um fim de semana.

  • O Massacre da Serra Elétrica – 1987

Em 1973, a polícia texana deu como encerrado o caso de um terrível massacre de 33 pessoas provocado por um homem que usava uma máscara feita de pele humana. Nos anos que se seguiram os policiais foram acusados de fazer uma péssima investigação e de terem matado o cara errado. Só que dessa vez, o único sobrevivente do massacre vai contar em detalhes o que realmente aconteceu na deserta estrada do Texas, quando ele e mais 4 amigos estavam indo visitar o seu avô.

  • Brinquedo Assassino – 1988

Um serial killer é morto em um tiroteio com a polícia, mas antes de morrer utiliza seus conhecimentos de vodu e transfere sua alma para um boneco. Um menino ganha exatamente este brinquedo como presente da sua mãe. O menino tenta alertar que o boneco está vivo, mas sua mãe e um detetive da polícia só acreditam nele após o brinquedo ter feito várias vítimas. Mas o boneco está realmente interessado é no garoto, pois só no corpo dele poderá continuar vivo, e isto coloca a criança em grande perigo.

  • It – Uma Obra-prima do Medo – 1990

Derry, no Maine, é uma pacata cidade que foi aterrorizada 30 anos atrás por um ser conhecido como “A Coisa”. Suas vítimas eram crianças, sendo que se apresentava na maioria das vezes como o palhaço Pennywise. Com esta forma ele reaparece, 30 anos depois. Quem sente sua presença é Michael Hanlon (Tim Reid), um bibliotecário e único de um grupo de sete amigos que continuou morando em Derry. Assim ele liga para Richard Tozier (Harry Anderson), Eddie Kaspbrak (Dennis Christopher), Stanley Uris (Richard Masur), Beverly Marsh Rogan (Annette O’Toole), Ben Hanscom (John Ritter) e William Denbrough (Richard Thomas), pois todos os sete quando jovens viram “A Coisa” e juraram combatê-la caso surgisse outra vez. Porém este juramento pode custar suas vidas.

 

Por Ana Paula Tinoco

0 1392
Crédito: Washington Alves/MPIX/CPB

Delegação com número recorde de atletas possui 16 competidores representando o estado.

A 15ª edição da Paraolimpíada, a realizar-se entre os dias 7 e 18 de Setembro no Rio de Janeiro, será marcada por um fato inédito: a delegação brasileira possuirá atletas nas 22 modalidades ofertadas. Dos 278 paratletas tupiniquins, sendo 181 homens e 97 mulheres, 16 representam Minas Gerais.

A modalidade com maior número de paratletas mineiros é o atletismo, representando pela Betinense três vezes medalhista olímpica, Terezinha Guilhermina, a belo horizontina Izabela Silva Campos, da Associação dos Amigos do Instituto São Rafael. As uberabenses Poliana Fátima de Jesus e Raíssa Rocha Machado, ambas da Associação dos Deficientes Físicos de Uberada (Adefu). Também integram a equipe, Mauro Evaristo de Souza, da Associação dos Paraplégicos de Uberlândia (Aparu), e Rodrigo Parreira da Silva, do Clube Desportivo para Deficientes de Uberlândia (CDDU).

No Judô, a Belo Horizonta Deanne Silva de Almeida integra a seleção brasileira na categoria pesado. Na natação a cidade de Uberlândia é quem representa o estado através dos paratletas: Ruan Felipe Lima de Souza (Praia Clube) e Ruiter Antônio Gonçalves Silva (CDDU). A modalidade rugbi em cadeira de roda contará com o paratleta Davi Rodrigues Coimbra de Abreu, do Minas Quad Rugby.

Os paratletas Daniel Alves Rodrigues e Daniel Medeiros Gomes, ambos da Butija Tênis, em BH, integram a delegação na modalidade tênis em cadeira de rodas. Antônio Marcos do Carmo, da capital, e José Maria Gonçalves de Abreu, de Contagem, completam o time de vela adaptada. O medalhista de ouro no Parapan de Toronto, em 2015, José Carlos das Chagas de Oliveira (Adefu), foi convocado para a bocha.

Além deles, nove profissionais nascidos em Minas Gerais integram as comissões técnicas das seleções brasileiras nas competições 

Delegação Brasileira

Na 14ª edição dos jogos, em Londres 2012, a delegação brasileira teve seu melhor desempenho: conquistou 21 medalhas de ouro, 14 de prata e 8 de bronze, totalizando 43 medalhas e garantindo a sétima posição. No Rio 2016, muitos atletas medalhistas tornam a competir, entre eles os nadadores Daniel Dias e André Brasil, os velocistas Alan Fonteles e Teresinha Guilhermina.

Créditos: Comitê Paralímpico Internacional
Créditos: Comitê Paralímpico Internacional
Créditos: Comitê Paralímpico Internacional
Créditos: Comitê Paralímpico Internacional

“Materializar a delegação dos Jogos Paralímpicos Rio 2016 é um momento muito importante para o Comitê Paralímpico Brasileiro. Será a maior e melhor delegação Paralímpica brasileira de todos os tempos. Estamos muito orgulhosos, pois também será a primeira vez que estaremos em 100% das modalidades que compõem o programa Paralímpico, também por sermos o país-sede. Estamos ansiosos para entrar na Vila dos Atletas com esta delegação”, disse o presidente do CPB e vice-presidente do Comitê Paralímpico Internacional (IPC, em inglês), Andrew Parsons.

Texto: Bruna Dias

Fotos: João Alves

Entre jogos mornos, caos nos serviços de bar e a Zika, quem brilhou mesmo foram os torcedores com a sua animação, criatividade e humor. A olimpíada promete

O futebol feminino deu a largada ao calendário de competições que Belo Horizonte irá receber durante toda a Olimpíada. As seleções da Nova Zelândia, Estados Unidos, França e Colômbia protagonizaram a primeira fase do grupo G, que ainda tem mais dois jogos a serem realizados nos dias 12 e 16 de Agosto, no Estádio Mineirão.

Com bastante aparato policial, porém menos agressivo como visto na Copa do Mundo, os torcedores chegaram entusiasmados com jogo, carregando bandeiras e vestindo as camisas das seleções de cada país. Mesmo assim, os torcedores dos times mineiros, Atlético e Cruzeiro, vieram em peso e demonstraram as suas preferências.

Dentro do Mineirão que se apresentava bem vazio, o favoritismo da torcida praticamente era só uma, Nova Zelândia. Mesmo com o time inferior e com um gol já nos primeiros 15 minutos de jogo, a torcida não deixou de empurrar o time com gritos e “Ôlas”. Já o time americano não foi tão bem recebido assim. A goleira da seleção dos Estados Unidos, Hope Solo, recebeu vaias seguido de “zika” em coro, toda vez que tocava na bola. Os gritos entoados foram um tipo de resposta às postagens que a goleira publicou em suas redes sociais ironizando o Brasil e o vírus Zika, doença que casou pânico e desencadeou uma epidemia no país. No Twitter, diversos usuários riram da piada e aprovaram a situação – @leandokhaled escreveu – “Eu preciso agradecer os torcedores lá do Mineirão que começaram com o Ooooo Zika para Hope Solo. Vocês são Feras! #Rio2016”. O jogo terminou com o favorito ao ouro, Estados Unidos, vitorioso por 2×0.

Se a entrada para o estádio foi tranquila e bem organizada, o intervalo foi caótico. Os bares disponíveis não conseguiam atender a quantidade de pedidos e as cozinhas se transformaram em uma verdadeira bagunça. Foram necessários 44 minutos para comprar a ficha do caixa e retirar a mercadoria no balcão. Durante a espera, foi possível ouvir reclamações, deboches e xingamentos por parte dos visitantes. Para piorar, os preços eram absurdamente caros, um pão de queijo custava R$8,00 reais e um saco de pipoca R$ 13,00 reais.

Distante daquele caos, o jogo entre França e Colômbia ocorreu com menos torcedores presentes que o anterior, mas nenhum um pouco menos animado. Eram visíveis os esforço das colombianas em criar táticas no meio de campo e criar chances de gols pela direita, mas a marcação francesa não abria espaço e marcava em cima as adversárias. Enquanto isso, nas arquibancadas, os belo-horizontinos gritavam junto com os estrangeiros presentes e vibravam com cada chute a gol feito. A França com um time mais estruturado, treinado e coeso sai como vitoriosa com 4 gols, contra a esforçada Colômbia.

Texto e foto: João Alves

Na tarde do dia 20, domingo, pôde se escutar muitos gritos de “Eagles! Eagles!”, e “Lô-comotiva!”, vindos da Arena Independência, Belo Horizonte. Era uma partida de futebol, mas desta vez, quando o público olhava para o campo não encontrava goleiro, bandeirinha ou o atacante preferido. Nada disso fez falta! O estádio recebeu um jogo épico, daqueles momentos que marcam gerações, sendo ela de atletas ou torcedores. Seja bem vindo, Futebol Americano!

No jogo de abertura do Campeonato Mineiro de Futebol Americano, o experiente Minas Locomotiva venceu o estreante Get Eagles. O placar da partida ficou estampado no rosto de cada torcedor, de maneiras diferentes: com expressões de conquista, felicidade, orgulho e paixão.  O resultado foi se desenhando a cada bola arremessada ou agarrada, e a vibração que vinha da arquibancada sinalizava que o vencedor já tinha sido definido. Vitória da bola oval!

Com três touchdowns em sequência, o Locomotiva mostrou porque é bicampeão do torneio e abriu o placar com 21 a 0 no primeiro quarto. A reação do Eagles começou no segundo quarto,com um TD e um field goal, 21 – 10. A partir daí, o jovem time de azul, jogou como o atual campeão da Copa América de FA deveria jogar, impôs seu ritmo e igualou forças. No fim do jogo, a diferença chegou a ser de apenas três pontos e arrancou fôlego dos torcedores. Porém, a experiência e a força da Locomotiva de Minas prevaleceram, e o placar final ficou 34 – 24.

Ao final dessa experiência, em poucos segundos, o belo gramado do Independência, recebeu uma grande festa dos jogadores e envolvidos. Ficou o gostinho de quero mais, e os exemplos de companheirismo, respeito e ética.

 

Texto: Victor Barboza
Fotos: Victor Barboza e Ítalo Lopes

Na abertura da 3° edição do Campeonato Mineiro de Futebol Americano, Get Eagles e Minas Locomotiva se enfrentam na Arena Independência, domingo, às 14h. Os dois mais estruturados times da modalidade em Belo Horizonte, vivem a expectativa de jogar no estádio, que é palco de grandes jogos no Campeonato Brasileiro e na Copa Libertadores de futebol.

O esporte tem crescido consideravelmente nos últimos anos no Brasil e agora, tem tido espaço nas pautas esportivas, apoiados pela Federação Mineira de Futebol Americano (Femfa), e em parceria com a Secretaria de Estado de Esportes (SEESP).

Para Ítalo Mingoni, atleta do Minas Locomotiva, o futebol americano está sendo cada vez mais apreciado pelos amantes de esportes. “O football é hoje o carro chefe de um dos principais canais de transmissão esportiva do país com bastante audiência. Esse crescimento nacional é refletido em nosso estado e temos muita procura de pessoas querendo praticar e assistir os jogos”, relatou Mingoni.

Equipes

Get Eagles: Fundado em 2014, é a primeira equipe de orientação cristã a praticar o esporte no Sudeste Brasileiro. Na primeira partida de sua história, o time fez uma grande festa contra o Nova Friburgo Yetis e contou com o apoio de mais de 2 mil torcedores no SESC Venda Nova. Em janeiro deste ano, o grupo conquistou a Copa América de FA, em Huixquilucan, no México.

Get Eagles
Get Eagles

Minas Locomotiva: A equipe foi fundada em 2006. No início de 2008, o time participou do seu segundo torneio interestadual, em Vila Velha-ES. Com a atuação de 50 jogadores o time conquistou a terceira posição no campeonato. Nesse mesmo ano, a equipe foi efetivamente registrada e tornou-se Associação Desportiva Minas Locomotiva.

Minas Locomotiva
Minas Locomotiva

No ano de 2009, a instituição conquistou o primeiro Campeonato Mineiro de Futebol Americano, o Minas Bowl, já em 2010, a equipe participou da primeira Liga Brasileira de Futebol Americano que teve a participação de 14 equipes de diferentes estados do Brasil. Em 2013, o time participou pela primeira vez do Torneio Touchdow e nos dias de hoje é a única equipe mineira participante da competição (Touchdow).

Por Victor Barboza

Foto: Divulgação GetEagles/MinasLocomotiva e Jornal Hoje em Dia

0 826

Depois de Atenas, Paris, Londres, Berlim, Tóquio, e muitas outras conceituadas cidades pelo mundo receberem a Tocha Olímpica ao longo da história das Olimpíadas, chegou à vez de Belo Horizonte fazer parte do revezamento da tocha, que vai ligar o Brasil de Norte a Sul.

A Tocha Olímpica vai viajar por todo o país e estará na capital mineira no dia 14 de maio. Serão cerca de 90 dias de revezamento e a tocha passará por mais de 300 cidades no Brasil. Além de BH, outras cidades do estado receberão o símbolo do evento: Uberlândia, Uberaba, Contagem, Montes Claros, Ipatinga, Ouro Preto, Juiz de Fora, entre outros.

A viagem chega ao fim no dia 5 de agosto, quando o último dos 12 mil condutores acenderá a Pira Olímpica durante a cerimônia de abertura dos Jogos, no Maracanã, Rio de Janeiro. A tradicional cerimônia de acendimento da Chama Olímpica na cidade grega de Olímpia, berço dos Jogos da Antiguidade, será realizada em 21 de abril, ao meio-dia. A chama percorrerá cerca de 20 mil quilômetros por estradas brasileiras e 10 mil milhas aéreas.

Veja em quais cidades de Minas Gerais a tocha passará:

07 de maio: Araguari MG e Uberlândia MG.

08 de maio: Uberaba MG, Araxá MG, Serra do Salitre MG, Patrocínio MG e Patos de Minas MG.

09 de maio: Varjão de Minas MG, Pirapora, MG e Montes Claros MG.

10 de maio: Bocaiúva MG, Couto de Magalhães de Minas MG, Diamantina MG e Curvelo MG.

11 de maio: Gouveia MG, Datas MG, Serro MG, Guanhães MG e Governador Valadares MG.

12 de maio: Naque MG, Ipatinga MG, Coronel Fabriciano MG e Itabira MG.

13 de maio: Ouro Preto MG e Itabirito MG.

14 de maio: Betim MG, Contagem MG e Belo Horizonte MG.

15 de maio: São João Del Rei MG, Tiradentes MG, Barbacena MG e Juiz de Fora MG.

16 de maio: Bicas MG, Leopoldina MG e Muriaé MG.

Texto: Victor Barboza
Imagem: Prefeitura de Belo Horizonte