Page 319

São seis horas da tarde, hora do rush na Rua da Bahia, vestindo um pequeno smoking, combinando com o sapato e uma calça social, o menino carregava sua maleta e um hamster soltava de dentro do bolso. O pequeno mágico André de Paula Silva,12, trabalha como artista de rua há seis meses. Ele para em frente às mesas dos bares e começa a fazer seus números.

André aprendeu a fazer truques de mágica com um senhor chamado Henrique, que também é mágico e faz seus números na praça sete, em frente ao MC Donald’s da Avenida Afonso Pena, esquina com rua Rio de Janeiro. Ele conta que sonha em ser mágico desde pequeno e um dia, enquanto passeava pelo centro da cidade, viu Henrique fazer mágicas, deixando o menino maravilhado. Ele chegou perto e pediu para que o mágico lhe vendesse um baralho para que pudesse aprender o ofício. Henrique então deu de presente o baralho e o smoking e outro amigo lhe deu um sapato social, montando assim o figurino do pequeno artista.

Em menos de cinco meses André já tinha aprendido inúmeros truques. “Já sei muita coisa, nem sei quantos números eu já aprendi com o mestre Henrique” conta André que chama o professor de “mestre”.

Durante as apresentações ele faz desaparecer pedaços de plástico, faz truques com baralho e uma pequena caixa de fósforos. “O hamster ainda não tenho truque para ele, estou estudando ainda” relata André. No final da apresentação ele recebe uma gorjeta, que segundo André, usa para ajudar em casa.


Morando em Sabará, André vem todo o dia para a Praça da Liberdade e volta para casa sempre perto das nove horas. “É longe a minha casa e não gosto de deixar a minha mãe preocupada”. André já chegou a ganhar 150 reais em um único dia de trabalho e a maior gorjeta que já ganhou, segundo ele, de um homem muito generoso, foram 50 reais. “Eu ajudo em casa com tudo, mas se ganho um dinheiro extra eu gasto com alguma coisinha pra mim” conta com um sorriso no rosto. “Preciso de mais instrumentos, uma bengala, uma cartola, mas é tudo muito caro pra mim ainda” finaliza André.

Perguntamos o que a mãe de André acha do filho ficar na rua, trabalhando com mágica. “Ela acha o máximo eu ser artista de rua, que mãe não gostaria disso pro filho?” conta orgulhoso o pequeno mágico.

imagem-110

imagem-102

Por Daniella Lages
Fotos e vídeo Ana Paula P.  Sandim
Edição vídeo Marcos Ramos

0 208

A grande quantidade de faculdades e cursinhos, além do elevado número de bares na região da Savassi, deu origem a um “novo” horário de pico na cidade. O fluxo de trânsito por volta das 22h30 ficou comprometido, devido ao término das aulas de 12 instituições de ensino na região que compreende parte dos bairros Lourdes e Funcionários.

Ouça opinião dos alunos sobre o problema:

Se preferir, baixe o podcast aqui.

Veja Rota alternativa e trace seu próprio desvio, evitando o local.

Visualizar Desvio em um mapa maior


0 265

As vésperas do dia das mães o comercio começa a ficar mais agitado, as vendas aumentam e o trânsito obtêm uma movimentação maior. As lojas de roupas e acessórios são as mais procuradas. Na loja Geometria, localizada na Rua da Bahia, a vendedora Luiza disse que tem aumentado as vendas dos vestidos e saias, mas acredita que amanhã terá uma maior procura.

Em “Pesquisa feita pelo Departamento de Economia de Fecomércio Minas revela que 57,4% dos filhos em BH vão presentear, embalados pela força sentimental da data. E os empresários do comércio do hiper centro da capital e dos bairros podem esperar um bom faturamento para a data. Quase 60% dos consumidores entrevistados pela Fecomércio declararam que vão fazer as compras nesses locais, enquanto outros 15,8% disseram que o presente virá dos shoppings, lembrando que 67% dos consumidores consultados pertencem à classe C”, informa o Portal Uai.

As livrarias têm vendido vários cartões e livros simples de mensagens para as mães. O vendedor Moisés, disse que os clientes compram mais por uma questão sentimental e muitos adolescentes optam por este tipo de presente pelos preços acessíveis. Luiz Gustavo conta que estava passando pelo comercio para uma pesquisa rápida durante o horário de trabalho e acabou comprando um livro. “Eu achei o que queria e os preços estão em conta”, declara.

Em uma floricultura, o vendedor Gilmárcio disse que as pessoas tem feito muita pesquisa esta semana. “Mas tenho esperança de amanhã ter uma maior procura e venda”, conta o vendedor. Para quem vai as compras neste sábado, o comercio proporciona varias promoções e muitas opções de presentes. Os preços variam bastante e, por isso, vale a pena pesquisar. Mas o mais importante é lembrar essas mulheres tão especiais.

Por Camila Sol

2 642

Quem passa pela Avenida Cristovão Colombo, esquina com Getúlio Vargas, mais precisamente em frente ao ponto de ônibus Pátio Savassi 2, da avenida, pode perceber que todos os bueiros estão entupidos, transbordando e causando um enorme mau cheiro na rua.

O pipoqueiro Marcos José Pereira, que trabalha neste ponto há quatro anos diz que durante o dia o mau cheiro é mais intenso, mas que os bueiros transbordam durante o tempo todo. “Esta situação já dura mais de um mês e ninguém conserta isso” relata Marcos.

Por toda a avenida, em ambas as vias, são mais de doze bueiros na mesma situação. Em comunicado a Regional Centro Sul informou que se a população não abrir uma reclamação através do número 156 fica difícil ter conhecimento dos problemas, pois a fiscalização é demorada. Após o contato do Jornal Contramão, o agente da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) informou que no prazo de três dias será feito os reparos.

imagem-051

O outro lado

O que vem causando os transtornos, é lixo que a própria população joga na rua. Quando chove, a água lava a rua e consequentemente leva todo o lixo para o esgoto, através dos bueiros. Eles acabam entupindo e causando as enchentes. É preciso ter consciência de não jogar lixos em via pública e ficar de olho na fiscalização.

imagem-049

Por Daniella Lages
Foto: Ana Paula Sandim

0 320

Raposão visita a Escola Estadual Affonso Pena.

A agitação tomou conta do intervalo na Escola Estadual Affonso Pena, localizada na Av. João Pinheiro, esquina com Rua Aimorés. O motivo? A presença do ‘Raposão’ do Cruzeiro, alegrando as crianças.

A iniciativa foi do professor de Ensino Religioso Geraldo Magela, na intenção de integrar os alunos e mostrar que religião não é somente falar sobre Deus, mas também ensinar a união e a confraternização. O professor pretende levar ainda o Galo do Atlético Mineiro e o Coelho do América. “A receptividade das crianças foi ótima!”, contou Magela. Os adultos também adoraram a iniciativa do professor. A diretora da escola, Rosana Mol Lana, também entrou no clima de festa.

O professor pretende levar também o Galo do Atlético Mineiro e o Coelho do América, acreditando que recreações reforçando a união e mostrando as diferença entre as pessoas, seja no esporte, na política ou na religião, podem interferir na formação educacional das crianças.

Confira entrevista com o professor Geraldo Magela:

Por: Débora Gomes e Camila Sol

Outono é época das árvores perderem o verde, dando lugar para um tapete de folhas secas no chão. Porém, quem passa pela Praça da Liberdade nem percebe que é outono: parece primavera o ano todo, devido ao trabalho dos jardineiros responsáveis pelo cuidado de cada canteiro.

O jardineiro Erivelton de Araújo, 40, trabalha há um ano e oito meses cuidando dos jardins da praça. Além de achar o trabalho tranquilo, pois não há quase barulho algum, Araújo diz que é muito prazeroso trabalhar em meio à natureza. “Só não acho muito tranquilo quando chega muda pra plantar, porque é muita planta, dá muito trabalho!”, conta sorrindo.

O Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA/MG) e a prefeitura de Belo Horizonte (PBH), fazem um mapa das mudas que devem ser plantadas em cada canteiro. A ‘Vale’ é a atual responsável pela manutenção geral dos jardins da praça, utilizando os serviços da empresa terceirizada Conservel, de Pará de Minas.

Hoje, a Praça da Liberdade conta com variadas espécies de plantas dentre a grama preta, o Buchinho, a Dama Da noite, a Desmaiada (que só floresce se exposta ao sol), o Pirí, a Grama Amendoim, os Ypês e o Cravinho, além das Rosas, que de acordo com Erivelton Araújo, só podem ser podadas na Lua Nova.

Com o outono o trabalho dos jardineiros também aumenta: “As folhas caem sem parar. Às vezes acabo de varrer e tenho que começar de novo.”, diz Araújo no meio da primavera da praça.

Por: Débora Gomes

dsc_0044

dsc_0045

dsc_0047