Música

O universo do mestre do suspense  (1899-1980) chega à capital mineira  com a mostra “Hitchcock é o cinema”, cartaz de hoje até 5 de setembro, no  Cine Humberto Mauro. Os admiradores do cineasta poderão assistir na telona os 54 filmes do diretor inglês e outras além de 94 produções feitas para a televisão, entre as décadas de 1950 e 1960.

 

A atração de hoje é a apresentação Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, sob regência do maestro Marcelo Ramos que interpretará da trilha de abertura da mostra composta por Patrick Cohen, 25. Na parte da manhã desta quarta-feira (31), a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, ensaiou juntamente com as cenas dos filmes que serão exibidos, à noite.

 

A sensação para quem assiste ao ensaio da orquestra é de entusiasmo e emoção, pois além de ser a primeira mostra de Hitchcock na cidade é também a primeira junção de música erudita, ao vivo, acompanhando as cenas mudas do primeiro filme de Alfred Hitchcock, O jardim dos Prazeres (1925). Os ingressos para a apresentação de hoje já se encontra com ingressos esgotados.

 

O maestro Marcelo Ramos explica que o humor britânico de Hitchcock ajuda no usos dos instrumentos, mas é um desafio conferir som a filmes mudos.  “Para essa apresentação a música composta muda de tempo, constantemente, por ser mais longa que o filme, mas isso é apenas um aperitivo que atrai a atenção. Já sabia dos contratempos e até ajudei no alerta.”, explica.

 Por Aline Viana

A ameaça de chuva não atrapalhou a presença do público durante a apresentação de música coral na noite de ontem, quinta-feira, na praça da Liberdade. O evento é o terceiro dos seis apresentados anualmente no programa Quatro Cantos Coral na Praça, do BDMG Cultural. Apesar da previsão do tempo indicar chuva e de finas gotas d’água causarem certa agitação em momentos anteriores às apresentações, todas as cadeiras dispostas em frente o coreto estavam ocupadas. A apresentadora arriscou usar humor contra a ameaça: “Se a chuva nos permitir…”. Até que, ao começarem as apresentações, a chuva se intimidou e pouco afetou na realização do evento.

Criado em 1993, o Quatro Cantos Coral na Praça é “uma oportunidade de expandir a música coral”, avalia o coralista Madson José da Silva, que se apresentou com o Coral Tom Maior, da cidade de Mariana. O nome do grupo é uma brincadeira com sua história: ele foi criado para que os membros do conjunto infantil Allegretto pudessem continuar a integrar grupos de música coral em que suas vozes, não mais infantis, se adequassem. Fundado há 6 anos, podem participar jovens de até 21 anos, Madson José tem 24. “A gente fica mais um pouquinho, é difícil sair”, reclama.

Além do Coral Tom Maior se apresentaram: a Associação Artística Coral, da cidade de Almenara; o Coral Musicanto, de Contagem; e o Coral BDMG, de Belo Horizonte.

Lêda Santana, coordenadora do projeto Raio de Luz, também do BDMG Cultural, explica que as apresentações acontecem na primeira quinta-feira de cada mês, entre abril e setembro, na praça da Liberdade, somando seis eventos por ano. “São quatro corais, sendo três convidados de diferentes regiões mais o Coral BDMG, de Belo Horizonte. Por isso o nome ‘Quatro Cantos Coral na Praça’”. Santana conta que o banco oferece um curso de preparação vocal – intitulado Grupo Vocal – para que seus funcionários possam integrar o coral, que também conta com a participação de coralistas convidados. Ela observa que a maioria dos que se apresentaram na noite são aposentados.

O público é variado, vai de crianças a idosos. Atraído pela movimentação, o ciclista Gustavo Pucci, 25, que treina diariamente na região acompanha a última apresentação. Ainda em cima da bicicleta, ele tira os fones do ouvido e toma fôlego enquanto assiste ao Coral BDMG. Madson José sintetiza: “O encontro é a oportunidade de brindar a boa música com o canto coral”.

Inauguração do coreto

Lêda Santana informa que, no dia 23 de junho, o coreto da praça da Liberdade será inaugurado. Entre as apresentações que irão marcar a comemoração, está programada a participação do Coral Raio de Luz – que faz parte do programa de responsabilidade social do BDMG Cultural, com objetivo de promover arte e cultura para crianças e adolescentes.

O coreto está interditado desde novembro do ano passado, por problemas estruturais no forro do teto. As obras para restauração do monumento foram iniciadas em fevereiro deste ano, com previsão de inauguração para maio.

Por Alex Bessas e Igor Luan

Foto por Bárbara Barros

Considerada genuinamente brasileira pelo departamento especializado em álcool e tabaco dos EUA, a cachaça brasileira ganha em Belo Horizonte o Cachaçatur, um roteiro cultural onde o consumidor ganha várias opções para saborear o produto. “É uma boa alternativa para o turismo. É uma possibilidade de oferecer um pouco da “mineiridade”, já que a cachaça, os bares, os tira-gosto são parte da nossa cultura”, defende Natália Klik, Pedagoga e consumidora de cachaça.

Ainda segundo Natália Klik “as cachaças mineiras são as melhores, tanto que a playboy faz um ranking das melhores cachaças todo ano E as nossas estão sempre em primeiro lugar”.

Além de locais para consumo o roteiro ainda oferece a possibilidade de conhecer o processo de produção da cachaça, a partir de visitas a alambiques turísticos.

Por João Vitor Fernandes

Foto: Hemerson Morais

 

O rapper Flávio Renegado abre a nova temporada do Café com Música, hoje, 20, no Palácio das Artes às 19 horas. O mineiro traz um repertório com músicas próprias e uma apresentação inédita, contando com percussão, voz e violão, com a participação do músico Robson Batata.

Nascido e criado na comunidade Alto Vera Cruz, em Belo Horizonte, Renegado, como é mais conhecido, mistura hip hop, com hits latinos, jamaicanos e até mesmo com o samba.

O projeto que teve início em outubro de 2012, já contou com a participação de importantes nomes da música e traz desta vez o músico belo-horizontino. O último álbum lançado pelo cantor foi “Minha tribo é o mundo”, em novembro de 2011.

 O artista irá se apresenta também no dia 27, no mesmo horário e local.

A entrada é gratuita.

Por Rute de Santa e Ana Carolina Vitorino

Foto: Internet

Os bailes e gritos de Carnaval já estão por toda cidade, mas os principais eventos deste feriado ocorrem a partir de sexta-feira, 08. O destaque do carnaval na capital são os blocos de rua, que são prováveis destinos para a população que não irá viajar. O site de Belo Horizonte disponibiliza a lista completa dos eventos e suas principais informações para os foliões escolherem o bloco de sua preferência.

Apesar dos atrativos blocos de rua da Capital, alguns ainda preferem as cidades do interior, que nesta época do ano recebem turistas do mundo inteiro. Além dos tradicionais desfiles das escolas de samba no Rio de Janeiro e em São Paulo, outra cidade atrativa para o carnaval é a cidade de Salvador, que este ano conta com a presença do cantor sul-coreano PSY, hit da internet, em uma participação no trio elétrico da cantora Cláudia Leitte.

Com a semana da folia se aproximando, a equipe do Jornal Contramão foi às ruas para saber como os belo-horizontinos vão pular o carnaval. Confira o vídeo:


Por Ana Carolina Vitorino, Juliana Costa e Rute de Santa

Vídeo: Mariah Soares

Foto: Hemerson Morais

O Palácio das artes recebe a apresentação Jingle Jazz 2012, trabalho do grupo Happy Feet Jazz Band. O Show faz uma releitura de canções natalinas de grandes compositores como Bing Crosby, Frank Sinatra, Ella Fitzgerald e Nat King Cole. A nova roupagem dada a essas músicas explora o improviso característico do Jazz, mostrando toda a versatilidade sobre as tradicionais músicas desse período do ano.

A banda é constituída por Chon Tai (voz), Marcelo Costa (trompete), Bo Hilbert (bateria), Yan Vasconcellos (contrabaixo) e Fred Natalino (arranjos) e a proposta é  criar um novo hábito no público belo-horizontino. “Nossa intenção é trazer para o público uma tradição que já é comum nos Estados Unidos.”, comenta o trompetista Marcelo Costa, ao se referir às produções natalinas norte americanas, onde artistas gravam CDs específicos para essa época do ano.

De acordo com Costa, a apresentação que acontece pela terceira vez e nos anos anteriores o público que assistiu ao show variou entre crianças e adultos. A primeira apresentação foi realizada no Espaço OI Futura e pela segunda vez será realizado no Palácio das Artes.

Por Ana Carolina Vitorino e Hemerson Morais

Foto Divulgação

Serviço

Jingle Jazz 2012
Data: 15/12/2012 às 20h30
Local: Grande Teatro do Palácio das Artes
Classificação: Livre
Preço: Plateias I, II e Superior:  50,00 (inteira); R$25,00 (meia)
Informações para o público:  (31) 3236 74 00

Os ingressos podem ser comprados também pela internet no site