Entrevista

Fotografia: Lucas D'Ambrosio

Banda mineira, Pink Floyd Reunion apresenta espetáculo conceitual para o público de Belo Horizonte.

Reportagem: Lucas D’Ambrosio

As noites de Belo Horizonte são conhecidas, entre outras atrações, pela sua cena musical. Diferentes bandas se apresentam periodicamente pelos pub’s e casas especializadas, trazendo trabalhos autorais ou obras já consagradas. Um dos grupos que se destacam nesse cenário é o Pink Floyd Reunion.

Nos dias 10, 11 e 12 de março (sexta, sábado e domingo), a banda apresenta o espetáculo “The Wall, o filme”. O palco será o Cine Theatro Brasil Vallourec, na Praça Sete, região central de Belo Horizonte.

A Reunião

Criada em 2003 por um grupo de amigos, ela se consolidou na noite belo-horizontina pela fiel reprodução do trabalho criado pelo Pink Floyd. Outro ponto de destaque, são as apresentações conceituais, que misturam a música com reproduções e experiências audiovisuais, presentes em parte do repertório de shows da banda mineira.

Para os ensaios, um estúdio de garagem é o local para a reunião dos sete integrantes da banda: Marcelo Canaan, Fernando Grossi, Raphael Rocha, Fernando Nigro, Raquel Carneiro, Marcelo Dias e Thiago Barbosa. Entre uma pausa e outra para ajustes de instrumentos, um café e água servida em filtro de barro, alguns instrumentos aguardavam as mãos dos músicos para iniciarem os trabalhos.

Em um quarto de garagem, na cidade de Belo Horizonte, acordes, notas, cantos e ajustes abrigam o Pink Floyd Reunion. Fernando Nigro é quem conduz a bateria da banda.  Fotografia: Lucas D’Ambrosio
Entre um ajuste e outro, leva tempo até organizar todos os instrumentos. No meio de cabos, teclados e contrabaixo, os integrantes Thiago Barbosa, Raphael Rocha e Marcelo Dias se preparam para mais uma maratona de ensaios. Fotografia: Lucas D’Ambrosio
O processo de imersão da banda para a realização do espetáculo já dura três meses. Ensaios, encontros, reuniões e acertos finais se fazem necessários para que a identidade na fidelidade de execução possa ser mantida. Na foto, os fundadores da banda, Fernando Grossi e Marcelo Canaan. Fotografia: Lucas D’Ambrosio

Dentre incontáveis cabos distribuídos pelo chão, 14 instrumentos de corda, uma bateria e três teclados, os ajustes são realizados pelos integrantes da banda, que preparavam os equipamentos para o início do ensaio. Os pés nas pedaleiras sincronizavam os últimos ajustes para o seu início. O repertório? A trilha sonora do filme “The Wall”, inspirado no disco de mesmo nome (lançado em 1979), da banda britânica. Para o espetáculo, a banda terá a companhia de um coral e orquestra, comandados pelo maestro Rodrigo Garcia.

Veja a entrevista completa com Marcelo Canaan. O Produtor executivo, guitarrista e vocalista do Pink Floyd Reunion conta mais sobre o espetáculo “The Wall”: 

Arte e Fotografia: Lucas D'Ambrosio

Inviabilidade geológica e financeira são debatidas por especialistas.

Reportagem: Lucas D’Ambrosio

Afinal, Belo Horizonte pode receber linhas de metrô subterrâneas? Essa é uma questão que permeia entre os moradores da cidade. O ideal de ampliação das linhas metroviárias da capital ainda esbarra na dúvida e na incerteza nas condições geológicas da cidade para receber esse tipo de instalação.

Por muito tempo, acreditava-se que BH não possuía condições geológicas para linhas subterrâneas, o que foi combatido pelo especialista Edézio Teixeira de Carvalho, ainda em 1995, com a apresentação dos resultados de um estudo entregue à prefeitura da cidade, naquele ano (veja aqui).

Mapa com representação gráfica do Quadrilátero Ferrífero, no Estado de Minas Gerais. A união das serras do Curral, do Rola-Moça, da Piedade, do Caraça, de Ouro Branco e Itatiaia formam um quadrado que justifica o nome da região. A cidade de Belo Horizonte está localizada no extremo norte do mapa, às margens da Serra do Curral. Fonte: www.visiteminas.com/quadrilatero-ferrifero/.

De acordo com ele, “O terreno de BH é mais do que propício para a instalação do metrô. O conjunto de formação geológica permite a construção de linhas subterrâneas na cidade”. Dos dados levantados pelo especialista, de 70% a 80% do território destinado para o local de instalação, possuem condições favoráveis para isso.

A cidade de Gnaisse

Belo Horizonte está localizada em uma região conhecida como Quadrilátero Ferrífero, ao norte da Serra do Curral. A cidade está construída sobre o embasamento cristalino denominado Complexo Belo Horizonte, que é composto pela rocha gnaisse. A fama da região se deve pela quantidade de ferro que por aqui é produzida. Segundo pesquisa realizada no ano de 2014, pelo Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), mais de 160 milhões de toneladas do minério são extraídas anualmente por aqui.

A pequena amostra de gnaisse que constitui o embasamento de BH. “Uma camada pode possuir quilômetros de espessura. São blocos que possuem condições para uma perfuração com dimensões viáveis à instalação de linhas de metrô, por exemplo”, afirma a geóloga Andréa Ferreira. Fotografia: Lucas D’Ambrosio.

Pode-se dizer que o gnaisse é a base que sustenta toda a região em que o quadrilátero está localizado. Porém, além dos complexos formados, como o embasamento, existem situações em que ele alcança a superfície. Ela explica que, nesses casos, “Quando está exposto ou aflorado, ele pode acabar sofrendo alterações ou intempéries como qualquer outra rocha que esteja à mercê das reações externas do solo”, comenta. É, por exemplo, o caso do Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro.

 

Assim como a famosa Pedra Azul, na divisa de Minas Gerais com o Espírito Santo, o Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro (foto), é um exemplo de afloramento da rocha Gnaisse. Nesses casos, esse tipo de estrutura geológica, que serve como embasamento das camadas subterrâneas que normalmente estão no subsolo, ultrapassam a superfície sofrendo alterações do tempo e de intempéries. Fotografia: Gustavo Heringer.

Túneis subterrâneos

O que ambos os especialistas concordam é a possibilidade e condições da perfuração do embasamento de BH para a construção de túneis subterrâneos. Para Andréa Ferreira, o fato do gnaisse ser uma rocha compacta é a razão que sustenta sua opinião, “Ela fica estável quando se faz túneis”.

O embasamento é uma camada que pode possuir quilômetros de espessura. São blocos que possuem condições para uma perfuração com dimensões que possam atender a instalação de linhas de metrô, por exemplo. “Não é uma rocha que irá se desfazer. Porém, se o local de perfuração estiver fraturado (quando a rocha está quebrada), não é possível realizar a perfuração naquele determinado lugar”, explica.

A geóloga Andréa Ferreira abre as portas do acervo existente no Museu das Minas e do Metal – MM Gerdau. Ele possui um acervo próprio com amostras de diferentes tipos de rochas. Dentre elas, exemplares do gnaisse. Fotografia: Lucas D’Ambrosio.

Isso justifica a realização das análises geotécnicas, como os que ocorreram com as prospecções feitas em fevereiro de 2012. Este estudo avalia as condições de compactação da rocha. “Se o gnaisse estiver sem faturamento, ele é perfeito para esse tipo de perfuração. O buraco realizado para o túnel irá se sustentar por si só, excluindo a necessidade, inclusive, de escoramento”, conclui.

Para o engenheiro geólogo Edézio Carvalho, outro ponto deve ser levado em consideração é o elevado custo da operação que, para ele, é normalmente superestimado. Ele explica que o gnaisse, quando retirado do solo, pode ser reutilizado para a produção de brita, “Além de solucionar duas questões, uso dos resíduos e solução para o ‘bota-fora’ reduziria, inclusive, os impactos ambientais de uma possível perfuração e extração desses resíduos do solo da região metropolitana de BH”.

Ele defende que outras questões poderiam ser revistas para viabilizar o custo de operação dessa instalação como, por exemplo, “A descontinuidade das obras, impondo repetidas mobilizações e desmobilizações. O atraso tecnológico, a falta de concorrência, a falta de escala e melhores critérios de apropriação de custos”, finaliza.

Reportagens Anteriores:

BH continua na espera pela ampliação do metrô

Os metrôs da CBTU

Estudo aponta condições para linhas subterrâneas em BH

Resultado de pesquisa técnica realizada em 1995 demonstra as possibilidades de uso do solo urbano na cidade para novas linhas do metrô.

Membros do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Ministério da Ciência e da Tecnologia (PADCT) realizaram um estudo sobre as condições geológicas da cidade de Belo Horizonte. Criado e desenvolvido para determinar as condições do subsolo da cidade, o documento foi entregue para o então prefeito de Belo Horizonte, Patrus Ananias.

Produzido através da parceria entre a prefeitura de BH e a Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (FUNDEP) e do Departamento de Geologia do Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o estudo foi o resultado de análises técnicas em geotecnia, hidrogeologia, geologia básica e projetos de intervenção urbanística.

Desde então, ao longo de 22 anos e 4 prefeitos que passaram pela gestão municipal da cidade (Patrus Ananias, Célio de Castro, Fernando Pimentel e Márcio Lacerda), nada foi feito em relação às obras de ampliação subterrâneas do metrô de BH. Ao longo dos últimos anos, o que se viu, foram frustradas tentativas de criar planos para dar continuidade à reforma que, de alguma forma, foram esquecidas ao longo do tempo.

É o caso das perfurações ocorridas em 2012: máquinas, tapumes e trabalhadores realizaram prospecções em pontos estratégicos da cidade para avaliar as condições de comportamento do solo. À época, a empresa Progeo Engenharia foi a responsável pelas obras, ao lado da Metrominas, empresa criada em 1997 para gerir o metrô e vinculada à Secretaria de Estado de Transoportes e Obras Públicas do estado de Minas Gerais (SETOP-MG).

Faltam obras na sobra de gestão

Um dos membros do programa que participou da elaboração do estudo é o engenheiro geólogo, Edézio Teixeira de Carvalho, 70 anos. Ele se recorda de alguns detalhes que foram entregues, na época. “Em 1995 fizemos o trabalho que importou na realização do mapeamento geológico, o mapeamento de problemas geotécnicos e ambientais da cidade. Até hoje a prefeitura utiliza algumas referências desse estudo para o uso e ocupação do solo ou para realização de novos projetos”, explica.

Dentre os projetos mencionados por Carvalho, existe a ampliação do metrô. Ele afirma que BH possui todas as condições geológicas necessárias para receber as linhas subterrâneas. “Já sabíamos dessa condição há mais de vinte anos (com a realização do estudo) ”. Para ele, o problema de algumas cidades no Brasil é que, ao contrário de outros lugares no mundo, que constroem o metrô de forma continua ao longo dos anos, por aqui, as obras acontecem por gestões (políticas). “Enquanto um mandato não tem verba prevista, as obras ficam paralisadas. Isso é muito grave”, opina.

O engenheiro-geólogo, Edézio Teixeira de Carvalho apresenta alguns dos relatórios que desenvolveu ao longo da sua carreira: “As Veias Abertas do Solo Brasileiro e o Meio de Fechá-las” e “Iniciação de um Geodependente – A Hora de tomar os Cordéis”. Ele é um dos responsáveis por elaborar o estudo do solo de Belo Horizonte, em 1995 e entregue à prefeitura da cidade. Fotografia: Lucas D’Ambrosio.

Na cidade de Lisboa, por exemplo, ao longo das décadas de 1950 e 2010 foram realizadas obras de ampliação na linha do metrô que atualmente possui 44,2 Km. Porém, não é preciso atravessar o oceano para comparar o atraso que permeia o metrô belo-horizontino, que hoje, é administrado pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). Na cidade de Recife (PE), seu metrô também é gerido pela mesa companhia. Por lá, os trilhos conseguiram progredir. Enquanto o metrô mineiro possui uma linha, com 19 estações e consegue atender uma demanda diária de 210 mil passageiros, na capital pernambucana, o metrô possui três linhas subdividas em seis, com 29 estações e transporta diariamente uma média da 400 mil passageiros.

Linhas transversais: uma solução?

Nos últimos anos, algumas sugestões foram levantadas para a melhoria do transporte urbano de BH, dentre elas a possibilidade de instalar os monotrilhos pela cidade. Para Carvalho, essa não seria a melhor alternativa. “Não sou o engenheiro construtor do metrô. Sou o geólogo preocupado com as condições da sua instalação. Porém, acredito que o monotrilho não será eficiente, por BH não ser uma cidade plana. Fazer um trajeto ondulado é muito mais complicado do que fazer linhas sub-horizontais”, afirma.

Mapa da cidade de Belo Horizonte, constante dos estudos apresentados à prefeitura de BH em 1995 com as hipotéticas linhas transversais de metrô. A sugestão: linhas que possam alimentar e ser alimentada pelas vias radiais que existem atualmente na superfície da cidade.

 

Para ele, o que resta é uma sugestão: linhas subterrâneas de metrô que sejam transversais às vias superficiais. “BH possui um sistema radial de vias. Este tipo de sistema pede um metrô que irá abastecer ou ser abastecido por elas. Não faz sentido um metrô percorrer de forma paralela uma avenida”. Sobre as expectativas de ver as obras concluídas algum dia, Carvalho finaliza com um sorriso: “Não verei o metrô de Belo Horizonte ampliado. Não tenho perspectivas de ver essa construção pronta”.

Reportagens anteriores:

BH continua na espera pela ampliação do metrô

Os metrôs da CBTU

Fotografias e Reportagem: Lucas D’Ambrosio

5 anos de mais um capítulo da história de esquecimento do metrô de Belo Horizonte.

Quem transitava pelas ruas de Belo Horizonte no dia 7 de fevereiro de 2012, em pontos como a Praça Sete, irá se lembrar daquele dia. Logo ali, na esquina da rua Carijós com a avenida Amazonas, no coração da cidade, um conjunto de tapumes, maquinários e operários realizavam perfurações para análise da viabilidade geológica do solo. Uma placa afixada revelava o propósito da operação: “O Metrô é a Solução”.

Cinco anos depois, o que restou foi a desilusão da população belo-horizontina. Lá se vão mais de 30 anos desde a inauguração da única linha metroviária da cidade. De 1986 até hoje, planos para reformá-la pairam no imaginário esquecido da capital mineira. Gestão após gestão, promessas não cumpridas, corte de orçamento, jogo de empurra entre prefeitura, empresas administradoras e Governo Federal, criam desculpas que impedem a tão sonhada ampliação do metrô de BH.

Linhas de metrô em Belo Horizonte. Fotografia: Lucas D’Ambrosio

Durante dois anos, a diarista Wanderleia Maria da Silva, 46, utilizou o metrô para trabalhar. No seu trajeto, ela também utilizava uma linha de ônibus para ir da estação em que descia até o bairro do seu trabalho. “Entre metrô e ônibus, prefiro o metrô. É muito melhor, não tem trânsito e é mais rápido”, comenta.

Sobre as obras que ocorreram em 2012, ela se lembra com pesar das promessas não cumpridas pelo então prefeito, Márcio Lacerda. Nas vésperas do pleito eleitoral que o reelegeram, as obras se tornaram uma lembrança para a população. “Lembro que fizeram umas perfurações pela cidade, ali na Afonso Pena. A gente via todos os dias aquele tanto de gente trabalhando, furando o solo. Isso cria uma confiança de que o metrô seria ampliado e até agora, nada. Ninguém fala mais nada sobre isso”, lamenta.

Apesar de ainda ter esperanças da conclusão da ampliação do metrô, ela acredita que não verá as obras prontas. “Entra político, sai político e eles não dão esperança, não dão continuidade em buscar realizar essa obra. Se um começou, o outro deveria dar continuidade. Seria bom para a gente, que precisa desse tipo de transporte, todos os dias para poder trabalhar”, conclui.

A linha solitária

As obras do metrô foram iniciadas no ano de 1981. Cinco anos depois, as operações comerciais foram iniciadas e, na época, englobavam seis estações ao longo da cidade (Eldorado – Lagoinha). O trecho inicial de 10,8 Km iniciou com três trens disponíveis para a população. Entre o final dos anos 1980 até o começo dos anos 2000, a atual linha do metrô foi integrada com outras estações, inclusive de ônibus, e hoje funciona em 19 locais ao longo de 28,2 Km. Diariamente, cerca de 210 mil passageiros são atendidos. O último investimento, realizado em 2015, se deu com a aquisição de 10 novos trens, o que representou um aumento de 40% na frota, que aumentou para 35 unidades, ao custo R$171,9 milhões.

Fotografia e Reportagem: Lucas D’Ambrosio

No mês de janeiro é comemorado o Dia do Farmacêutico. Para celebrar essa profissão que desempenha um papel fundamental na saúde da sociedade, o Jornal Contramão percorreu farmácias do centro de Belo Horizonte e conversou com a farmacêutica Isabelle Figueiredo Marques, 30, que há sete anos atua na área. Em em nosso bate papo, ela conta sobre o trabalho desempenhado pelo profissional da área.

Contramão: Como é a atuação do Farmacêutico que trabalha nas drogarias?

Isabelle Marques: Ela se baseia na orientação do paciente quando ele chega no balcão de uma drogaria ou farmácia. Estamos sempre ao lado do balconista, que está realizando o atendimento. Nosso papel é verificar as receitas, ver se as doses dos medicamentos estão adequadas, se a patologia (doença) está descrita, se a idade coincide com o paciente, se o remédio é adequado para ele ou para quem irá efetuar o consumo. Também verificamos se ele tem noção da sua correta utilização ou se utiliza outros medicamentos que possam ter contraindicação. Se não houver qualquer tipo desses quesitos, a dispensação (liberação do medicamento para o paciente) é realizada. Se ele tiver qualquer dúvida sobre o medicamento, resolvemos todas elas na hora. Efetuamos um visto dessa receita para ele estar ciente da dispensação. Liberamos esse paciente com o medicamento e com todas as informações necessárias para a sua adequada utilização.

Contramão: Como é realizada a capacitação do Farmacêutico?

Isabelle Marques: A maioria das faculdades capacitam os alunos que serão farmacêuticos. Além da faculdade, as empresas de grande porte também oferecem uma capacitação profissional para que a dispensação seja adequada. Quando o farmacêutico sai da faculdade, ele ainda não tem toda a informação prática necessária para atuar no mercado. É comum que as chamadas “farmácias de bairro” ainda peque na capacitação do profissional. Ele deve buscar, durante sua carreira, o maior número de informações para poder se capacitar cada vez mais. Temos a obrigação de ajudar com resolução de dúvidas e informações sobre patologias e formas adequadas na utilização dos medicamentos.

Contramão: Quais são as diferenças entre a farmácia de manipulação e as drogarias comuns?

Isabelle Marques: As farmácias de manipulação trabalham com a matéria-prima básica dos medicamentos e irão produzir conforme as necessidades de cada um dos pacientes. Por exemplo, se eu preciso de uma fluoxetina de 10 mg, mas minha mãe precisa de 22,5 mg, será na farmácia de manipulação que este medicamento será produzido. Nela, os profissionais irão manipular aquela quantidade específica que a pessoa precisa. Além disso, as drogarias vendem um número menor de medicamentos e possuem um menor número de opções de produtos controlados, em relação às farmácias de manipulação.

Contramão: Você acredita que os medicamentos produzidos no brasil são seguros?

Isabelle Marques: Definitivamente, não. Existem estudos fora do país que são muito superiores para pesquisarem esses medicamentos. Lá fora, vários remédios já foram suspensos e aqui no Brasil ainda existem alguns que continuam circulando. Por mais que exista uma instrução e uma orientação do farmacêutico, esses medicamentos ainda estão no mercado e as pessoas continuam consumindo cada um deles. (Nos Estados Unidos a pílula Diane 35 e a dipirona, comumente consumidas no Brasil, estão proibidas desde 2015).

Contramão: Quais os riscos da automedicação?

Isabelle Marques: Nosso papel é oferecer a medicação de forma responsável, em que os farmacêuticos serão instruídos para realizar orientações à população sobre os remédios referentes à cada patologia. Infelizmente a saúde pública no país é muito escassa. As pessoas que não tem acesso ao SUS ou à planos de saúde privados, recorrem às farmácias buscando soluções para as suas patologias. Tentamos ajudar dentro dos limites que existem na nossa atuação, oferecendo por exemplo, medicamentos que não precisam de prescrição. Tentamos trabalhar da melhor forma possível para ajudar o paciente. Mas é importante lembrar que o médico é o responsável pelo diagnóstico do paciente, enquanto que os farmacêuticos são os responsáveis por oferecer meios para o tratamento mais adequado à cada caso.

Contramão: Como é o controle de qualidade dos remédios produzidos no Brasil?

Isabelle Marques: Existem três tipos de medicamentos: referência, genéricos e similares. Este último já possui maior qualidade devido a uma lei que saiu em 2015 e exige que ele tenha o mesmo padrão de qualidade dos que são referências. Aqueles que passaram e foram aprovados por testes de bioequivalência e biodisponibilidade, possuem eficácia similar aos ditos de referência. Agora, esse tipo de medicamento (similar) são intercambiáveis. A lei provou que se você tiver uma prescrição de medicamento referência e não tiver condição de pagar por ele, se existir no mercado um similar autorizado pelo teste da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), ele pode ser trocado pelo outro. Nesses casos, fazemos a dispensação do medicamento similar. Isso prova que quando o paciente toma o medicamento, sua utilização terá efeito e sua qualidade será próxima ao referencial. Eles são praticamente iguais, senão a vigilância não autoriza a troca.

Contramão: Qual o recado que você passa como farmacêutica:

Isabelle Marques: Estamos aqui para ajudar a população. não queremos o consumo inconsciente dos medicamentos. É comprovado que a automedicação pode causar outras patologias, muitos casos de intoxicação e muitas vezes por medicamentos banais. Tá na dúvida, procure o farmacêutico. Existem várias farmácias no país inteiro e lugares que tem sua responsabilidade e sabem valorizar o papel do farmacêutico. As pessoas devem começar a enxergar com bons olhos o trabalho que realizamos. Os pacientes têm medo de conversar com seus médicos. É aconselhável que as pessoas procurem pelo nosso trabalho com antecedência, para tentarmos promover a melhor solução possível às suas patologias. Nosso papel é esse, promover a saúde e orientar, da melhor forma possível, os pacientes que nos procuram. Evitar que eles se desgastam com a compra equivocada de medicamentos.

Reportagem: Lucas D`Ambrosio

Arte: Isabela Castro e Laís Brina

Foto Luander Lennon

Em sua estreia na Campanha de popularização Teatro e Dança, Nelio Souto chega em grande estilo. Como produtor e ator, ele enriquece o quadro de espetáculos do evento trazendo duas peças, uma adulta “As Casadas Solteiras” e uma infantil “Um Chorinho para Dona Baratinha”. E, nesse clima de cultura e arte, o Jornal Contramão conversou com o produtor e ator para conhecer melhor o processo por trás da produção.

Contramão: Como foi a preparação para a Campanha?

Nelio Souto: O espetáculo a princípio não tinha pretensão de entrar na campanha, mas o resultado ficou bom então tomamos essa decisão. Cumprimos uma temporada de quatro semanas ano passado e hoje chegamos então a esse que é um dos maiores, senão o maior em termo de público, evento ligado ao teatro do país.

Contramão: Sobre as peças, como foi desenvolve-las e como é vê-las em execução?

Nelio Souto: O processo de montagem é muito interessante, enriquecedor. Desde a escolha do texto, as primeiras leituras, os estudos, a divisão dos personagens. Tudo muito rico. Ensaiamos por três meses com dois encontros semanais, e essa folga de agenda permitiu ir acompanhando o processo e notando seu desenvolvimento a cada semana, a cada elemento que é acrescentado ao processo de criação, até que o produto final esteja pronto para ser apresentado ao público. Ver hoje esse espetáculo concluído, traduzido para libras e ainda com audiodescrição é muito gratificante. É ver um trabalho o qual você se empenhou, se dedicou… e de repente ele está pronto e passa a ter uma espécie de vida própria, como se não dependesse mais de você e agora fosse do público. É muito prazeroso para o ator saber que seu trabalho, que seu espetáculo está chegando às pessoas, tocando, comovendo, passando uma mensagem…

Contramão: O que podemos esperar do espetáculo desenvolvido por sua equipe?

Nelio Souto:  É um espetáculo clássico, escrito em 1845, uma comédia de época. Não é um besteirol, mas uma comédia que apresenta o humor nos detalhes, na crítica social de uma época, dos costumes e comportamentos da época. A diretora manteve o texto praticamente na íntegra o que dá ainda mais sabor ao espetáculo com relação à narrativa e às escolhas do autor. Acho que o público irá encontrar uma comédia engraçada e inteligente ao mesmo tempo e terá a oportunidade de reler no palco um autor clássico da nossa literatura.

Contramão: A resposta do público, como eles tem reagido? Mais pessoas estão indo ao teatro?

Nelio Souto: Pelo fato de o espetáculo não ter um apelo popular no ponto de vista de gênero, por ser considerado uma comédia mais, como costumam dizer, cabeça, o espetáculo acaba tendo um público mais curioso, de pessoas em busca de uma história, de um teatro menos óbvio, digamos. E também de um público que conhece o texto, o autor e vai ao teatro atraído pela beleza do contexto literário e teatral da montagem. Acho que é uma oportunidade para as pessoas diversificarem um pouco o que assistem. O teatro tem uma infinidade de possibilidades, narrativas, formatos… é importante que o público passe por várias possibilidades… senão ficamos sempre na comédia rasgada, no besteirol, elegendo apenas esse formato como teatro, o que não é uma verdade diante dos vários gêneros e estilos possíveis a uma montagem. Então acho que nosso espetáculo é um convite a visitar uma possibilidade de comédia que foge um pouco dos estereótipos atuais.

Contramão:  E para o ano que vem, já possui planos?

Nelio Souto: Esse ano circulo com um outro espetáculo… um infantil que inclusive também está na campanha, que é “Um chorinho para Dona Baratinha”, com um texto super legal que homenageia chorinhos clássicos de Ernesto Nazareth e Chiquinha Gonzaga. E também começamos a preparação para um novo espetáculo a partir de março. No mais é isso. Então fica aí o convite para nos assistirem e principalmente para nos ajudar a divulgar as sessões com libras e com audiodescrição.

Serviços:
As casadas solteiras, com direção de Rosanne von Sperling
De 25/01 à 05/02, quarta a sábado às 20h30 e domingo às 19h, no Teatro Santo Agostinho
Um chorinho para Dona Baratinha (Musical Infantil)
De 28/01 a 05/02, às 16h no Teatro Santo Agostinho
Para outras informações: (31) 3582-6665.
Ingressos nos postos Sinparc e através do site www.vaaoteatromg.com.br
Por Ana Paula Tinoco